02 novembro 2011

A Morte dos Leitores

E não, meus senhores, desta vez não vou escrever nada de novo.
Não apenas isso, mas até vou pedir para que sejam os Leitores a escrever.

Porquê?
Porque há um tema que tenho quase a certeza nunca ter sido tratado neste blog: a Morte!

Hoje é o Dia Mundial dos Mortos. Ou melhor, o Dia dos Fiéis Defuntos ou Dia de Finados.
Em particular gosto deste último termo, faz lembrar gente fininha, tal como ficam todos os mortos após algum tempo.

Mas o assunto é: o que acham os Leitores da Morte? É o fim de tudo ou algo sobrevive (como a Alma, por exemplo)? Somos apenas pó e pó voltaremos ou a Morte é algo diferente?

E a Alma, para onde vai? Inferno, Paraíso ou fica aí, no meio? Ou sofre de metempsicose, que não é uma doença psíquica mas é a Reencarnação? E qual Reencarnação? A dos Espíritas ou aquela das religiões orientais?

E o Leitor: tem medo da Morte? Porquê?


Ohhhh, quantas perguntas e que tema mórbido...doutro lado a Morte faz parte da Vida: sem uma não há outra.

A propósito: conhecem Totó? Talvez alguns conheçam.
Foi um actor italiano, especializado em comédias, e participou em mais de 100 filmes, com grande sucesso (em Portugal, por exemplo, é conhecido).

Poucos sabem que Totó era o nome artístico de Antonio Focas Flavio Angelo Ducas Comneno De Curtis di Bisanzio Gagliardi, descendente da linhagem imperial bizantina, e que, entre as outras coisas, era escritor e poeta.

Deixo aqui uma poesia dele (apesar de eu não ser apreciador de poesias, mas esta é outra estreia do blog!), cujo título original é 'A livella ("O nível" em português, o original é em dialecto de Napoli), 

Cada ano, no dia dois de Novembro, costuma-se
ir ao cemitério para homenagear os finados.
Cada um precisa conservar esta tradição.
Cada um precisa ter este pensamento.

Cada ano pontualmente, neste dia,
desta triste ocorrência
eu também vou e com flores enfeito
o lóculo marmóreo de tia Vincenza.

Este ano aconteceu-me uma aventura...
Foi depois de ter cumprido a triste homenagem.
Nossa Senhora! Se penso nisso; e que medo!
Mas depois criei coragem.

Assim aconteceu, ouçam:
estava chegando o horário de encerramento:
eu, sem me descompor, estava saindo
dando uma olhada a uns túmulos.

Aqui descansa em paz o nobre Marquês
senhor de Rovigo e de Belluno
ousado herói de mil cometimentos
morreu dia 11 de Maio de ’31.

Acima da inscrição tinha o brasão com a coroa...
... abaixo uma cruz feita de lamparinas,
três buquês de rosas com a lista de luto,
velas, castiçais e mais seis lamparinas.

Bem ao lado do túmulo deste senhor
tinha outro túmulo pequenininho,
abandonado, sem nenhuma flor;
como sinal somente uma pequena cruz.

E sobre a cruz somente podia-se ler:
Espósito Gennaro - gari [varredor de rua, NDT].
Observando-a, fazia-me pena
este morto sem sequer uma lamparina!

Assim é a vida! Pensava comigo mesmo...
quem teve muito e quem não teve nada!
Será que este pobretão esperava
ser miserável até no outro mundo?

Enquanto fantasiava este pensamento
já era quase meia noite,
e fiquei preso, prisioneiro,
morto de medo... na frente dos castiçais.

De repente, que vejo de longe?
Duas sombras aproximar-se...
Pensei: isto parece-me estranho...
Estou desperto... durmo ou é fantasia?

Nada de fantasia; era o Marquês:
com cartola, monóculo e casacão;
atrás dele aquele outro, uma coisa feia;
tudo sujo com uma vassoura na mão.

Aquele certamente é seu Gennaro...
o que morreu pobre... o gari.
Nesta história eu não vejo claro:
Eles são mortos e aparecem agora?

Estavam bem perto de mim
quando o Marquês parou de repente,
voltou-se e sério sério... calmo calmo,
disse a senhor Gennaro: Meu jovem!

De vós queria saber, vil carniça,
com que atrevimento e com que ousadia
vós fizestes sepultar, por minha vergonha,
do meu lado, eu que sou brasonado!

A casta é casta e tem que ser respeitada,
mas vós perdestes o sentido e a medida;
vosso cadáver precisa ser exumado;
e sepultado no lixo.

Mais não posso suportar
a vossa vizinhança fedorenta
é mister que vós buscais
uma cova, junto com os seus pares!

Senhor Marquês, não foi culpa minha,
eu nunca vos teria feito esta ofensa;
minha esposa fez esta tolice,
eu que poderia fazer se era morto?

Se fosse vivo vos daria satisfação,
pegaria o pequeno caixão com os quatro ossos
e desde já, neste instante,
entraria dentro doutra cova.

E o que esperas, nojento malcriado,
que a minha ira alcance o excedente?
Se eu não fosse brasonado
já teria recorrido à violência!

Quero ver... - toma esta violência...
A verdade, Marquês, é que estou de saco cheio
de ouvir-te; e se perco a paciência,
esqueço que sou morto e são porradas!...

Mas quem tu achas de ser... um deus?
Queres entender que aqui somos todos iguais?...
Tu és morto e morto também sou eu;
cada um é igual ao outro.

Sórdido porco!... Como ousas
igualar-te a mim que tenho natividade
ilustre, nobilíssima e perfeita,
pra fazer inveja a Príncipes Reais?

Mas que natividade, Natal, Páscoa, Dia de Reis!!!
queres colocar na tua cabeça... no teu cérebro
que ainda estas doente de fantasia?...
Sabes o que é a morte?... É um nível.

Um rei, um magistrado, um homem importante,
entrando neste portão já está cônscio
que perdeu tudo, a vida e mesmo o nome:
tu não te deste conta disso?

Portanto, ouças bem... não sejas teimoso,
suporta-me por perto - que te importa?
Estas palhaçadas só são feitas pelos vivos:
nós somos sérios... pertencemos à morte".

53 comentários:

  1. Anónimo2.11.11

    Tô com a morte oriental. Tem muita gente reencarnando em lacraia, em escorpião, em jararaca. Abutre então...

    Walner.

    ResponderEliminar
  2. Porque raio é que estes animais (os humanos) andam sempre stressados com a MORTE... Além da MORTE ser a mais mortífera doença sexualmente transmissível, com um período médio de latência de +- 70 anos, a MORTE não passa disso mesmo... morte... puf finito hoje gasto energia... amanhã forneço energia!

    Qual alma qual religiões... tudo meras invenções de cérebros medrosos que não aceitando o contrato da NATUREZA, procuram desesperadamente um aconchego mental que lhes permita viver, o escasso tempo que por cá passam, na ilusão que depois vão viver eternamente... Mais vale fumarem umas daquelas cenas que faz viajar... sempre é melhor que esta idiotice da ilusão de "vida além da morte"...

    Mas se considerarem que estão vivos apenas porque o vosso material biológico foi absorvido por outro ser que está, ainda vivo, então aí sim, há vida para além da morte. Passam é a fazer parte da estrutura biológica de outro qualquer animal ou planta...

    Não dá para muito mais.

    Mas o engraçado é que este pânico é aproveitado hoje em dia pelos meninos que gostam de congelar animais humanos... e que enquanto estão vivos vão sacando pipas de massa aos otários! Vejam lá aqui a vossa fuga para a "ilusão"...

    Ou compram o bilhete para a arca frigorífica ou então... Boa MORTE!

    ResponderEliminar
  3. Ora aqui está um assunto que dá pano para muitas peças de roupa....
    Eu pessoalmente não temo a Morte, nos meus tenros 24 anitos já a aceitei como parte integrante da Vida. Nascemos, crescemos e morremos isso é o que temos de mais certo na nossa existência. Mas a mim custa-me apenas a aceitar qua passamos por tanto ao longo da vida, adquirimos esperiencias, passamos tormentos e felicidades também, para um dia a nossa existência terminar sem mais nada...
    Vivemos com que objectivo??? Garantir apenas a continuação da nossa espécie?
    Para mim tem de existir mais qualquer coisa ou nossa passagem longa ou curta não faz muito sentido.
    Não procuro aconhegos nas ideias de vida eterna nem vivo das ilusões de Céu, Inferno ou mesmo Purgatório impostas por certas religiões,nem muito menos luto contra o curso natural da minha existência com toneladas de cremes ou loucas operações de rejuvenescimento ou até mesmo com um frigorifico (como o amigo Voz mencionou).
    Mas a simples ideia de Morte ser igual ao fim de tudo parace-me vazia e pouco adequada á nossa existência.

    O verdadeiro problemema é que quem foi até ao outro lado não fez grande questão de voltar para dizer como é (egoistas...), portanto resta-nos a especulação do que lá está e a certeza que todos havemos de lá chegar.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Ricardo2.11.11

    "Além da MORTE ser a mais mortífera doença sexualmente transmissível, com um período médio de latência de +- 70 anos, a MORTE não passa disso mesmo... morte..."

    Definição linda... perfeita...

    Vou morrer? Infelizmente sim... não queria... não temo... não a espero... e não tenho nenhuma pretensão metafísica para com ela...

    Mas se inventassem algo para postergar a morte eu aceitaria... eu gosto muito de viver (ainda... talvez no futuro mude de opinião...).

    ResponderEliminar
  5. ahahahah!! esta Voz!! :))
    Quem se lembra como era antes de nascer? pois...
    É para ai que voltamos! Uma Paz duradoura.

    ResponderEliminar
  6. "Quem se lembra como era antes de nascer?" eheh esta é fácil...

    NINGUÉM... pelo simples facto de que as células cerebrais responsáveis pelas memória ainda não existirem.

    ResponderEliminar
  7. E já agora... porque raio é que também temos a mania de que a nossa passagem tem que fazer sentido...

    Então não basta comer, dormir, contemplar, respirar, voltar a comer e a dormir e a respirar e a contemplar... para já ser uma passagem com SENTIDO mais que suficiente?

    Os "meus" três companheiros felinos que estão aqui atrás de mim é precisamente isso que fazem... e nunca os vi stressados com isso... aliás agora estão na fase de dormir... chiu!!!

    ResponderEliminar
  8. Voz

    Se a vida não tem sentido e se quando morrermos não seremos mais nada, qual então será a razão para nos preocuparmos com a situação atual do mundo? Afinal vamos morrer, não precisamos então nos preocupar com nada.

    Não acredito nisso, o universo é imenso demais para vivermos uma vida sem sentido algum.
    Nascer, comer, viver, defecar, comer de novo, etc...
    Acredito que somos energía, seres de luz, mas não temos alcance para entender isso tudo.

    Voz, você também não tem alcance, diga-nos então quem criou as células cerebrais?
    Então Voz, tu acredita que nossas vidas são uma fatalidade?
    Se o pós morte não existe, porque teimas em mostrar a verdade dos fatos para as pessoas? Então é melhor morrermos na ignorância, já que a vida não tem fundamento nenhum?
    Diga Voz!!

    Abraços

    ResponderEliminar
  9. E tu Max?
    O que pensas da morte?
    Afinal tu joga a pergunta, mas não falas a tua opinião ao respeito disso.
    Quero saber a tua opinião, e o que o nosso filósofo Léo pensa sobre a morte.


    Abraços

    ResponderEliminar
  10. "Isto de estar vivo, qualquer dia ainda acaba mal"
    não me lembro de quem é esta frase, mas faz sentido.

    Sendo nós humanos os únicos animais que temos a noção clara que vamos morrer, se calhar é por isso que fazemos tantos disparates na nossa passagem no planeta.

    saudações

    ResponderEliminar
  11. Burgos... essa também é fácil...

    O problema é que actualmente não nos deixam

    "comer, dormir, contemplar, respirar, voltar a comer e a dormir e a respirar e a contemplar"

    daí a preocupação e daí andar a ver se contamino alguns com o vírus "Abreapestanix"...

    Quem criou as nossas células cerebrais? Bem... bom... esta também é fácil... o espermatozoide e o óvulo... ambos deram a metade do código adn que se juntou e graças à energia começou a criar com o material circundante as células todas que fazem um animal humano, incluindo as cerebrais...

    e não descartes a hipótese de também podermos ser "seres de matéria negra"... quem sabe...

    "Então Voz, tu acredita que nossas vidas são uma fatalidade?"

    são fatalidade do ponto de vista da morte, pois este destino é inevitável...

    Quanto ao resto como reconheço que existe o infinito, pelo menos na nossa forma arcaica de pensar, então há muitas, infinitas coisas que desconheço... mas isto não me tira nem o sono nem a vontade de comer nem a vontade de respirar nem a vontade de contemplar! e po falar em comer... aí vou eu! auauau

    ResponderEliminar
  12. Ricardo2.11.11

    O que o pós-morte influencia na vida? O fato de estarmos vivendo agora não é motivo suficiente para nos preocuparmos em ter uma vida mais digna?

    A condição atual do mundo é fundamental não apenas para nós agora, como para os cachorros de vocês, como para os meus filhos... é importantíssimo.

    Mesmo eu tendo certeza que a minha vida começou no momento que eu fui concebido e vai acabar no momento em que eu morrer (como eu disse antes, espero ser o mais tardar possível), quero que essa experiência não seja interferida por uma corja de tiranos sem escrúpulos!

    Simples...

    Fico com o VOZ, apesar que com 0 dB ninguém consiga ouvir nada... :P

    ResponderEliminar
  13. Vocês devem ser capitalistas disfarçados, eles sim acreditam só na matéria, hehehehehehe!!!!
    Eu ainda acredito na alma, na energia, na natureza que se transforma, que esse mundo nada mais é que uma escola.
    Como um video game, uma fase que temos que vencer para poder enfrentar a próxima fase e assim por diante. hehehehehe

    ResponderEliminar
  14. E cadê a opinião do Max???

    Fala Max!!!

    Ou será que o Max está fazendo uma pesquisa acerca de nossas opiniões para repassar para a OTAN???

    hehehehe

    ResponderEliminar
  15. Eu penso que a hipótese de futuro de um ser humano e a sua esperança de eternidade reside nos filhos, na descendencia, daí que não haja sofrimento maior e mais intransponível do que a morte de um filho. É uma dor sem que nada a possa diminuir ou aplacar... nem o tempo consegue disfarçar essa dor.
    Somos feitos de luz e sombra de amor e ódio de felicidade e revolta e especialmente de medo.

    ResponderEliminar
  16. ui ui TU É QUE ÉS CAPITALISTA "... Como um video game" consumidor inveterado!! onde é que andas a alimentar as corporações com as tuas compras de video games uhm uhm !!??? eheh

    Ricardo:
    Transmito a "0 db" mas funciona! Afinal o pensamento também não produz som... bem pelo menos na maioria dos seres!

    Andam por aí alguns que devem ser uma nova espécie que quando pensam sai este som

    ResponderEliminar
  17. o Max e o Leo a esta hora estão a rir como perdidos... ihih

    ResponderEliminar
  18. Essas questões metafísicas propostas são bastante interessantes, cada um vê a "realidade" conforme a cor do óculos que usa, então qualquer coisa que se diga pode ser profundamente irrelevante para quem lê os comentários. Acho eu do alto da minha ignorância que só nascemos e morremos porque estamos intimamemte ligados a uma plataforma espaço/tempo cujas leis não permitem que possamos ocupar o mesmo espaço indefinidamente, é como se fosse uma lei de entropia. Hoje é praticamente impossível comprender o conceito do AQUI e AGORA sem que este resulte em tempo e espaço,mas por incrível que pareça só é possível viver AQUI e AGORA, pois não podemos viver nem no passado, nem no futuro, apenas podemos "imaginar" e é esta imaginação que nos permite tudo, inclusive sofrer com a perda da morte.
    E para finalizar fica a eterna questão:
    Quem nasceu primeiro? o ovo, ou a galinha?

    Imaginemos...

    ResponderEliminar
  19. bem... isto hoje é só fáceis...

    Foi a galinha (mas também não nasceu... evoluiu!)

    Leis!?! quais leis?!? as maluquices que a nossa própria imaginação inventa? essas não contam porque são por demais limitadas...

    ResponderEliminar
  20. maria2.11.11

    Se me preocupo com a morte? sim, claro, especialmente com a morte do que resta de lucidez no mundo, inclusive a minha já pouca, pois sinceramente não entendo:
    1.Se são apontadas algumas saídas concretas, efetuadas com sucesso, para os pobres e explorados do mundo melhorarem sua condição, livrando-se das "supostas" dívidas: dispersão total, ninguem desdobra o assunto, ou se desdobra para discutir os seus interesses reais e imediatos.
    2.Se afinal o governo grego resolve antecipar o que já devia ter feito faz muito tempo, ou seja, perguntar aos gregos se querem ou não querem o enésimo plano de resgate, os governantes europeus enlouquecem, como se o óbvio tardiu fosse um escândalo.
    Enfim...abraços, Max, acho que atendi ao seu pedido. Falei sobre a morte, o fim da consciência.

    ResponderEliminar
  21. é que se não deram conta... uma das etiquetas que o Max colocou é totó... dahhhh somos todos TOTÓS!!!! EEIHEIHIEHIEHI

    ResponderEliminar
  22. Ainda bem que o meu pensamento ainda não tem som!!!!

    Pensamento com som, deve ser coisa de terrorista do Al-Qaeda.
    O Obama pensa e os mercenários fazem o som.

    hehehehehe

    ResponderEliminar
  23. pois é maria...

    falam, escrevem, anda à pancada, garrafas com gasolina, gás de lágrimas, cães a ajudar, um manifestação daquelas! com gritos tipo "O Povo é que MANDA" e coisas do género... e quando o "poder" diz "Vamos ouvir o que o POVO tem para dizer"... O QUÊ? TÁS PARVO? Nem penses nisso... NÓS VOTAMOS E PAGAMOS-TE O SALÁRIO É PARA TU DECIDIRES... AI AGORA AINDA QUERES QUE FAÇA O TEU TRABALHO!!! CHULO... LADRÃO... SEM VERGONHA"

    TÍPICO de uma MANADA a correr em pânico...

    ResponderEliminar
  24. Ó Voz... deixa-te de ser tótó... :) desculpa lá. Os políticos europeus estão a fazer de conta que estão em pânico... querem deitar a culpa para os gregos depois de se terem vendido ao poder financeiro para que haja guerra na Europa! Guerra significa $$$$$

    ResponderEliminar
  25. Olha o embaixador, Voz...

    nder
    Mais
    Francisco Seixas da Costa para mim

    mostrar detalhes 18:25 (há 1 minuto)

    Francisco Seixas da Costa deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Erros":

    Ó Fada, com tantas desconfianças e teorias conspiratórias que alimenta, consegue dormir? Acha mesmo que tudo isto não passa de uma teia que nos quer tramar a todos? Eu cá não sou de intrigas, mas as coisas são capazes de ser bem mais simples do que imagina. Mas já vi que é tarde para a convencer...

    ResponderEliminar
  26. FADA... FADA... eu tótó?!? No mínimo... para que saibam o som que produzo quando penso é este...

    Mas Fadinha querida... só escrevi parte da ventania... isto é, só escrevi sobre um dos lados! E tu como a outra metade do meu pensamento, escreveste um pouco da outra parte... que continuo assim...

    Os políticos encontraram agora nesta ilusão, mais uma, de referendo o escapa para a própria incompetência... Aproveitam-se de uma MANADA em pânico que em princípio votará "ide-vos badamerda" para depois virem com ar santo e casto afirmar "O povo grego é que foi responsável pelo colapso do EURO. Não fomos nós políticos nem a Banca PRIVADA e os seus longos anos de especulação" ou outra baboseira no mesmo tom...

    que tal FADINHA? para tótó nem ando muito por baixo!! iihih

    ResponderEliminar
  27. Anónimo2.11.11

    Sempre fico completamente perdido, quando o assunto é o que vem depois desta. Como ser humano, acho que seria um desperdício tudo se encerrar num apagar de luzes. Mas quem disse que a vida não pode ser um grande desperdício de fato? Também não sei se sería agradável viver uma vida infinita. Não falo desta nossa existência sufocada, angustiada nesta esfera. Falo até mesmo de outras esferas, como pregam os espíritas. Nalgum ponto tudo que temos para viver e aprender se realizará, se encerrará. E depois? Viveremos uma eterna existência sentados ao lado do Criador, talvez o ajudando a criar universos infinitamente, deixando-os pra trás ao bel prazer do livre arbítrio? Qual o sentido? É ilógico. Uma existência eterna é ilógica. Tanto quanto ao nossos olhos de coelhinhos assustados a finitude é assustadora e ilógica. Na música de Ivan Lins com Celso Viáfora chamada Deus de Deus, tem a seguinte estrofe:
    "Mas e se Deus tem um Deus/
    no Além, além do meu/
    então, pergunto eu:/
    será que Deus não sou/
    pra quem, no aquém de mim/
    procura alguém no breu?"

    Ou ainda:
    "Será que tem, o Senhor/
    para abrandar o sofrer/
    alguém a quem implorar ou temer?/
    Porque, se Deus não tem Deus/
    como é que pode querer/
    que eu seja crente sendo Ele um ateu?"
    No fim segue-se um minuto de silêncio. Uma música inconclusa. Uma questão inconclusa.

    Walner.

    ResponderEliminar
  28. É Walner... até o Universo tem um fim. A sua expansão está acelerada mostra-nos isso... até as estrelas e as galáxias morrem.

    ResponderEliminar
  29. Olá pessoal!
    E eu que penso da morte? Boh?
    Mas estou curioso.

    Que dizer, não quero descobrir isso já, espero que a minha curiosidade fique sem resposta por muiiiito tempo. Mas no dia decisivo não é possível não experimentar um pouco de curiosidade.

    "E agora? Que será de mim? Vou acordar num outro mundo? Igual ou diferente? Ou um mundo onde tudo pode recomeçar?".

    Se calhar não há nada. O que seria um pouco aborrecido. Mas acredito que haja algo, estou convencido disso.

    Li alguns livros acerca do assunto, o mais conhecidos é o tal de Raymond Moody (nada em comum com a agência de rating), "A Vida depois da Vida", mas não acho as provas serem conclusivas, apesar de serem muito interessantes; e de, pessoalmente, estar convencido de que "algo" aconteça.

    Em qualquer caso, acreditar não custa nada. Qual o problema em caso de erro?

    O problema, eventualmente, seria na nova existência. Reencarnação? E se ficasse reencarnado numa galinha?
    Nada de reencarnação? Então deve haver um lugar onde todas as almas ficam. Imaginem a confusão? Biliões e biliões de pessoas, todas juntas.

    Sem falar dos parentes.
    "Olha, olha, este é o teu bis-bis-avô" "Muito prazer" "E este o bis-bis-bis-avô" "Muito prazer" "E este o bis-bis-bis-bis-...".
    Um pesadelo. Talvez seja melhor a hipótese da galinha, mais tranquila.

    Mas se existir um Paraíso, quero que esteja cheio de perguntas. Cada dia uma pergunta nova, algo para descobrir, para perceber.

    E, no final da semana, eis que chegam as respostas, no canal 1 de Rádio Paraíso (só Rock Progressivo, nada de publicidade). Mas quem assim não desejar, pode gravar a transmissão e, sem vê-la, continuar a tentar descobrir a solução sozinho.

    Isso seria um Paraíso útil.
    O Inferno, obviamente, é igual, mas com o canal de Rádio Inferno que transmite rap e não dá as respostas.

    Abraço!!!

    ResponderEliminar
  30. Anónimo2.11.11

    Caraca!!!!
    Progressivo no céu?!?! kkkkkk. Devo perder esta. Mais certo ter que aturar Rap no inferno, putz!!! 50 Cents, Snoopy... Quem manda não se confessar aos domingos? Enquanto isso Querubins, Santa Edwiges (minha protetora), São Francisco, Padim Ciço, todo mundo curtindo King Crimson, Jethro Tull, Nice... Lá no buraco quente o Jay Z, sacudindo aquela correntona de ouro e olhando pra minha cara. Na cozinha uma percussão bate estaca do cramunhão, o DJ Coisa Ruim nos pratos, as Diaboliquetes nos backing vocals, os Encapetados nos metais e a na coreografia a Lady Gaga. Taqueuspa! Só eu mereço.

    Walner.

    ResponderEliminar
  31. Anónimo2.11.11

    Max,

    Voltando ao rame-rame. Dá uma lida no artigo: "Matar ou Morrer: Gaddafi estuprado" de Laerte Braga, no blog do Gilson Sampaio. Vem de encontro com tudo que temos discutido aqui e algo mais.

    Walner.

    ResponderEliminar
  32. Anónimo2.11.11

    Fada,

    É isso aí. Mas tem aquela coisa dos universos em intermináveis quantidades de bolhas. Nós não temos a mínima capacidade de entender a criação. Nos agarramos à Deus, muito por conveniência. Ficamos, não temerosos, estupefatos com a possibilidade de sermos exatamente um "nada insignificante" no meio da obra universal. Mas com tantas mentiras contadas através dos milênios e que ainda vigoram, nada me surpreende mais, até mesmo a vida, sem significado, eterna. Se a vida eterna for nosso legado, num determinado momento tudo será assimilado pela nossa energia. Todas as experiências possíveis e impossíveis. Todos os mistérios químicos, alquímicos, físicos e alhures já deverão ter sido assimilados.

    Max diz: "Cada dia uma perguntava nova, algo para descobrir, para perceber". Numa existência infinita as perguntas cessarão num ponto qualquer. Todas terão sido conjecturadas, nenhuma delas ficado sem resposta. E aí? Tería Deus este tipo de vida enfadonha? Ou Ele passa Seus dias universais a se divertir e a se apiedar das nossas desventuras? Dizem que pouco Ele pouco se intromete. O Livre Arbítrio. Onipresente, Onisciente. Sabe de tudo e ao que tudo conduz. Muito enfadonho. Desculpem a blasfêmia, mas tenho piedade Dele. Um voyeur numa inconmensurável sala de cinema. O maior cinéfilo de toda a existência. Será assim? Quem sabe? Quem pode afirmar? Quem pode negar? Mas é assim que as religiões o descrevem.

    Walner.

    ResponderEliminar
  33. Anónimo2.11.11

    Ah! Faltou dizer que Ele sabe o final de todos os filmes. Muito enfadonho... Assim nos dizem os rabinos, os padres, os pastores, os caras das mesquitas (não me lembro o nome).

    Walner.

    ResponderEliminar
  34. "Nós não temos a mínima capacidade de entender a criação" para mim troco "criação" por "princípio"... são gostos!!!

    E é por esta mesma razão que nos devemos remeter à nossa insignificância existencial quer no plano físico quer no plano temporal, e procurar fazer de tudo para que possamos "comer, dormir, contemplar, respirar, voltar a comer e a dormir e a respirar e a contemplar".

    Infelizmente hei-de morrer sem saber o que isto é... azar!

    ResponderEliminar
  35. Que tal mundos paralelos?
    Sería bem melhor, um outro "aqui" e um outro "agora"...
    Gosto de pensar isso, me conforta saber que meu pai está em outro mundo, melhor que esse, mais justo, não enfadonho, mas onde não exista preconceitos, exista divergências mas com bastante respeito mútuo.
    Sei que para muitos é besteira, mas quem já perdeu um ente querido tem essa esperança, de um dia poder de novo abraçar o pai que se foi, ou um filho, um irmão, uma avó... Alguém que deixou muita saudade e que por nós foi muito amado.
    Esperança é a palavra que sempre trás um pouco de alívio a dor por aqueles que já foram.

    ResponderEliminar
  36. Anónimo2.11.11

    0 db,

    Contemplar não vai dar não, mais fácil você pegar em baioneta e seguir o caminho do Burgos na defesa dos venezuelanos contra os drones.

    Walner.

    ResponderEliminar
  37. Walner... e se por um acaso eu gostar de contemplar cenas tipo "Burgos enfrenta drones com baionetas".... afinal vai dar para contemplar! eheh

    ResponderEliminar
  38. daniela2.11.11

    Nos seguimos a perfeição como humanos,vamos se burilando a cada vida....ESTA PERFEIÇÃO NÃO SE CONSEGUE EM UMA SÓ EXISTÊNCIA.PERDEMOS MUITO TEMPO E OPORTUNIDADES DE SE MELHORAR, EM NOSSA ROTINA DIÁRIA....ENTÃO PORQUE NÃO SURGIRÍAMOS MAIS UMA VEZ NO MUNDO PARA RETOMAR NOSSA EVOLUÇÃO, PARA ALCANÇAR NOVOS MUNDOS.dISSE JESUS- NA CASA DE MEU PAI HÁ MUITAS MORADAS--MAS O DIA DE HOJE É DE REFLEXÃO POIS OS QUE FORAM ANTES SEUS ENTES QUERIDOS, VIVEM EM OUTRA DIMENSÃO, EM RESTAURAÇÃO ESPIRITUAL, MAS PROSSEGUEM DE CORAÇÃO VINCULADO AO SEU.OS QUE AMASTES NESTA TERRA, TODOS TE AGRADECEM,TE AUXILIANDO A TRANSPOR AS ESTRADAS QUE AINDA TE CABEM PERCORRER(Francisco Candido Xavier) Resta Saudade....Boa Noite.

    ResponderEliminar
  39. Anónimo2.11.11

    Rsrsrsrsrsrs

    Walner.

    ResponderEliminar
  40. Voz e Walner

    Voz, tu me disse que tinha feito curso de sobrevivencia, então vai ter que ir a luta também, afinal não é só ficar na frente do computador que vamos salvar nossos países dos queridos americanos e Sionistas, se chegarem aqui no Brasil tentando fazer o mesmo que fizeram na Líbia, eu vou a luta nem que seja com um canivete.
    hehehehe

    ResponderEliminar
  41. Anónimo3.11.11

    Antes de qualquer coisa, a gargalhada é pro 0 db. Tu deve ser parente do Totó. Totó, Cantinflas, Buster Keaton, Chaplin, Sellers, Dino Sordi, Vittorio Gassman... Bons tempos!

    Walner.

    ResponderEliminar
  42. Anónimo3.11.11

    Burgos,

    Mais ou menos o que o Rambo fez com os congs. Até amanhã meus amigos.

    Walner.

    ResponderEliminar
  43. O que eu penso sobre a morte? Que se foda!
    Só sei que estou vivo e ainda nem sei como!
    Única coisa que trago a vocês é uma citação de quentin tarantino: Não é que eu tenha medo da morte, eu só não gostaria de estar lá quando acontecesse.
    :D

    ResponderEliminar
  44. Anónimo3.11.11

    Entre a parentada que bem lembrou o Max, pode ocorrer algumas coisas inusitadas no reencontro da vida eterna:

    -(São Pedro) Eis aqui um teu parente.
    -(W) Meu parente?
    -(SP) Sim. Teu tiobis bis bis bis bisavô. Titio Jack.
    -(W) Titio Jack?
    -(SP) Sim. Titio Jack O Estripador.
    Esta vida eterna nos faz cada surpresa.

    Walner.

    ResponderEliminar
  45. Anónimo3.11.11

    Melhor tirar São Pedro e colocaro cramunhão nesta história.

    Walner.

    ResponderEliminar
  46. Walner hoje se superou... mas vamos ao que interessa.. O Mundo de Hoje Está Tão Caótico, Tão Estranho que Tem Gente Que Nunca Morreu e Está Morrendo Agora rsrsrs..mas por falar em morte, eu acho que não é coisa ruim não, pois do jeito que o ser humano é criativo, se fosse ruim, alguém já teria dado um jeito de voltar para reclamar... como ninguém voltou...rsrsrs Acho que, se tudo é energia em movimento, a MORTE é apenas uma transformação pois ela não existe, apenas é a energia se transformando...pensem que existe todo um MUNDO de SERES que vivem dentro de nós (corpo) e quando (o corpo)morremos é o fim de seu MUNDO, mas na realidade é apenas uma transformação e acredito de verdade ( a minha verdade) que essa nossa vida é apenas uma das facetas (como uma escola) da evolução. Não tenho medo dessa transformação e nem cultuo finados. Max, hoje ficou animado isso aqui. Abraços a todos.

    ResponderEliminar
  47. A ciência, de todas as épocas, se acha "dona" do conhecimento, tal como era no século XVIII, em relação a (não) existência dos microorganismos, ou como era no século XIX, em relação a (in) possibilidade do homem voar.
    Não sabemos nada sobre o universo e nada sobre o espírito.
    Negar a vida após a morte é, novamente, acreditar que já sabemos tudo e que somos os donos absolutos do conhecimento.

    "Se não hovessem pessoas que acreditam no impossível, este blog seria transmitido por sinais de fumaça"

    ResponderEliminar
  48. Walner

    "Esta vida eterna nos faz cada surpresa."

    podes crer... espera até chegares à geração walner-"100 tótós" e vais ver de quem és descendente!!! de Euzinho!!! uiui eheheehh

    ResponderEliminar
  49. Caros amigos,

    respondendo ao desafio, deixei a minha opinião aqui: Sociedade Alienada - A Morte e a Reencarnação.


    Um abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  50. Anónimo3.11.11

    Melhor o titio Jack!

    Walner.

    ResponderEliminar
  51. Walner...

    Azar... não se escolhem os ascendentes!

    Quando morreres mete uma cunha para mudares de espécie! É a única hipótese de apagar os "laços" com os antepassados!

    ResponderEliminar
  52. Possuimos a capacidade de imaginar e "criar" pensamentos...
    Quando nos deparamos com o desconhecido procuramos estudar e nos informar sobre aquilo. Mas acontece que todas as informações já estavam lá, nós apenas a pegamos um pouco e tentamos entendê-la. É como um conhecimento universal infinito, que já existe, sempre existiu, nós apenas pegamos um pouquinho dele através da nossa vivência. Acontece que a partir desse conhecimento adquirido, conseguimos criar e imaginar novas possibilidades baseadas no aprendizado. Hora então, de onde vem essas informações criadas por nós? São realmente novas informações ou meramente adaptações do conhecimento universal? O conhecimento que já está em todo lugar? O que quero dizer é que ninguém poderá saber como é a morte, até que enfim, morra para descobrir.

    Abraços

    ResponderEliminar
  53. Marcelo4.11.11

    Esta é para o Observer:

    http://www.youtube.com/watch?v=pgifAmlgzGM

    hehehe

    Abraços
    Marcelo

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...