16 janeiro 2011

Quatro cenários para o fim dos Estados Unidos - Parte IV




Quarta parte do artigo dedicado aos quatro possíveis cenários para o fim da potência americana.

Boa leitura! 
Terceira Guerra Mundial: situação actual

No verão de 2010, as tensões militares entre os EUA e a China começaram a subir no Oeste do Pacífico, uma vez considerado um "lago americano".
Até um ano atrás, ninguém poderia ter previsto esse desenvolvimento.

Da mesma forma em que Washington jogou a aliança com Londres para a posse da grande parte do poder mundial da Grã-Bretanha após a Segunda Guerra Mundial, assim a China está a usar os lucros do próprio comércio de exportação com os Estados Unidos para financiar um desafio militar para o domínio sobre o interior da Ásia e no Pacífico.



Com o crescimento dos seus recursos, Pequim reclama uma ampla faixa marítima, desde a Coreia até a Indonésia, zonas há muito dominadas pela Marinha dos Estados Unidos.

Em Agosto, depois de Washington ter exprimido um "interesse nacional" no Mar da China do Sul e ter realizado exercícios navais na mesma área com o fim de reforçar a própria presencia, o Global Times de Pequim reagiu furiosamente, dizendo: "o desafio de wrestling EUA-China acerca da questão do Mar do Sul da China tem aumentado o nível do desafio para decidir quem será o verdadeiro dominador do planeta".

No meio destes tensões crescentes, o Pentágono informou que Pequim tem agora "a capacidade de atacar os porta-aviões [dos EUA] no Pacífico Ocidental" e atingir "as forças nucleares em todos os Estados Unidos continentais".
Ao desenvolver "capacidades ofensivas nucleares, espaciais e informáticas" a China parece determinada a competir pelo domínio do que o Pentágono chama de "o espectro informativo em todas as dimensões da moderna batalha espacial".
Com o continuo desenvolvimento dos poderosos foguetes booster Longa Marcha V, bem como com o lançamento de dois satélites em Janeiro de 2010 e outra em Julho , para um total de cinco, Pequim informou que o País está progredindo de forma rápida para uma rede "independente" de 35 satélites de posicionamento global e comunicações até 2020.

Para controlar a China e alargar a própria posição militar no mundo, Washington está disposta a construir uma nova rede de robótica espacial, capacidades avançadas de vigilância electrónica e guerra cibernética.

Os organizadores militares esperam que este sistema integrado para envolver a Terra numa rede cibernética capaz de cegar os exércitos no campo de batalha ou encontrar um único terrorista num campo ou favela.

Em 2020, se tudo correr conforme os planos, o Pentágono vai lançar um escudo com três níveis de drones no espaço, que desde a estratosfera alcance a exosfera, armados com mísseis ligados à um sistema modular flexível de satélites, e geridos através da monitorização telescópica.

No Abril passado, o Pentágono fez história: ampliou as operações com drones  na exosfera, ao lançar a nave espacial não-tripulada X-37B numa órbita baixa de 255 quilómetros acima do planeta.
O X-37B é o primeiro duma nova geração de veículos não tripulados que marcará a militarização total do espaço, criando uma futura arena de guerra, diferente de tudo que a precedeu.


Terceira Guerra Mundial: Cenário 2025

A tecnologia de guerra espacial e da cibernética é tão nova e não testada que até mesmo os cenários mais bizarros em breve poderão ser substituídos por uma realidade que ainda é difícil de conceber.

Se simplesmente utilizarmos os mesmos tipos de cenários que a Força Aérea utilizou para o seu Future Capabilities Game de 2009, no entanto, podemos conseguir "uma melhor compreensão de como o ar, o espaço e o ciberespaço ficam sobrepostos em guerra" e assim começar a imaginar como poderia realmente ser combatida a próxima guerra mundial.

23,59 de Quinta-feira, dia de Ação de Graças em 2025. Enquanto os compradores de computadores batem os portais dos hipermercados para os grandes descontos dos electrodomésticos mais recente fabricados na China, os técnicos da Air Force no Space Vigilância Telescope (SST) de Maui fica em alerta quando os grandes ecrãs de repente mostram o preto.
Milhares de quilómetros de distância e no centro de operações CyberCommand, no Texas, os soldados imediatamente identificam os códigos maliciosos nos computador: códigos anónimos mas ainda com as impressões digitais distintas do Exército de Libertação do Povo Chinês.

O primeiro tiro é o que ninguém havia previsto. Um malware chinês assume o controle da robótica a bordo dum desconhecido drone Vulture americano , alimentado por energia solar, enquanto voa a 70.000 metros sobre o estreito de Tsushima entre Japão e Coreia. De repente, dispara todos os carregadores de misseis que precipitam sem danos no Mar Amarelo: uma arma formidável desarmada.

Determinada a combater o fogo com fogo, a Casa Branca autoriza um ataque de retaliação.
Confiantes de que o próprio sistema de satélites F-6 seja impenetrável, os comandantes da Força Aérea na Califórnia transmitem os códigos para a frota de drones espaciais X-37B em órbita 250 milhas acima da Terra, ordenando o lançamento dos mísseis Triple Terminator contra os 35 satélites chineses.
Nenhuma resposta dos drones, o ataque falhou.

Quase em pânico, a Força Aérea lança o seu Falcon Hypersonic Cruise Vehicle 100 quilómetros acima do Oceano Pacífico e, em seguida, mas apenas 20 minutos depois, envia os códigos para disparar mísseis contra sete satélites chineses em órbitas não distantes.
Os códigos de lançamento são subitamente inoperantes.

Enquanto o vírus chinês se espalha de forma descontrolada através da arquitectura dos satélites F-6 e os supercomputadores de segunda classe norte-americanos não conseguem quebrar o código do malware diabolicamente complexo, os fundamentais sinais GPS para a navegação de navios e aviões dos EUA em todo o mundo estão comprometidos.

Frotas de porta-aviões começando a virar sem rumo no meio do Pacífico.
Esquadrões de caça ficam no chão.
Aeronaves Reaper Drones voam sem destino em direcção ao horizonte, caem quando o combustível esgota.

De repente, os Estados Unidos perdem o que a Força Aérea longamente definiu como "elevado fundamento último": o espaço. No prazo de poucas horas, o poder militar que dominou o mundo durante quase um século foi derrotado na Terceira Guerra Mundial, sem uma única vítima humana.


Acaba aqui a quarta parte.
Muito em breve e quinta e última.

As anteriores:
Parte I
Parte II
Parte III

1 comentário:

  1. Muito interessante esse prognóstico. Pena que o futuro seja tão obscuro. Apesar dos pesares, os EUA levarão muitos para o buraco consigo.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...