22 junho 2011

Homoquê??? Uhiii!!!

Um assunto que ainda não foi tratado aqui: a homossexualidade.

Uhiiii!!!

Qual o meu ponto de vista? Não interessa. A sexualidade é um assunto pessoal e cada um deve tratar dele, sem as opiniões dos outros.

As coisas mudam ao falar dos vários Gay Pride ou Gay Parade. Se não comento a sexualidade privada, quando esta se tornar espectáculo (isso é, pública) então cada um tem o direito de dizer o que pensa.

No meu caso, acho estas manifestações gay bastante penosas.
Explico.

Os gays de todo o mundo lutam para ter iguais direitos.
Que significa isso? Significa, entre as outras coisas, passar despercebidos. Ninguém anda na rua com um cartaz a dizer "sou heterossexual", pois a heterossexualidade é assumida como normal, não é preciso mostra-la ou até publicita-la.

Se eu fosse gay (mas não sou!), o meu desejo seria passar despercebido, exactamente como qualquer heterossexual. Isso significaria que a sociedade assume a homossexualidade como absolutamente normal.

O Gay Pride ou Gay Parade fazem exactamente o oposto. Criam um "ghetto". Quem participa nestas manifestações faz o contrário do que seria desejável (do ponto de vista gay, óbvio): diz "eu sou diferente". E faz questão de realçar isso.

Difícil obter a igualdade quando é atirada a "normalidade" nas caras dos "normais", como se esta fosse uma anormalidade.


Outro problema é que estas manifestações mostram um particular tipo de gay, o "maricas" (e passem a expressão).
O "maricas" é uma pessoa que tem fortes problemas com a própria sexualidade: não consegue vive-la de forma natural, é obrigado a mostra-la nas formas mais espectaculares. Procura o choque, porque só assim consegue satisfação. 

Mas ser "maricas" não significa ser gay. Pessoalmente até tenho dúvida quanto ao facto dum maricas ser verdadeiramente gay. Sim, eu sei, tem sexo de tipo homossexual; mas não é isso o centro das atenções no cérebro "maricas". É sempre a espectacularização da própria condição, uma espécie de revolta anunciada sem descanso.

E os gays verdadeiramente gays? É justo que possam construir uma família, ter filhos? Pois este foi um assunto debatido há pouco tempo no Parlamento português.

Sinceramente: não sei que dizer.
Admito não conhecer bem o argumento.

Mah...
Em princípio a minha resposta seria "não".
Não porque veja "mal" os homossexuais, não é isso. O que me assusta é outra coisa.

Nos últimos anos somos espectadores da contínua destruição dos valores que até poucas décadas constituíam os alicerces da sociedade.
Não que todos os valores sejam bons. E não é que um valor, por ser tal, tenha direito à imortalidade.

Mas destruir tudo, num espaço de tempo tão curto, assusta-me. Também porque a alternativa é preocupante.

Uma sociedade feita de homens e mulheres despersonalizados, sem raízes, sem tradições, com apenas o presente e um monte de direitos. Somos submergidos pelos direitos. Que são vazios. Inúteis.

Direitos que tornam o cidadão totalmente desresponsabilizado. E ainda mais controlável.

Nestas condições, olho para os poucos valores que sobram e a ideia de "família" é um deles.
Os gays podem argumentar que o desejo deles é mesmo este, criar famílias.
Mas ao fazer isso, enfraquecem o conceito, que assume contornos menos definidos. E não é substituído.

Mesma coisa acontece com a ideia de identidade. Homem? Mulher? Hetero? Bi?

O que pensa uma criança nascida com dois pais homens (ou mulheres, mesma coisa)?

Espero que um eventual gay que esteja a ler estas linhas consiga perceber qual o meu ponto de vista: não é contra os gays, os meus medos são relativos a algo que está a acontecer a todos.

Dúvida: tudo bem, destruição dos valores, etc.etc. Mas porque mesmo os gays têm que pagar por isso?
Dúvida legitima. Para a qual não tenho resposta.
Pelo contrário, acrescento outra dúvida: é justo que um homossexual (um autêntico homossexual) seja obrigado a viver na clandestinidade? Sim? Não? Porquê?

Assunto complicado, acerca do qual, afinal, não sei que dizer.

Por isso, faço tesouro duma das sugestões que o blog recebeu e concluo o artigo com uma pergunta: o que acham os leitores da homossexualidade?


Ipse dixit.

7 comentários:

  1. homossexualidade - perfeitamente normal no ser humano e também nos animais, cujo comportamento já foi observado e estudado. Quanto às "Parade", concordo plenamente. e eu já me vi no meio de uma delas involuntariamente e embora seja total e abertamente pela igualdade, acredito que essa forma de protesto leva ao crescimento do preconceito e não à sua extinção.
    Família, nem deveriam haver dúvidas. Claro que sim. Afinal esse conceito está em mutação desde o século passado. Famílias monoparentais, por exemplo. divórcio. uma criança não precisa de um pai e de uma mãe. Se vive bem só com um pai ou só com uma mãe e sobrevive c os pais separados, porque há-de ser diferente com os casais homossexuais? Há rapazes que são criados pela mãe e por tias e por vizinhas e isso não deixa de ser perfeitamente normal na nossa sociedade. Pode ter consequencias? tudo pode. A sociedade claramente não está preparada. e daí? também não estava quando o divórcio se tornou comum. Discriminaram e trataram de forma diferente essas crianças. agora, é perfeitamente normal e não há nada de errado com essas crianças (além da perturbação que é ver os pais separados). Estamos a falar de uma dimensão diferente em relação aos casais homossexuais? com certeza. A sociedade não está preparada. mas ninguém pode ficar à espera que ela fique para que as coisas mudem. Há estímulos que têm de existir primeiro para que haja uma mudança na mentalidade da social. e família, afinal de contas, é um núcleo de amor. Quantas famílias heterossexuais há que verdadeiramente não são um núcleo de amor quando o deveriam ser? não pode haver nada mais importante e que caracterize melhor uma família. a evolução é para a frente. que tipo de autoproclamados não preconceituosos somos, afinal, se permanecermos crentes numa tradição preconceituosa? com a aprovação dessa lei, em "pouco" tempo, a sociedade iria encarar estas crianças filhas (falando de inseminação artificial - ou mesmo barrigas de aluguer) ou adoptadas por casais homossexuais com naturalidade. se são iguais são iguais.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo22.6.11

    A homosexualidade sempre existiu e sempre existirá, acho.

    O que está acontecendo hoje em dia é justamente o que você comentou no artigo, há um pequeno grupo que insiste em ser "diferente", querem mostrar que são diferentes e acabam banalizando a questão e as atitudes..

    Existe algo acontecendo e está influenciando isso cada vez mais,
    é triste, mas é algo que vem de cima, são consequencias de decisões e algumas "leis" que são ou ainda irão ser aprovadas por este seleto grupo de pessoas que gostam do controle e da desmoralização da família e sociedade.

    Ah.. O blog está cada vez melhor!
    Muito bom, parabéns Max.

    ResponderEliminar
  3. Sinceramente, eu não acho normal, penso eu que nunca acharei normal, pois acredito que seja uma doença psicológica...
    Exceto os casos em que o cerebro feminino nasce em um corpo masculino e vice-versa.

    ResponderEliminar
  4. Olá parabéns pelo post, eu acredito que o que ocorre é uma guerra desnecessária, cada ser humano sabe o que é bom ou não para ele, se ele se sente feliz assumindo quem ele é, está ótimo, sem crise, mas percebemos que a maioria das batalhas a respeito destes assuntos, está ligado ao meio religioso, infelizmente, então faço uma pergunta: estas batalhas existiriam se não existisse poderio religoso? um grande abraço. http://www.visitanteestelar.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Nao existe como dois homens terem naturalmente filhos, nem duas mulheres. Por isso sou contra eles instituirem familias.

    O homem quer dar algo que a natureza nao da.

    Se mesmo assim legalizarem, no meu ver dois homens teriam que adotar meninas, e duas mulheres adorariam meninos.

    ResponderEliminar
  6. Achei muito interessante o argumento sobre as passeatas gays. Tenho certeza que muitos gays também pensam assim.

    Penso que tem muito casal gay que pode ter filhos numa boa. Num adianta tapar o olho com a peneira, tem mulher que nasce homem por dentro e vice versa. A probabilidade de uma criança adotada ter pais gays ruins, na minha opinião, é a mesma com pais heteros. Estes podem ser alcoólatras, depressivos, egoístas, consumistas...
    Quanto aos valores, creio que eles são muito simples, e não fazem distinção de nada, seja sexo, etnia, o que for. Num gosto também desse comportamento "maricas", mas bem, tá cheio de hétero com comportamento semelhante. Penso que vc tem que ser correto, equilibrado, e isso não quer dizer que vc tem que ser um cidadão ideal e pagar seus impostos, e sim ser uma pessoa "coerente". Acho que um casal gay tem todas as condições de passar este ensinamento a possíveis filhos.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo3.7.11

    A exuberancia dos Homosexuais e a suas tentativas para serem aceites como "normais" é apenas mais um patrocinio dos ILUMINATI para destruir as familias tais como as conhecemos... Não tenho nada contra, que vivam a sua sexualidade discretamente?

    Mas agora casamento homosexual, adopção (rico exemplo para uma criança)! É um absurdo absoluto...

    Familia: Pai + Mãe = Filhos


    Gil

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...