23 novembro 2011

Egipto: gás, petróleo e papiros

Mas porque um ou mais Países estrangeiros (um palpite: Estados Unidos?) deveriam estar interessados na política interna do Egipto?

Será por causa das Pirâmides? Talvez seja isso.
Aliás, deve ser por isso, porque não é que o Egipto possa oferecer muito mais.

Que dizer, haveria o petróleo. Mas não é este o verdadeiro objectivo: Kioto, aquecimento global, os limites das emissões, o carro eléctrico (o Graal!!!)...nesta altura o Ocidente nem saberia o que fazer com o petróleo.
E o gás? Não, o gás cheira mal, está fora de questão.

Curioso.
Curioso porque apesar de tudo no Egipto continuam a procurar o ouro negro e o ouro "volátil". Um novo campo de gás foi encontrado acidentalmente no Delta do Nilo (Salmon) pela BP e a Eni Egipto, 50 km a norte de Damietta. BP e ENI estavam à procura de antigos papiros manuscriptos quando de repente, olha só, gás.

Na praça Tahrir matam-se coma Primavera Árabe e não muito longe fazem buracos para encontrar gás. E os observadores internacionais agora estão preocupados: como é possível procurar papiros num País onde as pessoas passam o tempo a matar-se?
O que é verdade. No mínimo incomoda.


E pensar que para o Egipto a notícia até seria boa. Porque o Cairo cedo deixará de ser um exportador de petróleo e talvez de gás, para tornar-se um importador. 80 milhões de habitantes em rápido crescimento (balas das forças armadas permitindo), até hoje exportador de ouro negro e volátil, importador a partir de...desde quando? Desde 2011, dizem as previsões. Mesmo ano em que o regime de Mubarak fica de pernas para o ar.
Olha só as coincidências.
"É a vida", como dizem em Portugal.

A Egyptian Geral Petroleum Corporation (EGPC) está a tentar encontrar fundos de bancos internacionais para aumentar as exportações. Destinos Jordânia e israel, para equilibrar o custo das importações de outros produtos: butano e diesel. E um uso excessivo do Tesouro para manter em ordem o balanço de pagamentos.
Porque o Egipto já não exporta apenas: importa também.

Na mesma altura, o governo egípcio anuncia planos para renegociar as receitas das exportações que passam pelos seus pipelines, para compensar a preços artificialmente baixos, resultado da corrupção dos empresários ligados ao regime de Mubarak.
Porque é assim: em todo o mundo a corrupção aumenta os preços, no Egipto acontecia o contrário. Mubarak corrompia os empresário para que estes tivessem menos lucros. Doutro lado, Mubarak era mau, já sabemos.

Mas hoje, é explicado, parece que renegociar os preços já não faz sentido. Pois na verdade os preços do gás natural são bastante baixos, com ou sem Mubarak. Mas o panorama pode mudar, a curto prazo. E não apenas no Egipto.

A procura interna aumenta e não pára. A maioria dos Países exportadores estão prestes a tornar-se fortes consumidores e até importadores. E o Ocidente não gosta. Sim, os consumos nas economias avançadas devem baixar, esta é a previsão. Mas como é possível procurar papiros no meio do fumo dos escapes? Esta é a grande preocupação.

Jordânia, Síria, israel, Espanha, França, Estados Unidos, todos advertem: atenção, queimar petróleo ou gás faz mal à saúde e ao ambiente. Se é para queimar, então deixem que isso seja feito nos nossos Países, onde já não há papiros.
E é verdade: não há mesmo.

É por isso que as autoridades disparam gás na Praça Tahrir: é para que os Egípcios percebam quanto molesto pode ser o gás. Também Khadafi é utilizado como exemplo: gostava de petróleo, acabou com uma doença fulminante. Ligada ao chumbo, mas sempre doença foi.

A verdade é que os Egipciso gostam de extrair gás.
A produção cresceu consideravelmente nas últimas décadas, passando de 21 bilhões de metros cúbicos em 2000 para 62,7 em 2009 de acordo com as estatísticas fornecidas pela BP: mas o consumo interno no ano passado aumentou 6%. Isso tem significado uma contração das exportações: de 18,3 bilhões de metros cúbicos em 2009 para 15,2 em 2010.

Mais de 3 bilhões de metros cúbicos desaparecidos no mercado interno.
Preocupante: os Egípcios teimam em queimar o malcheiroso gás.

E o petróleo? Mesma coisa, até pior.
Alguns analistas esperam um aumento na produtividade das refinarias, que poderiam absorver 20% do mercado global e aumentar a capacidade produtiva da região em 60% no período 2010-2018.

Dois membros proeminentes da OPEP, a Arábia Saudita e o Irão (o Mal!!!), anunciaram planos para aumentar a capacidade de refino para 1,2 milhões de barris por dia em 2018. Também o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos anunciaram planos de expansão, respectivamente de 900.000 e 620 mil barris por dia. E planos semelhantes poderiam ser empreendidos pelo Iraque, o Yemen e o Barhein, apesar das questões ligadas a segurança e a instabilidade política.

Mas isso não resolve um problema: o crescimento contínuo da procura interna, em contraste com o que acontece no resto do mundo.
36% das necessidades energéticas do Oriente Médio é garantido pelo petróleo, isso enquanto a média mundial é de 7%.

Uma diferença de 29 pontos percentuais em zonas com um continuo e forte desenvolvimento demográfico.
Países que não parecem ouvir: querem aumentar não apenas a produção como sobretudo o consumo interno. E encontrar papiros será tarefa cada vez mais difícil. O que pode criar problemas aos historiadores ocidentais.

A Primavera Árabe ainda não acabou. Petróleo, gás, o nuclear do Irão: muitas e válidas razões para que a Primavera seja transformada num longo e rígido Inverno.
É só esperar que não seja um Inverno Nuclear.
Aí sim que os papiros ficariam estragados.


Ipse dixit.

Fontes: Limes, Petrolio

7 comentários:

  1. É nesse ponto que começo a ficar preocupado com o Brasil.
    E te digo mais Max, posso até estar meio paranóico, mas o derramamento da Chevron aqui, está me cheirando a "planinhos" futuros dos imperialistas, para forçar leis contra o Pré-sal.
    Espero sinceramente estar paranóico!

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Então ninguém viu a festa que os generais do Egipto fizeram quando lá foi agora há pouco tempo o Secretário da Defesa dos EUA... aquilo parecia que estavam a receber a Múmia de Akhenaton... a partir daqui pouco mais a dizer sobre as reais vontades dos generais... qual democracia qual o quê!!!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo23.11.11

    Será que os historiadores da Eni, BP da Petrobrás e companhia Lda vão fazer novas pesquisas arqueológica no Brasil? Ao que parce no Egipto têm obtido bons resultados.

    ResponderEliminar
  4. "É a vida BURGOS!", Max e todos: quando um país desobediente qualquer tenta desenvolver-se tecnologicamente, produzir e consumir internamente, coisas estranhas acontecem...
    Vê só no Brasil, Max: de repente um surto irrefreável de amor protetor pela natureza e pelos índios na Amazonia, bem na hora, 30 anos depois que são removidas os últimos entraves para começar a implantar uma usina hidroelétrica (vejam fantástico post do Voz)que tornará o Brasil dotado de infraestrutura energética (limpa)para desenvolver-se, manter a produção e o consumo interno.
    Vê só BURGOS: querido cão, tu estás ficando esperto, heim...Já imaginava que o teu faro era bom!
    Mas não é só tu que percebes que uma sonda de 7.200m é para prospecção muito mais profunda de que a declarada pela Chevron (que é a Texaco). E também não é só tu que percebes que um "acidente" do gênero, mesmo que seja promovido pela Chevron, e não pela Petrobras, estará a mover os "defensores da fauna/flora marinha" para tentar retardar a sondagem e prospecção de petróleo em águas profundas... pela Petrobras, naturalmente!!. As baleias da costa da Dinamarca que se fodam...e algo mais (ver novamente o blog do Voz).
    Se eu entendi bem, (porque sou do terceiro mundo e consequentemente com racionalidade limitada) uma das ordens dos donos, decorrente do estado da arte mundial, para esse submundinho metido a besta, que não sabe como se faz a gestão das gentes e das coisas, é a seguinte: auto suficiência e competitividade para vocês, só em estupidez, isto mesmo, enquanto não puder ser engarrafada e comercializada.
    Em tempo: o Brizola Neto+blogueiros esclareceram o episódio Chevron (integridade é coisa que às vezes passa de pai para filho e para neto)e a Dilma tenta botar a sócia minoritária da Petrobras a correr do Brasil. Se vai conseguir...é outro "causo".
    Pessoal!!Não percam na última VEJA!! Noriega ( se deem ao divertimento salutar de procurar o curriculum deste sujeito), em entrevista, previne o Brasil contra o perigo de terroristas do Irã na tríplice fronteira (Brasil,Agentina, Paraguai), bem no lugarzinho onde os EUA precisam implantar uma base militar para proteger esse submundinho besta. Abraços

    ResponderEliminar
  5. No momento que os Estados Unidos começa a querer proteger teu país, é o momento que que tu pensa: Estamos fodidos.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo24.11.11

    Sobre a questão da Belo Monte:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/belo-monte-e-as-magdas-e-os-magdos-da-tv-globo-e-o-maior-festival-de-besteiras-jamais-ditas-num-video-e-olhem-que-a-concorrencia-e-grande/

    Leiam até o fim.

    ResponderEliminar
  7. Pedro H

    Não pude deixar de dar gargalhadas com teu comentário, é bem isso meu amigo.

    Maria

    Brizola Neto junto com Fernando Brito formam uma dupla que deveria ser exemplo para todos os políticos brasileiros.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...