01 dezembro 2010

Depois dos Pigs

Os Pigs, ainda eles: Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha.
E depois?

Dado como certo o afundamento de Portugal, é a vez dum obstáculo bem maior: Espanha. Nenhum dos Países até agora falidos (e utilizamos o termo correcto, ora essa) pode ser comparado com a "bolha" de Madrid.

Mas com os "hermanos" espanhóis acabam os Pjgs e os sofrimentos da União Europeia?
Nem por isso. Já é possível vislumbrar um post-Pigs aterrador.

E não são fantasias de blogueiros à procura de notícias bombásticas.



Deven Sharma, presidente da Standard & Poor´s:
Nesta altura a França merece o rating AAA
A França? Mas quem falou na França?

Baroin, porta-voz do presidente Sarkozy:
Nenhum risco de downgrade para a França.
Yahoo Notícias:
A França não está ameaçada pelos mercados financeiros e no plano económico não é possível compara-la à Irlanda. É quanto afirmado pelo ministro das finanças francês, Lagarde.

Ok, ok, já percebemos. Mas porque todas estas negações? Até agora ninguém tinha falado de Paris.
Até agora.

Um passo atrás, até ontem. Blog de Paul Kedrosky:
Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal (GISP), são pequenos em termos de PIB em relação à Alemanha e França.
Mas os seus sistemas bancários cresceram até ficar muito grande (por exemplo, um "corte de cabelo" de 20% sobre a exposição do banco francês para os Países PIGS varreria o capital do banco francês).
"Corte de cabelo"? Ok, não interessa por enquanto: o sumo do discurso é que os bancos franceses (mas não só!) resultam fortemente expostos perante os sistema bancários dos Países sem risco.
Quando se fala de Pigs, muitas vezes é esquecido este pormenor: os institutos bancários são todos interligados.

Eis explicado o porque desta "generosidade" nos resgates de Países como Grécia ou Irlanda; eis explicadas as pressões (negadas, por enquanto) para que Portugal aceite o plano de salvamento do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional.

Nada de espírito altruísta, mas medo para a posição dos próprios bancos.

Dúvidas? Então vamos com alguns dados.

Vamos ver quais bancos são mais expostos à dívida dos Pigs, em ordem decrescente (o primeiro é o mais exposto):

1 National Bank of Greece (Grécia)
2 EFG EuroBank (Grécia)
3 Alpha Bank (Grécia)
4 Bank of Ireland (Irlanda)
5 Dexia (Bélgica-França)
6 Commerzbank (Alemanha)
7 Societe Generale (França)
8 BNP Paribas (França)
9 RBS (Escócia)
10 Banco Santander (Espanha)
11 Credit Agricole (França)
12 Banco Pastor (Espanha)
13 Intesa SanPaolo (Italia)
14 Banco Popular (Espanha)
15 BBVA (Espanha)
16 Barclays (Espanha)
17 UniCredit (Italia)
18 HSBC (Inglaterra)
19 Nordea (Suécia)
20 Banco de Sabadell (Espanha)

Quatro bancos franceses na parte alta da classificação, dos quais um (BNP Paribas) é o maior do mundo e fica em oitava posição. Todos podem ver o próprio lucro reduzir-se até desvanecer caso algo corra mal.

Nada mal também a Alemanha que com a Commerzbank ocupa o sétimo lugar.

Quanto aos restantes bancos: os gregos e o irlandês na prática estão falidos e sobrevivem só graças às ajudas financeiras. Os últimos 5 bancos, os menos expostos, pelo contrario não estão em risco.

Resumindo: deixar falir um dos Pigs não é viável. Não porque seja impossível mas porque os bancos perderiam demasiado.

Alguma vez ouviram falar de bancos que perdem dinheiro?

Ipse dixit.


Fontes: Il Grande Bluff, Paul Kedrosky, Business Insider

1 comentário:

  1. Conforme eu tinha referido há uns tempos atrás os próximos dias podem trazer noticias surpreendentes com a Bélgica, o Luxemburgo e a Holanda no cerne da questão...
    Talvez se afundem antes de nós.
    A Espanha já está próxima de Portugal e garantiram-me que a situação da Bélgica pode ser pior que a nossa.
    Eis a debacle da civilização ocidental Max.
    Isto para não falarmos do Wikileaks.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...