30 março 2011

No inferno de Fukushima

T.Hirose: Time Bomb Reactor
Ao procurar o nome Takashi Hirose no Wikipedia, encontramos a seguinte definição:
Takashi "Taka" Hirose, nascido 28 de Julho de 1967, Mizuho, Japão) é um musico japonês que actualmente toca o baixo na banda rock Feeder.
E uma nota: 
(Takashi Hirose é também o nome dum activista anti-nuclear)
Interessante.
Gosto do rock, e muito. Mas acho engraçado conceder espaço a um fulano que toca numa pouca conhecida banda do Gales, com tanto de biografia pessoal, e apenas uma linha para quem já escreveu uma prateleira de livros acerca dum assunto tão delicado como o nuclear.

É uma questão de prioridade, sem dúvida.

Takashi Hirose é bem conhecido no seu País, assim como reconhecida é a competência dele no sector nuclear e militar-industrial. Por isso foi entrevistado pela Asashi New Star, no dia 17 de Março.

A seguir, a tradução do encontro.
Vale a pena ler.
Takashi Hirose
O incidente da central nuclear de Fukushima 

Transmitido por: NewStar Asahi, 17 de Março, 20:00 h
Entrevistadores: Yoh Sen'ei e Mari Maeda 

Yoh: Hoje muitas pessoas vêm os fluxos de água acima e abaixo dos reactores, mas é eficaz?

Hirose:. . . Se desejarmos esfriar um reactor com água, é necessário fazer circular a água no interior e levar para longe o calor, caso contrário não tem sentido. Então a única solução é restabelecer a energia eléctrica, caso contrário é como derramar água sobre a lava.

Yoh: Re-conectar a alimentação, isso é,  reiniciar o sistema de arrefecimento?

Hirose: Sim. O acidente foi causado pelo facto de que o tsunami inundou os geradores de emergência e destruído os reservatórios de combustível. Sem corrigir isso, não há forma de remediar o incidente.

Fukushima Daini
Yoh: A TEPCO [Tokyo Electric Power Company, proprietária/geradora da central nuclear, NDT] diz que esta noite é suposto conectar uma linha de alta tensão.

Hirose: Sim, há alguma esperança. Mas o que é preocupante é que um reactor nuclear não é o que podemos observar nas estilizadas [mostra a imagem dum reactor, tal como as imagens utilizadas nas televisões].
Esta é apenas uma representação. Aqui está o que fica abaixo do recipiente dum reactor [mostra uma foto]. Esta é a parte terminal do reactor.

Vejam. Esta é uma floresta de alavancas de comutação, cabos e tubos. Na televisão vemos estes pseudo-especialistas que fornecem explicações simples, mas os docentes não sabem nada. Só os engenheiros sabem.

Este é o lugar onde a água foi derramada. Este labirinto de tubos é suficiente para torna tontas as pessoas. A estrutura é demasiada complexa. Desde uma semana estamos a despejar água. É água salgada, certo? Despejas água salgada sobre uma placa quente e o que achas que acontece? Obtemos sal. O sal entrará nas válvulas e irá obstruí-las. Não poderão mexer-se. É isso que está a acontecer.

Então eu não posso acreditar que seja apenas uma simples questão de ligar a electricidade para que a água possa começar a circular. Eu acho que qualquer engenheiro com um mínimo de fantasia é capaz de compreende-lo. Tomam um sistema incrivelmente complexo como este e, em seguida, a água é derramar a partir de um helicóptero, talvez eles tenham alguma ideia de como isso poderia funcionar, mas eu simplesmente não entendo.

Yoh: Vão ser precisas 1.300 toneladas de água para encher as piscinas que contêm as barras de combustível irradiado para os reactores 3 e 4. Esta manhã, 30 toneladas, a seguir o exército vai entrar com cinco camiões e outras 30 toneladas. Isso está longe de ser suficiente. Esta pulverização de água com tubos pode mudar a situação?

Hirose: Em princípio não pode. Mesmo quando está em boa forma, um reactor exige uma vigilância constante para manter a temperatura nos limites. Agora, há uma confusão, e quando penar acerca dos 50 trabalhadores que ai ficaram sinto vontade de chorar. Presumo que tenham sido expostos a grandes quantidades de radiação, e que concordaram em enfrentar a morte para ficar lá. E quanto tempo podem durar? Fisicamente, quero dizer. Até agora, a situação levou a isso.

Quando vejo estas crónicas na televisão, gostaria de dizer-lhes: "Se isto é o que você pensa, então vá lá e faça isso!" Realmente, dizem disparates, tentando tranquilizar todos, tentando evitar o pânico. O que precisamos agora é um medo razoável. Porque a situação chegou ao ponto onde o perigo é real.

Se eu fosse o Primeiro Ministro Kan, ordenaria de fazer o que fez a União Soviética, quando explodiu o reactor de Chernobyl, a solução do sarcófago, enterrando tudo sob cimento, colocar a trabalhar as fábricas de cimento no Japão e descarregar cimento do céu. Porque temos de considerar o caso pior.

Porquê? Porque em Fukushima há Daiichi com seis reactores e Daini com quatro reactores, um total de dez reactores. Se até mesmo um deles degenera no pior dos casos, os trabalhadores devem ser retirados do local ou permanecer e morrer.

Assim, por exemplo, se um reactor em Daiichi colapsar, com os outros cinco serão apenas uma questão de tempo. Não podemos saber em que ordem entrarão em colapso, mas definitivamente acontecerá com todos. E se isso acontecer, Daini não está muito longe, então provavelmente os reactores cederão . Por que suponho que os trabalhadores não podem ficar lá.

Estou falando do caso pior, mas a probabilidade não é baixa. Esta é a ameaça que o mundo está a observar.

Só no Japão está a ser escondida. Como sabemos, dos seis reactores de Daiichi, quatro estão em estado de crise. Assim, mesmo que tudo corra bem e a circulação de água for restabelecida num deles, os outros três ainda podem ceder. Mas há quatro em crise, e imaginar a reparação em 100 por cento de todos os quatro, sinto muito, mas estou pessimista.

Se assim for, para salvar o povo, temos de pensar em alguma maneira de reduzir a dispersão da radiação até o valor mais baixo possível. Não com as bombas de água, não com água pulverizada sobre um deserto. Devemos assumir que todos os seis reactores possam ceder, e a possibilidade que isso aconteça não é baixa.
Todos sabemos quanto tempo leva um tufão a passar para o Japão, cerca de uma semana. Ou seja, com uma velocidade do vento de dois metros por segundo, poderiam ser suficiente cinco dias para cobrir de radiação todo o Japão. Não estamos a falar apenas de distâncias de 20, 30 ou 100 quilómetros.
Isso significa, é claro, Tóquio, Osaka. Isso é quanto depressa uma nuvem radioactiva poderia espalhar-se.

Claro que depende das condições climáticas, não podemos saber com antecedência como a radiação irá espalhar-se. Seria bom se o vento soprasse em direcção ao mar, mas não pode fazê-lo para sempre. Dois dias atrás, no dia 15, o vento soprou para Tóquio. Eis como pode acontecer ...

Yoh: Todos os dias é medida a radioactividade pelo governo local. Todas as estações de televisão dizem que, apesar da radiação aumentar, ainda não é tão o suficiente para representar um perigo para a saúde. Fazem a comparação com uma folha de raio-X do estômago ou, por exemplo, uma tomografia computadorizada. Qual é a verdade?

Hirose: Ontem, por exemplo. Em torno da estação de Fukushima Daiichi foram medidos 400 millisieverts, numa hora. Com este valor [o chefe de equipa] Edan admitiu pela primeira vez que havia um perigo para a saúde, mas não explicou o sentido. Todos os media têm culpa nisso, acho. Dizem coisas estúpidas, por exemplo, como o facto de nós estarmos expostos à radiação o tempo todo das nossas vidas, e que recebemos também a radiação do espaço. Mas este é um millisievert por ano.

Um ano tem 365 dias, um dia tem 24 horas, multiplicando vezes 365 por 24, obtemos 8760. Multiplicando isso vezes os Millisievert 400, obtemos 3,5 milhões de vezes a dose normal. Isto chama-se dose segura? E qual media tem relatado isso? Nenhum. Fazem a comparação com uma tomografia computadorizada, que é muito rápida, não tem nada a ver com o que estamos a falar.

A razão pela qual a radioactividade pode ser medida é há material radioactivo que escapa..

O que é perigoso é quando o material entra no corpo e irradia a partir de dentro. Estes especialistas do sector vão na televisão e que dizem? Dizem que ao afastar-se, as radiações são reduzidas na proporção inversa do quadrado da distância.

Eu quero afirmar o contrário. A exposição interna ocorre quando o material radioactivo é ingerido pelo corpo. O que acontece? Dizemos que há uma partícula nuclear a um metro de distância. É respirada e ficar dentro do nosso corpo, e a distância entre nós e ela é agora de mícron. Um medidor é de 1.000 milímetros, um mícron é um milésimo de milímetro. Isto é mil vezes mil: mil ao quadrado. Este é o verdadeiro significado da "proporção inversa ao quadrado da distância". A exposição à radiação é aumentada por um factor de um trilião.

Inspirar até a menor partícula, este é o perigo.

Yoh: Então fazer a comparação com raios-X e tomografia computadorizada não tem nenhum significado. Porque o material radioactivo pode ser inalado.

Hirose: Certo. Quando entra no corpo, não podemos dizer para onde vai. O perigo é maior para as mulheres, especialmente mulheres grávidas e crianças pequenas. Agora estão a falar de iodo e césio, mas isso é apenas parte, não estão a usar as ferramentas adequadas de detenção. O que eles chamam de monitoramento é só medir a quantidade de radiação no ar. As ferramentas não comem. O que medem não tem qualquer ligação com a quantidade de material radioactivo.

Yoh: Então, os danos causados ​​por raios radioactivos e danos decorrentes de matérias radioactivas não são os mesmos.

Hirose: Se perguntarem se houver raios radioactivos da central nuclear de Fukushima aqui, neste estudo, a resposta é não. Mas as partículas radioactivas são trazidas aqui pelo ar. Quando o núcleo começar a derreter, no interior os elementos tais como iodo tornam-se gás. Sobe até o topo, por isso, se há brechas sai. para fora.

Yoh: Existe uma forma de detecta-lo?

Hirose: Tem sido dito por um jornalista que agora Tepco nem sequer é capaz de realizar um acompanhamento regular. Tomam medidas apenas ocasionais que tornam-se a base para as declarações de Edano. Deveriam ser medidas duma forma constante, mas são incapazes de fazê-lo. E deveria ser investigado o que está a sair e a quantidade. Isso requer sofisticados instrumentos de medição.

Não pode ser feito mantendo um posto de controle simples. Nem chega para medir o nível de radiação do ar. Passar com um carro, tomar uma medida, acima, abaixo, não é esse o ponto. Precisamos saber que tipo de materiais radioativos estão a sair e para onde vão e actualmente não têm um sistema para fazê-lo.


Ipse dixit.

Fonte: CounterPunch, Wikipedia
Tradução: Informação Incorrecta 

1 comentário:

  1. Olá Max
    Como sempre tu tens uma forma deliciosa de colocar a tragédia para que se torne amena sem deixares de relatar... rs

    Eles estão a dizer que o caso não é como o de Chernobyl... mas na Ucrania a coisa foi pelos ares de uma vez e não teve como disfarçar, também era apenas UM reactor! De fato eles têm razão, no caso Fukushima são vários reactores! São QUATRO arruinados e um deles, o n.3, já contaram a saída de 13 raios de neutrões...os outros 2 estão fragilizados, não podemos esquecer isto.

    Espero q vivas num vale onde os ventos japoneses não te visite!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...