30 novembro 2011

O cérebro doente

Sabem quantas pessoas com Alzheimer existem na França? Um milhão.
"Normal", pode pensar o Leitor, "também o Presidente deles não batem muito bem de cabeça".

Verdade. Mas aqui falamos duma doença diferente, algo de terrível que ataca as faculdades mentais dum indivíduo. Como Sarkozy, mas de forma mais triste.

Um milhão de pessoas com a doença de Alzheimer é muito. Num País com 65 milhões de habitantes significa que uma pessoa em cada 65 é afecto por esta doença. Muito mesmo. Talvez seria o caso de falar em pandemia neurológica, cujas vítimas são cada vez mais jovens. Mas as autoridade preferem olhar de lado.
Como explicam Marie Grosman, cientista, e Roger Lenglet, filósofo.



Qual é a relevância das doenças que afligem o nosso cérebro?

Marie Grosman: O número de pessoas com doença de Alzheimer e autismo aumenta de forma dramática em muitos Países, especialmente nos mais desenvolvidos. Na França, desde 1994, passou-se de 300 mil pessoas com Alzheimer até cerca de um milhão hoje. E se nada for feito esse número irá dobrar a cada 20 anos. O número de pessoas que têm autismo aumentou 17 vezes nos últimos 50 anos. Da mesma forma, observa-se uma progressão enorme de tumores cerebrais em crianças (aumento de 20% em dez anos). Também o Parkinson e a esclerose múltipla, que afectam respectivamente 100.000 e 80.000 pessoas, estão em ascensão. Isto deveria solicitar uma acção contra as causas dessas doenças.

Roger Lenglet: Todos os dados citados no nosso livro são cientificamente comprovados e não simples hipóteses. Estamos diante duma pandemia neurológica em constante deterioração. As autoridades têm sempre uma explicação tranquilizadora. Repetem que essas doenças não têm causa conhecida, se não o envelhecimento da população. Mas a idade é uma condição da doença e não uma causa. A doença geralmente ocorre no final da vida, sendo este é o tempo necessário para a sua manifestação. Não se esqueça que estas são doenças em que o tempo de latência desde a exposição a substâncias tóxicas até os sintomas aparecem é relevante. E cada vez mais pessoas jovens são afectadas pelo Alzheimer. Resultado: 30.000 - 50.000 indivíduos com idades entre 13 e 60 anos.

Hoje nascemos e vivemos num mundo "neurotóxico". Acham ser esta é a principal causa do desenvolvimento das doenças neuro-degenerativas?

RL: Temos o hábito de pensar segundo um padrão "pasteuriano": um vírus = uma doença. Num mundo onde os produtos químicos tornaram-se omnipresentes, os efeitos são combinados e tornam as doenças multifactoriais. Mas os principais culpados são conhecidos. Graças a um estudo epidemiológico de 1995, por exemplo, sabemos que uma taxa de 100 microgramas de alumínio por litro na água da torneira duplica ou triplica o número de casos da doença de Alzheimer. É um poderoso factor que pode desencadear a doença. Além disso, a sinergia entre os produtos, tais como mercúrio e chumbo, piora consideravelmente os efeitos nocivos, como é bem conhecido por todos os toxicologistas (1).

As crianças são particularmente susceptíveis a substâncias neurotóxicas?

MG: A exposição a moléculas neurotóxicas começa a partir do início da vida, no útero. Dentro da parede do útero a placenta, que protege o feto, não bloqueia essas substâncias que têm uma tendência para acumular-se no cérebro em desenvolvimento. Mercúrio, chumbo, cádmio, ftalatos, pesticidas e solventes são parte desta turbulência que tem efeitos principalmente sobre a tiróide. Quanto mais materiais estiverem presentes no cordão umbilical, tanto menos o feto terá hormonas da tiróide. Esta deficiência pode causar alteração irreversível no desenvolvimento do cérebro. Também estamos ciente mais obturações (restaurações) dentais da mãe significam uma taxa de mercúrio no cérebro do feto mais alta (2). As mães de crianças autistas, em média, tiveram uma maior exposição ao mercúrio dental durante a gravidez (3).

Um quarto da contra-indicações são inerentes aos efeitos neuro-tóxicos: os medicamentos são também postos em causa?

RL: Sim, até mesmo os medicamentos para distúrbios neurológicos e neuropatias causam estes efeitos que podem ser insidiosos e de longa duração, especialmente após o consumo ter persistido por meses ou mesmo anos. Assim, os antidepressivos afectam a função cognitiva, reduzindo a memória de curto prazo, causando tremores, dificuldade de concentração, e assim por diante. Alguns pacientes de Parkinson desenvolveram a doença depois de tomar medicamentos. Quando um medicamento contra o Alzheimer provocar "confusão" no paciente, a doença é acreditada como responsável e não o medicamento. Devemos entender que todas as doenças neurológicas podem ser induzidas por medicamentos. Mas uma tal problemática é removida, como se o medicamento fosse sagrado. Jovens praticantes em neurologia, no entanto, sabem que a primeira pergunta a ser feita em relação a um paciente que sofre duma desordem neurológica é relativa aos fármacos que tomou.

Depende do facto de que estes medicamentos representam um mercado em crescimento? 4,3 biliões de Dólares em 2009 apenas para os medicamentos contra a doença de Alzheimer ...

MG: Na verdade, as doenças neuro-psiquiátricas e neuro-degenerativas representam um mercado extraordinário e garantem um grande lucro sobre o investimento: 39% por ano de acordo com André Syrota, Director do Inserm [Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, NDT]. Para pandemias cardiovasculares o lucro seria de 37%.

RL: É privatizar a doença, reduzindo-a a um produto financeiro escandalosamente lucrativa. Estas drogas proporcionam segurança para o investimento, algo totalmente inconcebível num mundo cheio de instabilidade financeira. Mercantilização de uma pandemia real.

Com conflitos de interesse?

MG: A associação Formindep provocou o escândalo sobre os conflitos de interesse na Haute Autorité de Santé (HAS) [Alta Autoridade de Saúde, NDT], que formulou as recomendações anti-Alzheimer. O médico responsável da Comissão para a Transparência da Has era ao mesmo tempo pago por empresas farmacêuticas, facto proibido por lei.

RL: Os actores económicos formar uma empresa de lobby, empenhada em manter o reembolso dos medicamentos, com o objectivo de evitar o fim das prescrições e do mercado relacionado. Um relatório preciso sobre o medicamento é possível. A revista médica independente Prescrire previu todos os escândalos relacionados com os fármacos e a saúde nas últimas décadas graças à sua contra-perícia. É essencial que a Segurança Social e o Estado, que têm recursos substanciais, façam uso destes grupos de peritos independentes. O mesmo vale para as seguradoras de saúde: deve ser um grupo de especialistas que possam fornecer uma função de controle crítica sobre aqueles medicamentos que não devem ser permitidos e, a fortiori, que não devem ser reembolsados.

MG: Precisamos de especialistas que não têm nenhum conflito de interesse com as empresas farmacêuticas. Para 20 anos foi dito que "os melhores já estão a trabalhar para os laboratórios" e que "serem privados de tais poderes" custaria. No entanto, o trabalho realizado pelo Réseau Environnement Santé [entidade não-governamental francesa, NDT], que levou à proibição do uso do bisfenol A nas embalagens de alimentos, mostra a grande importância da informação para o cidadão-usuário.

E sobre a prevenção?

RL: A pergunta mais importante é justamente a prevenção, quase inexistente, enquanto os problemas de saúde são consistentes e a maioria das causas conhecidas. Temos de esperar que a prevenção se torna rentável para que possa ser implementada? Devemos afastar a abordagem exclusivamente terapêutica e reconsiderar a toxicologia, que é usada para determinar os efeitos das substâncias químicas sobre os organismos vivos através da identificação das patologias. Na França, os cursos de formação em toxicologia foram abolidos, enquanto deve ser feito o oposto. Os toxicologistas são considerados incómodos que dizem "O produto para o qual você tem um mercado, mata as pessoas"

Como explicam que os responsáveis políticos ignorem as causas da hecatombe?

RL: Os relacionamentos do Eliseu com os laboratórios farmacêuticos afectam a política de saúde pública adoptada em toda a França. O conselheiro-chefe de cuidados de saúde de Nicolas Sarkozy é Arnold Munnich, geneticista cuja equipe detém várias patentes. Ele pediu aos pesquisadores para concentrar-se em predisposições genéticas, embora este factor não represente mais do que 3% das doenças neuro-degenerativas. Um elemento sobressai: a transferência substancial de pessoal de cargos públicos para sectores farmacêuticos e químicos privados. O governo Sarkozy reduziu de 5 para 3 anos o período mínimo para poder entrar no sector privado depois de ter sido empregado no público. Da mesma forma, o governo pretende apoiar as iniciativas destinadas a "ajudar" a investigação pública com aquela da indústria privada, permitindo que as empresas farmacêuticas possam transferir os recursos públicos destinados à pesquisa.

MG: Os especuladores ficam felizes por este conluio com a indústria farmacêutica. E os seguros privados famintos são parte deste mercado: esta política "do avestruz" significa a morte certa para a Segurança Social.

Porquê nesse sector há um maior número de processos e acções judiciais?

MG: É necessário lutar colectivamente, de modo que as class actions (acções colectivas) sejam permitidas, únicos instrumentos possível para restabelecer o equilíbrio de poder entre as corporações, as suas respostas alucinatórias e os cidadãos. A França planeia autoriza-las, excepto para o sector da saúde. Na França, onde o tabaco provoca mais de 66.000 mortes a cada ano, havia uma acção foi perdida. Nos EUA há Estados inteiros que têm forçado as empresas de tabaco a entrar em acordos.

RL: Há também soluções individuais capazes de prevenir a exposição a substâncias neuro-tóxicas. Ninguém pode ficar totalmente protegido, mas são possíveis medidas específicas para a alimentação, a jardinagem, o uso de telefones celulares e outras fontes de perigo para o cérebro. Você pode recusar a aplicação de amálgamas dentárias e pretender a cerâmica ou compostos baseados nas resinas.

Notas:

Marie Grosman é professora de Ciências da Vida e da Terra, com especialização em saúde pública e saúde ambiental. Tem publicado artigos científicos sobre os factores ambientais nas doenças neuro-degenerativas.

Roger Lenglet, filósofo e jornalista investigador, é autor de vários livros sobre investigações principalmente relativas ao meio ambiente, a saúde e os lobistas da indústria. É membro da Société Française d'Histoire de la Medecine  e do comité patrocinador da associação Anticor (Associação para a luta contra a corrupção).

1. Toxicologie industrielle et intoxications professionnelles, Robert Lauwerys, Masson, 2007.

2. Mercury Burden of Human Fetal and Infant Tissues, Gustav Drasch e outros, European Journal Pediatrics, vol. 153, n° 8, Março de 1994, pp. 607-610.

3. A Prospective Study of Prenatal Mercury Exposure from Maternal Dental Amalgams and Autism Severity, David A. Geier e outros, Acta neurobiologiae experimentalis, vol. 69, 2009, pp. 189-197.


Fontes: Bastamag
Tradução e adaptação: Informação Incorrecta

66 comentários:

  1. Tinha de ser culpa do tabaco!!!
    Aleluia!!! tanta "parlapié" para chegar àquilo que eu ando a dizer há anos! o Voz que o diga!
    A CULPA É DO TABACO!!! AHAHAHAHAHAH!!

    ResponderEliminar
  2. Tentem fazer este exercício, não usar Televisão durante 15 dias (se conseguirem) e pensem a toda a hora e momento pela própria cabeça.

    Foi algo que se esqueceram de focar. Esqueceram-se também de focar que a TV e uso da internet, provoca o SPA, síndrome de pensamento acelerado. Esse síndroma tem causas psicossomáticas, bastante reais e nefastas. Os sintomas podem ser horríveis, desde depressão a dores musculares e queda de cabelo. Depois atribui-se a culpa a tudo quanto há. É que realmente as pessoas esquecem-se que o cérebro comanda tudo e funciona tipo "caixa negra", ou seja tudo o que lá entra não sai... não tem escape. Sendo assim o cérebro processou essa informação?! Claro que não. Imaginem agora as criancinhas a ver horas seguidas de TV e se pensam que os subliminares desapareceram, enganam-se redondamente. Os subliminares estão é muito mais aperfeiçoados e atacam muito mais violentamente o cérebro.
    Depois de falarem neste problema dissimulado que está a a assolar a população de quase todo o mundo, é que deveriam passar para as outras causas.
    Aceitem o desafio, fiquem uns dias sem TV e vão ver que a RESSACA será gigantesca!!

    ResponderEliminar
  3. Olá Max e todos: é o tipo da coisa que me deixa besta! Como é que alguém pode afirmar, em meio a mil variáveis ao mesmo tempo, que o tabaco, ou qualquer outro produto, matou em um país, em um ano, tantas mil pessoas? Como... como? Com a minha cabecinha, que considero relativamente livre de preconceitos, eu desafio qualquer especialista a me provar o rigor das pesquisas que determinam estas conclusões.
    Claro está pois que os "negócios da saúde" (medicina tradicional, psiquiatria, indústria farmacêutica, agronomia,veterinária , indústria de agrotóxicos, cosmetologia etc)vêm provocando distúrbios visíveis (deformações físicas)e invisíveis (que se manifestam através de sintomas e sinais nos indivíduos e grupos mais expostos).
    Quando um pobre pergunta ao médico algo diferente que ele está sentindo, em geral o médico responde: - É uma virose.
    Ou seja, não sei nem quero saber, toma lá uma aspirina e te vira.
    Quando um classe média faz a mesma pergunta, o médico manda para o psiquiatra, que entope o desgraçado de fluoxetina, que em muitos casos leva ao suicídio.
    Quando o rico faz a mesma pergunta o médico e demais especialistas vêm grandes possibilidades...de negócios. Espichar a vida do cretino até ele gastar o último tostão.
    Quando esses especialistas bem sucedidos (não são todos) dão de cara com gente que pensa, bom, aí a gente não entra nas estatísticas deles. Felizmente. Abraços

    ResponderEliminar
  4. Grande comentário maria!

    Ainda há pouco, contou-me a minhaa mãe, apareceu uma mulher da Malásia com 103 anos. Tinha um charuto na boca e a entrevistadora perguntou como viveu tantos anos a fumar desde muito jovem, resposta:

    O tabaco nunca me faz mal, as preocupações essas sim, encurtam a vida, então jurei a mim mesma que nunca me iria preocupar! Está aí a resposta.
    Quanto ao papel da TV é só um, "hipnotizar" no mau sentido, claro, e preocupar... nem que a preocupação seja comprar aquele plasma tão bom!

    A minha avó morreu a dormir com 93 anos e fumava um maço de tabaco sem filtro por dia, desde os 13... mais, estava convencida, como eu, que o tabaco nunca lhe fez mal.
    Mas é sempre culpa do tabaco! E andamos nós a pagar 80% de imposto para sermos os bodes expiatórios!

    ResponderEliminar
  5. A verdade, acredite quem quiser, já estão começando as doenças atravéz de "vacinas" que não tem explicação lógica. Minha dona, que muito tempo trabalhou na área médica obstetrícia foi testemunha disso, de vacinas em recém nascidos.

    O primeiro ano de vida do ser humano moderno se tornou incrivelmente perigoso. Longe da proteção do ventre materno, onde havia paz e segurança, mesmo diante da fome, e de outras doenças, os bebês da Nova Era lutam para sobreviver às toxinas metálicas incluídas nas vacinas. O mercúrio (timerosal) é inoculado criminosamente nas vacinas que as mulheres grávidas são instadas, induzidas, e constrangidas a fazer por pseudo-autoridades médicas, quase 100% comprometidas com a indústria farmacêutica e por profissionais desavisados e indiferentes. O perigo é grande e mortal para o feto.

    ResponderEliminar
  6. Continua:
    Ao nascer, no seu primeiro dia, os bebês são envenenados com a vacina “contra” a hepatite B, doença que só acomete adultos de vida sexual promíscua ou viciados em drogas injetáveis. Não há a menor possibilidade que uma criança, muito menos recém nascidos, venha a adquirir tal doença. Afinal, durante a gestação materna é feita de rotina sorologia anti-hepatite B (HbsAg3). Se ainda os recém nascidos de mães portadoras deste vírus fossem os vacinados, ainda se entenderia. Mas não é este o caso – mães não reagentes para este vírus têm seus filhos vacinados inexoravelmente. E isto é só o começo do calvário venenoso. Nos Estados Unidos, até os dois anos de vida uma criança recebe 22 vacinas, e este número tende a aumentar.

    Além do mercúrio (o timerosal), ainda há o alumínio, muito mais tóxico. Está provado que o vírus do sarampo inoculado em um inocente a partir dos nove meses fica presente por anos no seu intestino onde provocará posteriormente doenças gravíssimas. O autismo está fortemente ligado à vacinação MMR (sarampo, rubéola e caxumba), a qual contém alumínio que é 100 vezes mais tóxico do que o mercúrio. Citei apenas dois exemplos desse crime continuado contra a humanidade. Fecha-se o primeiro ciclo da morte.

    Está é a realidade no Brasil e talvez no mundo inteiro.

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. Burgos,
    Esta foi deveras surpreendente... estava eu à espera que o Voz (especialista em farmacêutica) aqui viesse para falar das vacinas em bébés e cruianças... mas eis que o Burgos se sai com essa informação de 1ª importancia!

    Quanto a mim, o problema é a nível mundial, Burgos. Pelo menos o meu médico de família disse o mesmo por outras palavras e que se passava em todo o mundo.
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  8. Desculpem as gralhas... estou cheia de pressa... pelo menos parece! :))

    ResponderEliminar
  9. Por falar em vacinas, ora vejam lá, para onde vai o dinheiro dos contribuintes:

    O serviço de saúde alemão começou a reciclagem de 16 milhões de doses da vacina contra o vírus H1N1 da empresa farmacêutica britânica GlaxoSmith Kline devido ao prazo de validade ter expirado.

    http://portuguese.ruvr.ru/2011/11/29/61223715.html

    Algo que o meu médico de família se recusa a prescrever... porque será?

    ResponderEliminar
  10. Quando eu e meus donos voltamos para o Sul, minha dona pegou a tal gripe H1N1, foi hospitalizada com urgência, diz ela que os sintomas que teve não conseguiu relacionar com qualquer outra doença, pois eram completamente diferentes, o cérebro não conseguia reagir, o mais impressionante que ela fala é o fato de que só um remédio foi que fez efeito e começou a melhora, o tal TAMIFLU. Após sua alta do hospital ela ficou dias com uma espécie de amnésia para certas coisas, o cérebro parecia não responder a certos fatos.
    Lhes pergunto: Porque só um remédio pode resolver o problema?
    E que tipo de doença é essa que mesmo minha dona que tanto trabalhou no meio hospitalar ficou horrorizada?
    Ela sempre me diz uma coisa: "Quer encontrar conspiração, entra num hospital".

    ResponderEliminar
  11. Aqui no Brasil, em qualquer hospital, o médico consulta 3 pacientes e atende 5 cinco representantes de laboratórios.
    Existe mais representantes de Laboratórios Farmacêuticos circulando dentro de um hospital que médicos.
    E isso é fato, dito por alguém (minha dona) que muito tempo trabalhou no meio hospitalar.

    ResponderEliminar
  12. Meu dono na semana passada foi consultar com um Ortopedista, no consultório estavam 3 representantes de laboratórios esperando também para conversar com o médico.

    É normal isso???

    ResponderEliminar
  13. ... e essa de andar uma vida com chumbo nos dentes... tem muito que se lhe diga.

    Aliás, um post como este, já põe não sei quantos, com paranóia.

    ResponderEliminar
  14. É!... Burgos; cá nesta terrinha os pacientes têm de esperar que suas excelências sejam atendidos pelo médico primeiro!

    ResponderEliminar
  15. Quando a Maria disse: Quando um pobre pergunta ao médico algo diferente que ele está sentindo, em geral o médico responde: - É uma virose.
    É a mais pura verdade!
    E não é só com a classe pobre, já está em todas as classes.
    Acredito que no Brasil temos sofrido muito com a nova geração de médicos, a maioria (não generalizando) vieram de uma classe privilegiada e estão pouco se importando com os pobres, não respeitam os pacientes, as vezes nem olham para a cara do paciente.
    Jovens esses que nem ao menos tem vergonha de contar que cheiravam cocaína para poderem estudar para as provas em medicina quando eram estudantes.

    Então podemos ver que tipos de cérebros estão agora a cuidar de nossas doenças.

    ResponderEliminar
  16. Alguém ouviu falar disto?

    Pelo menos 150 pessoas, inclusive 35 policiais, foram feridas na Alemanha na sequência das colisões da polícia com os manifestantes, que protestam contra a transportação de resíduos radioativos da França para o depósito temporário de Gorleben na Baixa Saxônia.
    http://portuguese.ruvr.ru/2011/11/27/61110408.html

    Imaginem... RESÍSIDUOS RADOACTIVOS!!!

    DEPOIS MORRE-SE POR CAUSA DO TABACO!!!

    ResponderEliminar
  17. Eu e as gralhas...é o que dá ter os dedos gelados! Que frio! :)

    Burgos, infelizmente é assim por cá também. Acho que Portugal e Brasil têm mesmo muito em comum.

    ResponderEliminar
  18. Anónimo30.11.11

    Olá a todos..
    Bem oportuno isso que você comentou Burgos.

    Pois semana passada estava eu conversando com meu professor e este disse que tinha sido convidado por um amigo, a ir num tipo de convenção anual de médicos e psiquiatras/psicologos.

    Acreditem se quiser, na tal convenção, estavam lá os representantes de cada laboratório.
    Junto a eles, uma pequena ficha para preencher com os dados da pessoa e de sua clínica. Qualquer um que preenchia ganhava um notebook!! A condição era que depois eles fariam uma visita a clínica para oferecer seus produtos! Não acreditei na hora, mas tudo verdade segundo meu professor que esteve lá e presenciou tudo. Além disso, tem muito mais coisa, muito dinheiro desperdiçado nessas convenções, patrocínios, bebidas, comidas, hotéis de luxo, mulheres e muito mais.

    ResponderEliminar
  19. Nada como seguir o blogue do dr. Octopus, para se ficar a saber umas verdades!
    Um médico fora do comum!

    http://octopedia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  20. E quando alguém fala sobre isso é considerado TCP (Teórico Conspiracionista Paranóico), mas basta olhar, porque nem ao menos se escondem, qualquer um vê, só não vê quem realmente não quer.
    Posso dizer com certeza, que as maiores podridões do mundo estão localizadas principalmente em hospitais escolas, com muito patrocínio.

    ResponderEliminar
  21. Há alguns tempos perguntei ao meu dentista: "Olhe, mas o chumbo na boca não faz nada?"

    Resposta: "Ah, as obturações de chumbo eram bem melhores das actuais! Mas já não se fazem, agora é tudo sintético".

    Perguntei de seguida: "Mas eu tenho uma obturação de chumbo, não será que ter este metal na boca..."

    Resposta: "Não, é uma quantidade tão pequena, ora essa!".

    Tivesse respondido "Não, a ti não faz nada porque já estás burro" teria ficado mais satisfeito.

    Porque não é a "quantidade" mas a "qualidade" que conta. É como dizer "Ah, foste atropelado apenas uma vez, é pouco".

    Um assunto que conheço muito bem é o amianto, que provoca tumores. Não é preciso engolir uma sandes com fatias de amianto assadas e maionese. É suficiente uma partícula que nem podemos ver a olho nu. Entra no aparelho respiratório, até os pulmões. Ai se deposita e fica para sempre, pois o organismo humano não consegue sintetizar o amianto.

    Com o tempo, as células em volta começam a irritar-se de forma crónica, até sofrerem mutações. E assim acabamos com um bonito tumor. Tudo por causa duma partícula que podemos observar só com o microscópio...

    Se o chumbo não fizesse mal, a Natureza teria criado dentes de chumbo. Se assim não foi, podem existir só duas razões:
    1. Deus é um dentista
    2. O chumbo faz mal.

    ResponderEliminar
  22. Obrigado Fada!

    Desconhecia Octopus, vou já ler com mais atenção. E fala das vacinas também.

    Abraçoooooo!

    ResponderEliminar
  23. Mas antes: Burgos!

    Uma vez também aqui havia estes representantes nas salas de espera.

    Agora tudo é via internet e as garrafas de bom vinho são entregues directamente na residência. Se querem beber um vinho mesmo bom (ou um champanhe) visitem a cave dum médico.

    Mas não é só garrafas: há viagens para dois, fim-de-semanas pagos, descontos...a dura vida do médico!

    Abraçooooo!

    ResponderEliminar
  24. ahahahahahah, Max
    Quase morri de rir agora!!

    Tivesse respondido "Não, a ti não faz nada porque já estás burro" teria ficado mais satisfeito.


    Deus é um dentista - Hahahahaha

    Sem contar também as lâmpadas fluorescentes, que fazem propaganda dizendo que são mais econômicas.
    Essas lâmpadas são extremamente tóxicas, podem contaminar o lençol freático com fósforo e mercúrio e contaminar também os humanos.
    O mercúrio tem efeito acumulativo e a exposição prolongada causa danos pulmonares, renais e neurológicos causando doenças como o mal de minamata.
    Mas como diz o Voz, a "MANADA" está dormindo e se alguém acordar é fuzilado, hehehehe.

    ResponderEliminar
  25. ahahahah MAX!!!
    O seu comentário está do melhor! :))
    Eu tenho aí uns quatro chumbos... :))
    Mas não vou ao dentista há muuuiiiiitos anos! :)
    Quanto ao amianto, descobri que estava a envolver o forno de cozinha da minha mãe! há us 30 anos! Por dentro das paredes do armário em que estava encastrado! e tivemos de o remover... :(

    Um Abraçooooo!!!

    ResponderEliminar
  26. Burgos o dr. Octopus também fala das lampadas!

    http://octopedia.blogspot.com/2009/09/lampadas.html

    http://octopedia.blogspot.com/2009/05/lampadas-de-baixo-consumo-uma-ideia.html

    ResponderEliminar
  27. Médicos, Físicos, Biólogos, Quimicos, qualquer um que se diz "doutor" da vida, a certeza é uma só, dá para contar nos dedos aqueles que realmente se importam com os humanos e com o meio ambiente, a maioria é patrocinada e vivem como zumbis das grandes corporações.
    Vemos um monte de integrantes dessas ONGs iludindo as pessoas, são os seus colegas que estão destruindo a vida e eles ficam propagando que é nós que não cuidamos do meio ambiente.
    Tenho muita raiva dessa gente, pois nunca vemos esses integrantes de ONGs contra os seus colegas que trabalham nos grandes laboratórios e que estão a inventar toda essa desgraça que assola nosso mundo.
    Integrantes de ONGs que gritam pelo Meio Ambiente e depois vão trabalhar com uma Monsanto da vida, ganhando super salários. Quem altera a genética, sou eu? NÃOOOOOO, é essa cambada que está por aí sendo manipulada e levantam bandeiras "protegendo" aquilo que eles afirmam que somos nós que estragamos.

    ResponderEliminar
  28. Anónimo30.11.11

    Max,
    creio que é hora de montar o post sobre as vacinas.
    Estou esperando a tempos por uma pesquisa imparcial e de fontes sérias.

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  29. Verdade seja dita...o nosso Voz, tem lá toda esta informação e sobre tudo o que anda a dizimar os animais humanos, como ele diz... e não humanos.

    ResponderEliminar
  30. Conheço integrantes de ONGs que lutam pela vida marinha,se matam para salvar uma baleia, perereca, lagartixa, tartaruga e depois se reunem para comer um suculento churrasco. Pode?????

    A HIPOCRISIA é tamanha, e vergonha na cara nenhuma.

    ResponderEliminar
  31. Anónimo30.11.11

    Quem diabos é esse Voz???
    E porque é tão comentado entre os leitores ultimamente???

    ResponderEliminar
  32. Anónimo:

    Aqui está o blog do nosso amigo VOZ

    http://otempoquehadevir.blogspot.com/

    É comentado, porque é "sui generis" e porque grita a plenos pulmões!

    ResponderEliminar
  33. Anónimo30.11.11

    Assim como a Fada, também estou bestificado, não só com o post, mas principalmente com o acervo do Burgos. O canídeo conhece tudo de contaminações. Depois da aula com o Mestre Chihuahua, agora tenho aulas com o Cão Peregrino. Na próxima vou pedir pra vir cachorro, com certeza meu QI vai sofrer um upgrade.

    Burgos, com certeza você deve ter assistido à um documentário, cujo nome não lembro, de pessoas que relatam uma sintonia entre autismo e o mercúrio que vai nas vacinas. Nele há uma manifestação em frente à casa branca, e um dos participantes é o Jim Carey. Alí há muita informação sobre a indústria da doença.

    Aaaaauuuuuuuuhhhhhhhhhh!
    Walner.

    ResponderEliminar
  34. meu comentário evaporou, hehehehe
    vou escrever outro.

    Walner meu amigo, você não precisa virar cachorro, basta que você adote um cãozinho ou um gatinho abandonado e o seu QI vai melhorar bastante, já está comprovado que felicidade aumenta o QI. E nós Cachorros e Gatos trazemos felicidade aos nossos donos.
    Pode perguntar para os meus donos, para o Max, Fada, Maria e você verá como eles são felizes e inteligentes por terem um animalzinho em casa.


    *Auauauauaua


    * Tradução - Um abraço

    ResponderEliminar
  35. Nooosssaa! Sai, quando voltei o "botequim do Max" tava fervendo, e com razão! Deixa eu ajudar!
    Esse Dr. Octupus é ótimo. Comecei a prestar atenção nele quando vi a foto da Fada por lá.
    BURGOS: tua dona deve ter muita história pra contar! Se eu que tive por companheiro, por uns anos, na década de 70, um médico, teria uma enciclopédia!...
    Mas deixa pra lá...Só falando de euzinha. Atenção pessoal! Nunca, nunquinha mesmo tomei uma vacina sequer. Meus pais responderam processo na justiça por isso. Mas eu me safei e nunca, nunquinha também fui acometida por uma doença que fosse "prevenida" pelas vacinas.
    Nunca permiti que fossem aplicadas quaisquer vacinas em animal sob minha vigilância. E notem que a maioria dos meus animais foram retirados das ruas em péssimas condições. Os bichos que viveram comigo morreram de velhice. Os atuais têm uma saúde de ferro.
    Aqui em casa, isso vocês já sabem: saúde se mantém a melhor possível com comida decente, bebida,água sem contaminação química ou biológica, tabaco, mate, folha de coca, morfina, antibiótico natural, específico (infusão de ervas feitas numa empresa daqui, de fórmula desconhecida, repassada aos donos da empresa por indígenas), fitoterapia,chás, acupuntura, pilates, massagens e medicina antroposófica (espécie de homeopatia, para simplificar)
    Olá Fada, e quem interessar possa:
    tabaco não faz mal,álcool em pequenas doses não faz mal,coca pura em pequenas doses não faz mal,maconha em doses adequadas não faz mal, morfina, quando necessária, não faz mal. Agora, se exagerar, até água faz mal.
    Em compensação: vacina é veneno em dose inadequada, água contaminada por cloro, fluor e bactericidas faz mal,remédios em geral fazem mais mal do que bem, fast food é veneno puro,anti depressivo não funciona,coca cola é suicídio em etapas,cirurgias...prefiro não fazer. Abraços

    ResponderEliminar
  36. Mais uma coisa Max

    aqui no Brasil existe outra coisa terrível, que é clinicas para viciados em drogas onde existem programas para "tirar" o paciente do vício, mas a maioria é tudo enganação, pois pode comprovar no retorno a clinica da maioria dos pacientes, gerando um lucro exorbitante para os chamados "doutores" psiquiatras especialistas em não curar para o paciente poder voltar, um conglomerado de clinicas, quase todas interligadas.
    É fato, não é paranóia, hehehehe

    Ahhhh... e quando o paciente consegue ficar longe das drogas, fica viciado em antidepressivos e anti psicóticos da nossa grande "medicina" atual.

    Abraços

    ResponderEliminar
  37. Maria

    Me aguarde, vou te contar muita coisa, hehehehehe.



    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  38. Só te digo uma coisa Max, nós temos aqui assunto para mais de mil comentários, e isso que nem começamos a falar sobre transplante de orgãos.
    É melhor deixar esse assunto para mais tarde, senão muitos vão sumir por motivo de loucura, hehehehe

    VOZZZZZZZZZ
    APARECEEEEEEEEEEEE, vem ajudar, hehehehe

    ResponderEliminar
  39. Olá BURGOS: transplantes de órgãos!? HUmmmm...bom negócio, muito bom negócio! E bom assunto também, especialmente se envolver a "cadeia produtiva" toda.
    Se o Max desejar, podemos conversar, não, dona do BURGOS?
    Abraços

    ResponderEliminar
  40. Um excelente escritor, que a maioria acha que ele só escreve ficção, mas cada uma de suas obras refletem claramente o que acontece nos bastidores de hospitais e grandes empresas, Robin Cook busca escrever sobre os bastidores da prática médica atual. Explorou, entre outras coisas, a doação de órgãos, engenharia genética, a fecundação in vitro, pesquisas sobre drogas e transplantes de órgãos. Em Vetor, Cook explora um tema muito temido atualmente – o bioterrorismo.
    A maioria dos textos de seus livros é a verdade atual da medicina no mundo.

    Leiam, mas se assustem, é isso mesmo.

    Abraços

    ResponderEliminar
  41. Olá a TODOS...

    "RL: Temos o hábito de pensar segundo um padrão "pasteuriano": um vírus = uma doença" ADOREI... o início... depois estragou tudo! maria querida vou aproveitar o preciso TEMPO que levaste a escrever o teu 1º comentário para subscrever... na íntegra!

    ihihihiihihihiihihihihiihi
    "Quem diabos é esse Voz???
    E porque é tão comentado entre os leitores ultimamente???"

    Quando às vezes estás sozinho e ouves uma VOZ a falar com o nível de bel mínimo que somos capazes de ouvir... não és tu a ficar LOUCO.. sou eu quem te está a falar ao ouvido... eheheheheh

    Por falar em vírus.... AMANHÃ É DIA DE FESTA E CELEBRAÇÃO... e já estou devidamente preparado para soltar os foguetes e abrir a garrafa!

    ResponderEliminar
  42. Credo Burgos! para assustar basta isto:

    Documento em PDF

    http://www.spirit.kauwila.net/wordpress_kauilapele/111128_ben_fulford_article_11_civ_8500_keenan_complaint.pdf
    Artigo de opinião ao doc.

    http://kauilapele.wordpress.com/2011/11/28/david-wilcocks-comment-on-ben-fulfords-11-28-11-article-and-the-lawsuit-document/

    Burgos eu não digo que o Oriente não se rende ao Ocidente? Agora imagine que os BRICS se juntaram todos à China!

    Já fui pedir opinião ao embaixador deo Japão no Brasil e logo que ele ma dê, eu venho aqui ou ao seu blogue dizer... mas que a coisa pode ficar negra!
    Não esquecer de que se fosse bluff os nomes não apareciam assim esparramados!
    Este é bom para o MaX também, uma vez que a Itália, a polícia italiana e Berlusconi estão à pega!!! :)
    Burgos se tem dificuldade com o inglês, use o tradutor!

    ResponderEliminar
  43. Ó Voz!! Que é que se estragou?!

    "Quando às vezes estás sozinho e ouves uma VOZ a falar com o nível de bel mínimo que somos capazes de ouvir... não és tu a ficar LOUCO.. sou eu quem te está a falar ao ouvido... eheheheheh"

    AHAHAHAHHAHAHAHAHAH!!! SÓ MESMO O VOZ!!!

    ResponderEliminar
  44. "Ó Voz!! Que é que se estragou?!" os bacanos da entrevista... acho que a meio da entrevista fizeram uma pausa para fumar uns cigarros e quando voltaram já se tinham esquecido do que tinham dito no início! ihih

    ResponderEliminar
  45. Fada... quanto ao pdf do keenan quando cheguei à parte que tem "Bank for International Settlements
    ("BIS") " parei pois já não preciso de ir mais além... está tudo explicado.

    ResponderEliminar
  46. Ricardo30.11.11

    OOO... um assunto bom e sério conseguiu bater o recorde de comentários de Nibiru! Estamos evoluindo como uma comunidade...

    Tenho uma filha de 5 anos... que me recusei a vacinar... eu ainda tenho a possibilidade aqui no Brasil de mentir e falar que é vacinada...

    Fico preocupado... me sinto culpado... por tomar uma decisão contrária ao padrão, sendo que meus conhecimentos de medicina são ínfimos...

    Ela se cortou... um corte grande... um espelho caiu na perna dela... tomou pontos... e o médico perguntou se ela tinha vacina contra tétano... eu disse que sim... ok... nada aconteceu... e também ao invés de dar antibiótico eu preferi higienizar o corte... também nada de errado...

    A única doença que deveria ser imune pelas vacinas (se tivesse tomado) que ela contraiu foi a catapora... veio... passou... foi embora... tudo bem... sem problemas...

    Faço certo???

    Ó VOZ... me ilumine... estou neste momento usando um fone de ouvido de referência de 250 ohms ligado à uma placa de som com 124 dB de faixa dinâmica... mesmo à zero dB eu consigo lhe ouvir!!! :P

    Hehehhehe...

    ResponderEliminar
  47. Ricardo

    Longe de mim querer te influenciar, mas não podemos generalizar sobre as vacinas, minha dona já viu pacientes com Tétano, e posso te dizer que é uma das doenças que mais matam no Brasil, só que não é divulgado pela mídia, ela acredita que a vacina contra o Tétano não está na "listas de vacina suspeitas", mas nunca se sabe (se alguém souber alguma coisa me avise).
    O Tétano não tem cura e a morte é extremamente horrível.
    Procure se informar bem a respeito disso e depois repasse para a gente.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  48. Pelo jeito precisamos continuar este post Max. O que acha?

    Tem muito o que debater ainda. E as pessoas estão precisando de ajuda, o melhor exemplo: Ricardo e sua filha.
    Eu já vou tentar ajudar pesquisando algumas coisas nas minhas fontes, se encontrar algo sério, abro no fórum.

    Como alguém comentou la em cima, é um momento oportuno para pesquisar sobre vacinas, medicamentos industrializados, indústria farmacêutica e tudo mais. Pois dos alimentos já estou farto de saber que são venenos a longo prazo, muitos causadores dessas nossas doenças modernas.

    abraços pessoal

    ResponderEliminar
  49. Ricardo
    O tétano não foi erradicado de Portugal como a raiva. A vacina continua a ser obrigatória e de 10 em 10 anos. A minha filha tomou há uns dias e para o ano que vem, sou eu. Essa eu não dispenso, ainda para mais, já foi mais do que comprovada. É uma vacina já muito velha e quando assim é e a doença acarreta um tal perigo, penso que nem as farmacêuticas tentam "brincar" com a questão.

    Um abraço para todos.
    Vou fazer como o Voz, abrir o champagne! :)

    ResponderEliminar
  50. É Ricardo

    O esporo do Tétano não é brincadeira, para quem não sabe, ele resiste até no asfalto que recobre as estradas e ruas no Brasil.
    Se informe bem sobre isso, pois o Tétano é um assunto pra lá de sério.


    Um abraço meu amigo

    ResponderEliminar
  51. Um post que ví que talvez interesse a todos.

    http://octopedia.blogspot.com/2009/09/vacina-contra-o-tetano-obrigatoria-mas.html

    ResponderEliminar
  52. Olá Ricardo: é o mal de a partir de um pitaco, fazer amplas generalizações. Como disse a Fada, a antitetânica é uma vacina antiga, tal como o soro antiofídico, e baratinha. Dela não se fala na mídia, portanto não querem te enfiar goela abaixo. Mas não é preciso tomá-la preventivamente. Tua guria faz de conta que pisou descalça num prego enferrujado. Ela vinha correndo, fez um corte profundo, de forma que a boa antigamente chamada água da guerra porque limpava os ferimentos dos soldados e os salvava (água oxigenada)não consegue alcançar para limpar totalmente a profundidade do ferimento. Tu desconfia que o sangue que saiu do ferimento não foi todo que teve contato com a ferrugem e a terra. Bueno, se a guria contrair tétano, vai ocorrer um enrijecimento muscular contínuo, ao longo de 7 dias, até provocar a morte. Então o que o Ricardo faz? Se houver dúvida, ele leva a guria ali no postinho do SUS, mais próximo da casa de vocês, informa o ocorrido e prontamente aplicam na guria o soro antitetânico, e ambos voltam felizes para casa. Pronto, resolvido. Todo mundo tá falando aqui de vacina contra gripe, hepatite, raiva, e o diabo, não de inofensivos soros que efetivamente salvam vidas. Abraços

    ResponderEliminar
  53. É Ricardo... nem tudo o reluz é ouro... nem todas as vacinas são más!

    É como diz a maria... não é necessário tomar preventivamente... apenas em caso de efectiva necessidade.

    Quanto ao meu zero bel... não tens hipótese! Sou a VOZ que o vosso cérebro confunde com PENSAMENTO... ihihihih

    Até te falo do meu caso... era eu puto (para aí uns 8 anos!) e ao saltar por cima de um muro quanto coloquei o pé num bocado de espaço livre estavam lá uns sacos com lixo e por sorte um deles tinha um prego daqueles que por sorte espetou-se na minha barriga da perna e zás!!! Mas na altura não senti nada de nada... continuei a brincar até que senti comichão e dah... cocei! E doeu-me... e olhei... fantástico! uma abertura para aí de 5 cm... Fui para casa e mostrei ao meu pai... levou-se para a casa de banho deitou-me álcool e depois um pouco de H2O2 e aquilo nada... nem me doía nem me saia sangue. Isto aliás é algo que até hoje me faz confusão como foi possível não me ter saído sangue com um rasgo daqueles... mas enfim... a seguir fomos aos "Enfermeiros Reunidos" perguntaram-me o sucedido... deram-me a vacina do tétano, anestesiaram a ferida e toma lá com pontos! Doeu mais a anestesia que tudo o resto. Hoje já nem tenho a cicatriz e pelos vistos ainda estou vivo... acho EU! Nem tudo é mau... principalmente as coisas mais antigas, pois antigamente haviam mais seres humanos que agora a trabalhar nesta área das vacinas e queriam genuinamente ajudar o próximo.

    Abr

    ResponderEliminar
  54. Epá... esqueci-me... De lá para cá só voltaram a dar-me a bacana quanto fui para a TROPA OBRIGATÓRIA brincar aos soldadinhos de chumbo (mas não para os dentes!!!)

    Água Potável e Nutrição adequada é o que nos basta para vivermos BEM.

    ResponderEliminar
  55. Que fique bem claro aqui, existem dois tipos de vacina para Tétano, uma é a que a Fada tomou e dura por 10 anos e a outra é para emergência quem não tomou e teve algum ferimento, essa é recomendado tomar só nas primeiras 24 horas do machucado, depois não adianta nada.

    Se estiver errado corrijam-me.


    Abraços

    ResponderEliminar
  56. VOZZZZZZZZZZZ

    No Brasil a palavra "puto" significa outra coisa!!!

    Nem vou te contar o significado,

    pede pro Walner te explicar, hehehehe

    ResponderEliminar
  57. Já falaram sobre todos os males das vacinas e dos remédios e eu gostaria de dizer-lhes que existem tratamentos preventivos e alternativos e para quem tiver interesse em pesquisar sobre o assunto e a conveniência ou não do uso eu deixo aqui a dica de dois quais faço uso, um é a auto-hemoterapia e o outro é o uso de cloreto de magnésio.(inclusive são indicados por um médico, o Dr. Luiz Moura)

    Abraços

    ResponderEliminar
  58. Anónimo1.12.11

    Na minha terra usamos puto, quando o cara pega um táxi e depois diz não ter dinheiro para pagar. Aí ele fica identificado. Burgos, você sempre querendo me meter nas tuas encrencas com 0db.

    Walner.

    ResponderEliminar
  59. Anónimo1.12.11

    http://youtu.be/ZY5knCw6RU0

    ResponderEliminar
  60. Walner

    Hahahahaha!!!

    Só pedi tua ajuda para dar uma explicação científica da palavra.
    hahahahaha


    Um abraço

    ResponderEliminar
  61. Agora falando sério

    Estamos vendo que este post do Max rendeu bastante comentários, pois o assunto saúde é muito preocupante.
    É importante que essa conversa se estenda para podermos entender e até mesmo aprender alternativas de tratamentos naturais para prevenção de doenças.

    Abraços

    ResponderEliminar
  62. BURGOS e Walner...

    eheh!!! já sabia, pois tenho conhecidos de longa data que moram aí!!! por isso espetei lá a idade!... foi só para me meter com vocês!!! E a sorte é que sou masculino, pois se fosse feminina tinha escrito puta e aí é que a coisa ficava esquisita!!! Nós animais e as associações!

    ResponderEliminar
  63. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  64. E para voltar do mundo da fantasia...

    O Tibiriça escreveu a continuação da minha última frase "Água Potável e Nutrição adequada é o que nos basta para vivermos BEM." se por ventura adoecermos, que é lógico pois somos um organismo em constante batalha pela sobrevivência contra outros organismos, então há sempre vias naturais de combater as batalhas. E o magnésio é realmente tipo o SUPER MINERAL para o nosso organismo...

    E não se esqueçam de festejar com a devida alegria o DIA MUNDIAL DO EXTERMÍNIO...

    ResponderEliminar
  65. Dois vídeos do Médico Dr Luiz Moura, vale a pena ser visto.


    http://www.youtube.com/watch?v=wWV6L26KSGs

    http://video.google.com/videoplay?docid=-4554320633785209094

    ResponderEliminar
  66. grrr auf auf auf grrr au auauauauaufffff

    "Dá-lhes BURGOS... dá-lhes vitaminas cerebrais..."

    No fim faço-te festinhas!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...