12 julho 2011

...e fechem as janelas!

Aniversário triste para os Estados Unidos.

No dia 4 de Julho, o País festejou fez 235 anos, mas há oito meses está a enfrentar uma série impressionante de desastres naturais.

Entre relatos de queda de neve, tornados assassino, incêndios, inundações e transbordamento de rios, os danos estimados totalizam cerca de 3.000 milhões de Dólares.

Só para lembrar, em 2010 o PIB dos Estados Unidos foi de 14 mil milhões. Portanto, uma percentagem significativa da riqueza nacional.

E até o final do ano, o número pode até dobrar.


Neve

Tudo começou no passado Dezembro, com as tempestades de neve que paralisaram o Midwest ao longo de dois meses. A tempestade do Inverno, uma das mais violentas desde 1950 segundo a NASA, atingiu uma vasta área, mais de 3.000 milhas, e um terço da população da trinta estados.

New York enterrada debaixo dum cobertor branco de dois metros.
E atrás dezenas de cadáveres, voltados à superfície quando a neve derreteu.

Tornados

Terminado o Inverno, com a Primavera chegaram os tornados EUA.
No sudeste do País eles são numerados em centenas, desde a Flórida até a Virgínia.

Em apenas três dias foram relatados bem 241 tornados, o maior surto já registrado.

O Estado mais afetado foi o Alabama: 130 pessoas mortas e pelo menos 335 mil sem energia eléctrica.

No entanto, o incidente mais grave ocorreu em outros lugares. Em 24 de Maio, em Joplin, Missouri, um tornado com 320 km / h (com picos de 402 km / h) trouxe morte e devastação: 142 vítimas, mais de 1.000 feridos, prejuízos estimados de mais de 2 mil milhões de Dólares.
Um hospital de dez andares foi levantado de quatro centímetros acima do chão. Poucas árvores sobreviveram. Segundo as autoridades, 75% da cidade foi praticamente destruída.
Foi o segundo tornado para número de mortes na história dos EUA.

Água 

Passados os tornados, foi a vez das inundações do Mississippi e dos afluentes: Missouri, Ohio e Tennessee. Especialmente os dois primeiros inundaram vastas áreas na Louisiana, Alabama e Estados vizinhos, também colocando em sério risco a segurança das centrais nucleares de Browns Ferry (Alabama) e Fort Calhoun (Nebraska).
Duas margens ao longo do Missouri cederam. Obama declarou as áreas afetadas "áreas de desastre federal". O Exército estão a trabalhar há semanas com todos os meios possíveis para reforçar as margens, mas os meios financeiros são escassos e as autoridades não estavam preparadas para enfrentar situações como estas.

No final de Junho, as enchentes do rio Souris, North Dakota, cidade de Minot, levou à evacuação de 11.000 pessoas (numa população total de 12.300 habitantes)..

A acção da natureza foi "ajudada" pelo descuido do homem: alguns dias atrás, no Montana, um derramamento de 1.000 barris de petróleo atingiu o rio Yellowstone. Perguntar à Exxon Mobil para os pormenores.

Voltando ao dilúvio, a ironia também marca presença: não muito longe de quem está a afogar há outros que não veem água: é o caso do Texas, que está a sofrer a pior seca da sua história recente.

Fogo

Não é tudo.

Desde Junho uma vaga de incêndios perturba o Arizona. Favorecidos por uma temperatura recorde (43 ° C em Phoenix), baixa umidade e ventos que tocam os 60 km / h, as chamas devoraram mais de 500.000 hectares de florestas. 5.000 homens entre bombeiros, protecção civil e guarda nacional pouco podem fazer contra o ímpeto do fogo.

E pensar que o Estado tinha cortado mais em 225 mil Dólares o orçamento dedicado à prevenção de incêndios, com base nas previsões que defendiam uma temporada tranquila.

Areia

Nos últimos dias, a cidade de Phoenix tem sido afectada por uma grande tempestade de areia , que abrangiu uma área de dezenas de quilômetros quadrados. 

El Niño e La Niña?  

Mas porque tantas desgraças?

Segundo os especialistas, é o resultado da combinação infeliz de duas causas.

A primeira é que a água do Golfo do México está mais quente do que no ano passado. Isto significa que existe uma grande quantidade de umidade que fornece o "combustível" para o clima.

A segunda é que o fenômeno do La Niña neste ano está entre os mais fortes de que há memória.

La Nina e El Nino afectam o balanço energético da atmosfera, pois determinam a temperatura e a posição da água quente no Pacífico, que por sua vez leva à formação de tempestades tropicais.
Estas tempestades são a principal fonte de energia dos trópicos e influenciam os jet streams (correntes de ar) que chegam até os Estados Unidos.

Desta vez, porém, as consequências vão bem além das previsões.

A enchente do rio Mississippi não são apenas inundações. Um estudo realizado pela Ocean University of Louisiana, em colaboração com a University of Michigan, estabelece que por causa do fenómeno este ano haverá uma maior zona hipóxica (ou seja, sem oxigénio) no Golfo México, a maior de todos os tempos.

O fenómeno é devido à quantidade de nitrito e nitrato transportado pelas correntes do rio: o fitoplâncton consome o oxigênio da água. Como resultado, as formas de vida como os peixes e outras morrem asfixiadas.

Segundo as estimativas, em Maio de 2011 o Mississippi tem transportado mais de 164 mil toneladas de nitrogénio na forma de compostos, mais de 35% da média mensal dos últimos 32 anos.

Os cientistas prevêem que a área interessada estará entre 8.500 e 9.421 milhas quadradas, mais ou menos o tamanho do New Hampshire.
Mesmo que não sejam atingidas estas proporções, será a zona maior desde que os registros começaram a ser mantidos, em 1985. A área maior até agora ocorreu em 2002 e incluiu mais de 8.400 quilómetros quadrados.

A indústria de pesca local, já prostrada pelo acidente da plataforma Deepwater Horizon no ano passado, agora está a entrar em colapso.

...e as contas.

Mas o Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR) realizou um estudo que mostra como cada sector da economia é sensível aos impactos do clima.

Tudo tem o seu preço, o clima não é excepção. Este preço, de acordo com o estudo, equivale a 485 mil milhões de Dólares por ano, 3,4% do PIB.

E não é apenas por causa da agricultura.
Uma tempestade de neve, por exemplo, pode atrapalhar as viagens aéreas e elevar os custos do aquecimento.

Em ordem, o clima afecta em primeiro lugar o sector de mineração (14% do volume de negócios), a seguir a agricultura (12%). A seguir finanças e seguros (8%), serviços públicos (7%). O sector dos serviços (3%), comércio (2,5%) e varejo (2%) são menos afectados.

No entanto, as estimativas sobre o potencial impacto no sistema de produção é espantoso: 485.000.000.000 de Dólares de impacto económico, o 3,4% do PIB. Aos quais temos de acrescentar 2% (talvez 4%) perdidos por causa dos desastres dos últimos meses. Um total de 5,4%, talvez 7,4%.
Em 2009, com o colapso de Wall Street, o PIB havia perdido "apenas" 2,60%...

No vídeo: as espectaculares imagens da tempestade de areia em Phoenix.



Fonte: Geopoliticamente

1 comentário:

  1. Anónimo12.7.11

    DEUS escreve direito por linhas tortas. Era bom que os cidadãos dos EUA conhecessem este ditado português.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...