12 setembro 2011

Última hora: explosão em central nuclear em França

Notícia em actualização

Explosão numa área de tratamento de resíduos numa central nuclear em Marcoule, Gard (França).

A polícia confirma que o acidente, ocorrido às 11:45 de hoje, fez um morto.

A ASN, a autoridade francesa da segurança nuclear, faz saber que o acidente pode ser considerado concluído e que não houve fugas de material radioactivo.

Segundo uma primeira reconstrução, o acidente foi provocado pro uma explosão no forno utilizado para fundir os resíduos metálicos radioativos, e é classificado como "acidente industrial" e não "nuclear".


Todavia, a Agência Internacional para a Energia Atómica (AIEA) está em contacto com as autoridades francesas para conhece mais pormenores, sobretudo acerca da natureza da explosão.

A vítima é um homem cujo corpo foi encontrado carbonizado, enquanto há também um ferido grave, já transportado para o hospital de Montpellier e alguns feridos em situação não preocupante, tratados no  hospital de Bagnols-sur-Ceze.

A região de Gard fica na França do Sul, não longe de Avignon e Tolosa, perto de Nimes e Aix-en-Provence.

A usina nuclear é a mais antiga do País, com os primeiros reactores utilizados no fabrico da bomba atómica e agora destinado ao tratamento dos resíduos.

Actualmente não há reactores nucleares em função no local.

h 16:09

O Ministério da Energia francês confirma a ausência de fuga radioactiva:
Segundo as primeiras informações, trata-se da explosão de um forno que serve para fundir detritos radioactivos metálicos de fraca e de muito fraca atividade
Segundo um porta-voz da EDF (Electricité de France), que gere a actividade e citado pela France Presse:
O incêndio que deflagrou após a explosão já foi controlado
Este centro de processamento de detritos de fraca radioactividade situa-se em Codolet, mas depende do complexo nuclear de Marcoule, a 45 quilómetros de Nimes.

h. 17:00

O incidente parece de facto concluído. Se assim podemos dizer. Pois desta vez não houve fuga de material radioactivo, material que está presente nas instalações de Marcoule.

Mas sobra a questão da segurança: os reactores foram construídos em 1955, mais de 50 anos atrás. Estamos a falar de arqueologia nuclear.
É normal que a EDF ainda utilize uma central tão antiga, mesmo que seja apenas para o tratamento dos resíduos radioactivos?
O que, como vamos ver, não é verdade.

De facto, mesmo num acidente sem consequências (além do morto, claro, que não deve ter ficado muito satisfeito), é possível ver a obra "calmante" dos media.
Jornal de Negócios:
Notícia corrigida às 15h15: o local da explosão é uma estação de tratamento de resíduos nucleares e não uma central nuclear
O que é falso. Dos 4 reactores, G1, G2, G3 e Célestin I, os primeiros três estão em fase de desmantelamento enquanto o último está ainda em função para a produção de trítio (isótopo radioactivo do Hidrogénio): Marcoule é uma central nuclear.

E todas os bonitos discursos após Fukushima?


Fonte: Jornal de Negócios

5 comentários:

  1. Vish... Só o que faltava...

    ResponderEliminar
  2. qual será o próximo destino?

    ResponderEliminar
  3. Nã passa nada "miúdo"! :) Isto já passa... daqui a pouquinho já ninguém se lembra... mesmo sendo em França...
    Aqui, no Arizona, também não há perigo... e aqui muito menos!

    ResponderEliminar
  4. "Quanto à explosão na central nuclear e segundo a rádio... não é nada de mais... a coisa já passa!" ahahahahahh

    Óbvio... se fosse uma explosão em Wall Street ou no BIS ou no BoA isso sim era uma catástrofe...

    Agora explosões em centrais nucleares... puf venham elas!

    ResponderEliminar
  5. Acidentes nucleares?! Não... tal coisa não existe, ora vejam aqui

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...