18 abril 2011

A Rainha do Sol e a morte das abelhas


Enquanto as indústrias continuam a poluir o planeta com os inebriante produtos químicos, os insectos polinizadores diminuem, o que não deixa dúvida quanto à loucura da civilização moderna.

A nossa capacidade de ouvir e responder adequadamente à crise do destes insetos vai determinar a sobrevivência das espécies: a espécie dos insectos e a nossa.

"Em 1923, Rudolf Steiner, cientista, filósofo e inovador social austríaca, previu que dentro de 80-100 anos, as abelhas do mel de abelhas teriam desaparecido."

Steiner acreditava que a industrialização traria as abelhas para o fim. Aparentemente estava certo. Nos últimos 20 anos, os EUA perderam entre 100.000 e 300.000 milhões de abelhas e o problema contagiou a Europa também. Enquanto as operações de apicultura industrializadas matam milhões de abelhas a cada ano, vários outros factores contribuem para o desaparecimento.

Esses insectos ficam doentes devido à falta de alimentação que seja diferente das dezenas de milhões de hectares de monocultura.
Ao ingerir culturas geneticamente modificadas, também ingerem micróbios OMG prejudiciais.



No entanto, são os agro-tóxicos que contribui mais para a dizimação desses insetos. Numa última tentativa para salvar a colmeia, algumas abelhas selam as células da mesma colmeia; células, todavia, que já contêm uma grande quantidade de agro-tóxicos. Por isso, mesmo estas colmeias acabam por morrer.

Em apoio ao ataque multidimensional da agro-industria, as omnipresentes empresas de comunicação adicionam poluição eletromagnética , causando a perda de orientação das abelhas (e das aves).

Aproveitando da desorientação e do enfraquecimento das abelhas, patógenos exóticos, como o ácaro Varroa importado pelo comércio globalizado, sugam o pouco de vida que ainda têm: assim presenciamos o colapso da abelha do mel e dos morcegos da América do Norte.

Podemos aprender a maioria dessas notícias na obra de Taggart Queen of the Sun: What are the bees telling us [Rainha do Sol: o que estão a dizer as abelhas, NDT], parte documental, parte love story filosófica, apresentada nos cinemas no passado dia 25 de Março, o filme premiado é também apoiado por um relatório:  Global Bee Colony Disorders and other Threats to Insect Pollinator [O transtorno global das colónias das abelhas e outras ameaças dos insectos polinizadores, NDT], lançado recentemente pelo UNEP, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Uma maneira segura de destruir um ecossistema é dizimar uma espécie, uma das quais parte a inteira rede de vida localizada. Os insectos polinizadores contribuem com 10% para a economia alimentar mundial, cerca de 218 mil milhões de Dólares (153 mil milhões de Euros) por ano.

Das cerca de 100 espécies de plantas que fornecem 90% dos alimentos do mundo, as abelhas polinizam 71, de acordo com o relatório do UNEP. Entre as 20.000 espécies de abelhas conhecidas no mundo, a abelha europeia Apis mellifera é a mais importante, "conseguindo" entre 33 e 82 mil milhões de Dólares por ano (22,8 - 57 mil milhões de Euros).

Então, enquanto assistimos ao espasmo da extinção do planeta (bem tratados no The Diversity of Life [A variedade da Vida, NDT] de Ed Wilson), é a abelha que agora merece mais atenção.

"As abelhas são as pernas das plantas", diz Michael Pollan em Queen of the Sun; têm co-evoluído de modo que o organismo séssil alimenta o aéreo, em troca da propagação. Se as culturas colapsarem, uma infinidade de espécies irão morrer de fome, incluindo os seres humanos.

Desde que haja insectos polinizadores, há também as plantas em flor. O efeito em cascata do colapso pode facilmente conduzir ao fim da Era dos Mamíferos.

Seria semelhante ao fim dos dinossauros, há 65 milhões de anos atrás. Os "lagartos terríveis" iriam ganhar por 100 milhões de anos. Apenas cerca de metade das espécies sobreviveram ao último espasmo de extinção, em particular os aligatores (jacarés) e os crocodilos.

Porém, a sobrevivência humana é difícil de garantir se 40% dos nossos recursos alimentares desaparecerem. Embora os aligatores e os crocodilos possam viver um ano ou mais sem comer (e este mecanismo de sobrevivência contribui largamente para a longevidade da espécie), os humanos não conseguem.

O relatório do UNEP lista oito razões para a desordem e o colapso da colónia: a destruição dos habitats, as espécies invasoras (como o ácaro parasita Varroa destructor), a poluição atmosférica, a poluição eletromagnética, os pesticidas e a poluição de outras substâncias químicas, os transporte industrial (resultando na morte de milhões de abelhas em cada ano), divisão da colónia e alimentação.

O relatório não menciona os transgénicos como um factor contribuinte para o declínio das abelhas, mas ataca as monocultura: 'É sempre difícil para os insectos polinizadores encontrar o pólen suficiente para obter todos os seus aminoácidos essenciais. Dessa forma pode enfraquecer o sistema imunológico dos insectos, tornando-os mais vulneráveis ​​a vários patógenos.

Em Queen of the Sun, muitos dos oradores não têm dúvidas. Quando as plantas são geneticamente modificadas, o processo é tão incerto que apenas uma das milhares células transmuta. O Dr. Vandana Shiva explica que devido a isso, deve ser adicionado aos genes antibióticos resistentes e ajudas virais: "Cada semente geneticamente projectado é um conjunto de bactérias, toxinas, ajudas virais."

Esse conjunto de elementos é transferido para os nossos estômagos (e para o estomago das abelhas), onde continua a operar dentro do hospede. Só que agora nós somos os hospede. As abelhas são hospedes. E as abelhas não se saem muito bem. A ciência tem demonstrado que um xarope de milho com alto teor de frutose, um produto OGM entregue às abelhas, inibe as funções genéticas imunizantes e desintoxicastes.

Queen of the Sun destaca o delicado equilíbrio entre os diferentes membros dum ecossistema, observando que a integridade genética é necessária para que o sistema possa funcionar. A fim de permitir que as abelhas (e as plantas em flor) possam dar o seu melhor, o DNA deve permanecer intacto.

Tanto o documentário quanto o relatório UNEP não deixam dúvidas de que o colapso dos insectos polinizadores é a questão mais urgente que a humanidade enfrenta hoje.
Ambos dão vários conselhos para a indústria alimentar e os indivíduos, incluindo: parar (ou reduzir significativamente) o uso de pesticidas e cresceu de maneira que não prejudique as abelhas, comprar productos orgânicos, fornecer um habitat com água  fresca e tornar-se um apicultor sustentável.

O relatório do UNEP observa que os esforços para a conservação dos insectos polinizadores devem incluir um habitat "ninho", dado que as necessidades dos estágios larvais são diferentes das do adulto alado.

Dado que o declínio das abelhas e dos morcegos é muito mais grave nos EUA, que tem a mais longa história no desenvolvimento dos transgénicos e no uso de produtos químicos agrícolas, parece óbvio qual o principal culpado.
E também é bom lembrar que as seis maiores empresas de agro-químicos Syngenta, Bayer CropScience, Basf, Monsanto, Dow AgroSciences e DuPont, difundem culturas geneticamente modificadas

Os insectos polinizadores marcam os pontos na guerra das empresas contra a natureza. Os pontos mostram que os pesticidas, a biotecnologia e os telemóveis estão a ganhar. A tragédia é que quando estes insectos morrerem, também as plantas morrerão e provavelmente acabará a Era dos Mamíferos.




Fonte: Globalresearch
Tradução: Informação Incorrecta 

2 comentários:

  1. Mesmo estado em perigo, aposto que os humanos irão desaparecer 1º que as abelhas, pensando bem afinal nós também estamos em perigo de extinção

    Saudações.....

    ResponderEliminar
  2. Albert Einstein disse:
    Se a abelha desaparecer da superfície do planeta, então ao homem restariam apenas quatro anos de vida.
    Sem as abelhas acaba a polinização, acabam as plantas,acabam os animais, e acabam os humanos.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...