30 setembro 2010

Morrer pelos bancos

Enquanto em Portugal ainda não tenha acabado a festa após a apresentação das medidas de austeridade, a Irlanda oferece um bom retrato do que é hoje o mundo ocidental, as suas prioridades e também as perspectivas.

O governo irlandês já tinha injectado quase 23 bilhões de Euros nas anémicas caixas do Anglo Irish Bank, um banco privado.

Lembramos ainda uma vez, só para não perder a noção das coisas: 23 bilhões de dinheiro público.

Mas o Anglo Irish é uma espécie de poço sem fundo: assim, hoje, o governo irlandês preencheu um novo cheque, pela módica quantia de cerca de mais de 30 bilhões de Euros.

Mas não só.
Já que nos cofres do Estado ainda sobravam alguns trocos, o governo decidiu não desperdiçar nada e distribuir estes também.
A quem? A outros bancos, claro: Nationwide Building Society e Allied Irish Bank.
Assim o total atinge o valor recorde de 50 bilhões de Euros.

Uma vez acabado, o governo fez duas contas e reparou num pormenor: 50 bilhões de Euros correspondem a um quinto do PIB nacional. É um montante superior aos impostos pagos pelos cidadãos, ovelhas incluídas.
Não só: o rácio deficit/PIB voa até um pirotécnico 32%!!!

Mas enfim, que poderia ser feito? O que está em jogo não é o sistema de saúde, de educação ou as reformas: são os bancos privados.
Melhor subtrair recursos aos hospitais ou às escolas, mas não aos bancos, disso não temos dúvida.
Assim: em frente.

Os bancos, óbvio, não falam. E não têm necessidade de faze-lo, pois a posição destes é clara: criaram as condições para o despoletar da crise, agora têm só que sentar-se e ver os outros entregar dinheiro. Pois a alternativa é o colapso do sistema bancário.

Uma breve parêntese: mas os bancos europeus não tinham ultrapassado de forma brilhante os stress-test do passado 26 de Julho? Não da década passada, mas há dois meses atrás.

Vamos ler quanto escrito na altura:
Então?  Neste blog não se fala dos stress-test?
Ontem primeiras páginas nos jornais e aqui nada?
Bom, admitimos: a ideia era ignorar os testes. Porquê? Porque inúteis.
Os stress-test foram uma manobra político-económica no tentativo de acalmar os mercados e dar confiança. Nada mais.
[...] com parâmetros mais realísticos muitos bancos (54? Nada mal...) não teriam conseguido passar os testes. 
Pois.

A União? Sempre às ordens!

Por enquanto a União Europeia julga não ser necessário ajudar a Irlanda. Mas, como acrescenta Jean-Claude Juncker, o comissário de Assuntos Económicos e Monetários, o fundo de ajuda
 está completamente operativo
O que, traduzido, significa: sempre prontos para que as dívidas dos bancos privados possam ser pagas por todos os cidadãos da União.

Ipse dixit.


Fontes: Il Sole 24 Ore, Época Negócios

1 comentário:

  1. Max fiquei estupefacto à bocado com esta noticia.
    Creio que a crise está bem montada e encenada, estouram com os estados nação e parece que está tudo cego tudo anestesiado.
    De dia para dia creio que as coisas estão a ficar sem jeito nenhum.
    Creio que vem aí batatada da grossa.
    Agora gostaria que me explicasses porque motivo precisa a PSP de blindados?
    Deve ser para ir aos gambuzinos...

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...