13 março 2011

A Grande Mentira - Parte I



O leitor deseja fazer algo de útil e inteligente? Agora mesmo?

Então é só seguir as indicações:
1. Pegue nos livros de História que estão na sua casa.
2. Individue os últimos capítulos, os que falam da história moderna, desde 1970 até hoje.
3. Rasgue e deite no lixo.

Já está. O leitor acabou de fazer uma coisa muito inteligente: porque a História como foi contada desde a década dos anos '70 até hoje é apenas mentira.

O leitor continua com dúvida? Pegou nos livros mas ainda não tem a coragem para estragar uma edição tão bonita?

Então venha comigo, siga-me nesta curta viagem, no final da qual perceberá porque o que ensinaram nas escolas, a versão oficial, não passa duma piedosa mentira que tem um único objectivo: impedir que o cidadão possa perceber que o Estado, assim como contado, foi destruído há muito tempo.


A data

Se o leitor tivesse que escolher uma data importante após o fim da Segunda Guerra Mundial, que data escolheria?
Falamos, óbvio, duma data que marcou de maneira indelével a nossa sociedade, que mudou o rumo dos acontecimentos.

20 de Julho de 1969, o Homem na Lua?
9 de Novembro de 1989, a queda do Muro de Berlim?
1990, a Primeira Guerra do Iraque?

Todos acontecimentos importantes, sem dúvidas. Mas a data que deveria merecer o destaque maior seria outra: 15 de Agosto de 1971.

Naquele dia, o então Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon,decretou o fim da convertibilidade entre Dólar e ouro. Em breve, todos os outros Países fizeram o mesmo.

O que significa isso?


A nota

Observem a seguinte imagem:



Nesta antiga nota da República Italiana é possível encontrar a seguinte frase: "Pagabili a vista al portatore", que podemos traduzir como "Pagáveis à vista ao portador".
Uma nota pagável? Qual o sentido? Uma nota já é dinheiro, com que se pode pagar uma nota?

Estas perguntas parecem óbvias: e isso já é um preocupante indício do estado no qual a nossa sociedade se encontra e do condicionamento ao qual somos submetidos.

Por isso, parece normal o facto desta frase ter desaparecido: já não pode ser encontrada em nota nenhuma. Normal? Absolutamente não, vamos ver porquê.

O dinheiro, em teoria, é uma forma de pagamento, nada mais do que um meio de pagamento: o dinheiro não é riqueza, deveria representar a riqueza. Complicado? Nem por isso.

É mais prático comprar 6 ovos com barras de ouro ou com notas? Com notas, evidente. Por isso foi inventado o dinheiro: uma nota representa uma determinada quantia de ouro, uma riqueza real.

Até 1971, o portador duma nota de 1.000 Lire, a mesma da figura anterior, poderia entrar em qualquer banco, público ou privado, e exigir o pagamento da nota. Como? Com ouro.
O portador apresenta a nota e o banco troca a nota (o meio de pagamento) com a riqueza real, o ouro (do qual a nota é apenas uma representação).

"Pagáveis à vista ao portador" significa isso mesmo: a nota é um meio de pagamento que representa a riqueza, o ouro, guardado nos bancos. Simples, não é?


O papel

Isso, tal como dito, até 1971 (em verdade a Lira perdeu a convertibilidade mais tarde, e o mesmo aconteceu com o dinheiro dos outros Países: mas vamos simplificar).

A partir da decisão de Nixon, já não é possível entrar num banco e pedir para que a nota seja paga: o banco não vai trocar a nota do leitor com ouro. Isso porque o Dólar e as outras notas já não representam uma riqueza real. Porquê?

A convertibilidade (uma nota = uma determinada quantia de ouro) implica que por cada nota emitida exista o correspondente valor em ouro.
Eu, Estado, tenho 1.000 quilogramas de ouro; cada quilogramas vale 1 Dólar, então vou emitir 1.000 Dólares em notas. Assim, cada Dólar representa exactamente 1 quilo de ouro.

Mas quando a convertibilidade já não for a regra? Acontece uma coisa espantosa: o Estado pode emitir um número ilimitado de notas, pois estas já não representam a real quantia de ouro na posse do Estado.
Então representam o quê?

Este é o problema: representam nada, nada mais do que o papel das quais são feitas.

Com convertibilidade: 1 Dólar = 1 Quilo de ouro
Sem convertibilidade: 1 Dólar = papel e nada mais.

"Tá bom", pode pensar o leitor, "afinal esta não passa duma questão de contabilidade, um mero aspecto financeiro".
Não, não é assim: a diferença entre um sistema baseado na convertibilidade e um sistema sem a convertibilidade tem implicações extremamente profundas: tão profundas que abalam os alicerces da nossa sociedade e põem em discussão o nosso papel enquanto cidadãos.

Exagerado? Vamos em frente.


Salários de papel

Se uma moeda perder a convertibilidade, como vimos, deixa de representar a real riqueza, o ouro. De facto, deixa de representar qualquer coisa: num sistema sem convertibilidade a moeda torna-se a real riqueza.
Mais moedas? Mais riqueza. Menos moedas? Menos riqueza.

Mas será mesmo assim? Não, não é assim. Esta é a versão que os Estados querem transmitir. A verdade é bem diferente.

Se a moeda fosse a verdadeira riqueza, seria suficiente que um Estado tivesse os cofres cheios de notas para ser um Estado rico. Mas ainda hoje, a riqueza dum Estado é calculada com base na reserva áurea, isso é, na quantia de ouro que efectivamente detém.

Mais ouro? Mais riqueza. Menos ouro? Menos riqueza.

Mas então a moeda, as notas, quanto valem? Resposta: nada.
Esta é uma das realidades que bancos e Estados não querem divulgar.

Até 1971, cada trabalhador era pago com notas que representavam uma riqueza real, mantida nos cofres dos Estados. No final do mês, o trabalhador recebia como salário uma pequena percentagem da riqueza do próprio País, pois cada nota representava uma riqueza real.

Depois de 1971, cada trabalhador recebe papel, que já não representa nada, ao não ser o papel da qual a nota é feita. Hoje trabalhamos e no final do mês somos "premiados" com papel.

Acham isso um factor secundários? Se o leitor pensar isso, então tente responder à seguinte pergunta: para onde foi todo o ouro, a verdadeira riqueza?
Mas disso vamos falar mais à frente. Por enquanto vamos ver um dos outros efeito da perda da convertibilidade.


A Res Publica

Um salto atrás.
O termo "República" deriva do Latim Res Publica, isso é, "coisa pública, de todos". É uma ideia bastante antiga que remonta aos tempos dos Gregos clássicos, pois foram eles os primeiros a utilizar o conceito.

Passados mais de 2.000 anos, hoje a maioria dos Países são Repúblicas e mesmo os Estados de tipo monárquico têm constituições que permitem a decisiva participação dos povos nas decisões do próprio País.

Uma maravilha, não é?
Agora, pensamos nisso: numa República, o Estado gere a res publica, isso é, a coisa pública, de todos. Como a riqueza, por exemplo.

De facto, um dos deveres de qualquer Estado é a administração dos recursos de todos os cidadãos para o fornecimento de serviços em favor de todos os cidadãos.

Mas se o Estado deixar de gerir tas recursos? Se o Estado deixar de administrar a real riqueza dos cidadãos? Se o Estado começar a utilizar uma outra fonte de riqueza, não criada pelos cidadãos? E se os cidadãos não estiverem devidamente informados acerca da real situação? Podemos ainda falar em res publica?

Vamos ainda mais em frente: se o Estado criar dinheiro a partir do nada?


Dinheiro do nada

Pois é isso que acontece. Os últimos Quantitative Easing da Federal Reserve foram exactamente isso: centenas de milhões de Dólares criados a partir do nada, literalmente.

O que a Federal Reserve fez foi ligar as impressoras, deixar secar a tinta, e pronto, eis criados rios de notas: quanto ouro representa cada nota assim criada? Zero. Só papel.

Mesmo sistema utilizado na mesma altura pela Bank of England, pelo Bank of Japan, pelo Banco Central Europeu.

Todas notas criadas a partir do nada e distribuídas nos vários Países. Que, desta forma, aceitam, utilizam e fazem utilizar dinheiro que não pode representar a real riqueza do País: representam outra coisa.

Mas que coisa?

Não vamos responder a esta pergunta já. O que interessa agora é o seguinte: um Estado que aceita, utiliza e faz utilizar pelos próprios cidadãos uma riqueza que riqueza não é, pode ainda ser considerado uma República?

Vimos que as notas são imprimidas a partir do nada, não representam riqueza.

Mas nós trabalhamos: então para onde foi a real riqueza produzida pelos cidadãos? Onde está a res publica?


O perigo inflação

Um passo atrás, outra vez.
Após 1971, os Estados ficaram numa situação muito particular: pela primeira vez na história do homem, era possível criar dinheiro de forma totalmente independente da riqueza realmente possuída (o ouro).

É claro, não se pode ligar a impressora e começar a distribuir notas como se nada fosse. As operações de Quantitative Easing têm custos: quantas mais notas houver em circulação, tanto menor será o valor atribuído a cada nota. Isso tem um nome: inflação.

A Federal Reserve e os outros bancos, ao utilizar este sistema, criaram as bases para uma futura vaga inflacionária. Que não acaso começa a surgir. Não há maneira de evitar esta que é uma lei básica da economia e não só.

Por isso, não podemos imaginar Estados que a partir de 1971 começassem a imprimir notas e a distribui-las aos cidadãos de graça.
Cada cidadão teria ficado com quantias enormes de dinheiro, teoricamente ilimitadas: mas teria sido uma falsa riqueza e, sobretudo, de breve duração. Logo os preços teriam começado a subir de forma vertiginosa e a alegada vantagem de ter muitas notas teria sido compensada pela subida dos preços.

É uma situação que já aconteceu: na Alemanha dos anos '20, por exemplo.

Para pagar as dívidas da Primeira Guerra Mundial, o Estado começou a imprimir notas sem ter em conta a real riqueza em ouro; desta forma as dívidas foram pagas, mas o País entrou numa fase de hiper-inflação.

Os preços subiram de forma exponencial e o Estado teve que imprimir notas com valores cada vez mais elevados para permitir que os cidadãos tivessem notas suficientes para efectuar compras. Foram imprimidas até notas com o valor de 100.000.000.000.000 Marcos. De facto, a economia colapsou.

Outros exemplos de hiper-inflação tiveram lugar em alguns Países da América do Sul nos anos '90 e actualmente o Zimbabwe apresenta uma taxa de inflação de 231.000.000% .

Por isso, imprimir dinheiro sem cuidado é uma  medida que não faz sentido.


O Estado como família

Todavia pensamos no seguinte: se o Estado deixar de limitar a emissão de dinheiro consoante a quantia de real riqueza possuída (o ouro), então isso significa que o Estado terá oportunidade de empregar mais dinheiro em bens a favor dos cidadãos. Não de forma descontrolada (perigo inflação), mas de maneira cuidadosa e rentável.

Com o passar do tempo, os investimentos (na educação, na saúde, na formação, nas infraestruturas) começarão a devolver os capitais investidos e com os interesses também.

Com o passar das gerações, os Países poderiam ter-se tornado algo de muito diferente, no sentido melhor.

O caso de Portugal, por exemplo.
O País é obrigado a mendigar dinheiro no mercado dos investimentos, pagando juros altíssimos.

Mas porquê? Porque Portugal não imprime as próprias notas e, sem cair nos erros da hiper-inflação, não alivia assim a situação?

Porque, é explicado, o Estado é como uma família: não pode gastar mais do que ganha. Portugal produz e ganha pouco, por isso pode gastar pouco. Se gastar mais, então são precisos cortes. O mesmo, naturalmente, acontece com todos os Países em dificuldades, começando com os PIGS europeus.

O raciocínio é perfeito, não é possível encontrar falhas. Não acaso é dito e repetido inúmeras vezes.
Bom, se calhar uma falha existe; pequena, mas existe: Portugal e os outros Países não gastam a riqueza que produzem.

Uma vez, com a convertibilidade nota-ouro, era assim de facto (nota: em boa verdade, um País com moeda própria pode gastar até o infinito, sem limites de deficit: mas aqui o discurso é mais complexo e afastado do tema principal) . Mas já não é: como vimos, a moeda já está totalmente "desligada" da verdadeira riqueza, que continua a ser o ouro.

Estes Países gastam outras coisas: simulacros de riqueza, isso é, dinheiro que já não está relacionado com algum valor; dinheiro que pode ser criado a partir do nada; dinheiro que vale nada.


Perguntas

Chegou a altura de fazer algumas perguntas, não é?

Se o Estado pode imprimir dinheiro a partir do nada, como pode o Estado queixar-se do facto de ter pouco dinheiro?

Se o Estado pode imprimir dinheiro a partir do nada, como pode ter dívidas?

Porque o Estado corta os salários, os serviços, os investimentos se o que falta afinal é uma coisa que pode ser imprimida a partir do nada?

Porque o Estado não imprime e investe dinheiro (de forma cautelosa) para criar trabalho e aumentar o nível de vida dos próprios cidadãos?

Se o Estado deixou de desenvolver o próprio papel "republicano", o que é hoje?

Porque o Estado não diz aos cidadãos que o dinheiro utilizado já não é a real riqueza produzida com o trabalho?

Que aconteceu com a verdadeira riqueza, o ouro? Onde está, quem ficou com ele?

Boas perguntas.
E na segunda parte do artigo vamos procurar as respostas.


Ipse dixit.

25 comentários:

  1. Muito Bommmmm, parabéns pelo Post, muito bem explicativo,,, grande abraço.

    ResponderEliminar
  2. Faço minhas, as palavras do Acolon.

    Congratulações, pelo 'blog'.

    Apenas acrescento que, quase seempre, o óbvio não é claro.

    ResponderEliminar
  3. Pois o nosso sistema monetário só tem 40 anos, e a divida vai continuar a aumentar exponencialmente, só resta saber quando isto vai dar o berro!!
    Ao mesmo tempo está a acontecer o maior roubo de riqueza desde a grande depressão, a compra de ouro ás pessoas que se tem de desfazer dele para comer, e em troca dão dinheiro de papel, que pouco valerá daqui a nada.
    Agora pergunto quando o sistema monetário der o berro, como se pagará a divida de papel? será que já estão de olho nas reservas de ouro de Portugal que por sinal são das maiores do Mundo...

    ResponderEliminar
  4. Max, em cheio.
    Acertastes.
    A História é uma farsa.
    Max gostaria de falar contigo sobre outra coisa, o Japão está por terra meu caro e sabes em que dia os factos ocorreram, 11 de Março de 2011.
    Estranha coincidência.
    Só que começam a ser muitas coincidências juntas.
    Desta vez eles abalaram um dos países mais ricos do mundo.
    O Japão estava há algumas semanas debaixo da pressão dos mercados. Tudo isto é medonho meu caro.
    Houve coisas que não escrevi no post no Kafe Kultura. Depois do Tremor de Terra 8,9, mas há quem aponte verdadeiramente para os 9,1 da escala de ritcher, isto significa destruição absoluta para os padrões da construção portuguesa e depois o tsunami, culminando com o meltdown numa Central Nuclear japonesa. Meu caro amigo conforme referistes, não quero acreditar em coincidências, nem na teoria da conspiração, mas que isto começa a cheirar muito mal começa...
    11 de Março de 2011... A data diz-te alguma coisa?
    11032011 para os illuminati deve querer dizer algo.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo post!!

    Isso me lembrou a última aula de história que eu tive ano passado. Meu professor chegou na sala e disse: Agora eu posso parar de contar mentira para vocês.

    Eu e meu pai já conversamos sobre como o dinheiro de papel não vale nada. Nunca tinha entendido muito bem como era isso... Mas agora já sei o quanto nós somos enganados..

    ResponderEliminar
  6. Anónimo13.3.11

    Ilham disse : seu post está ótimo -- simples, didático e...assustador.
    Parece incrível que as pessoas nunca parem para pensar numa questão que afeta tanto a vida de todos. Mas, acho que a alienação é um fenômeno mundial . Aqui no Brasil a população só pensa em carnaval e a escola de samba campeã é que é o grande assunto deste período.

    ResponderEliminar
  7. Porra Max, do caralho seu texto!!! Eu precisava de bases semelhantes para provar pro meu pai que o dinheiro era criado do nada, obrigado, vou usar seu texto para defender minha tese hehehe!

    É muito confusa a ideia de que o dinheiro agora não depende mais de nada... E triste... Quando a bonanza tá exagerada em algum canto, em outro existe sofrimento e escassez.

    ResponderEliminar
  8. Bruno14.3.11

    Max, fenomenal seu post! Ao mesmo tempo mostra que tudo que nos vivemos não passa de um farsa preste a entrar em colapso. Agora a pergunta é, quando?
    Me indigna, as pessoas não saberem como é criado o tal do dinheiro, que ele num tem base nenhuma.
    Achei muito bom você ter lembrado da Alemanha da década de 20. Hoje nós vivemos isso, só que com a consciência dos erros cometidos pela Alemanha, por isso não desandou tudo, ainda...

    Abraços Max

    ResponderEliminar
  9. Vitor14.3.11

    Em vão procurei um adjetivo a altura deste post, Max!

    Desconfio levemente, que com esta estrutura, um grupo pode comprar uma nação com o dinheiro que imprimiu. Visto que o valor da impressão com adição de juros será maior que o impresso, a nação com posse destes papéis, no ato, já entregou sua verdadeira riqueza. Mas para isso, a impressão deste papel não deve estar sob controle da 'nação'. No final, não é de se espantar que além das riquezas materiais, os próprios habitantes também estejam penhorados. O que me leva a pensar se já não somos mercadorias?

    “Se a falsidade reivindica a toda custo a palavra verdade para a sua ótica, o verdadeiro de fato deverá ser encontrado sob os piores nomes" Nietzsche

    ResponderEliminar
  10. Anónimo14.3.11

    Boas..

    Posso aconselhar algum material para responder ás perguntas deixadas no post!

    "Money Masters" http://www.youtube.com/watch?v=Rcbq1dXMS6A

    "Dinheiro como divida"
    http://www.youtube.com/watch?v=NoGZ3-CMzJg

    "Memoria del saqueo"
    http://docverdade.blogspot.com/2009/03/memorias-do-saque-memoria-del-saqueo.html

    (Este ultimo é muito interessante, é uma espécie de espelho da situação actual de País).

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  11. Obrigado, para todos!

    Como costumo repetir: os comentários são a "mola" que empurra o blogueiro para frente. Acreditem: ao fazer algo que é apreciado, a vontade é de manter o nível e tentar ultrapassa-lo.

    Com risco de quedas ruinosas, claro :)

    Mas uma coisa começa a preocupar-me: ninguém critica?

    Critiquem, critiquem!

    E um abraço para todos!

    ResponderEliminar
  12. Olá Carlos!

    Não tinha pensado nisso. De facto, nestes meses estão a multiplicar-se as lojas que trocam ouro pelo dinheiro.
    Outra forma do precioso metal abandonar as mãos dos cidadãos...

    Quanto ao facto de pagar a dívida: acho que ninguém pensa seriamente de pagar a dívida. É só ver os montantes envolvidos...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  13. Olá Mário!

    Acho que amanhã vou escrever algo acerca deste assunto. O que se passou no Japão é aterrador.
    E ainda não acabou com as centrais nucleares.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  14. Olá Anne!

    Assim, em qualquer Países do mundo há docentes que já tentam explicar as coisas quais elas verdadeiramente estão.
    É uma boa noticia, sem dúvida.

    P.S.: estude!

    Abraço!

    ResponderEliminar
  15. Olá Vitor!

    De facto, antecipou a segunda parte do artigo.
    Vendidos? Pois, assim parece...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  16. Olá Anónimo!

    Por acaso (mas nem tanto), nestes dias consultei várias vezes a história recente da Argentina, um bom exemplo do que é a economia hoje e do papel do Fundo Monetário Internacional.

    Agora vou ver os dois vídeos no YouTube. Obrigado!

    E abraço!

    ResponderEliminar
  17. Que o sistema capitalista é falho isso é certo, a grande dúvida, que vale o nobel de economia é, até quando esse sistema autodestrutivo (na minha Opinão) vai durar? e qual é o sistema que deve entrar no lugar!?

    fato é que o socialismo está fora que questão certo!?

    ResponderEliminar
  18. Olá Diego!

    Sim , é uma resposta que vale o Nobel, sem dúvida.
    Por enquanto não parece haver alternativas. Ou não é possível ve-las.

    Todos os sistemas introduzidos até agora demonstraram graves falhas, sem exclusões.

    Socialismo, Comunismo, Capitalismo: os resultados estão à vista.

    Talvez um sistema imperfeito seja impossível, pois o Homem é imperfeito.

    Mas um sistema "menos imperfeito", este sim acho ser um resultado lícito.

    E se Diego descobrir qual, prometo dedicar um inteiro post! :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  19. Tudo bem com seu Post, esta muito bem explicado, mas... os "BANQUEIROS" internacionais já devem ter a data certa para fazer o que estão preparando a tempos. Faltou você informar que no caso do todo poderoso FED (federal reserve) não é um banco CENTRAL mas é uma composição (se não me engano) de 9 dos maiores Banqueiros do MUNDO e que a dívida externa AMERICANA é simplesmente impagável, mas os americanos ainda não começaram a pagar aquele imposto chamado de INFLAÇÃO que aqui no BRASIL sabemos todos como funciona. Parabens gostei tanto que vou ser mais um seguidor.

    ResponderEliminar
  20. Isso faz pensar, onde Portugal pos todo o ouro que levou do Brasil?

    ResponderEliminar
  21. Todo o ouro recolhido no planeta foi usado para restaurar a atmosfera sutil e degradante de Nibiru, mas parece que não foi o suficiente, então os representantes do planeta em crise resolveram que é melhor deixar o planeta à deriva e migrarem de vez para a terra o que provavelmente acontecerá ( o desembarque) em 21/12/2012.
    Não existe mais ouro em estoque no planeta.E os embaixadores de Nibiru estão trabalhando duro para cumprir a sua agenda.

    ResponderEliminar
  22. Era só para lhe dar sinceros parabéns, pelo excelente artigo sobre o dinheiro.
    Gostaria , caso um dia fosse possível que escrevesse e explicasse o que são petro-dólares e para que foram criados. A influencia da América na crise do euro....o porquê dos ingleses não terem entrado na moeda única. Cumprimentos José do Rosário

    ResponderEliminar
  23. Falcão8.7.11

    O Post está errado!!!

    As mentiras históricas estão mais presentes no período de 1914 até os dias atuais!

    ResponderEliminar
  24. Parabéns pelo blog e pelo post. Falcão está certo, as mentiras vêm desde o início da Primeira Guerra Mundial.

    ResponderEliminar
  25. Anónimo21.12.11

    o desvio da atenção e a manipulação da percepção humana do que realmente acontece no cenário econômico e politico, não deixa escolha para quem busca desvencilhar- se da lógica do escravo. Não há modelos perfeitos de sistemas políticos e econômicos que integrem a totalidade das necessidades humanas e que possa durar para sempre.A globalização negra, possui origens negras.A nossa anti-econômica também é basada no dinheiro feito a partir do nada, apontastes um dos problemas, mas não é o único.Mesmo o modelo econômico baseado em recursos estaria suscetível a alguma forma de corrupção.Fazer uma transição de cunho econômico, que não fizesse um retrocesso ou gerasse algum caos me parece dificíl, será que uma ruptura radical com esse sistema caduco e escravocrata poderia fazer irromper um monstro mais despresível. Se tivermos forças para iniciar a ruptura e a continuidade do novo sistema, há muito o que se conversar.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...