07 abril 2011

Nigéria? Era só que faltava.

Nigéria.
O que quer agora a Nigéria? Já não temos problemas suficientes?
Talvez não.

A Nigéria é um caso exemplar: há anos que os nigerianos querem democracia e justiça. Só que a comunidade internacional não consegue decidir: quem são os Maus neste caso?

Os Nigerianos insistem que os Maus são as companhias petrolíferas, as quais exploram o principal recurso do País, o ouro negro, corrompem políticos e funcionários, matam com os próprios exércitos privados, devastam o território.

Mas as companhias petrolíferas são ocidentais e a comunidade internacional sabe que uma companhia ocidental não pode ser má. Este é um dogma.



No máximo pode cometer uns erros, como no caso do activista  Ken Saro Wiwa e dos oito colegas dele, todos assassinatos, e com os familiares dos quais para o qual a Shell concordou uma compensação de 15 milhões e meio de Dólares após 14 anos de batalha nos tribunais.
Processo? Não, nada de processo. O acordo foi extra-judicial, e depois processo para quê? Não foi verdadeiro crime, não há responsáveis que possam ser perseguidos, uma companhia ocidental não comete crimes, como já vimos, apenas erros.

Por isso, considerada a falta de Maus, não pode haver uma intervenção ocidental.

Só que as coisas podem mudar, pois a Nigéria está a precipitar no caos político. E este é um problema. Não para os Nigerianos, mas para nós: em risco estão 2,2 milhões de barris de petróleo, diários, 40% dos quais com destino final os Estados Unidos.

Já temos o problema do petróleo líbio, não podemos permitir um problema nigeriano.

Por isso a Nigéria aparece nas páginas dos jornais. Não por causa do rendimento médio da população (1 Dólar por dia), nem pelo facto da maior parte das aldeias estar sem água ou electricidade. Este são problemas deles, que tentem resolve-los (e sem petróleo, óbvio).

A Nigéria volta a ocupar espaço nos media por causa da democracia. Os Nigerianos agora pensam em conceitos abstractos como "democracia", "liberdade", "voto".
Numa palavra: estão a tornar-se terroristas.

Pois uma coisa é revoltar-se uma vez ter recebidos os ordens, o apoio e as armas das forças do Bem, que somos nós.
Outra coisa é revoltar-se assim, sem avisar ninguém, colocando em risco a produção de petróleo e os negócios das empresas ocidentais. Que, enquanto ocidentais, são o Bem.

Melhor para a Nigéria acalmar-se, e depressa também.
Porque encontrar um novo Senhor do Mal é uma questão de pouco, muito pouco.


Ipse dixit.

Fontes: Petrolio

5 comentários:

  1. Cômico se não fosse trágico.

    Parece até uma piada. No panorama atual, ter petróleo seria uma vantagem, pelo menos em tese.

    É nessas horas que dá vergonha ser ocidental.

    ResponderEliminar
  2. Vitor8.4.11

    Infelizmente a Nigéria possui um dos atributos da maldade, ou seja, possui petróleo.

    Todo Líder político que se assenta sobre reservas petrolíferas, independente de sua localização, está sob um constante 'vir-a-ser', determinado pelos detentores do poder Ocidental.

    ResponderEliminar
  3. Tudo o que sejam recursos valiosos vao estar sempre acima de qualquer justica popular.

    Actualmente, em Africa, o que nao faltam sao lideres fantoches do Ocidente, sendo muitos, autenticos genocidas. A comunidade internacional "ignora" essa realidade pois desde que vao servindo os interesses das elites corporocraticas ocidentais, esta' tudo bem. Nada de novo, tem sido assim ha varios seculos.

    Max, nao sei se alguma vez dissecaste sobre um caso europeu bastante interessante- a ditadura de Lukashenko na Bielorussia, em plena Europa(nao UE) . O senhor ta no poder desde 1994 e ninguem fala dele. Razao: Gas natural e os respectivos gaseodutos?
    Estou apenas a especular :)

    ResponderEliminar
  4. Olá para todos!

    É inacreditável a forma irresponsável na qual vivemos. A nossa riqueza (que não é muita afinal, mas sempre riqueza é) tem custos esmagadores.
    E estes custos não são pagos por nós, mas por outros.

    Reparem: se num qualquer País ocidental os cidadãos ganhassem 1 Dólar por dia, sem luz, água ou cuidados médicos, podem imaginar a reacção?

    Como isso acontece na longínqua Nigéria , as notícias são simplesmente ignoradas e nem chegam a ser transmitidas.

    Desta forma, nós podemos alegremente continuar a trabalhar e gastar, sem muitos pensamentos tristes.

    Somos mantidos num berço de algodão, isolados, para que tudo possa continuar como sempre.
    Outros são mantidos na miséria, para que o nosso berço fofinho não fique afectado.

    Espantoso...

    A dúvida é: ao longo de quanto tempo pode continuar o jogo?

    Abraços!

    ResponderEliminar
  5. Ah, pois: Lukashenko, da Bielorrússia.

    Admito: não conheço absolutamente nada acerca deste senhor. Nada de nada.

    E a coisa desperta não pouca curiosidade. No meio do Velho Continente, o que faz este Lukashenko?
    A Bielorrússia para mim é um mistério. Amanhã poderia desaparecer e eu nem daria por isso.

    Tem gas natural e respectivos gaseodutos?
    Ah, ok, fica mais claro.

    Vou ver para encontrar alguma coisa. Que raio, afinal este não é também um blog de geopolítica?

    Obrigado e um abraço!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...