27 abril 2011

Uma questão de placas

Construir centrais nucleares ao longo duma falha sísmica é uma boa ideia? Talvez não. Pois se a falha acordar, podem surgir problemas.
O facto é que já existem tais centrais, e a falha em questão acordou.

Não gostamos de lembrar disso, mas a verdade é que vivemos em enormes barcos que chamamos de "placas tectónicas"; estes barcos flutuam, literalmente, por cima dum mar de rocha fundida.
Todas as placas juntas formam a superfície do nosso planeta, num enorme puzzle, e não existindo folga entre um "barco" e os outros, o movimento de um tem consequências nos outros, as vezes centenas ou milhares de quilómetros de distância.

É um fenómeno natural, pois a superfície do planeta é coisa "viva".

Pode o Homem controlar ou até provocar estes movimentos? Haarp ou não Haarp?
Não é isso que interessa agora: o que interessa é que um dos "barcos" está em movimento.

O que acontece com as centrais nucleares construídas ao longo deste "barco"? Fukushima foi um acidente isolado ou há mais riscos?
Hirose Takashi
Já tínhamos encontrado Hirose Takashi, o homem que já escreveu dezenas de livros acerca do perigo nuclear. E, sendo japonês, ao ouvir falar de terramotos fica histérico.

Por isso costuma seguir com atenção os movimentos das placas tectónicas, a evolução das falhas e a questão das das centrais nucleares.

Takashi explica uma coisa simples mas da qual nunca se fala: Fukushima não foi o primeiro acidente do género, pois ao longo dos últimos quatro anos houve mais problemas derivados da acção dos terramotos.

Só que os media não trataram disso. E quando os media não tratarem dum facto, o facto simplesmente não acontece.
Um terremoto assassino no arquipélago japonês
As centrais nucleares no Japão estão a envelhecer rapidamente, são mantidas operacionais por um fornecimento contínuo de peças. E agora que o Japão entrou num período de actividade sísmica e um enorme acidente pode ocorrer em qualquer altura, as pessoas vivem num constante estado de ansiedade.
Os sismólogos e geólogos concordam sobre o facto de que, após cinquenta anos de inactividade, o País entrou numa fase de maior atividade sísmica com o terremoto de Hanshin-Awaji (sul da província de Hyogo, Japão).
Em 2004, o terremoto de Chuetsu atingiu a Prefeitura de Niigata, causando danos à aldeia de Yamakoshi.
Três anos depois, em 2007, um sismo ao largo da costa de Chuetsu tem prejudicado seriamente os reactores nucleares de Kashiwazaki-Kariwa.
Em 2008 houve um terremoto nas prefeituras de Iwate e Miyagi, o que causou o desaparecimento de uma montanha inteira.

Depois, em 2009, a central nuclear de Hamaoka foi posta em estado de emergência pelo terramoto da Baía de Suruga.
E agora, em 2011, temos o sismo do11 de Março, ao largo da costa norte do País. Mas espera-se que o período de actividade sísmica continue por décadas. Do ponto de vista da sismologia, um espaço de 10-15 anos é apenas uma fracção de tempo.

Como a Placa do Pacífico, a maior das placas que circundam a Terra, está a mexer-se, eu tinha previsto grandes terremotos em todo o mundo.

1. Setembro de 2009, Samoa, Magnitude 8.0
2. Setembro de 2009, Abril e Outubro de 2010, Sumatra, Magnitude 7.7
3. Agosto de 2009, Março de 2001, Japão, Magnitude 6.5 - 9.0
4. Outubro de 2009, Vanuatu, Magnitude 7.8
5. Fevereiro de 2010, Chile, Magnitude 8.8
6. Setembro de 2010, Nova Zelândia, Magnitude6.3
7. Janeiro de 2010, Haiti, Magnitude 7.0
Na confirmação dos meus medos, após o terremoto na Baía de Suruga, em Agosto de 2009 ter chegado como um triplo choque, em Setembro e Outubro foi seguido pelos terremotos na costa de Samoa, Vanuatu e Sumatra, com uma magnitude entre 6,7 e 8,2 graus. Isto significa 3-11 vezes a força do terremoto no sul da província de Hyogo.

Todos esses sismos ocorreram ao redor da placa do Pacífico e cada um foi localizado na borda da placa ou num ponto sob a sua influência. Então, um ano depois, em 2010, o terremoto ocorrido em Janeiro chegou no Haiti, na fronteira com a placa do Caribe, impulsionada pelas placas do Pacífico e de Cocos; em seguida, em Fevereiro, um terremoto enorme, com uma magnitude de 8,8 graus, na costa do Chile.

Rezei para que esta série de terremotos em todo o mundo tivesse acabado, mas o movimento da placa do Pacífico não parece querer parar e levou em 2011 ao terramoto do 11 de Março no Japão e ao consequente colapso de Fukushima.

Existem muitas falhas sísmicas, capazes de produzir sismos de magnitude 7 ou 8, que estão próximas das usinas nuclear no Japão, incluindo a planta de reprocessamento de Rokkasho. É difícil acreditar que existam centrais nucleares que não seriam danificadas por um terremoto de magnitude 8.
O caso de Rokkasho
A planta de reprocessamento de Rokkasho
Um caso representativo é mesmo a planta de reprocessamento em Rokkasho, onde é agora claro que a falha submarina estende-se no interior também.
A planta de Rokkasho, onde os resíduos radioactivos (poeira letal) de todas as centrais do Japão são recolhidas, está localizado no cruzamento entre a Placa do Pacífico e a Placa Americana. Isso significa que a maior placa que constitui o maior perigo para a fábrica de Rokkasho, agora está a mexer-se no subsolo profundo no Japão.

A planta Rokkasho foi originalmente construída com um factor de resistência aos sismos muito baixo, 375 gals [o gal, ou sistema Galileo, é uma unidade usada para medir a aceleração máxima do solo durante o terremotos; ao contrário das escadas que medem a intensidade global, o gal mede o movimento real do solo em locais específicos, NDT].
Hoje, o factor de resistência foi aumentado para apenas 450 gals, apesar do facto dos recentes terremotos no Japão terem atingido valores de mais de 2.000 gals. Pior, a Península de Shimokita é uma formação geológica extremamente frágil que estava no fundo do oceano até o surgimento em tempos relativamente recentes, no período interglaciar Jomon, 5000 anos atrás; com um terremoto poderia ser completamente destruída.

A planta de reprocessamento de Rokkasho é onde é reunido todo o combustível nuclear utilizado por todas as centrais nucleares do Japão, para depois ser reprocessado para separar o plutónio, o urânio e os resíduos líquidos radioactivos.
Em suma, é a fábrica é mais perigosa do mundo.

Na fábrica de Rokkasho são agora armazenados cerca de 240 metros cúbicos de resíduos líquidos. A falta de tratamento adequado pode levar a um desastre nuclear que vai além do colapso dum reactor. Estes resíduos líquidos geram continuamente calor e devem ser constantemente refrigerados.
Mas se um terremoto estivesse a prejudicar as condutas de refrigeração ou a electricidade, o líquido começaria a ferver.
De acordo com uma análise elaborada pelos cientistas nucleares alemães, a explosão da planta poderia atingir as pessoas num raio de 100 km com radiação de 10 a 100 vezes superiores ao nível letal, o que presumivelmente significa morte instantânea.
No dia 7 de Abril, exactamente um mês após o terramoto do 11 de Marco, houve um forte tremor de terra. A energia na planta de Rokkasho foi desligada. O tanque com o combustível nuclear e os líquidos radioactivos foram (mal) refrigerados por geradores de emergência, o que significa que o Japão esteve prestes a ser destruído.

Ipse dixit.

Fonte: Counterpunch
Tradução: Informação Incorrecta 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...