04 outubro 2011

A guerra contra as crianças

Artigo de Harriet Sherwood, do inglês The Guardian. Um diário que não pode ser acusado de ser filo-palestiniano, com certeza.

No início desta semana fui para Nabi Saleh, uma aldeia na Cisjordânia há quase dois anos o palco de protestos semanais, devido à presença de uma fonte de água nas proximidades.
Esta é uma pequena aldeia de cerca de 550 moradores e a fonte fica num pedaço de terra que os Palestinianos afirmam ser propriedade privada.
Mas os colonos de Halamish, do outro lado do vale, em 2008 começaram a trabalhar para transformar a zona numa área para piqueniques e atividades de lazer, exclusivamente para judeus. As manifestações semanais que se seguiram tornaram-se parte estável do movimento de protesto popular na Cisjordânia, movimento que é principalmente não-violento.


Ou que, pelo menos, começa como tal.O exército israelita, quase sempre envolvidos nesses protestos, geralmente usa equipamentos para afastar pessoas, incluindo bombas de gás lacrimogéneo, granadas de efeito moral, canhões de água fedorenta, balas de borracha e, por vezes, munição à sério.

(Eu estava em Qusra, outra aldeia, na Sexta-feira passada, pouco antes de um Palestiniano ser morto por parte dos soldados israelitas.
Um pequeno grupo de colonos israelitas, talvez 15, tinha descido o morro com um bandeiras de israel, e dezenas de homens de Qusra tinha vindo para impedir a entrada dos colonos na vila, uma vez que tinha havido ataques anteriores, incluindo vandalismo contra uma mesquita. Os militares israelitas, que tinham chegado em poucos minutos, começaram a disparar gás lacrimogéneo quase imediatamente, antes de começar qualquer lançamento de pedras.

Eu saí quase que imediatamente, tendo sido temporariamente cegado pelo gás, e não assisti aos eventos subsequentes. Uma declaração do Ministério da Defesa de israel, mais tarde, falou de "uma insurreição violenta, durante a qual os Palestinianos atiraram pedras contra as forças de segurança. Durante a rebelião, as forças de segurança utilizaram meio de dispersão e no final abriram o fogo". Mas, pelo que eu vi, a "dispersão" tinha começado antes da "rebelião").

Os protestos de Nabi Saleh foram amplamente relatados. Mas uma conversa que tive com um dos moradores mostrou uma prática da qual antes não estava ciente.
Bilal Tamimi (muitos dos aldeões fazem parte da família de Tamimi) disse que os soldados costumam prender os moradores(incluindo crianças) à noite, uma prática documentada pela B'Tselem Defense for Children International Secção da Palestina, e por outras ONG. Mas ele disse que no início deste ano o exército também veio durante a noite para fotografar e registar em pormenor a identidade das crianças.
E descreveu o que aconteceu com a sua família:
Eles chegaram à meia-noite e acordaram-me. Perguntaram quantos filhos eu tinha.
Viram os meus documentos de identidade [onde estão listadas também as crianças] e pediram para acordar os dois filhos mais velhos, que têm mais de 10 anos.
Eu disse-lhes que estavam a dormir, mas o soldado disse para acordá-los de qualquer maneira. Eles escreveram alguns números e fizeram algumas fotos dos meninos. Então disseram que poderiam voltar a dormir.
De acordo com um relatório da B'Tselem, No Minor Matter, publicado em Julho passado: 
As fotos foram tiradas para o exército chama de 'mapeamento': o exército não tinha bases para suspeitar de qualquer um dos jovens acordaram e fotografaram, mas queria criar uma coleção de imagens que podem ser úteis para fins de identificação no futuro, se a criança estiver envolvida no lançamento de pedras e em outras actividades violentas. Em resposta a um relatório sobre este assunto, transmitido no Channel 10 News, o exército disse que "usa uma variedade de sistemas para manter a ordem e a segurança"
É realmente difícil entender porque é necessário retirar crianças de 10 anos fora da cama no meio da noite, para fotografá-las, interrogá-las e/ou pende-las.

De acordo com outro relatório, apresentado à ONU pelo Defense for Children Internacional no dia 01 de Agosto, 52% das crianças palestinianas detidas pelas forças israelitas durante o ano anterior tinha sido presa entre meia-noite e cinco da manhã.

A minha colega do Independent, Catrina Stewart, escreveu recentemente um relatório-choque, que foi gravado em vídeo, sobre o que acontece durante um interrogatório.

Bilal Tamimi grava com uma câmera emprestada pelo grupo israelita de B'Tselem os protestos de Nabi Saleh desde Janeiro de 2010:

Bilal Tamimi
As nossa manifestações não são violentas, a câmara é a nossa arma para documentar o que acontece.
Ele admite que as crianças da aldeia "por vezes, atiram pedras - mas quase sempre depois dos soldados terem disparado gás lacrimogéneo".
Os habitantes da aldeia "estão acostumados a viver com esta situação", diz ele, mas como a tensão continua a crescer na Cisjordânia, "teme-se que esta situação possa piorar".

Nem vale a pena comentar.

Ipse dixit.

Fontes: Guardian
Tradução: Informação Incorrecta 

2 comentários:

  1. Anónimo4.10.11

    Max! Você não vai acreditar! Elenin virou agora um... buraco negro! E é falado por um tal Observatório Solar Sisimico, do Chile...

    http://www.youtube.com/watch?v=Q2MkLKQswWE&feature=player_embedded#!

    http://www.25920.cl/nge/25920_nge_archivos/slide0001.htm

    ResponderEliminar
  2. Max

    Isso é terrível, é o verdadeiro apocalipse, a maioria das pessoas no mundo se cala diante dessa barbaridade, existe um documentário:
    Coração de Jenin
    Palestino doa a crianças israelenses os órgãos de seu filho, morto por soldados de Israel. Cineasta alemão Marcus Vetter registrou a história em documentário. Esse pai que doa os orgãos do filho para crianças israelense diz: "As crianças não são minhas inimigas".
    O documentário mostra a realidade entre Israel e a Palestina, exatamente como esse post.

    Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...