11 dezembro 2010

Os limites

Se há uma coisa da qual não se pode duvidar é o crescimento económico.
Podemos duvidar de tudo: dos bancos, dos governos, dos investidores. Mas do dogma do cresceminto não, nunca. As economias dos nosso Países têm obrigatoriamente que crescer, sempre.

E quando não crescem? Tragédia, estagnação ou até recessão.
Pois toda a nossa economia, sem excepções, é construida sobre a ideia dum constante e infinito crescimento.

Há todavia um problema: nós vivemos num mundo finito.
A Terra é redonda, não é um plano sem limites. Os limites existem, e não só geograficamente.
Há, por exemplo, os limites dos recursos, que não são infinitos.




Prosperidade sem crescimento para um planeta finito

Tim Jackson
Tim Jackson é Professor de Desenvolvimento Sustentável e director do Grupo de Pesquisas sobre Estilos de Vida, Valores e Meio Ambiente na britânica Universidade de Surrey; também é encarregado da direcção económica da Comissão de Desenvolvimento Sustentável da Grã-Bretanha. E é assessor do governo nessa área
 
As suas contas são simples: como podemos imaginar um mundo em que 9 bilhões de pessoas (o total dos seres humanos em 2050, segundo as estatísticas das Nações Unidas) podem atingir um nível de riqueza e de abundância igual ao das nações da OCDE?

Jackson lembra, como fizeram muitos outros ilustres estudiosos antes dele, que seria precisara uma economia 15 vezes a actual (75 vezes a de 1950) até 2050 e igual a 40 vezes a actual (200 vezes a de 1950) até o final do século para que isso possa tornar-se realidade.

Mas como alcançar um tal nível? É viável? É possível realizar uma tal visão de prosperidade partilhada e sustentável?

Se olharmos para o mundo actual, é evidente que algo não bate certo. Desde 2008 os Países Ocidentais estão mergulhados numa crise da qual não conseguem sair: se falar de retoma agora é um sonho, o bem estar de 9 milhões de indivíduos é puro delírio.

Mas esquecemos por um segundo as condições actuais:mesmo que as nossas economias funcionassem, onde encontrar os recursos?

No seu novo livro, Prosperity Without Growth. Economics for a Finite Planet (Prosperidade sem crescimento, economias para um planeta finito), Jackson afirma: 
Na maioria dos casos, evitamos encarar a dura realidade dos dados. Assumimos que, apesar da crise financeira, o crescimento vai continuar indefinidamente, não só para os Países mais pobres, onde é inegável que é precisa uma melhor qualidade de vida, mas mesmo nos Países ricos, onde a abundância de riqueza material agora tem apenas um impacto mínimo sobre a felicidade e, de facto, começa a ameaçar os alicerces de nossa prosperidade.
É bastante fácil ver as razões desta cegueira colectiva [...] A estabilidade da economia moderna depende a um nível estrutural do crescimento económico. Quando o crescimento vacila, como aconteceu dramaticamente nos finais de 2008, os políticos entram em pânico. As empresas lutam para sobreviver. As pessoas perdem os empregos e, às vezes, a casa. A espiral de recessão incumbe. Questionar o crescimento é algo considerado louco, de idealistas ou revolucionários. Mas temos que questiona-la. A ideia duma economia que não cresce pode ser um anátema para os economistas. Mas a ideia duma economia em crescimento constante é um anátema para os ambientalistas. Nenhum subsistemas dum sistema finito pode crescer indefinidamente: é uma lei física. Os economistas deveriam ser capazes de explicar como pode uma economia em crescimento caber dentro de um sistema ecológico finito.
Os economistas têm uma arma para explicar e tornar possível uma economia com crescimento infinito.
Esta arma tem o nome de decoupling. O que é isso?


O decoupling


A ideia do decoupling (dissociação) é a seguinte: criar as condições para que a economia possa crescer dissociada do fluxo dos recursos. Isso é, uma economia que tem um impacto extremamente reduzido sobre o meio ambiente, ou até nulo, pois para crescer não precisa perfurar o fundo do oceano para obter o petróleo, abater árvores para o papel, queimar carvão para a energia.
A economia do decoupling não funciona com os recursos naturais não renováveis..

Então funciona com quê?
Este é o pequeno pormenor que ainda cria problemas: ninguém sabe responder.
Com certeza, uma economia de decoupling funcionará, por exemplo, no mercado das energias renováveis. Ma depois?

O decoupling ainda não deu resultados e difícil imaginar se, quando e como será capaz de funcionar.

A realidade, que incomoda, é que hoje enfrentamos o fim iminente da era do petróleo barato, a perspectiva dum aumento dos preços das commodities (os bens), a deterioração progressiva de água, ar e terra, dos recursos hídricos, florestais, conflitos acerca dos direitos da pesca, o importante desafio de estabilizar o clima global, travar as mudanças globais que iniciámos em todos os sistemas naturais ao longo de décadas.
 
E, lembra Jackson, tudo isso no meio duma economia em crise, com uma desesperada necessidade de renovação.

Soluções?
Sim, uma: reconstruir o edifício.
Qual edifício? O nosso, o modelo de sociedade onde vivemos. Mas é um trabalho não indiferente.

É preciso repensar não só a nossa economia, mas toda a estrutura de valores que acompanhou o homem ao longo dos últimos tempos. Substituir a satisfação vendida com os bens materiais por novos objectivos, como a felicidade das nossas famílias, por exemplo. Pensar mais nos outros, nos mais desfavorecidos. Ter uma politica diferente, cujo fim não seja um crescimento a qualquer custo, mas uma sociedade sustentável para um bem estar duradouro e não limitado à uma minoria.

Mas o ponto de partida será sempre o mesmo: duvidar da ideia dum crescimento infinito.

O livro, como afirmado, tem o título de Prosperity Without Growth. Economics for a Finite Planet e a boa notícia é que o leitor não vai gastar dinheiro para adquiri-lo pois ainda não foi traduzido (deverá ser publicado nos mercados lusófonos só em 2011); se, pelo contrário, o leitor nasceu gastador e percebe o Inglês, pode encontrar o livro em língua original na Amazon, com um custo de 15 Dólares.

Não querem mesmo gastar um cêntimo?
Ok, neste acaso esperem para ler uma entrevista com o autor. Aqui, em breve.

Ipse dixit.



Fonte: GreenReport.it, MegaChip, Amazon

9 comentários:

  1. NunoSav11.12.10

    A solução mais famosa, penso eu, é o Venus Project de Jacque Fresco apresentada ao mundo em Zeitgeist. Sou a favor do projecto mas não se pode pensar que como está é o ideal, seria um bom inicio mas provavelmente sujeito a alterações...

    Já que falaste no Petróleo fica aqui o novo episódio de Conspiracy Theory:

    http://www.youtube.com/watch?v=lZB4m5QBOt4

    ResponderEliminar
  2. NunoSav11.12.10

    Bah depois de me dar ao trabalho de fazer o upload é que ele aparece noutros canais, versão completa para quem preferir aqui:

    http://www.youtube.com/watch?v=ICnH4JbXn7s&feature=sub

    ResponderEliminar
  3. Também não tive tempo para ver, mas amanhã vou fazer isso.

    O Venus Project é interessante e assustador.
    Quando vejo imagens de cidade do futuro, enormemente altas, fico com medo. Deve ser qualquer filme de ficção que deixou marcas.

    Mas, como tu dizes, seria um bom inicio, disso não hã dúvida.

    Eu acho que o Homem vai chegar até la. Sempre que consiga não extinguir-se antes, claro.
    Mas, eventualmente, é um discurso para os netos dos netos dos nossos netos.
    Sempre disse de ter nascido na época errada... :(

    ResponderEliminar
  4. O Venus Project é a globalização no seu extremo, com um governo central a mandar em tudo. Para não falar das ligações que o senhor jacques fresco tem com as Nações Unidas de quem tem vindo a receber fundos para o Venus Project...

    http://www.youtube.com/watch?v=JaeNQHoesmI

    Não acreditem em nada, questionem tudo!

    ResponderEliminar
  5. Ah, por isso eu ficava assustado!

    ResponderEliminar
  6. NunoSav14.12.10

    *face palm*

    Não é por eu ver o Ron Paul a colaborar com, por exemplo, Alan Grayson numa lei qualquer para reduzir gastos ou seja lá o que for que eu vou dizer "RON PAUL DE BRAÇOS DADOS COM OS DEMOCRATAS!!!!!!!!!!!!" O video falhou, para mim, provar (...).

    Globalização de que eles falam não é algo que eu opine, definitivamente de momento com a mentalidade que a nossa sociedade partilha não é possível mas se trabalharmos para uma população educada e informada globalização pode se tornar uma muita boa opção ou então manter a ideia actual, nações soberanas ligadas entre si através das Nações Unidas que serviria como plataforma para interesses comuns.

    Desconfio que não haja uma personalidade que não tenha dois lados da história na Internet, provavelmente até o Ghandi é NWO para alguém na internet. Até o Max já deve ter algum "arch enemy" ...

    Não é minha intenção defender o Project Venus ou Zeitgeist, mas dizes "Não acreditem em nada, questionem tudo!" portanto achei por bem opinar, visto que o link que deste é fraco e acho que foi feito por "Keith Truth" e se estiver certo acabei de dizer tudo ^^

    Venha Politica/Economia/Educação/Tecnologia sustentável para ver se evoluímos.

    ResponderEliminar
  7. Quem é Keith Truth?

    Conheço Keith Moon, Keith Emerson, mas esta Truth desconheço.

    Não respondam, vou procurar no Google :)

    O bom de estar na internet é que nunca acabamos de aprender.

    ResponderEliminar
  8. Acabei de encontrar Keith Truth.

    É um Ministro Apologético Reformados e vê Lúcifer em qualquer lado.

    Espero haja um tratamento para casos como este.

    ResponderEliminar
  9. O vídeo não foi feito por esse Keith Truth nem sequer o conhecia. É uma entrevista a Roxanne Meadows, parceira de Jacques Fresco desde 1970. Onde ela no principio nega o envolvimento do Venus Project com as Nações Unidas e logo de seguida diz que tiveram contactos com as Nações Unidas...
    Sim, também não é por ver que depois do 25 de Abril grande parte dos políticos que estiveram no governo desde então eram maçons, que isto chegou ao estado que chegou.

    Também não é por a União Europeia nos obrigar a importar produtos que podiamos muito bem produzi-los em portugal a muito menor custo que a União Europeia é má.

    Não é pelo nosso governo investir em TGV's, Aeroportos, Submarinos em vez de investir numa frota piscatória que o nosso governo não tem a menor ideia do que boa gestão, ou secalhar têm e não o fazem por alguma razão.

    Globalização acaba sempre em duas coisas: colapso e guerra.

    Nunca hás-de ter uma população educada e informada enquanto o nosso sistema educativo continuar a estupidificar e a criar robots sem massa cinzenta para pensarem por eles próprios.

    Evolução? Evoluir para onde? Já pensaste o quanto custará a nossa "evolução" às gerações vindoras? Precisamos é de voltar às origens, criar comunidades em vez de sociedades onde as pessoas se entreajudam e não passam pelas escadas do prédio olhando de lado com inveja porque essa pessoa tem o carro x e ela tem o carro y. Não precisamos deste gadgets todos que eles nos querem vender. Só servem para escravizar uma carrada de desgraçados num país qualquer nem percebemos a língua. É isso que a nossa "evolução" trás... escravatura!

    As pessoas precisam de aprender a auto governar-se só assim seremos realmente livres.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...