24 outubro 2011

Os Protocolos dos Sábios de Sião

Diz Walner:
[...] Navegando por aí, fui dar de encontro com algo por mim conhecido de forma superficial (inteiramente superficial), pois acreditava na versão de que o objeto em questão, tinha sido forjado para incriminar os judeus. Falo do famoso "Protocolos dos Sábios de Sião". [...]

Na verdade tudo indica um plano bem desenhado e seguido à risca. Aqueles meus gens esquerdistas estão revoltados, mais uma vez se sentiram traídos (melhor seria dizer, manipulados).

Se não for pedir muito, seria possível uma consulta aos alfarrábios do Léo e ver qual a credibilidade do documento? Isto se for possível se chegar à alguma conclusão.

Espero não estar abusando da tua paciência e do teu tempo. Eu e meus gens, cada dia mais desbotados, agradecemos.
Abusar da paciência? Ora essa: Informação Incorrecta é lugar de troca de informações, de ideias: e se o Leitor estiver curioso acerca dum assunto, qual o problema em falar dele?

Os Protocolos. São verdadeiro? São falso? Boh? Mas sobretudo: o que são?



Os Protocolos: um plagio?

Os Protocolos dos Sábios de Sião são um documento que foi publicação no principio do século, em 1903.
Supostamente foram redigidos por um grupo de Sábios hebraicos e descrevem uma operação que outra coisa não é a não a implementação duma Nova Ordem Mundial, chefiada pelas elites hebraicas.

Os Protocolos tiveram ampla difusão, merecendo até publicados pelo prestigiado Times em 1920; no mesmo ano, Henry Ford financiou a publicação e difusão do texto.

A Grande Wikipedia, que nunca erra e raramente se engana, explica que na verdade os Protocolos são um falso, que a coisa ficou clara desde o princípio (não parece: o Times publicou os Protocolos 15 anos após estes ter aparecido) e que a prova conclusiva foi apresentada no livro History of a Lie, publicado em 1920 por Herman Bernstein.

Considerado que Bernstein era hebreu (Yddish), é um pouco como perguntar a Al Capone "O que acha, a máfia é coisa boa ou má?".

Mas houve também pesquisas sérias, que demonstraram factos bem suspeitos.

Os Protocolos, no mínimo, utilizaram partes dum outro livro, publicado algumas décadas antes, cujo título era Dialogue aux enfers entre Machiavel et Montesquieu (Dialogo no Inferno entre Macchiavelli e Montesquieu), de Maurice Joly.

E este facto não pode ser negado. Eis alguns exemplos:
Dialogue, pág. 141:
Como o Deus Visnu, a minha imprensa terá centenas de braços e estes braços sentirão o pulso de cada possível opinião em todo o País.

Protocolos, pág. 43:
Estes jornais, tal como o Deus Visnu, terão milhares de mãos, cada uma das quais sentirá o pulso das diversas opiniões públicas.

Dialogue, pág. 207:
Agora percebo a imagem do Deus Visnu: centenas de braços, como o ídolo indiano, e cada dedo mexerá numa alavanca.

Protocolos, pág. 65:
O nosso governo parecerá o Deus Visnu. Cada uma das centenas das nossas mãos controlará as alavancas do sistema do Estado.

Dialogue, pág. 250:
Como funcionam os empréstimos? O governo emite obrigações e empenha-se a pagar os interesses em proporção com o capital depositado. Se um empréstimo for ao 5% o Estado, após 20 anos, terá pago um total igual ao capital depositado. Após 40 anos terá pago o dobro, após 60 anos o triplo: ficando sempre devedor do inteiro capital.

Protocolos, pág. 77:
Um empréstimo é uma obrigação emitida pelo Estado, que empenha-se  apagar uma percentagem do total tomado em empréstimo. Se um empréstimo for ao 5%, após 20 anos o governo terá inutilmente pago um montante igual ao recebido para pagar os interesses. Após 40 anos terá pago o dobro e após 60 anos  o triplo do total, sem ter extinguido a dívida.

Admitimos: semelhanças embaraçosas...e há mais disso, o que demonstra como a publicação não foi algo de original.

Pergunta: mas o que era este Dialogue?
Era uma publicação satírica, cujo alvo era a ambição política de Napoleão III. O Dialogue, por sua vez, era constituído em parte pelo plagio (7 páginas iguais) duma outra obra, Les Mystères du peuple de Eugene Sue (primeira metade de 1800).

Segundo os debunkers (termo inglês que indica os que desvendam tramas como os fals os), os Protocolos tinha sido produzido pela Okhrana, a polícia secreta do regime do czar Alexandre III da Rússia.

A ideia era descredibilizar os movimentos revolucionários bolchevique que já na altura eram activo na Rússia e que o establishment tinha individuado, justamente, como grave ameaça para a segurança do País.


Os Protocolos actuais

Assunto fechado então?
Não. Porque os Protocolos podem ser um falso, mas há mais nesta história.

Em primeiro lugar, qualquer Leitor não pode não reparar na actualidade das descrições. É verdade, muitos dos livros de conspiração fazem afirmações genéricas, que é possível adaptar a muitas situações em várias épocas históricas.

Os Protocolos não: descrevem a actualidade, o que acontece hoje, com assinalável exactidão.
Protocolo II:

Transportada, assim, a guerra para o terreno econômico, as nações verão a força de nossa supremacia, e tal situação porá ambas as partes à disposição de nossos agentes internacionais, que têm milhares de olhos e que nenhuma fronteira pode deter.

Então, nossos direitos internacionais apagarão os direitos nacionais, no sentido próprio da expressão, governando os povos, do mesmo modo que o direito civil dos Estados regula as relações entre seus súditos.

Protocolo III:

Transformamos os Estados em arenas onde reinam os distúrbios... Dentro de pouco tempo, as desordens e bancarrotas surgirão por toda a parte. Os falastrões inesgotáveis transformaram as sessões dos parlamentos e as reuniões administrativas em prélios oratórios.[...]

Os povos estão mais escravizados ao trabalho pesado do que no tempo da servidão e da escravidão. É possível livrar-se de um modo ou de outro da escravidão e da servidão. É possível compactuar com ambas. Mas é impossível livrar-se da miséria. Os direitos que inscrevemos nas constituições são fictícios para as massas ; não são reais.

Todos esses pretensos ""direitos do povo" somente podem existir no espírito e são para sempre irrealizáveis. Que vale para o proletário curvado sobre seu trabalho, esmagado pela sua triste sorte, o direito dado aos falastrões de falar, ou o direito concedido aos jornalistas de escrever toda espécie de absurdos misturados com cousas sérias, desde que o proletariado não tira das constituições outras vantagens senão as miseráveis migalhas que lhe lançamos de nossa mesa em troca dum sufrágio favorável às nossas prescrições, aos nossos prepostos e aos nossos agentes?

Para o pobre diabo, os direitos republicanos são uma ironia amarga: a necessidade dum trabalho quase cotidiano não lhe permite gozá-los ; em compensação, tiram-lhe a garantia dum ganho constante e certo, pondo-o na dependência das greves, dos patrões e dos camaradas.

Sob a nossa direção, o povo destruiu a aristocracia, que era sua protetora e sua ama de leite natural, porque seu interesse era inseparável do interesse do povo. Agora que a aristocracia foi destruída, ele caiu sob o jugo dos açambarcadores, dos velhacos enriquecidos, que o oprimem de modo impiedoso.[...]

Essa inimizade aumentará ainda em virtude da crise econômica que acabará por parar as operações da Bolsa e a marcha da indústria.

Quando criarmos, graças aos meios ocultos de que dispomos por causa do ouro, que se acha totalmente em nossas mãos, uma crise econômica geral, lançaremos à rua multidões de operários, simultaneamente, em todos os países da Europa.

Essas multidões por-se-ão com voluptuosidade a derramar o sangue daqueles que invejam desde a infância na simplicidade de sua ignorância e cujos bens poderão então saquear. 

Protocolo IV:

Para que os espíritos dos cristãos não tenham tempo de raciocinar e observar, é necessário distraí-los pela indústria e pelo comércio. Desse modo, todas as nações procurarão suas vantagens e, lutando cada uma pelos seus interesses, não notarão o inimigo comum.

Mas para que a liberdade possa, assim, desagregar e destruir completamente a sociedade dos cristãos, é preciso fazer da especulação a base da indústria. Desta forma, nenhuma das riquezas que a indústria tirar da terra ficará nas mãos dos industriais, mas serão sorvidas pela especulação, isto é, cairão nas nossas burras.

A luta ardente pela supremacia, os choques da vida econômica criarão e já criaram sociedades desencantadas, frias e sem coração.Essas sociedades terão uma profunda repugnância pela política superior e pela religião. Seu único guia será o cálculo, isto é, o ouro, pelo qual terão verdadeiro culto, por causa dos bens materiais que pode proporcionar.

Então, as classes baixas dos cristãos nos seguirão em nossa luta contra a classe inteligente dos cristãos no poder, nossos concorrentes, não para fazer o bem, nem mesmo para adquirir a riqueza, mas simplesmente por ódio dos privilegiados.
Protocolo V:

Todas as engrenagens do mecanismo governamental dependem dum motor que está em nossas mãos: esse motor é o ouro. A ciência da economia política, inventada por nossos sábios, mostra-nos desde muito tempo o prestígio real do ouro.

O capital, para ter liberdade de ação, deve obter o monopólio da indústria e do comércio; é o que já vai realizando a nossa mão invisível em todas as partes do mundo. Essa liberdade dará força política aos industriais e o povo lhe será submetido. Importa mais, em nossos dias, desarmar os povos do que levá-los à guerra ; importa mais servir as paixões incandescidas para nosso proveito do que acalmá-las ; importa mais apoderar-se das idéias de outrem e comentá-las do que baní-las.

O problema capital do nosso governo é enfraquecer o espírito público pela crítica ; fazer-lhe perder o hábito de pensar, porque a reflexão cria a oposição ; distrair as forças do espírito, em vãs escaramuças de eloqüência.[...]

Para tomar conta da opinião pública, é preciso torná-la perplexa, exprimindo de diversos lados e tanto tempo tantas opiniões contraditórias que os cristãos acabarão perdidos no seu labirinto e convencidos de que, em política, o melhor é não ter opinião. São questões que a sociedade não deve conhecer. Só deve conhecê-las quem a dirige. Eis o primeiro segredo.

O segundo, necessário para governar com êxito, consiste em multiplicar de tal modo os defeitos do povo, os hábitos, as paixões, as regras de viver em comum que ninguém possa deslindar esse caos e que os homens acabem por não se entenderem mais aos outros.
Essa tática terá ainda como efeito lançar a discórdia em todos os partidos, desunindo todas as forças coletivas que ainda não queiram submeter-se a nós; ela desanimará qualquer iniciativa, mesmo genial, e será mais poderosa do que os milhões de homens nos quais semeamos divergências. Precisamos dirigir a educação das sociedades cristãs de modo tal que suas mãos se abatam numa impotência desesperada diante de cada questão que exija iniciativa.

O esforço que se exerce sob o regime da liberdade ilimitada é impotente, porque vai de encontro aos esforços livres de outros. Daí nascem dolorosos conflitos morais, decepções e insucessos. Fatigaremos tanto os cristãos com essa liberdade que os obrigaremos a nos oferecerem um poder internacional, cuja disposição será tal que poderá, sem as quebrar, englobar as forças de todos os Estados do mundo e formar o Governo Supremo.

Em lugar dos governos atuais, poremos um espantalho que se denominará Administração do Governo Supremo. Suas mãos se estenderão para todos os lados como pinças e sua organização será tão colossal que todos os povos terão de se lhe submeterem
Protocolo VI:

Criaremos em breve enormes monopólios, colossais reservatórios de riquezas, dos quais as próprias fortunas dos cristãos dependerão de tal modo que serão por eles devoradas, como o crédito dos Estados no dia seguinte a uma catástrofe política.

Os senhores economistas aqui presentes devem considerar a importância dessa combinação![...]

Ao mesmo tempo, devemos proteger fortemente o comércio e a indústria, sobretudo a especulação, cujo papel é servir de contrapeso à indústria; sem a especulação, a indústria multiplicaria os capitais privados e melhoraria a agricultura, libertando a terra das dívidas criadas pelos bancos rurais. É necessário que a indústria tire à terra o fruto do trabalho, como o do capital , que nos dê, pela especulação, o dinheiro de todo o mundo: lançados, assim, às fileiras dos proletários, todos os cristãos se inclinarão diante de nós para terem ao menos o direito de viver.

Para arruinar a indústria dos cristãos, desenvolveremos a especulação e o gosto do luxo, desse luxo que tudo devora. Faremos subir os salários, que, entretanto, não trarão proveito aos operários, porque faremos, ao mesmo tempo, o encarecimento dos gêneros de primeira necessidade, devido, como apregoaremos, à decadência da agricultura e da pecuária [...]

Protocolo VIII:

Rodearemos nosso governo por uma multidão de economistas. Eis porque as ciências econômicas são as mais importantes a serem ensinadas aos judeus. Rodear-nos-emos duma plêiade de banqueiros, industriais, capitalistas, e sobretudo milionários, porque, em suma, tudo será decidido pelas cifras.

Um fenómeno de longa duração

Se ao ler os Protocolos na integra o alvo parece evidente em algumas passagens (os Judeus, os Bolcheviques), outras indicam uma visão que transcende a altura da publicação e abrange um período de tempo bem maior (há a antecipação da Grande Depressão americana e também da nossa crise).

A verdade é que o Dialogue decifra um fenómeno de longa duração e os Protocolos, neste aspecto, foram modificados apenas para individuar um "culpado" acerca do qual reunir um maior consenso. De facto, nos Dialogue não aparecem os hebreus, que nos Protocolos ao contrário são indicados como principais responsáveis da trama sinistra.

Mas em ambos os casos, Napoleão III ou as setas hebraicas não têm grande importância: o que interessa é que os Dialogue (e os Protocolos de reflexo) descrevem um enredo no centro do qual encontramos o Estado moderno, cujo fim parece ser a criação e a manutenção duma condição de escravidão, obtida com as mais diversas técnicas (controle da imprensa, crises económicas).

O que espanta é que os Protocolos foram publicados nos primeiros anos do séc. XX; o Dialogue por volta de 1860 e Les Mystères du peuple na primeira metade de 1800. Estamos perante dum tendência que não é própria apenas do nosso tempo: é um perigo já vislumbrado no passado e acerca do qual vários escritores chamaram a atenção.

Os Protocolos são um plagio, e isso não pode ser posto em discussão (se alguém conhecer o idioma francês, será suficiente comparar os Protocolos e o Dialogue, cujos links são presentes mais em baixo). O problema é que o original é algo de muito interessante e terrivelmente moderno. Os críticos dos Protocolos esquecem de analisar a fonte, ficando apenas com a ideia dum aproveitamento para desacreditar os hebraicos, pois a única coisa a reter nesta história parece ser o eterno papel de vítima do povo do Rei David.

Mas liquidar o assunto como simples plagio é a maneira melhor para não enfrentar um perigo que já tinha sido pressentido no passado e que hoje é cada vez mais actual. Nesta óptica, seria interessante conhecer qual a fonte originária dum documento (Le Mystéres) que descreve uma fase histórica que bem conhecemos: a implementação duma Nova Ordem Mundial.


Ipse dixit.

Ah! Obrigado Walner por ter lembrado o assunto!

Fontes: Dialogue aux enfers entre Machiavel et Montesquieu (em língua original). Rádio Islam (Protocolos dos Sábios de Sião, em língua portuguesa) 

36 comentários:

  1. Eu estou abismado, isto é simplesmente um espelho da atualidade, porém escrito a mais de duzentos anos!
    Eu não entendo, como podemos ter deixado as coisas ficarem assim?
    Simplesmente não entendo!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo24.10.11

    Quem quiser baixar uma análise do livro (Protocolos), feita pelo general e professor universitário Gustavo Barroso, deixo aqui o link:

    http://w14.easy-share.com/1701395363.html

    Lembrando que,
    o general faz uma comparação com outros materiais parecidos e comenta cada passagem dos Protocolos, concluindo que os motivos são sim, reais.

    Deixo aqui, também, uma grande achado de diversos livros raros a cerca do assunto:

    http://www.queverdadeeessa.com/2010/09/livros-antigos-por-que-le-los.html

    ResponderEliminar
  3. Anónimo24.10.11

    Este livro dos Protocolos é proibido.
    Dizem que só a pronúncia dele em Israel já é motivo de prisão.

    Quando foi lançado no Brasil, também foi proibido.

    ResponderEliminar
  4. Ricardo24.10.11

    Eu já li a versão do Gustavo Barroso há anos atrás. Foi publicad em 1936. Os judeus só começaram a ser inquestionávelmente vítimas e o povo definitivamente escolhido por deus, independentemente do que os outros pensarem, após o julgamento da segunda guerra.

    Antes disso, criticar judeu era sadio e intensamente fundado. Hitler não inventou o ódio.

    Logo antes de publicar o ptrotocolo, o Gustavo Barroso lançou livros os quais critica absurdamente a política internacional judaica (HISTÓRIA SECRETA DO BRASIL e BRASIL COLÔNIA DE BANQUEIROS).

    É dessa época que os teóricos da conspiração cristãos lutando contra o satanismo surgiu...

    Já tive várias conversas com a Ação Integralista Brasileira (que existe até hoje) e não consigo concluir se eles tem as boas idéias do nacional socialismo ou se eles tem as loucas idéias da eugenia...

    ResponderEliminar
  5. Anónimo24.10.11

    Max,
    sugiro um post dedicado a Albert Pike:

    http://www.queverdadeeessa.com/2011/02/macon-albert-pike-fundador-da-ku-klux.html

    "Senhor do Mau"

    Poucos conhecem, pouco se divulga...

    ResponderEliminar
  6. Ricardo24.10.11

    Olha o que dá misturar religião com conhecimento oculto (não confundir o que é secreto com o ocultismo sobrenatural)! Sobre Gustavo Barroso:

    "Era reconhecidamente antissemita. Em seu livro, publicado em três volumes a partir de 1937, A História Secreta do Brasil os judeus são apresentados como inimigos históricos da civilização cristã. São narrados episódios como a participação em rituais de sacríficio no sertão baiano no século XIX até a sociedade secreta da Faculdade de Direito de São Paulo (chamada 'A Bucha'). Profundamente nacionalista, ele defendeu a integridade do Brasil contra dominação estrangeira e de grupos de banqueiros internacionais."

    Os livros deles tem valores concretos sobre transferência, sobre colonialismo econômico pesado... mas ele se focava em que judeus são maçons e maçons são satanistas e bla bla bla... pronto! Acaba-se a credibilidade... um bando de teórico da conspiração focado no sobrenatural ao invés de tentar solucionar os problemas reais...

    ResponderEliminar
  7. Anónimo24.10.11

    Mais sobre Albert Pike..


    ALBERT PIKE E O PLANO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA NOVA ORDEM MUNDIAL:

    http://www.queverdadeeessa.com/2010/10/albert-pike-e-o-plano-para.html

    ResponderEliminar
  8. Pedro H

    Não fique abismado, lí os protocolos a 20 anos atrás, mas cada vez que comentava com alguém diziam que era loucuras de antissemitas, esses anos todos vejo as pessoas cegas para qualquer assunto que esclareça essa desgraça toda, a nossa situação chegou a esse ponto porque vivemos cercados de pessoas cegas, e o que é pior não querem enxergar, agora tu diz: Eu não entendo, como podemos ter deixado as coisas ficarem assim?
    Desculpe meu amigo mas eu não me encaixo nisso, pois sabia disso e sempre tentei alertar quem eu pude e nunca quiseram acreditar e nem mesmo se dar a dúvida disso, na verdade me sinto vítima desse bando de cegos que passam o tempo a assistir televisão e acreditam nessa mídia que distorce tudo, e como diz Voz, a manada agora quer culpar alguém, se não fosse triste e eu não estivesse no meio eu diría: BEM FEITO PRA VOCÊS!!!!

    Abraços

    ResponderEliminar
  9. Recomendo a todos estes excelentes livros que todos deveriam ler, não para que acreditem totalmente mas que se deêm o direito a dúvida.

    Autor: Siegfried Ellwanger Castan
    Livros:
    Holocausto: Judeu ou Alemão?

    Nos Bastidores da Mentira do Século

    Acabou o Gás!... O Fim de um Mito

    SOS para Alemanha

    A verdade sobre o Diálogo católico-judaico no Brasil

    Inocentes em Nuremberg

    Autor(judeu antissemita): Norman Finkelstein

    Imagem e realidade do conflito Israel-Palestina

    A Indústria do Holocausto

    Abraços

    ResponderEliminar
  10. Anónimo24.10.11

    http://www.stormfront.org/forum/t746553-2/

    LINK

    ResponderEliminar
  11. Anónimo24.10.11

    Max,

    Muito obrigado pelo trabalho e o tempo dispensado. Você é um dos que poderíamos colocar naquela lista das pessoas que se importam.

    Burgos,

    Existe um documentário sobre Norman Finkelstein muitíssimo interessante: "American Radical", creio que você já deva conhecer, mas sempre é bom divulgar algo assim. Rapaz, me permita discordar concordando apenas num ponto: quanto à sermos vozes no deserto. O que de fato somos. Mesmo aqui em casa meu Ibope dá traço de audiência, muito embora deva reconhecer meu baixíssimo poder de persuasão. Agora, imagine pessoas bombardeadas ininterruptamente com tolices. Imagine, por acaso, alguém que faça questionamentos acerca deste mundo idiotizado, que inicie uma navegação pela web procurando respostas e, de repente, dê de cara com um destes blogs conspiracionistas que vivem entupidos de greys, reptilianos e assemelhados. Com certeza em muitos deles deve surgir um link para um vídeo de Alex Collier e sua tese de uma base secreta (sei lá de quem) na face escura da lua, tudo amparado em fotos ininteligíveis. Ou talvez, o video de um cara que se diz soldado e que afirma manjar sobre um Stargate no Golfo de Aden, ou ainda, David Icke e os tais reptilianos. Talvez seja mais uma conciência perdida para sempre devido à tanta coisa de difícil deglutição. E como os Protocolos mesmo afirmam: informação, contra-informação, informação em excesso, desestimulam. Eu creio em HAARP, mas tenho certeza que é algo de dífícil assimilação por parte das pessoas. Elas estão muito ligadas ao preço nas gondolas dos mercados, na violência das ruas, violência da polícia, na corrupção, e mais tristemente em futebol (que inclusive eu gosto e pratico), na novela, nos filmes de vampiros teen, no universo Pop, no BBB, nas comédias imbecilizantes e poraí vai. Tudo como sublinhado também nos Protocolos. Vivemos como afirmado pelo professor e mestre yogue José Hermógenes de Andrade Filho (Mestre Hermógenes), aceitamos pacificamente o que ele identifica como NORMOSE. Vivemos na NORMOSE. Uma vida mediocrizada. Caro Burgos, entendo perfeitamente teu desabafo, mas te pergunto, e a quantos lerem este comentário: quantos de nós que aqui nos fazemos presentes, inspira de alguma forma as pessoas que vivem a nossa volta a questionar o William Bonner e a Fátima Bernardes (Globo), e a verdade definitiva que nos enreda? Viu? Acabei concordando contigo, mas discordando. Ou discordei concordando?

    Obs.: """NORMOSE OU ANOMALIAS DA NORMALIDADE""" =
    Há na maioria dos nossos contemporâneos uma crença bastante enraizada. Segundo esta, tudo o que a maioria das pessoas pensa, sente, acredita ou faz, deve ser considerado como normal e por conseguinte servir de guia para o comportamentop de todo mundo e mesmo de "roteiro" para a educação.
    Obs.2: Não é fácil lutar contra isto meu amigo.


    Novamente quero te agradecer Max. Abraços.
    Abraços Burgos.
    Walner.

    ResponderEliminar
  12. Olá Walner e Burgos: só complementando e tentando estimular o Burgos a persistir.
    Vamos juntos...A curiosidade é o primeiro passo da insubordinação,certo?
    A curiosidade satisfeita te dá lastro de segurança para dar um passo mais , não?
    A curiosidade satisfeita de uma forma tão clara, que seja capaz de ser tão bem assimilada a ponto de poder ser transmitida com simplicidade para outros, com aquele entusiasmo de quem compreendeu mesmo, ( é aí que entram Max e Leo no serviço de descodificação da realidade e das representações dela) pode converter-se num outro passo rumo a insubordinação importante, ou seja, a ação lúcida e coerente do sujeito insubordinado. Ou vocês acham que eu estou errada? Acho que não porque sinto que a pior doença que assola a humanidade é o desconhecimento.
    Eis uma das razões pelas quais acho que o que fazemos aqui juntos é importante. Aprendemos e passamos adiante.
    Também sei que há fatores limitantes terríveis, como o mau uso que as pessoas fazem em geral do pouco tempo que têm para aprender e transmitir. Mas, dicididamente não estamos perdendo tempo.

    ResponderEliminar
  13. Olá Burgos!

    Talvez tenha razão Leo, estou a ficar atordoado. Talvez seja o meu Português, não sei: mas a verdade é que não percebi o desabafo.

    Não percebi mesmo!

    Era relativo aos Protocolos? Ou era um discurso mais geral?

    Porque depois vi os links acerca do judaismo e então não percebi.
    Burgos acredita nos judeus que conspiram para uma NWO?
    É uma hipótese, por acaso nunca falámos disso no blog, mas é um assunto que cedo ou tarde terá que ficar encarado.
    Tal como a questão do Holocausto, questão muito complicada.

    Abraço!!!

    ResponderEliminar
  14. Anónimo25.10.11

    Os judeus estão infiltrados nos maiores bancos do mundo, estão em toda parte!!

    ResponderEliminar
  15. Marcelo25.10.11

    Não gosto nada daquele selo de salomão (estrela de davi) estampada na bandeira de Israel.

    Por acaso vocês ja estudaram o significado disso? Já leram sobre ocultismo? É intrigante e muito antigo...very old!!!!

    ResponderEliminar
  16. Anónimo25.10.11

    Benjamim Shalom Bernanke. Ben Bernanke. Não diria exatamente infiltrados. Eles estão na cabeça. Os caras devem ter um conhecimento ancestral de que não formam com os demais uma raça.

    Também tem o clã Bronfman e a manguaça nossa de cada dia. O que vem de encontro com o exposto sobre alcoolismo e proletariado nos PROTOCOLOS. A prostituição difundida por este planeta sob a chancela dos cáftens (cafetões) judeus (também dentro dos conformes dos PROTOCOLOS). O que no Rio de Janeiro se chamou de Polacas. O tráfico destas escravas brancas. Sustentado por quem!? Quem acertar dou o prêmio da "Grande Sondagem" (se por acaso ganhar). Debaixo deste angú tem caroço... Traduzindo pra Trás-os-Montes: Debaixo desta bacalhoada tem tremoços...

    Até.
    Walner.

    ResponderEliminar
  17. Max e todos

    Na verdade não acredito em Nova ordem Mundial, acredito sim na Velha Ordem Mundial, não existe nada de novo nem vai existir, isso que estamos todos vendo já é velho, sempre fizeram isso.
    O que estão fazendo agora na Europa, já fizeram por muito tempo aqui na América do Sul, fizeram e continuam fazendo na Africa e com certeza devem fazer no mundo todo.
    Desculpem pelo desabafo, mas a muito tempo estudo muito sobre tudo isso, e como bem sabemos o Sionismo comanda esse mundo, comandam o mais importante que é os meios de comunicação e o sistema bancário, isso é um fato, não tem político, nem líder algum que resolva isso, eles tramam e manipulam quem eles bem entendem.
    Não sou contra Judeus, nem qualquer raça que seja, sou contra esse sistema Sionista que como bem disse o Pedro H está escrito a duzentos anos, isso não tem nada a ver com Nova Ordem, isso vem crescendo faz tempo e só agora poucos estão se dando conta disso.
    Não tenho as respostas, talvez seja por isso que as vezes me desespero, sei que não estamos perdendo tempo, sei também que o pouco que sabemos temos que continuar passando adiante, mas quando vejo tanta injustiça me sinto impotente.

    Me desculpem pelo desabafo, mas graças a vocês posso colocar pra fora como me sinto em relação a tudo isso, pois aqui nesse blog encontrei pessoas que questionam como eu, que trocam opiniões e graças ao Max temos esse cantinho onde podemos expor nossas idéias e sentimentos.

    A luta continua companheiros!!!

    Um grande abraço para todos e mais uma vez me desculpem.

    ResponderEliminar
  18. Segundo o meu entendimento a questão judáico-sionista tem como base dois princípios, um religioso e outro político e o que dá a coesão do judaísmo é a sua milenar religião monoteísta do seu Jeová (yaveh) que por sinal é preconceituosa com os gentios (góins), basta ler alguns trechos do Torá para ver. Já o sionismo como sistema político implementa com muita força as bases desta religião. Quanto aos Protocolos dos Sábios de Sião é uma importante fonte de informações para podermos comprender o nosso mundo atual, aliás nem tão atual assim, pois as teses desenvolvidas neste livro já se desenrolam há séculos, ou seja não há nada de novo, não existe velha ordem, nem nova ordem o que existe penso eu é apenas um plano que está em desenvolvimento há séculos e que a cada dia dá mais um passo adiante. Infelizmente nós ocidentais por não termos a mesma coesão religiosa por termos uma natureza muito crédula (todo tipo de teoria nos serve para distração, acabamos muitas vezes por discutir sobre o sexo dos anjos, creio que seja por isto que os sionistas precisam tanto por de joelhos os muçulmanos, pois atualmente são os únicos capazes de fazer frente a ideologia judáica, já que ambos os povos são e tem uma religião fundamentalistas de forma assimétrica. Quanto aos ET's acho que não podemos ter a pretensão de acreditar que somos os únicos neste universo e que estas entidades nada tenham a ver com o que acontece neste nosso mundo e que também em algum momento não interajam conosco de forma velada.
    Afinal, até hoje ninguém respondeu se fomos criados por um "deus" que hoje estaria sentado em seu trono a nos observar, nem a ciência com uma "sopa" de moléculas consegue refazer a criação como a temos hoje, de forma que não sabemos se somos um acidente da Natureza ou fomos deliberadamente criados geneticamente por seres do espaço sideral. Quem se habilita a responder?

    Abraços

    ResponderEliminar
  19. Anónimo25.10.11

    Tô contigo Tibiriça. Não sei exatamente se a tua análise sobre a existência ou não dos ETs e do surgimento do ser humano, tem haver com minha crítica as teorias greys e reptilianas. Falam de "Complexo R" e lagartixas, que para conviverem conosco, têm que se alimentar de vidas humanas. Tem gente assistindo metamorfoses destes seres em lugares públicos. E aí, meu amigo, apesar de crer em vida alienígena e que esta tenha conexões com a nossa existência, passo a achar, como só um bom conspiracionista pode achar, que são teorias diversionistas. Diferentemente de uma boa parte dos comentaristas aqui, creio em muito do que Zecharia Sitchin escreveu sobre seus estudos das tábuas sumérias. Principalmente, quando foca na formação do mundo monoteísta e a participação de seres além de nossa compreensão na concepção do que viria a ser a Torá e consequentemente a Bíblia. Tua análise sobre o fundamentalismo judáico, tanto quanto o islâmico, como uma ameaça mútua, perfeito, nada a acrescentar. Os cristão já foram postos para escanteio, faz tempo. Nosso mundo cristão vive aquele momento que antecede o último suspiro.

    Até.
    Walner.

    ResponderEliminar
  20. Anónimo25.10.11

    Vocês sabiam que a maioria das editoras de livros aqui no Brasil pertencem a Judeus? Imaginem, em grande parte, até mesmo os livros didáticos da escola. Ou seja, eles estão na educação também.

    Sobre o cristianismo, ETs e o hexagrama, ainda não sei. Mas se vocês bem lembrarem ha uma perseguição de cristãos atualmente lá no oriente, mas isso não é divulgado. Além disso, ha diversas destas teorias New Age sobre os alienígenas terem manipulado os símios geneticamente para criar o ser humano. E muitas destas teorias fazem parte do projeto "blue beam", criados para nos distrair e nos deixar longe dos valores cristãos.
    Até o filme Zeitgeist já da esta pista: A era de peixes(cristã) está acabando para a entrada da era de Aquário(era das descobertas, das revelações, das mudanças).

    O hexagrama possui conhecimentos codificados em sua geometria, mas infelizmente apenas poucos procuram estudar a respeito. Vejam os vídeos sobre o "Coral Castle" no youtube para saber do que estou falando.

    ResponderEliminar
  21. Quando se fala em ETs,eu penso que tem fundamento as historias de Shetin pois vendo sobre o código do TORA ou contido nele, acessei esse link por curiosidade

    http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://www.research-systems.com/codes/mathcode-web.pdf&ei=ra-YTrP_NYnj0QGJ2rzBBA&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=1&ved=0CB0Q7gEwAA&prev=/search%3Fq%3Dhttp://www.research-systems.com/codes/mathcode-web.pdf%26hl%3Dpt-BR%26biw%3D1366%26bih%3D677%26prmd%3Dimvns

    Achei que tem muita tecnologia embutida para "algo" tão antigo para nossos padrões hoje. Deem uma olhada.
    Abraços a todos.

    ResponderEliminar
  22. Anónimo25.10.11

    Existem 2 tipos de visitantes extra-terrestres aqui na Terra.

    Os Grays, assim chamados por terem um aspecto cinzento, corpo frágil e magro, são baixos, mais ou menos 1,6m, cabeça grande, olhos grandes, opacos e escuros, boca pequena, nariz em forma de buracos. Estes procuram fazer experiências com seres humanos, isso inclui reprodução, genética e outros..
    Os Grays vieram do sistema Zeta Reticulari.

    Existem também os humanóides, estes são muito parecidos com nós humanos, dizem que são nossos ancestrais. Sua aparência em si é como a nossa, mas são mais altos, possuem cabelos louros e olhos azuis, os olhos e a boca são um pouco maiores que os dos humanos. Vieram em paz e querem compartilhar conhecimento. Estes humanoides são originários da constelação de Plêiades.

    ResponderEliminar
  23. Ricardo25.10.11

    Todos tem razão... e ninguém tem razão...

    A propaganda não é algo rapidamente assimilada. É fácil convencer as pessoas de que a história sobre o Kadafi é mal contada. Mas é impossível convencer alguém que a históra da segunda guerra mundial e o holocausto foi mal contada. Daqui há alguns anos NINGUÉM vai contestar a versão imperialista sobre a áfrica e oriente médio.

    Há mais uma década eu pesquiso sobre muitos assutos e, as crises financeiras e aliados x eixo, capitalismo x comunismo voltam SEMPRE como fundamental... e, impossível de se obter visão imparcial!!!

    É problemático... temos certeza absoluta que a versão da propaganda (a nossa oficial) é uma completa fraude... o problema é quem tem coragem de apresentar as visões alternativas! Como vou confiar num website white power falando sobre nazismo? Como vou confiar num website vermelho falando sobre comunismo?

    Fucei esse STORMFRONT... 99% das pessoas lá querem implementar uma ditadura militar nos próprios países e querem matar negros, homosexuais e etc.

    Essas são as pessoas que trabalham no revisionismo sobre o holocausto... nota 10 de confiabilidade, hein? Pessoas normais não pesquisam sobre isso?

    É complexo... os Protocolos existem... são palpáveis... lá li edições e vi fotos do original. O problema é coisas como Abert Pike da vida que atribuem a ele uma carta que supostamente sumiu do museu de londres mas não achei nenhum indício de que essa carta existiu. Mistura-se realidade com ficção e aí tudo se vai por água à baixo (e nem falei dos ETs e o tal hexagrama que outro anônimo falou)...

    ResponderEliminar
  24. Anónimo26.10.11

    Adorei seu post! Vou repostar em meu blog Holosgaia, com os devidos links e créditos, se não se importa.

    Bem, só queria dizer que os Protocolos merecem ser muito bem estudados, como as demais AGENDAS, aliás, muito semelhantes entre si.
    O fato da autoria ser duvidosa não impede a investigação, ao contrário. Não estamos aqui para acreditar piamente em nada, mas para investigar.

    Abs,
    Celia

    ResponderEliminar
  25. Quem dominar Jerusalém, dominará o mundo."

    ResponderEliminar
  26. Mariposa28.10.11

    A conversa sobre ETs estava até racional antes de aparecer o anônimo (que está acima do Ricardo na lista)

    Fala sério cara!

    Nenhum cidadão comum sabe de onde vieram e o que querem os ETs !!

    Povo fala como se os bichos morassem com eles!

    NINGUÉM SABE REALMENTE QUAIS SÃO AS INTENçÕES ATUAIS DOS ETS! Nem de onde vem, nem para onde vão, nem porque atuam na Terra do jeito que atuam, muito menos qual é o propósito disso!

    Não adianta, ninguém sabe!

    Mesmo quem acredita em canalizações, hipnoses, transição planetária e afins NÃO tem certeza em dizer o que eles querem com a gente ou com o planeta!

    Afinal, quem te garante que o ET não tem a capacidade de mentir, enganar, manipular, ou qualquer outra coisa?

    Idependente se para a humanidade a interação com ETs seja boa ou ruim, repito, NINGUÉM pode dizer com certeza quem são, de onde são, o que querem, nem porque querem!

    Uma maneira divertida de pensar nisso vocês podem ver na temporada 13, capitulo 6 , da animação South Park.


    Resumo do episódio

    http://forum.cifraclub.com.br/forum/11/207935/


    Download do episódio

    http://www.mediafire.com/?jo3v2mkibml


    Assistir online (Em inglês)

    http://www.southparkstudios.com/full-episodes/s13e06-pinewood-derby

    ResponderEliminar
  27. Anónimo29.10.11

    http://holosgaia.blogspot.com/2011/10/agendas-serem-estudadas-protocolos-dos.html

    ResponderEliminar
  28. Anónimo29.10.11

    Estava dando uma olhada no meu livro comentado por G Barroso, e dei de cara com a informação que Maurice Joly é judeu, Moses Joel, que a versão dele tem origem em uma obra com um título quase idêntico de outro autor, Jacob Venedey, seu conhecido de uma sociedade secreta de revolucionários bolcheviques, e amigo de Karl Marx.

    Provavelmente Eugene Sue tb tem ligações com revolucionários ou sociedades secretas.

    ResponderEliminar
  29. Anónimo29.10.11

    Achei isso interessate:
    Jesuit conspiracy theories

    ...romancista Eugène Sue em seu best-seller "O Judeu Errante" descreveu os jesuítas como uma "sociedade secreta pela dominação do mundo por todos os meios disponíveis". A heroína de Sue, Adrienne de Cardoville, disse que não podia pensar em jesuítas "sem que despertasse em mim idéias de escuridão, de veneno e de desagradáveis répteis pretos".
    Teorias da conspiração jesuíta de épocas anteriores, muitas vezes focadas na personalidade de Adam Weishaupt , professor de Direito em uma escola jesuíta, que ajudou a fundar a Ordem Bávara do Illuminati . Weishaupt foi acusado de ser o líder secreto da Nova Ordem Mundial , e até mesmo de ser o diabo ele mesmo. Augustin Barruel , um historiador jesuíta conservador, escreveu longamente sobre Weishaupt, alegando que os Illuminati tinham sido os promotores segretos da Revolução Francesa.

    ... Em 1910, durante uma reunião clandestina organizada pelo JP Morgan , sete maiores financiadores controlada por ou em conluio com os jesuítas chegaram a um acordo sobre a necessidade de eliminar a concorrência no mundo bancário e para criar um banco central apoiada pelo Governo dos Estados Unidos , a ser conhecido mais tarde como o Federal Reserve . Este esquema, no entanto, foi contestado por alguns empresários influentes, como Benjamin Guggenheim , Strauss Isador e John Jacob Astor IV . A fim de eliminar estes três poderosos "inimigos", os jesuítas ordenaram a Morgan a construção do Titanic e os enviaram para uma viagem de fatal.


    http://en.wikipedia.org/wiki/Jesuit_conspiracy_theories

    ResponderEliminar
  30. Tenho um post que complementa tudo isso:

    SOCIEDADES SECRETAS, ILLUMINATI E REVOLUÇÕES NO MUNDO

    http://conspiratio.blogs.sapo.pt/202906.html

    E este livro ainda mais, tem muita informação:

    A HISTÓRIA SECRETA DO OCIDENTE de Nicholas Hagger

    http://www.pensamento-cultrix.com.br/historiasecretadoocidentea,product,978-85-316-1103-2,17.aspx

    Abs,

    ResponderEliminar
  31. Neste post estou colocando as AGENDAS ILLUMINATI (incluindo seu post) :

    http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/01/agendas-globalistas-serem-estudadas.html

    Abs,

    ResponderEliminar
  32. Anónimo3.1.14

    Olá Max... Tarde mas não muito tarde...

    " O autor das citações de impossibilidade de legitimidade dos “...Protocolos dos Sábios de Sião...”, foi um jornalista do “The Times”. O qual chegou a tachá-lo de copia de uma novela do século XIX - Biarritz, 1868.
    Porém o que o mundo acabou por desenvolver como hábito pouco salutar para si mesmo, e que poucos tiveram o interesse de pesquisar, foi o fato simples de que Philip Graves – o citado jornalista acima – era um agente do governo britânico, intimamente relacionado com a política de Churchill , e que estava em plena atividade a favor dos interesses do mesmo, em no período de 1915 à 1919, em que serviu no Exército britânico na guerra do Médio Oriente, sendo que como capitão na Inteligência do Exército, no Cairo, ele trabalhou com TE Lawrence sobre o Manual do Exército turco para o Bureau árabe - e como veremos abaixo o anglo-israelismo citava a Inglaterra como Sião.(...) "


    " Na Grã Bretanha a conexão entre Antigo Testamento, Israel e Cristianismo eram tão fortes, que no “...prefácio da Versão King James, a Inglaterra é chamada de Sião...”.

    http://www.stormfront.org/forum/t849063/

    Só para ajudar algumas pessoas distraidas com a "retorica Tavistok" ...
    Carry on sheep, carry on! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os próprios Protocolos já mencionam que a imprensa está debaixo de seus interesses. Logo, como confiar justamente no The Times e no New York Times? Quando o teórico conspiracionista Alex Jones invadiu o acampamento da Bohemian Grove e revelou ao mundo os rituais obscuros realizados pela elite política e banqueiros nos EUA, estas duas mídias estiveram entre as que boicotaram este grande furo jornalístico. A BBC por ex, noticiou o fato em destaque. http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/07/130729_clube_secreto_ricos_poderosos_jp

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  33. Anónimo3.1.14

    Brit-(Ish) ... (LOL)

    ResponderEliminar
  34. Em Israel é comum ver discussões de rabinos judeus legítimos abordando o tema e acusando os próprios governantes do país de serem judeus sionistas, onde deixam claro que o sionismo não é judaísmo. De fato, o judaísmo é a religião que precede o cristianismo, sendo que segundo as escrituras, Cristo veio dos judeus, assim como Paulo, Pedro e todos os apóstolos.
    Quero dizer que não se deve adotar uma postura antissemita, mesmo que de fato os Protocolos de Sião sejam legítimos.

    A razão dos Protocolos de Sião demonstrarem tanto ódio pela religião cristã se deve ao fato de que os ensinamentos de Cristo presente no Novo Testamento (se forem legítimos), vão na contra-mão de qualquer forma de domínio e controle do Estado ou organizações sobre as pessoas. Eles refutam o domínio do mais forte sobre o fraco, apesar de a própria Igreja moderna não se lembrar muito bem disso, tento se concentrado na prosperidade econômica da mesma forma que as grandes corporações.
    Os ensinamentos de Cristo têm a caridade como fundamento, onde os "maiores" devem servir e ajudar os "menores". Segundo a bíblia, no livro de Atos, os primeiros cristão viviam em comunidades, sem acúmulo de riquezas, as quais eram distribuídas igualmente entre os mais pobres para que ninguém passasse qualquer tipo de necessidade.

    Vejo aqui alguns comentários que ridicularizam os teóricos de conspiração que se fundamentam na religião. Apesar de ser cristão, concordo que a maior parte deste grupo realmente parece um bando de loucos tentando por a culpa em alguém. Mas não se pode descartar o tema religião deste assunto, pois todo o texto dos protocolos gira em torno disso. Do contrário, não se falaria em cristãos, maçons e judeus. Do contrário, o nome não mencionaria sequer a palavra Sião. Afinal, qual a maior busca do ser humano, senão tentar entender sua origem e a razão de sua existência?

    E concluo dizendo que a escravidão econômica, descrita nos Protocolos de Sião, inquestionavelmente ilustra a atual realidade mundial, em praticamente todos os 24 capítulos do texto. Legítimo ou não, acertou em cheio.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...