27 outubro 2011

2012: a Grande Descida?

O Clube de Roma foi fundado em 1968 na quinta de David Rockefeller em Bellagio, Italia.

Pronto, nesta altura já seria possível acabar, pois é claro que tal Clube é outro daqueles círculos com os quais a elite tenta revestir com uma capa de "teoricamente plausível, aceitável, até bom" os próprios objectivos bem mais rústicos e deploráveis.

Todavia é interessante observar mais de perto um dos produtos do Clube, o livro The Limits to Growth ("Os Limites do Crescimento"), encomendado ao MIT (Massachusetts Institute of Technology) no princípio dos anos '70 e cujo autores principais foram Donella H. Meadows, Dennis L. Meadows e Jørgen Randers.

O livro, baseado em simulações do computador, prevê as consequências das interacções entre Terra e raça humana. É uma seca de publicação, desactualizada em muitos pontos.


Mas não em outros, pois o assunto principal permanece bem actual: petróleo, gás, ferro e comida, só para citar alguns exemplos, não existem em quantidades ilimitadas. E o problema não é apenas a superpopulação mas o nosso estilo de vida.

Todos a rezar o Mágico Mantra do eterno crescimento: quem não cresce, morre.
E quem continua a crescer?
  • Preços elevados do petróleo e recessão
  • Crise da dívida EUA
  • Crise da dívida Europa
  • Dívida chinesa
  • Necessidades de recursos e crises ambientais
Isso sem falar das crises políticas na África e no Médio Oriente, algumas "espontâneas", outras criadas.
De qualquer forma, são todas crises convergentes, perante as quais somos apenas capazes de repetir "Crescimento, crescimento...".

The Limits of Growth tinha previsto alguns dos aspectos actuais, outros na altura nem eram imaginados. Mesmo assim, os cálculos da publicação podem ser resumidos no seguinte gráfico:



Na altura, o livro foi atacado por todos: segundo os economistas oficiais estava "errado", segundo os conspiracionistas era "perigoso".
No geral, prevaleceu a convicção de que o desenvolvimento tecnológico teria evitado todos os problemas e na mesma linha foram as opiniões de alguns Prémios Nobel, tal como Amartya Sen.

O facto de todos estarem unanimemente contrários às teorias apresentadas torna este livro já mais simpático.
Mas sobretudo temos de realçar um pormenor.

Se este for o produto dum Think Tank elitista, isso significa que já na década dos '70 havia consciência do problema nos grupos de poder. E, mesmo assim, o rumo não foi alterado.

Em direcção ao precipício, sempre à sorrir.
E nem podemos esquecer que nas previsões do gráfico acima falta o "problema" da dívida.

O modelo não considera a possibilidade da passagem duma fase de dívida em crescimento a uma de dívida em contracção. Se isso acontecer mesmo na altura em que os recursos são aproveitados no limite, as curvas de descida podem até ser mais abruptas.

Ao ler o gráfico, parece que as primeiras descidas podem ter início já no próximo ano, o "mítico" 2012.

Faz sentido continuar com o conto do Eterno Crescimento? Faz sentido basear um improvável futuro num conceito obsoleto?
Estaremos a desperdiçar o nosso tempo?
Ou, simplesmente, preferimos ignorar tudo isso porque a realidade mete medo?


Ipse dixit.

Fontes: Petrolio, TOD

6 comentários:

  1. Anónimo27.10.11

    Porque 2012???? Porque???
    Porque sempre tudo se encaixa no ano de 2012???

    Que venha logo esse ano para passarmos dessas angústias!!!

    ResponderEliminar
  2. Creio que brevemente a maioria das pessoas se vai dar conta que é impossível continuar a crescer e se isso faz algum sentido ...

    Na ultima década o crescimento foi virtual, foi só conseguido através da construção desenfreada e esquemas de pirâmide bancaria...

    E pensando em portugal, nós nem crescemos quando devíamos ter crescido, agora queremos o que?
    Todos aqueles que apregoam crescimento económico, sabem que é impossível,e só nos estão a embalar para dormir-mos descansados.

    Saudações

    ResponderEliminar
  3. Não se trata do ano, os graficos apenas estipulam, se trata de quando.
    Pode isto ter inicio pela manhã de amanhã.
    O fato é que da forma que vai, vai.

    ResponderEliminar
  4. Aos meus olhos de alucinado as duas linhas que se destacam no gráfico são as linhas dos 'nascimentos' e das 'mortes'... não liguem sou maluco com diploma e certificação de qualidade ISO!

    E porquê? Simples... o aumento louco que o gráfico prevê apenas significa o decrescimento da classificação das sociedades actuais. Actualmente os países "não desenvolvidos" são os que apresentam elevadas taxas de natalidade e mortalidade, e os "desenvolvidos" o oposto... o que o gráfico mostra é o nivelar para o sustentável, isto é, nivelar para um Sistema que tenha em conta os Limites dos Ecossistemas e, de uma forma mais global, os limites do Planeta.

    Nós (povo que habita um pedaço de terra que é conhecido pela designação portugal)já estamos a iniciar esta transformação.

    Ainda dizem que somos sempre os últimos... tomem lá esta! portugal na linha da frente do decrescimento e da sustentabilidade... embrulhem!

    ResponderEliminar
  5. E a festa finalmente vai ter início... kkk

    ResponderEliminar
  6. Olá Voz: muito interessante êste teu comentário. A ver quantas coisas a pensar neste assunto.
    Max: que tal por o Leo a raciocinar sobre crescimento e desenvolvimento? Isso implica a mesma coisa para todo mundo? As mesmas sugestões se aplicam a quaisquer lugares? Quem ganha ou perde com essa equação crescimento-decrescimento? Sustentabilidade...? que é isso mesmo? E desenvolvimento a escala humana...? Será isso um palavrão?
    Bem, pelo menos eu aprenderia muito com lições do Grande Leonardo nesse sentido. Não custa perguntar ao nobre cão, né? Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...