25 janeiro 2011

K'ung-fu-tzu


Em Pequim, a China de ontem e a China de hoje encontram-se na praça Tian'anmen.

A continuidade é experimentada na maior praça do mundo, o coração político da República Popular da China (RPC), perto  das salas da Cidade Proibida.

Poucos dias atrás, em Tian'anmen foi inaugurada uma estátua de Confúcio, o mestre da Antiguidade.

À primeira vista, parece desafiar o enorme retrato de Mao Zedong, o pai da China moderna, acima do Portão da Paz Celestial, ou competir a atenção com o monumento aos Heróis do Povo.

Em verdade deseja convencer, como um símbolo de definição da identidade nacional chinesa.

A China entrou no terceiro milênio com a economia que mais cresce no mundo. Hu Jintao apresentou-se  à Casa Branca como o líder da segunda economia mundial, que aspira ao papel de superpotência, mas que tem de lidar com as responsabilidades e os desafios internacionais e domésticos.
 
Hu, de facto, é o líder de um gigante de mil faces, abalado por conflitos sociais, preocupado com a invasão da cultura ocidental e a perda da identidade cultural.



Neste contexto, com 17 toneladas de bronze e oito metros de altura, a receita dos líderes de Pequim, na corrida para um futuro cheio de incertezas, prevê a reintrodução da a antiga sabedoria para redefinir a missão ideológica da República Popular da China, mais de seis décadas após a sua fundação.

Se a boa governança deriva da evolução pacífica da sociedade, se a evolução pacífica da sociedade deriva das relações hierárquicas e dos sentimentos de submissão e lealdade, então o filósofo que viveu entre o quinto e o sexto século a.C. tem o direito, devem ter pensado nos corredores vermelhos do poder, de ter um lugar de honra no lado oriental de Tian'anmen.

A reabertura oficial aos preceitos do confucionismo pode ser interpretada como o sinal de uma busca por um sistema de valores, na ausência de uma ideologia unificadora sustentável na século XXI.

A intenção dos dirigentes da RPC é sempre promover o ideal de uma "sociedade harmoniosa", alimentando o culto do respeito pela autoridade entre mais  de 1.000 milhões de pessoas.

A tarefa não é fácil. Mas lembrar que a harmonia social só é assegurada se todos aceitarem o próprio papel, ajuda a economizar energia e a sua "essência": a antiga civilização ameaçada, acredita-se, a partir do exterior.

Num momento de profunda mudança social, agarrar-se ao passado ajuda a lidar com os efeitos da globalização, com as desigualdades criadas pela economia do mercado, com o triunfo do materialismo e do consumismo, com o espectro das ameaças à unidade nacional

Kung Fu Tsu, o Mestre Kung, é um dos mais populares sábios chineses da antiguidade e, acima de todo, do resto do mundo. É o primeiro nome da literatura chinesa.

Confúcio já é o embaixador da cultura chinesa no planeta: para promovê-lo, juntamente com a linguagem, nos últimos anos a RPC abriu mais de 320 Institutos Confúcio em todo o mundo.

Na China, voluntários, com incentivo poderoso, dedicam-se à descoberta do filósofo de Qufu, em centros de acolhimento para os jovens. Nos últimos anos, livros e filmes têm sido dedicados ao sábio da antiguidade. É o chamado de "renascimento confuciano".

Azarado com os senhores feudais do seu tempo, o mestre Kung foi redescoberto graças ao trabalho dos seus discípulos, que completaram o seu trabalho e recolhidos os seus pensamentos.

Confúcio foi reverenciado e atacado pelos altos níveis do poder durante os séculos da história chinesa de forma quase cíclica. O Confucionismo foi a ideologia oficial do império sob a dinastia Han (206 a.C. - 220 d.C.).

Após a abolição dos exames imperiais em 1905 para o recrutamento dos funcionários, o Movimento de 4 de Maio (1919) condenou o filósofo e o seu pensamento.

No começo do século XX, o antigo sábio foi acusado de ajudar a manter no atraso o País pelas suas ideias conservadoras e hierarquias.

A alternância entre amor e ódio continuou até as últimas décadas do século XX, quando contra o legado de Confúcio, visto como um reaccionário, irrompeu a violência dos Guardas Vermelhas. Depois da reabilitação.

Agora o regresso oficial de Confúcio na China, com uma enorme estátua confeccionadas pelas mãos do famoso escultor Wu Weishan, pode ser considerado um evento que selou a sua re-descoberta.

Longe estão os dias do culto da personalidade; num momento em que a "demaoização" real é impossibilitada pelo poder do partido único, reviver o culto do antigo mestre envolve uma análise do significado do Confucionismo no século XXI.

Numa nova leitura do pensamento de Confúcio, com o seu interesse para melhorar o indivíduo em função da sociedade, também é possível encontrar legitimidade para as decisões futuras.

Como afirma um dos provérbios de Confúcio, "Quem voltando ao antigo, aprende o novo, pode ser considerado um mestre."


Fonte: Limes
Tradução: Informação Incorrecta

Sem comentários:

Enviar um comentário

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...