17 novembro 2011

Os Países, os preços, as mentalidades

Olá pessoal.
Já disse que gosto de carros? Sim, já disse. E gosto mesmo.
Mas tentamos ver as coisas sob outra luz, pode ser?

Observem este automóvel:

Feiosinho, não é?
Bom, apesar do facto que eu gostaria de ter um deles, na verdade é um carro feio. E velho, muito velho.
Trata-se dum Morris Oxford de 1958, que a empresa Hindustan produz e vende normalmente na Índia. Ao longo das décadas o modelo não foi substituído mas constantemente melhorado. Evitou-se assim o gasto de milhões de Dólares na procura de novos chassis, projectação, etc.


E se a "casca" é antiga, o conteúdo já é melhor:
  • caixa de 5 velocidades (todas sincronizadas, óbvio)
  • direcção e travagem assistidas
  • ar condicionado
  • vidros eléctricos
  • computador de bordo
  • leitor mp3
  • múltiplo carregador para telemóveis
As prestações? Depende do motor. É possível escolher entre gasolina (1.8 de cilindrada, bem 53 CV!), gasóleo, gás natural ou gás de petróleo liquefeito (GPL), todos injecção electrónica.

Este monstro de tecnologia, que atinge os 120 km/h e acelera 0-100 km/h em menos de um dia, é vendido em Bombay por pouco mais de 6.000 Euros (cerca de 14.409 Reais) e actualmente é importado em pequena escala e vendido também no País de Gales. Onde é adaptado às normas de segurança europeias e custa infelizmente 13.333 Euros (32.000 Reais), por via do carro ser importado "em pedaços" e precisar assim de ser literalmente reconstruido.

Mesmo considerando o custo da mão de obra, muito mais barato na Índia, é óbvio que um carro como este seria muito menos caro se produzido inteiramente no País onde é vendido. E é um carro verdadeiro, que presta perfeitamente para ir do ponto A até o ponto B. Com calma (muita calma), mas consegue, até com alguns confortos.

Entre as outras coisas, será bom lembrar que o Ambassador é o segundo carro mais vendido no mundo (o primeiro é um Lada, baseado no antigo Fiat 124 dos anos '60...). Porque é assim: enquanto no Ocidente as marcas gastam biliões por cada novo projecto, a maior parte do mundo está a mexer-se com este tipo de carros. E conseguem, com até um certo sucesso, como no caso da Índia.

Mas se o Ambassador for um caso limite (e é, de facto), na Europa há igualmente automóveis cujo custo é baixo. E mesmo assim não vendem.

Em Portugal, por exemplo, há o caso da Dacia. Não é minha intenção fazer publicidade (a Dacia deveria pagar-me no caso), mas à venda há modelos muito baratos que é difícil encontrar na estrada. E não são "relíquias" como no caso do Ambassador, são carros modernos.

Como este:

É um Dacia Sandero, motor gasolina 1.2, fecho centralizado, vidros eléctricos, ar condicionado, 10.620 Euros (25.503 Reais). Muito mais rápido que o Ambassador (o que não é difícil), um pouco mais curto (4 metros de cumprimento), mas menos gastador.

Existe também no Brasil, é vendido como Renault, só que aqui o preço é mais alto: com motor 1.0 e mesmos acessórios fica em 34.140 Reais (14.216 Euros).

Existe também em Italia, mesma versão de Portugal, preço mais baixo 8.750 Euros (21.013 Reais), sempre com ar condicionado.

Um carro assim deveria ser bem vendido: moderno, cómodo, barato, a garantia duma grande marca (a Dacia é da Renault), mecânica experimentada (a base é a mesma do anterior Renault Clio, o mesmo ainda vendido na América do Sul, um dos carros mais vendidos na Europa).

Mas a verdade é que os Dacia são modelos bem pouco difundidos: são vistos como carros para pessoas "pobres". O que deveria fazer reflectir acerca da maturidade dos consumidores, a nossa maturidade. Porque o que acontece com os carros acontece também com as outras compras.
Totalmente estupidificados, perseguimos a "imagem" que o objecto pode transmitir. E as empresas, que bem sabem e incentivam esta atitude, agradecem.

Sempre para ficar com o exemplo dos carros: um dos mais vendidos é o Renault Clio. Mesmo motor do Sandero, mesma potência, mesmas dimensões, com bagageira mais pequena, com rádio: 14.900 Euros (35.782 Reais).

E no Brasil custa 31.700 Reais (13.200 Euros): mais barato do que o Sandero. Pois não se percebe a razão mas neste caso o veículo que aqui é "pobre", do outro lado do oceano fica "rico" e vice-versa.

Talvez não fosse mal, entre as queixas acerca da nossa sociedade, pensar um pouco nas nossas escolhas também. Que acham?


Ipse dixit.

Fontes: CarDekho, AROline, Dacia PortugalRenault, Brasil, Dacia Italia,

6 comentários:

  1. Anónimo17.11.11

    Os preços dos carros do Brasil são piada!!!

    E não me venham dizer que a culpa é do governo ou dos impostos, o que acontece é o abuso das malditas montadoras!! Se o povo compra a tal preço, porque diminuir? O melhor é ir sempre aumentando aumentando, se tem comprador, está valendo.

    Vergonhaaaa!!
    Talvez eu nunca compre um carro zero, prefiro os usados semi-novos.
    Não pretendo mais dar dinheiro para estas montadoras sujas.

    ResponderEliminar
  2. Carros a ar-comprimido é que está a dar... bem... não agora!!! Mas devia de ser agora! Pode ser que lá para 3265 os haja...

    ResponderEliminar
  3. Para os portugueses é o fetiche do carro Alemão, enquanto não for um Mercedes ou um Audi, BMW, tudo o resto são carros de pobre..

    O pior é que a maioria dos Portugueses não tem poder de compra para adquirir carros alemães...
    Mas não há problema, os alemães empresta-nos dinheiro para podermos comprar os carros deles !!!São nossos amigos ahahah

    saudações

    ResponderEliminar
  4. Os alemães começaram esta 4ªf a ser alvo do ataque dos terroristas financeiros... portanto eles que vão preparando a vaselina que daqui a nada é a vez deles de dar o corpinho ao manifesto!!!

    ResponderEliminar
  5. Preço do mesmo carro, Brasil x Argentina.

    www.youtube.com/watch?v=aZj58f_awKE

    ResponderEliminar
  6. sexta-feira, 10 de junho de 2011
    Honda City brasileiro - VERGONHA!
    Para os patriotas de plantão!!!!
    Vai fundo brasileiro pagador de impostos !!!!
    Continuem vendo carnaval, BBB 11, futebol e novela, é o que os políticos querem !!!!!!

    - Honda City brasileiro é lançado no México com preço inicial de R$ 25.800 – Como é possível?
    A Honda lança no México o novo City. O sedan brasileiro, produzido na fábrica da Honda localizada em Sumaré – SP, chega ao mercado mexicano com apenas duas importantes diferenças: a primeira é a entrega com mais equipamentos desde a versão de entrada e a segunda é o preço equivalente a menos da metade do cobrado no Brasil.

    No México, todas as versões são equipadas com freios à disco nas quatro rodas com ABS e EBD, airbag duplo, ar condicionado além dos vidros, travas e retrovisores elétricos. O motor é o mesmo que equipa a versão vendida no Brasil, ou seja, um 1.5 litro que entrega 116 cv de potência.

    Por lá, a versão de entrada será oferecida por 197 mil pesos mexicanos, o que equivale a cerca de R$ 25.800. No Brasil, o City LX com câmbio manual (versão de entrada) que não conta com freios ABS, tem preço sugerido de R$ 56.210.
    Mesmo lembrando que Brasil e México possuem um acordo comercial que isenta a cobrança de impostos de importação, fica a pergunta: Como é possível um carro fabricado no Brasil ser vendido, com lucro, por menos da metade do preço em outro país?

    Fonte: http://carplace.virgula.uol.com.br/honda-city-brasileiro-e-lancado-no-mexico-com-preco-inicial-de-r-25-800-como-e-possivel/

    E não é só imposto o lucro exorbitante das montadoras no Brasil, alivia as perdas em outros mercados, os trouxas macaquitos pagam para sustentar a vida na Europa, EUA e Japão, continua tudo igual, somos os colonizados, temos que trabalhar e fechar o bico

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...