19 dezembro 2011

As reflexões dum Anónimo

Recebi e publico.

O Leitor Anónimo quis partilhar algumas reflexões. Acho muito bem.

E querem saber uma coisa? Ainda nem li.
Porque a ideia é dar espaço a qualquer pessoa cujo desejo seja partilhar pensamentos, pontos de vista, ideias, sugestões...enfim, estamos aqui para aprender, crescer e a melhor maneira é mesmo esta: partilhar.

Não importa se o texto contem coisas com as quais não concordo: o que interessa é poder ler e reflectir.
Depois, se não concordo, apago tudo (lolol)

Só reparei que andam por aí uma ligações que ficaram apagadas no copy/paste. Vou restabelece-las e depois, com calma, vou ler.

A propósito: boa leitura!

Reflexões

Dinheiro, política, sociedade, história, religião, filosofia e conspiração.
Este é um blog em que se fala frequentemente destas coisas, e por isso, talvez o lugar
ideal para afixar este meu texto. Pedi ao Max que o fizesse…se o estiverem a ler no blog dele, é
porque ele consentiu. E obrigado ao Max, nesse caso.
Escrevi este texto porque vejo necessidade de expor algo que envolve estes quatro
temas e que não vi ainda bem explicado em nenhum sítio…ou melhor, ver vi, em muito sítio,
mas de formas tão desenvolvidas e em número tão crescente (e por vezes, tão carregadas
daquilo a que hoje se chama desinformação) que por vezes as ideias principais a reter se
perdiam no meio da confusão… Decidi portanto, minimizar um pouco esse problema, e
simultaneamente, lançar mais uma acha na fogueira do debate, ao partilhar a minha visão das
coisas, centrando-me no essencial. Se gostarem, obrigado…se não gostarem, paciência.
Comecemos pelo dinheiro. Já ouvi toda a espécie de teorias económicas, sobre a
melhor forma de lidar com o dinheiro, sobre a melhor forma de o fazer circular, sobre os
princípios a partir dos quais a sua redistribuição deve ser feita…mas há uma coisa em que
nunca, ou quase nunca se pensa. É que, para lidarmos com algo, devemos começar sempre por
ter uma ideia concreta daquilo com que afinal, estamos a lidar…em que consiste, enfim, aquilo
com que se lida. E com o dinheiro não é exceção. Lidamos com ele todos os dias, mas afinal…o que é ele? A que é que “corresponde”? Estamos tão habituados a ele que nem fazemos esta pergunta! E quanto a mim, a resposta pode surpreender…
“O que é o dinheiro? É fácil: é moeda de troca, olhe que pergunta!”, responderão
alguns. Bem, até aí já todos tínhamos percebido…é mais ou menos o mesmo que ler num livro
uma frase que não percebemos, perguntar a alguém “O que significa esta frase?” e
responderem: “Ora essa, significa um conjunto de palavras! Que outra coisa é que essa frase
havia de significar?!”. Resposta erudita, sem dúvida, mas ficamos na mesma sem perceber o
que é que a frase quer dizer. Bem, com o dinheiro é o mesmo: que é moeda de troca já nós
todos sabemos, mas em que consiste ela, afinal de contas? É a pergunta que eu faço.
Vamos fazer um pequeno exercício de cronologia reversiva para tentarmos chegar à
resposta. Assim tipo “máquina do tempo”. Comecemos pelos tempos de hoje. O que é o
dinheiro hoje? Resposta: é cada vez mais informação eletrónica. Enormes conjuntos de zeros e
uns gravados em dispositivos feitos de silício. Bem, mas para existirem, têm de significar
alguma coisa de valioso, só por si não são nada. A que correspondem por sua vez? Recuamos
um pouco mais e encontramos a resposta: a notas e moedas. Retângulos de papel impresso e
rodelinhas de metal desenhadas. Quer dizer, corresponder não correspondem…se
correspondessem, haveria tantos papelinhos e rodelinhas como aqueles que os zeros e uns
procuram representar, mas há apenas uma pequena parte.
(Procurem informação sobre a maneira legalmente corrupta que os bancos têm de
criar dinheiro do nada e perceberão com mais clareza esta última frase. Conseguem encontrá-la neste mesmo blog.)
Bem…mas a que correspondem os papelinhos e as rodelinhas? Só por si também não
são nada… Carreguemos uma vez mais no botão “rewind”: Ah!... Correspondem a ouro! Meras pedrinhas amarelas e brilhantes saídas do chão! Quer dizer, corresponder também não
correspondem…se correspondessem, os papelinhos e rodelinhas valeriam tanto como as
pedrinhas, e afinal, os papelinhos e as rodelinhas têm valor por si próprios.
(Procurem informação sobre a corja de Jekkyl Island que permitiu tal coisa e também
compreenderão melhor esta última frase. Também a conseguem encontrar neste blog.)
Mas nesse caso a que é que as pedrinhas brilhantes correspondem, afinal? Porquê
tanto fascínio pelo ouro? É só por ser raro? Mas só ser raro não serve para coisa nenhuma!
Quando algo é precioso por ser raro, é porque é importante para alguma coisa que lhe explica
a sua importância quando em tempos de escassez! A comida, por exemplo, quando é escassa,
sobe de preço por as pessoas precisarem dela para viver! O ferro, o cobre e os restantes
metais, são mais importantes que o ouro, são precisos para muita coisa, se escasseassem não
admira que o preço subisse! Mas o ouro não é preciso para nada!... É apenas mais escasso!…
Mesmo se não fosse escasso, não estou a ver que utilidade lhe dariam!... Se ele fosse escasso
mas servisse para alguma coisa, compreendia-se, estava-se a lidar com a escassez de algo
importante para alguma coisa, mas o ouro não serve para nada a não ser…ser somente
precioso e bonito! Não, para lhe darem tanto valor, é porque deve corresponder a alguma
coisa deveras importante…mas a quê?
Engatemos novamente a marcha a ré. E a resposta é: corresponde sim…corresponde
ao que é necessário para manter uma ideia que está na cabeça das pessoas, e que prevalece
até hoje. E essa ideia é valiosíssima, mas só para alguns…é por isso que esses alguns a tentam
fazer prevalecer por todos os meios, apesar de estar, hoje em dia, a ser contestada por mais e
mais gente.
“E que ideia é essa?” É a ideia de que, para uma sociedade poder funcionar, todos têm
que pagar alguma coisa! “Mas nós não temos?” Sim, temos, mas apenas porque programaram
a sociedade para funcionar assim. Não tem necessariamente que funcionar assim. “Mas
usufruir das coisas e fazê-las funcionar sem pagar não é como roubar?” Não
necessariamente…e é isso que os poderosos deste mundo não querem que se descubra, pois
lá se ia o poder deles pelo autoclismo abaixo.
É que, ao contrário do que as pessoas pensam, o dinheiro não é realmente o
instrumento principal de um sistema de trocas…é o instrumento principal de um sistema de
controlo disfarçado de sistema de trocas! Deste modo, as pessoas vêem esse sistema como
indispensável e não percebem que estão, na realidade, a serem apenas manipuladas!
“Mas de que é que você está a falar? O mundo sempre funcionou assim, não há
manipulação nenhuma!” Se você pensou isto, é com certeza um novato neste tipo de
assuntos…é sempre difícil explicar isto a quem ouve pela primeira vez. E no entanto, as
máscaras caem de dia para dia.
O dinheiro não passa de algo que uns poucos “manda-chuvas” da antiguidade
inventaram para fazerem as pessoas precisar, e assim, mantê-las sob controlo. Assim tipo:
“Declaro que daqui em diante, todos vocês, para viverem, vão precisar daquilo que só eu,
mero mortal como vós, posso pôr em circulação, para vos tornar ainda mais dependentes de
mim.” Claro que não foi isto que disseram, se dissessem estavam tramados, mas a intenção foi
esta. E não me venham dizer que foi só para resolver as inconveniências do velho sistema de
troca de géneros, que quem não é novato neste tipo de assuntos sabe que pensar dessa
maneira é ser ingénuo. E, como a fórmula funcionou…os manda-chuvas de hoje (que, não por
acaso, até descendem dos de antigamente) continuam a servir-se dela.
“Mas, uma vez que o sistema é este, ter dinheiro é libertador!” De certeza? É que ao
pensar dessa maneira, está somente a prolongar o jogo dos donos do dinheiro, e nunca
perceberá que o dinheiro só liberta dentro da prisão a que confina. Por um lado, só se pode
fazer o que dá dinheiro (se não a nós, a mais alguém). Por outro, só se pode fazer aquilo para
que o dinheiro chega. Só se pode fazer, pois, aquilo que o dinheiro permite. E estamos
limitados a essa escala. Numa prisão, a única maneira de nos sentirmos libertos é fazendo
qualquer joguinho com os companheiros prisionais, indo ao ginásio prisional, ou indo à
biblioteca da prisão. Não há dúvida que liberta, mas não era melhor fazer esse tipo de coisas
fora da prisão, onde se pode fazer até muito mais?...
Se o dinheiro tem a pretensão de tornar a economia mais fluida, para que tudo chegue
onde deve chegar mais rapidamente, então porque é que as coisas só chegam sempre aos
mesmos sítios e pessoas? Porque só pode chegar onde também há dinheiro! É preciso ganhá-lo, e quem não pode ganhar, bem pode morrer à fome e ao relento. Na cabeça das pessoas, quem não ganha dinheiro, nem o tem para gastar, não serve para nada. E a lógica de
funcionamento do dinheiro cria cada vez mais situações dessas.
Deixem-me referir, quanto a mim, a situação mais absurda que o dinheiro cria: olhem
bem para o mercado imobiliário…montes de casas vazias e ninguém pode ir morar nelas,
montes de pessoas a dormirem na rua e não podem ir para casa nenhuma. Isto é um absurdo.
Só faz sentido segundo a lógica de funcionamento do dinheiro, onde há sempre alguém que
tem de pagar e alguém que tem de receber. Mas como essa lógica é baseada em dinheiro, que
também é absurdo, o que temos é um absurdo saído de outro, ou construído em cima de
outro. Um absurdo ao quadrado, portanto.
“Mas você quer o quê? Que tudo seja de graça?” Suponham esta situação: imaginem
que todo o dinheiro do mundo desaparecia de um dia para o outro. Acham que a humanidade
estava impedida de funcionar só por causa disso? Claro que não! Continuava a ter todos os
recursos que precisava para continuar viva, só dinheiro é que não! Era apenas uma questão de
utilizar de maneira correcta os recursos de que dispunha! Não fazer as coisas por dinheiro,
fazer porque era preciso que se fizesse e era preciso atitude! “Mas ia ser o caos! As pessoas
não percebem as coisas dessa maneira, iam roubar, matar, para ter o que precisavam!” Isso é
outra questão. Eu não perguntei se as pessoas percebiam ou não que o dinheiro não era
preciso. Perguntei se a humanidade estava impedida de funcionar – independentemente de o
perceber ou não. E não, não estava. As pessoas é que, tristemente, não percebem isso. Que
não precisavam de dinheiro para continuarem a sobreviver. E se podiam agir sem dinheiro
numa situação como a que descrevi, também podiam agir da mesma maneira agora! Afinal,
tentar sobreviver não é o que fazemos todos os dias?
O dinheiro só impede as coisas de funcionar como devem para sobrevivermos!
Reparem numa coisa: quem luta pela sobrevivência são os animais irracionais. Nós, humanos,
que somos racionais, ironicamente ainda não conseguimos ultrapassar isso. Pelo contrário,
estarmos sempre a ter que competir uns contra os outros só por ter que conseguir dinheiro,
uma vez que o dinheiro está feito o garante da sobrevivência… É darwinismo
social…sobrevivem não os mais fortes nem os mais inteligentes, mas apenas os mais aptos, ou
seja, quem consegue mais dinheiro. E quem é que consegue mais dinheiro? Os que trabalham
para quem já o tem a rodos. E que tipo de trabalho é esse? Frequentemente, é explorar todo o
tipo de coisas que levam a imbecilizar e imoralizar ainda mais a população… “Compre mais um
telemóvel topo de gama (caríssimo e com software de espiolhanço lá dentro)! O seu carro tem
já 5 anos, compre um novo (pagando a outros 40)! Compre mais uma peça de roupa deste
marca ou deste estilista (cada vez mais iguais ao que se costuma ver, mas vendidas a um preço
não sei quantas vezes maior)! Compre um CD ou vá a um concerto deste/a cantor/a (para
quem todos olham não por cantar alguma coisa de jeito, mas por ter apenas um corpinho
vistoso, e que ainda para mais inclui uma dúzia de mensagens subliminais em cada tema)! E
porque é que você precisa de tudo isto? Porque se todos desejarem coisas dessas e você as
tiver, você também vai ser desejável, para poder praticar sexo com toda a gente! Não é o que
você vê na televisão? No cinema? Nas revistas? Nos livros? Você tem que fazer igual ao que vê
fazer, chama-se a isso estar integrado, ser parte da normalidade!” Puro mundanismo
maquilhado de auto-afirmação. Fazer-nos pensar que nos tornamos pessoas melhores se
triunfarmos na base da competição, e apenas em relação a coisas que são puro materialismo,
consumismo, secularismo…chamem-lhe o que quiserem...
Escrever este texto está-me a fazer lembrar a letra daquele velho clássico de Chris
Isaak, “Wicked Game”: “I don’t want to fall in love…this world is only gonna break your
heart…nobody loves no one…” Para além de fazer lembrar desta. E também desta. E desta
outra. E ainda esta. (Cuidado com eventuais mensagens subliminais dos videoclipes.) Tristeza…
O dinheiro não é a solução, é a causa do problema, é um dos grandes fardos que
carregamos aos ombros! Se a sociedade está metida num problema, não se pode resolver esse
problema recorrendo à mesma coisa que o criou! É preciso pensar de forma diferente!
“Espere lá, mas você está a defender o quê? Comunismo? Isso já se viu que não
funciona! E com base em quê? Bondade? Gratuitidade? Moralidade? Não seja ridículo!” Bem
se vê que não está a par das vozes que se têm vindo a levantar, caro/a leitor/a…
Mas vamos por partes: “Comunismo?” Depende do tipo de comunismo a que se
refere! Aquilo que se viu na União Soviética não foi comunismo nenhum…foi usar o
comunismo como desculpa para, primeiro, instaurar a mesma cabala que se via deste lado do
globo (e que se vê hoje com mais precisão), em que os governantes enriquecem à custa do
povo. E segundo, descredibilizar o comunismo ao desmascarar essa cabala apenas em relação
ao comunismo enquanto o capitalismo passa intacto. Deste modo, a cabala continua, e a
alternativa fica com mau nome e, portanto, atirada para trás das costas. E já agora, faço mais
uma observação…a URSS funcionava a punho de ferro, tal como o regime nazi: poder
centralizado, ditadura militar, estado policial, campos de concentração, etc.. E nenhum regime,
seja de esquerda ou de direita, vale a pena se for a punho de ferro.
“Isso já se viu que não funciona?” As pessoas não gostam do comunismo pela imagem
terrível que deu no passado, mas o comunismo está mais presente do que se pensa… Senão
vejamos: o grande ideal de comunismo é “de todos consoante as possibilidades, a todos
consoante as necessidades”, não é. Eu pergunto: a segurança social, é o quê? E o mais irónico
de tudo, a segurança social foi inventada na Alemanha, no fim da 2ª. guerra mundial, para
impedir que a Alemanha degenerasse toda em comunismo! Assim, só metade dos que
estavam na Alemanha (a metade que ficou para lá do muro de Berlim) é que se manteve no
comunismo. Esses eram os comunistas radicais. Porque a metade que continuou do lado de cá
se calhar lá percebeu que se o regime capitalista era capaz de instaurar uma medida de
proteção económica individual com base num princípio comunista, era porque se calhar não
era tão explorativo assim…ou melhor, foi toda a gente convencida disso, e assim, foi dado o
benefício da dúvida ao sistema…mas este assunto dá pano para mangas. Passemos à frente.
“Bondade, gratuitidade e moralidade?” Falamos agora de princípios cristãos e
religiosos. Os comunistas soviéticos diziam que “a religião era o ópio do povo”…no entanto, já
se ouviu um ou outro (mas só um ou outro) comunista, com os olhos um bocadinho mais
abertos, dizer que Cristo foi o primeiro comunista do mundo! São bem capazes de ter razão…
Se pegarem numa Bíblia e a abrirem nos evangelhos, verão que Cristo dizia para não acumular
riquezas na terra, para vendermos os nossos bens e dar o dinheiro aos pobres, para amar o
outro como a nós mesmos, etc.. Ensinava, portanto, a distribuir o que temos e não precisamos
a quem não tem, e não andar sempre a desejar coisas de que não precisamos. Se abrirem no
livro de atos dos apóstolos, verão que os primeiros convertidos aos princípios de Cristo se
tornaram comunistas…venderam o que tinham e distribuíram o dinheiro uns pelos outros
consoante as necessidades. Se me dizem que isto não é comunismo, então é o quê? Aqui está
implícito, se calhar pela primeira vez na história, o velho ideal comunista de “de todos
consoante as possibilidades, a todos consoante as necessidades”! Os comunistas soviéticos
quiseram foi desligar o comunismo do nome de Cristo para, simultaneamente, desligar o
comunismo de todos os princípios espirituais associados a Cristo. E tudo o que tem a ver com
abolição de princípios espirituais cristãos tem carimbado as palavras “nova ordem mundial”. E
se você se está a rir neste momento, ou a chamar-me fundamentalista, ou obcecado, ou
antiquado, ou doidinho, ou maníaco das conspirações, ou qualquer coisa do género, é porque
você, caro/a leitor/a, é realmente um/a novato/a neste tipo de assuntos. Desculpe lá se o/a
ofendo.
“Mas você quer pôr toda a gente a trabalhar de graça, é isso?” Não! Estamos no século
21 (escrevo 21 e não XXI porque acho que está na hora de acabar com esse arcaísmo), e temos tecnologia para resolver o problema. Segundo consta, há, só nos EUA, mais de 6000 patentes que nunca foram “para a frente” por, alegadamente “razões de segurança nacional”.
Pois…estou mesmo a ver a “segurança nacional” deles, estou…conservação de poder, é o que
é. Essas patentes têm a ver, por exemplo, com a criação de distribuição de energia limpa, livre
e grátis, e com todo o tipo de coisas que nos facilitariam a vida, nos dariam independência em
relação ao poder corporativo e nos permitiriam viver num mundo “paradisíaco” saído da ficção
científica. Já viram o que é um carro poder andar para sempre sem um pingo de combustível?
Ou terem eletricidade à borla para o resto da vida? E o mais importante: ÁGUA E COMIDA para todos, como é direito humano, sem ter que pagar? Claro que os poderosos deste mundo não querem deixar que isso aconteça, já viram o dinheirão que iam perder? E se dinheiro é poder,lá se ia este também. “Eles vão poder viver sem precisarem de nós para mandarmos neles!
Temos que impedir isto!”, pensam. E foi assim que inventores desse tipo de patentes
revolucionárias viram as suas invenções compradas e nunca usadas, outros viram-nas
roubadas, e outros foram mesmo mortos depois disso. Isso não lhes acontecia por causa de
coisa nenhuma, pois não?...
“Ah…já percebi! Você é um simpatizante de Jacque Fresco, e do movimento Zeitgeist, e
dessa coisa toda!” Não! Já fui. Até perceber que essa onda de eco-ONGs que tem vindo a surgir encaixa-se todinha na agenda das sociedades secretas (tal como a onda de movimentos
“occupy”…). Fresco, Peter Joseph (o realizador de Zeitgeist) e outros que tais, em vez de se
basearem nos tais princípios espirituais cristãos de que vos falei há pouco, a primeira coisa que
defendem para concretizarem os seus projectos é que se deve acabar com esse tipo de
pensamento e limitarem-se a tecnicismo para beneficiar toda a gente. Que contradição… porque, entre cristianismo e tecnicismo, mesmo que não o percebam, não foi
com certeza o tecnicismo que os ensinou a querer resolver os problemas das pessoas com os
projectos deles, ou foi?...
Eu sei que irão com certeza achar estranho que eu me ponha a defender o
cristianismo, mas há coisas tão elementares que estão a ficar tão esquecidas…
“Mas onde é que você está a querer chegar com isto tudo? Você disse ao início que
queria ajudar a explicar melhor qualquer coisa…” Se já se perdeu, deixe-me recapitular e
concluir, de forma simples: 1-) O dinheiro é um meio de controlo. Para uma sociedade
funcionar, não tem que existir. 2-) A livre partilha e distribuição de bens e serviços, consoante
as necessidades, permitia a uma sociedade funcionar perfeitamente. 3-) Não iria haver
ninguém a empobrecer com isso (ou a ser sacrificado, ou explorado) se utilizássemos de forma
coerente a tecnologia que nos permite obtermos o que precisamos sem termos que pagar
coisíssima nenhuma. 4-) Para que essa coerência exista é preciso relembrar os princípios de
que nos esquecemos ou que nunca conseguimos colocar em prática, coisas que só
aconteceram exatamente por causa dos limites que nos são impostos pelo dinheiro e por
aqueles que o controlam.
“Mas você que está a falar numa sociedade baseada em princípios deve antever que
uma sociedade assim degeneraria facilmente em egoísmo e hedonismo, não? E isso ia deitar
tudo por terra!” Não necessariamente. Em egoísmo e hedonismo já esta sociedade degenerou.
Só se mantivéssemos a ausência de valores que hoje temos é que descamba no mesmo. E por
isso falo em recuperar valores perdidos.
Todas as civilizações que se esqueceram dos seus valores caíram, para serem
absorvidas por um poder maior…um poder que pretende, em última instância, instaurar a
nova ordem global. E por isso esse poder pretende corromper ainda mais valores.
Consumismo. Imediatismo. Materialismo. É nisto que nos pretende lançar. E porque tais coisas
são apresentadas de forma tão deliciosa, as pessoas caem. Olhe, lembre-se disto agora, que
estamos em quadra natalícia!…
Há um jornalista famoso que um dia disse: “Pertenço a uma geração que leu Marx mas
que não despreza a Bíblia.”. Creio que talvez seja esta a lição a reter.
Se gostou do que leu, por favor reencaminhe. E comente…a favor ou contra, como
quiser…concorde ou discorde, complemente ou colida. Mas não faça de conta que o assunto
não importa.
E obrigado por ler.

47 comentários:

  1. Marcelo19.12.11

    Só digo para este anonimo reservar meia dúzia de anos para estudar a obra comunista de Marx para aprender o que é realmente o comunismo.

    Se você não estudou ou não leu a origem e a obra de Marx, não tem noção do que está falando.

    O que jesus pregou não é comunismo, isto é certo, você está absolutamente maluco e desinformado em relação ao comunismo se acha isso. Por favor, estude Marx, estude quem eram e como eram os primeiros idealizadores comunistas.
    Este texto já me chateou demais.

    Desculpe, mas tive de falar isto, pois é um assunto muito sério o que foi dito, tamanha maluquice comparar o comunismo com os valores morais de Jesus Cristo.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo19.12.11

    O que você disse sobre o dinheiro faz sentido!

    Foi criado para controlar, manipular.
    A prova disso é o símbolo da pirâmide com o olho que tudo vê(olho de horus) estampada na nota de 1 dolar!

    É o símbolo mais adorado e cultuado pela grande elite e pela maçonaria!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo19.12.11

    Caro Marcelo do primeiro comentário:

    Livro de atos 4, 32-35: "A comunidade de bens entre os primeiros cristãos. Ananias e Safira: E era um o coração e a alma da multidão que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. E os Apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Não havia pois, entre eles, necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos. E repartia-se por cada um, segundo a necessidade que cada um tinha."

    Isto realmente é comunismo!

    O que o comunismo SOVIÉTICO fez foi usurpar e deturpar o comunismo original CRISTÃO para instaurar a sua própria fórmula de controlo da sociedade!

    ResponderEliminar
  4. Li e agradeço a quem escreveu, um texto algo pesado tive de ler mais de uma vez, mas muito lucido incisivo e pragamatico, mas gerou-me uma outra curiosidade, fala no texto sobre: {mais de 6000 patentes que nunca foram “para a frente” por, alegadamente “razões de segurança nacional”.}
    Gostaria de saber um pouco mais sobre essas patentes e de que modo eram uma ameaça para o "imperio".
    Obrigado

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19.12.11

    Bruno, acho que o anónimo que escreveu isto responde a essa mesma pergunta no próprio texto: "Essas patentes têm a ver, por exemplo, com a criação de distribuição de energia limpa, livre e grátis, e com todo o tipo de coisas que nos facilitariam a vida, nos dariam independência em
    relação ao poder corporativo e nos permitiriam viver num mundo “paradisíaco” saído da ficção científica. Já viram o que é um carro poder andar para sempre sem um pingo de combustível?
    Ou terem eletricidade à borla para o resto da vida? E o mais importante: ÁGUA E COMIDA para todos, como é direito humano, sem ter que pagar? Claro que os poderosos deste mundo não querem deixar que isso aconteça, já viram o dinheirão que iam perder? E se dinheiro é poder,lá se ia este também. “Eles vão poder viver sem precisarem de nós para mandarmos neles!
    Temos que impedir isto!”, pensam. E foi assim que inventores desse tipo de patentes
    revolucionárias viram as suas invenções compradas e nunca usadas, outros viram-nas
    roubadas, e outros foram mesmo mortos depois disso. Isso não lhes acontecia por causa de
    coisa nenhuma, pois não?..."

    ResponderEliminar
  6. Olá Anônimo que escreveu o texto:
    Em primeiro lugar, gostei muito do teu texto. "O dinheiro só liberta dentro da prisão a que confina" Só esta frase valeria tu teres escrito.
    Se muitas pessoas tivessem realmente essa ideia por princípio, mais revoluções individuais ou coletivas aconteceriam. A partir dessa tua ideia, eu - por exemplo- após me aposentar (reformar para os portugueses ) como professora de filosofia e história na universidade, fechei um ciclo da minha vida e iniciei outro, onde com muito mais liberdade e anonimato pude desenvolver "atividades revolucionárias", digamos (não que as tivesse deixado de lado em outros ciclos anteriores). Poderia ter voltado, ocupado novamente a minha cátedra, e estaria ganhando mais que 2vezes o que ganho em dinheiro. Nunca me arrependi do que fiz, simplesmente porque sempre relativizei o valor dos cifrões, e minhas atividades revolucionárias sempre tiveram em vista resistir ao sistema de poder dominante usando táticas que permitissem uma sobrevivência boa das pessoas a base de trocas, com o menor uso possível de dinheiro. E consegui estabilizar um micro sistema assim funcionando, em 11 anos de trabalho coletivo com um grupo de afinidade em contato com grupos sociais regulares. Portanto considero tuas reflexões excelentes, e parabenizo o Max, sempre inteligente, por tê-las incluído.
    Agora, apenas uma sugestão: evita louvar ou atacar profetas, seja Jesus ou Max, profetas do mesmo jeito, e como tal, tem seguidores que acabam se fixando mais na defesa do seu profeta do que no sentido das idéias que desejas compartilhar. Existe na modernidade um número enorme de pessoas que dizem conhecer Marx, por exemplo, até mais que ele próprio, porque da sua maior obra escrita (O Capital)metade foi escrita pelo seu amigo Engels, e a outra metade re-escrita pelo bom amigo citado, no afã de organizar e trazer para o texto as milhares de notas sobrepostas nas margens do texto original.Profetas pensam, dizem e escrevem coisas interessantes e coisas desinteressantes, mas enquanto profetas, são intocáveis.
    Abraços

    ResponderEliminar
  7. Anónimo19.12.11

    Comparar Jesus a Marx é o mesmo que comparar um diamante único a uma bijutaria. Jesus era muito mais do que profeta. Marx era somente um filósofo.

    ResponderEliminar
  8. Atenção pessoal: perdão, ato falho!
    Jesus ou Marx (e não Max)profetas de mesmo jeito...

    ResponderEliminar
  9. Ok, acho que não me expliquei convenientemente o que queria perguntar era acerca da aplicação concreta das patentes e quando foram registadas,como funcionam? qual o principio e o metodo, a propriedade da patente creio que não é vitalicia e expirado o prazo do direito de propriedade intelectual esses mecanismos ou inventos podem ser utilizados livremente, onde posso aprender sobre isso ? ( P.S. Felizmente que inventaram o fogo e a roda antes do registo de patentes... : )

    ResponderEliminar
  10. Anónimo19.12.11

    Bruno, já ouviu falar de Nikola Tesla? Procure, só para começar, informação sobre o modo como J. P. Morgan lhe travou o projecto para distribuir electricidade livremente e depois os projectos de Tesla foram usados para construir o famigerado HAARP, entre outro tipo de coisas.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo19.12.11

    A propósito de patentes e de usurpação...
    Vocês sabiam que os americanos estão em batalhas judiciais para registar as patentes dos genes que descobrem? Assim, só os que descobrem determinados genes é que podem usá-los para curar pessoas.
    Isto é o mesmo que dizer que se o coração fosse descoberto hoje, só o médico que o descobriu é que o podia operar em caso de necessidade.
    Só mesmo os falcões - perdão, ABUTRES - dos americanos para se saírem com coisas destas...

    ResponderEliminar
  12. Anónimo20.12.11

    Primeiramente, o texto não deixa de ser interessante anonimo. Parabéns pela sua iniciativa e boa vontade em expor o que sabe para todos nós.
    Obrigado!

    Porém, tenho que discordar de você em alguns pontos.

    Por exemplo, o comunismo está acorrentado e ligado ao "movimento" revolucionário. O movimento revolucionário está ligado á revolução. A revolução está ligada a quebra (ou destruição) de cetos valores ou ideias/ideais que sejam, para a implantação novos valores, novos modelos, novas idéias. Isto é revolução. É o abandono de certas idéias ou costumes, o que quer que seja, para uma mudança futura com novos conceitos. A "evolução" diferente da "re-volução", tem por lógica, preservar certos valores e ideais para ir melhorando e aperfeiçoando aos poucos, cada vez mais, sem mudar tradições ou sem destruir valores já preservados e consagrados pela história, através do aprendizado dos povos desde a antiguidade até os dias de hoje.
    Recomendo muito estudar a estrutura da mente revolucionária.

    Outra coisa, não quero generalizar nada neste comentário, claro. Porém, hoje em dia, não podemos negar que qualquer tipo de "causa" que seja contra os padrões conservadores está ligada ao movimento revolucionário. Por exemplo, causas como o aborto, o casamento homossexual, o "movimento verde", etc, etc... O movimento revolucionário "adota" todas as causas que visam "mudar", "revolucionar" ou "destruir" antigos padrões e valores, para integrar outros novos.

    A última coisa, a grande maioria dos que se dizem de esquerda, ou comunistas, são ateus. Porque? Porque desde o início do comunismo a igreja e o cristianismo foram contra e lutaram contra. O comunismo já foi um dos maiores inimigos do cristianismo e hoje abraça os ateus. Isso por causa destas quebras de valores que citei, além de outras coisas como as práticas satanistas de Marx e as 6 milhões de mortes causadas pelo comunismo em todo mundo.

    ResponderEliminar
  13. Boa tarde,

    Gostei do artigo e posso dizer que de uma forma geral concordo com as ideias que foram expostas.
    Também nunca percebi porque é o dinheiro considerado indispensável para o funcionamento normal da sociedade, quando é na realidade uma aberração que impede o seu funcionamento pleno e saudável.
    No fundo julgo que a Humanidade ainda não está preparada para esse salto evolutivo.
    Gostaria de dizer acerca do último comentário, que seria bom não confundir conceitos: acusar o comunismo de ser responsável por "6 milhões de mortes" é tão sensato quanto acusar o cristianismo por outros tantos e mais ainda.
    Os valores tanto de uns como de outros são bons e comuns. O problema está na sua corrupção pelo homem, que os usurpa e usa para explorar o seu semelhante. E isso infelizmente, pode acontecer com qualquer sistema de valores.
    Quem quiser mudar o mundo, comece pela sua casa.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo20.12.11

    Práticas satanistas de Marx? Isso explica porque é que o comunismo de Marx foi aplicado da pior maneira possível: não tinha, de raiz, boas intenções por detrás, apenas fingia! Foi uma inversão e distorção do que aconteceu há 2000 anos atrás, para arrasar com a ideia de que o comunismo pode favorecer a humanidade!

    ResponderEliminar
  15. Anónimo20.12.11

    Anónimo do comentário sobre a revolução: Não admira que há dois mil anos atrás também tivesse havido comunismo entre os cristãos. O cristianismo também foi uma revolução! Felizmente não foi feita como se viu na Rússia...

    ResponderEliminar
  16. Olá escritor deste texto (e restantes amigos do ii),

    gostei do texto no geral e concordo com quase tudo o que está exposto, vejamos:

    Dinheiro - concordo com a Maria, a frase ""o dinheiro só liberta dentro da prisão a que confina" explica tudo - é uma arma (quase) perfeita de manipulação e controlo;

    Política - quando se fala em ideais de "comunistas", "socialistas", "capitalistas" e por aí em diante...estamos a catalogar; e catalogar é SEPARAR as pessoas e ideias, é individualizar. As coisas não podem ser mais vistas nesses paradigmas - temos que olhar às ideias e ao bem que podem fazer pela sociedade, independentemente de serem ideias Marxistas, Leninistas, Nazistas, Fascistas, etc. Se eu tenho uma ideia que serve para o bem de todos, não a catalogo, ponto final: uma ideia é simplesmente aquilo que representa.

    Religião - seguindo o ponto anterior, ao dizer que Cristo era comunista, estamos a caminhar para os movimentos separatistas, porque os de "direita" já não gostam de Cristo (problema deles). Eu, como Cristão, acho que Jesus Cristo é uma pessoa honesta, bondosa, fraterna, amorosa, pacífica e que para além de desejar o bem de todos, ele trabalha nesse sentido. Jesus é um exemplo de virtudes.

    Sociedade - Não compreendi este ponto: "(...)Até perceber que essa onda de eco-ONGs que tem vindo a surgir encaixa-se todinha na agenda das sociedades secretas (tal como a onda de movimentos “occupy”…). Fresco, Peter Joseph (o realizador de Zeitgeist) e outros que tais, em vez de se basearem nos tais princípios espirituais cristãos de que vos falei há pouco, a primeira coisa que defendem para concretizarem os seus projectos é que se deve acabar com esse tipo de pensamento e limitarem-se a tecnicismo para beneficiar toda a gente. Que contradição… porque, entre cristianismo e tecnicismo, mesmo que não o percebam, não foi com certeza o tecnicismo que os ensinou a querer resolver os problemas das pessoas com os projectos deles, ou foi?..."

    ...do que entendi do final do filme "Zeitgeist 2: Addendum" foi exactamente o contrário. Devemos existir não só como seres físicos, mas como seres capazes de Amar e que o Amor é a chave que nos abrirá as portas da nossa prisão. Ajuda-me se eu estiver enganado nesta interpretação.
    Gosto do conceito da economia baseada nos recursos.

    --

    De forma resumida, adorei a reflexão do anónimo, e em muitos parágrafos imaginei como se fosse eu a escrever tais coisas, tal é a proximidade com os meus ideais. Levantou-me questões...o que mostra que o tempo perdido a lê-lo não foi em vão.


    Obrigado,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  17. Anónimo21.12.11

    Saraiva, o autor responde parcialmente a essa também:
    "tudo o que tem a ver com
    abolição de princípios espirituais cristãos tem carimbado as palavras “nova ordem mundial”."
    Zeitgeist começa por desmontar a história de Cristo, associando-a a astromitologia, coisa que já foi rebatida por historiadores.
    Zeitgeist Addendum, inclui, perto do fim, quando se fala de Deus, um símbolo que só faz lembrar o triângulo dos Iluminatti.
    Zeitgeist, o projeto Venus e outros que tais, pregam o amor incondicional, mas um amor tão desprovido de espiritualidade, tão ligado a tudo o que estamos "habituados" a ver no dia-a-dia...talvez você não repare nisso apenas por ver Cristo apenas como "um exemplo de virtudes", quando Jesus era muito mais do que isso.
    Zeitgeist parece querer convencer-nos que estamos a tomar o passo correcto, quando na realidade, estaremos, sem que o saibamos, a fazer exatamente o jogo da nwo...uma manobra psicológica de desinformação e manipulação.

    ResponderEliminar
  18. Anónimo21.12.11

    Estou entre os que veem no cristianismo um movimento de cunho social e que, portanto, visava não apenas uma oportunidade ao reino dos céus, mas também à um melhor convívio entre os homens. Marx pelas razões que Maria expôs e outras óbvias, não pode ser citado pelo teor de sua obra, como um simpatizante cristão, mas por outro lado, a dialética comunista está impregnada do mesmo sentimento que mobilizava o cristianismo quando ainda engatinhava e que se perdeu quando passou à condução humana. Esqueçamos a aproximação dos movimentos comunistas do ateísmo, porque, se nos fixarmos na notória alienação e radicalismos distorcionistas causados pela exploração religiosa, não apenas de nossos dias, tal aproximação entre ateus e comunismo, é plenamente compreensível. Ou alguém pode estar contente observando o cenário social/religioso que assistimos nestes nossos tempos? Mesmo sendo agnóstico, e não crendo em absolutamente nada do antigo testamento, estou completamente de acordo, quanto ao princípio de que a mensagem cristã é a mola propulsora do sentimento utópico socialista em meio à humanidade. Se formos bem mais adiante no tempo, encontraremos aquele que muitos dentre os cristãos julgam, depois do próprio Cristo, o maior ícone da cristandade: Francisco de Assis. Um homem que abriu mão da riqueza para viver em "comunhão" com seus semelhantes. Como poderíamos chamar à isto?

    Caro anônimo, li com o maior interesse todo o texto, e não mudaria absolutamente nada. Apenas, sempre há um, ainda não me decidi definitivamente sobre o movimento Zeitgeist. Ainda não sei o que pensar sobre. Há algum tempo li uma informação, que não sei sobre sua veracidade, de que Zeitgeist e Fresco haviam se divorciado. Se alguém puder esclarecer à este comentarista atrasado, ficaría grato.

    Perdão Maria, mas tive que evocar os profetas. Sei que isso mexe com conceitos e sentimentos, mas se fez necessário para expressar minhas idéias.


    Abraços.
    Walner.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo22.12.11

    Divorciaram-se sim.
    Agora, o projecto Venus de Fresco associou-se à Exemplar Zero, que tem o ator Armand Assante como porta-voz. Já falaram para as Nações Unidas, creio eu...daqui se vê a "autenticidade" deles.

    ResponderEliminar
  20. @Anónimo (21 de Dezembro às 14h37)
    Já entendi onde é para chegar, efetivamente não gostei do primeiro filme do Zeitgeist, pois a I parte do mesmo é bastante estranha e confusa. E sim, Jesus é mais do que virtudes, Jesus veio explicar-nos que existe muito mais para além daquilo que vemos, que nós somos espíritos e temos um papel muito importante para desempenhar como seres reencarnantes na Terra. Como seres espiritualizados, devemos ter como meio o Amor e como meta a felicidade. Há uma longa caminhada a percorrer. Efetivamene, analisando com atenção pode haver uma grande mensagem sublime no movimento Zeitgeist...mas até agora, não vejo nada de muuuito preocupante. Dou-lhes o benefício da dúvida, pois acho que o caminho que querem tomar é pelo menos melhor do que o atual, não sei se a sua meta será aquela que transmitem, mas o caminho é bastante interessante e desafiante.

    Vamos esperar e ver o que nos reservam.

    E sim Walner, não és o único a já ter ouvido isso. Também já li algures com ambos se divorciaram: Jacques Fresco e Zeitgeist.


    Abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  21. Anónimo22.12.11

    Quanto a espiritualização e metas humanas, podíamos ficar a discutir toda a noite...mas concordo com que escreveu o anónimo que deixou a 2ª. mensagem antes desta ("Divorciaram-se sim.
    Agora, o projecto Venus de Fresco associou-se à Exemplar Zero, que tem o ator Armand Assante como porta-voz. Já falaram para as Nações Unidas, creio eu...daqui se vê a "autenticidade" deles.").
    É certo e sabido que tudo o que tem a ver com as nações unidas tem sempre alienação e controlo de massas por detrás.

    ResponderEliminar
  22. Marcelo22.12.11

    "Zeitgeist é bom mas é ruim"

    É muito bom no sentido de nos fazer "acordar", de nos "balançar"...
    Pois foi este filme que me impulsionou a duvidar do palco que é o meu mundo.

    Porém, concordo que ele tem algumas partes estranhas e duvidosas. Pra mim, fica claro que se trata de uma "arma" de inteligencia contra o cristianismo e contra os EUA. Pois o documentário detona a religião e Jesus sem pena e sem dó, com uma linguagem quase hipnotizante e muito impactante. Não sei se já chegaram a ver o "Zeitgeist Refutado", que rebate todos os argumentos sobre religiões que o Zeitgeist passa. Na minha opinião este filme foi criado pro agentes de inteligência para fins de engenharia social psicológica. Pois não tem como negar que qualquer um que assista o primeiro filme fica mais impactado pela parte da religião. Acho que pelo menos inicialmente, este era o objetivo do documentário.

    Eu mesmo, nas primeiras vezes que assisti o filme, passei de agnóstico para ateu e elevei minha raiva perante aos EUA, sem nem mesmo pensar em Nações Unidas, ONU ou qualquer outra nação que poderia fazer parte de tudo isso. Achava que tudo era culpa dos EUA, que a Nova Ordem vinha somente dos EUA.
    Sem contar da raiva que fiquei tbm do capitalismo. O mais ridículo e sem noção do filme foi no final do 2º quando dizem para abandonar o dinheiro e não se alistar no exército. Isso é ridículo e muito estranho. Pois é o exército que protege a constituição, as leis e a soberania de um país.

    Felizmente me informei melhor e estudei por muito tempo o assunto e vi que estava sendo radical de mais, não dando chance para outras informações. Voltei a ser agnóstico e procurei olhar os EUA como sendo um país com um povo traído por seus líderes e agentes externos/internos. Em geral, talvez, não é errado dizer que sim,zeitgeist foi algo positivo pelo menos para mim, pois abriu meus olhos e aguçou minha vontade de procurar informação alternativa.

    ResponderEliminar
  23. Anónimo22.12.11

    Marcelo:
    "O mais ridículo e sem noção do filme foi no final do 2º quando dizem para abandonar o dinheiro e não se alistar no exército. Isso é ridículo e muito estranho. Pois é o exército que protege a constituição, as leis e a soberania de um país."?

    Quanto ao dinheiro, o anónimo já diz o que pensa sobre ele...

    Quanto ao serviço militar, se não existissem soldados, não haveriam guerras. É esse o princípio de quem boicota o serviço militar. Se o que interessa é não matar e evitar morrer mais cedo, para quê ir logo para o primeiro sítio onde isso pode acontecer? Além de que a mentalidade militar é a a negação do livre pensamento, e a aceitação das ordens de mais alguém sem pensar.

    ResponderEliminar
  24. Anónimo22.12.11

    Corretíssimo último anônimo. As forças repressoras (porque pra mim forças armadas, são forças repressoras) são extremamente úteis aos senhores globalistas, não apenas no âmbito da luta contra o inimigo externo, como também na hora da ação contra os próprios patrícios.

    O triste de toda esta discussão, é que todo pensamento transformador é sempre adjetivado de utópico. A narcótica zona de conforto é sempre mais fácil, mais assimilável. Aquelas vidas que se perderam por não se ajustarem, aqueles que se entregaram a mendicância, a loucura, ao abandono, estes se tornaram vergonhas da nossa sociedade. Sucumbiram muitos por não quererem participar do regabofe social, por não se sentirem confortáveis na disputa pela espaço social, onde temos que deixar sempre nossos semelhantes para trás ao tentar alcançar qualquer objetivo. Desperdiçamos vidas, que poderiam somar numa outra situação, mas que no contexto desta sociedade vitoriosa, nos limitamos apenas à exigir que os entulhos esquizóides sejam dissipados de nossas vistas.

    Abraços.
    Walner.

    ResponderEliminar
  25. Quanto ao serviço militar concordo inteiramente com o Anõnimo e o Walner. O cumprimento irrestrito de ordens que é condição sine qua non de qualquer exército convencional é a antítese da capacidade de pensar e liberdade de decidir, elementos fundamentais da condição humana. Os exércitos são sempre domesticadores, apegam-se ao patriotismo, último refúgio dos canalhas para justificar e eximir de culpa o assassinato de muitos ao mesmo tempo. Àqueles que veem nos exércitos mecanismos de defesa dos povos, lembrem-se que com os povos mandados são suas fileiras formadas, que elas servem de repasto aos abutres que sempre ficarão nos gabinetes da retaguarda mandando, e que se os mandados dessem as mãos, os mandantes não teriam a quem dar ordens. Abraços

    ResponderEliminar
  26. maria e restantes... então oiçam com a devida atenção o discurso deste bacano... e depois reportem!

    ResponderEliminar
  27. Anónimo23.12.11

    0db e Maria e os Anônimos,

    Nossa sociedade à "semelhança" do paganismo, também tem seus vários deuses: o deus arma, o deus dinheiro... Dentre as minhas recordações cinematográficas, existe uma que nunca abandona minha cabeça. Numa daquelas sequências da cinesérie "Planeta dos Macacos" da década de 70, não sei bem se Charlton Heston ou se James Franciscus, ao encontrar uma sociedade que vive nas entranhas do planeta para refugiar-se da radioatividade que alterou a face da Terra, agora dominada pelos macacos, como também, seus aspectos físicos, qual a grande surpresa ao nos depararmos com a cena de uma oração prestada ao deus míssil atômico. Por isso temos que orar pelos nossos nobres soldados e suas poderosas guns! Aquelas guns, que como o tal míssil cinematográfico, nos causaram mortes e deformações. Ainda assim as necessitamos, porque do outro lado do rio avistamos o inimigo, que por sua vez, também nos temem. Como somos imbecis.

    Abraços.
    Walner.

    ResponderEliminar
  28. Anónimo23.12.11

    Se ainda existir inimigo ou o "medo", ou melhor, se os países e nações continuarem separadas por regiões, costumes, cultura, sociedades e hábitos diferentes, é lógico que precisará de um exército. Pois se não seria uma utopia. Não existe mundo perfeito nem nunca existirá. Nada é perfeito.

    ResponderEliminar
  29. Anónimo23.12.11

    Essas separações de cultura, costumes, etc., se não existissem, levariam o mundo ao uniformismo que os globalistas tanto desejam. Quanto a esse discurso "pró-armas", só tenho a dizer que se nenhum dos lados tivesse armas, não haveir ameaça nenhuma que pudessem temer um do outro.
    "Nós temos armas porque os outros também têm, e podem usá-las contra nós." Pois...os outros pensam o mesmo! E assim não saímos da "cepa torta", é um ciclo vicioso. Até que alguém ataca e está criada a desculpa para manter esse ciclo.

    ResponderEliminar
  30. Anónimo23.12.11

    Lógico que assim o é. Porque havería de ser diferente? O homem apenas segue o ditame do livro sagrado que diz que todo o diferencial deve ser cooptado, desde que seja criança ou mulher, não sendo nem um nem outro, espadada no quengo (e olha que temos genocídios para todos os gostos nos nossos tempos, que não respeitam nem à estes "princípios"). O saque também era corroborado pela divindade suprema. O gado, os animais, os bens materiais de modo geral podiam ser tungados dos gentios. Os exércitos de todas as bandeiras ainda assim continuam agindo.

    Como concertar um mal destes, que tem a aquiescência, aquiescência não, a ordenação do supremo? Um livro que separou os homens nas mais variadas línguas e culturas, como o ocorrido sob forma de punição aos que ergueram a Torre de Babel. Existindo Deus, será que na verdade seu desejo não sería que mesmo na diversidade fossemos capazes de construir, não a unidade, mas a união? As mais diversas religiões têm suas raízes fincadas no antigo testamento, e todas elas o interpretam como um livro benéfico ao ser humano, mesmo diante de registros de fatos, que nunca foram sequer evidenciados (quanto mais comprovados). Os mais absurdos inimagináveis. Você que crê naquele deus, mas que segue as mensagens do Cristo, como explicar seres tão díspares? Um deus punitivo, impiedoso, tendencioso, e outro, misericordioso, amável, ecumênico? Um que endurece o coração do faraó pra provocar o sofrimento de todo um povo, e outro, que oferece o reino dos céus aos puros de coração, aos fracos, as criancinhas. Um que desintegra da face da Terra quem erra, e outro, cujo Filho argumenta que quem nunca pecou que atire a primeira pedra. São de fato ações do mesmo deus!? Como apagar este mal dentre os homens e passarmos a nos respeitar, porque simplesmente somos seres viventes, portanto, merecedores do respeito mútuo? Só com base num governo mundial o homem sería capaz de se respeitar?

    Mais do que do uniformismo, os senhores globalistas necessitam das atrocidades das guerras, do racismo, da xenofobia, do estranhamento cultural, para implantar seu conceito planetário. Aqueles que acusam como devaneio qualquer tentativa, mesmo que imaginária para um mundo melhor, convido a refletir o que deve ter sido a implantação da moeda como forma das mercadorias trocarem de mãos. Deve ter causado tanta desconfiança, tanta dúvida, quanto qualquer sonho utópico. Talvez a diferença tenha sido que os poderosos estavam por trás da cena, e assim nos fora imposto. E como costume eterno, aceitamos. Como também aceitamos que somos impotentes perante o fato da nossa real escravidão. Qualquer mundo mais humano, é loucura, é utopia, deve ser banido, porque até mesmo em sonho nos acordeiramos.

    Walner.

    ResponderEliminar
  31. Anónimo23.12.11

    Walner,

    Quanto a essa diferença entre o velho e o novo testamento, você não é o único a apontá-la. Ela de facto existe.
    Mas, comprovado ou não o que lá está escrito, o que importa é a lição a tirar de cada um dos diferentes segmentos. Leia-se ou não a Bíblia de forma literal, há sempre qualquer coisa a perceber.

    Por exemplo, no antigo testamento, isso de arrebanhar o que é dos adversários a mando de Deus, remete para o princípio de que não se deve consentir que quem faz "asneira" perante o Bem continue nas suas obras, devendo ser derrotada, e as suas obras colocadas nas mãos de quem lhes dará bom rumo.
    E se pensa que Israel era a encarnação da virtude e a "boa da fita" constantemente, desengane-se. O velho testamento ilustra a situação de que os bons também podem cair, ao mencionar vezes sem conta que a própria Israel também acabava sempre por se perder, por descambar e, mais hora menos hora, cair nas mãos de mais alguém. Agora, se por punição ou consequência lógica das suas escolhas, nisso, cada um faça o seu juízo...

    O episódio da torre de Babel, segundo o que sei, remete para o princípio de ninguém se querer pôr "no alto dos tamancos" e se julgar um deus por si mesmo, querendo poder desmesurado ou fazendo o que quiser sem pensar, pelo que os que se juntam com esse propósito devem ser afastados uns dos outros e ver um fim à sua obra.
    Segundo consta, Christine Lagarde um dia proferiu: "Quando estávamos a construir a torre de Babel ao menos tínhamos uma só língua!" Tire daqui as suas conclusões...

    Se precisamos de um governo mundial para ter paz? Que eu saiba, nenhum dos comentadores acima está a favor disso, nem eu, estamos todos contra a NWO!
    Porém, não é qualquer tipo de paz que é saudável. Por exemplo, paz sem ética é só regabofe, rambóia, onde todos se sentem bem, mas só fazem asneira!

    É aqui que entram as lições do novo testamento, que ensina como se deve viver a paz de forma correcta.

    ResponderEliminar
  32. Anónimo23.12.11

    Caramba! Queria sugerir aos queridos anônimos (queridos mesmo, sem falsete), que pusessem uma identificação mais precisa, como talvez: Anônimo X, ou Y, ou 1, 2 , 3. Só pra sabermos quem esta dando sequência à conversa.

    Bem, último Anônimo, acho que no final concordamos em muito. Como sempre temos que picuinhar, minha picuinha fica por conta da velha retórica de que a biblia tem muito de interpretativo. De fato tem. Mas quando o sangue escorre pela vontade suprema, os pingos estão todos nos is, como também em muitas outras ocasiões. Tem que se usar de muito contorcionismo para enxergar outra coisa. Claro, que o povo escolhido também pagou pelos seus erros. Tá lá relatado. Com aquele deus, como podería ser diferente? Bom, eu sei que ninguém falou a favor de governo mundial, nem eu afirmei que alguém o tivesse feito.

    Em: "paz sem ética é só regabofe, rambóia, onde todos se sentem bem, mas só fazem asneiras!" Arriscando a tornar-me repetitivo, não consigo enxergar ética alguma nas páginas do antigo testamento, e muito embora seja um admirador dos bons conceitos expostos nos evangelhos (como também no budismo), penso que a igreja afastou-se há muito de qualquer tipo de ética. Talvez ela tenha se imbuído do caráter belicista do antigo testamento, para tentar sobrepujar seus "inimigos". Quería entender em qual canto de página ela encontrou palavras de Jesus exortando quem quer que seja à pegar em armas? Jesus jamais proferiu qualquer palavra contra Roma. Ele sabía que a mudança tería que se dar dentro do próprio lar, contra a cultura do shabath, contra os vendilhões do templo, contra o apedrejamento... E as religiões até hoje não avançaram em nada na direção ao que Ele assinalou. Umas por motivos óbvios (judaica, islãmica), outras por impossibilidade ética ou por interesses (a cristandade em geral).

    Um abraço amigo Anônimo.
    Walner.

    ResponderEliminar
  33. Anónimo24.12.11

    "não consigo enxergar ética alguma nas páginas do antigo testamento"

    O antigo testamento só se deu, acho eu, daquela maneira, porque naquele tempo, nada se poderia passar sem ser por força das armas. Talvez não fosse uma questão de expandir a paz ou a ética, mas uma questão de fazer com que os costumes judaicos não fossem mandados abaixo por mais ninguém, conservá-los até a uma altura mais propícia para o entendimento.
    Mas, diz o anónimo, "É aqui que entram as lições do novo testamento, que ensina como se deve viver a paz de forma correcta." Neste tempo, já seria a hora de espalhar a paz. Afinal, "evangelho" significa "boa nova"...
    Mas isto é só a minha visão...

    A Igreja Católica derivou do paganismo e era uma forma do Império Romano conservar poder, logo não admira que tenha descambado para algo que não era suposto ser.
    A verdadeira igreja não começou em Roma, começou em Jerusalém. A de roma é apenas uma versão deturpada...

    ResponderEliminar
  34. Anônimo novo24.12.11

    Já ouvi dizer que o antigo testamento foi o que realmente aconteceu.. Foi uma tempo em que a punição servia para o aprendizado e as desgraças e catástrofes também. Nada em vão, nada desperdiçado, foi para o aprendizado através de erros. Já o resto foi de ensinamentos e parábolas(não sei se é correto falar assim).

    Dizem que estamos novamente passando por esse tempo de escuridão e aprendizado através de erros nos dias de hoje. E que, a partir de 2012 ou 2013, virá novamente os ensinamentos e a iluminação do espírito para um novo tempo menos violento e triste.

    A Bíblia deveria ser melhor estudada como diz o Max.
    Através dela, podemos ver que até mesmo grandes pecadores podem ser perdoados e que pessoas normais podem se tornar heróis, como Moisés e outros. Deus não escolheu ninguém perfeito para suas tarefas, cada um tinha seus erros, o que mais foi posto á prova foi o arrependimento destas pessoas. Sobre a história da Torre de Babel e o rei Ninrode, pra mim soa como a origem da Nova Ordem, está tudo lá, é tudo muito semelhante, certamente esta história deveria ser estudada muito mais. Outra coisa que a religião estragou foi a data de nascimento de cristo. Em nenhum momento a bíblia cita tal data, muito menos a quantidade de reis que visitaram o nascimento de jesus. Deveriam estudar também a história do Rei Davi e Salomão. E a origem do símbolo perdido - hexagrama. Pois dizem a maçonaria tem suas origens no templo de Salomão. Enfim, está tudo no livro sagrado.

    ResponderEliminar
  35. Anônimo novo24.12.11

    Continuando...
    As semelhanças entre o Templo de Salomão e a maçonaria são muito claras.

    Começando pelo fato de que Salomão dizia seguir Deus, quando na verdade cultuava Moloch(acho que é esse)e outros espíritos que necessitavam de sacrifícios carnais. Em troca, o rei ganhava sabedoria. Com a maçonaria é a mesma coisa, dizem seguir Deus, mas a verdade é outra, seguem o oposto(na maçonaria tudo gira em torno de 2 lados, positivo e negativo, etc), seguem o grande arquiteto, o olho que tudo vê e também cultuam muito a estrela de Davi. Outra semelhança está no templo de Salomão com as lojas maçônicas. Ambos possuem o chão em pintado em chadrez(mais uma vez podemos perceber os opostos - preto e branco). Outra semelhança também são as torres nas laterais do altar( uma torre em cada lado, representando o positivo e negativo). Infelizmente, creio eu que a maçonaria é sim uma sociedade secreta que existe desde a época de Salomão e que esconde e guarda conhecimentos nunca antes revelados ou que sequer imaginemos. Como por exemplo o magnetismo(positivo/negativo) representado muito bem na história da construção do Castelo de Coral (construído por 1 maçon que desenvolveu uma ferramenta tecnologia reversa, capaz de anular a gravidade de metais e pedras). Essa mesma tecnologia foi usada por povos muito antigos.

    Não deixem de olhar todos as partes:

    http://www.youtube.com/watch?v=2-RxIrn_qX4&feature=watch_response

    ResponderEliminar
  36. Anônimo novo24.12.11

    Por favor, vejam todos os vídeos em sequência, o cientista e autor dos vídeos está tentando construir este equipamento de antigravidade por magnetismo, é essencial que mais pessoas possam compreender e se preparar para esta "redescoberta":

    1:
    http://www.youtube.com/watch?v=2-RxIrn_qX4&feature=watch_response

    2:
    http://www.youtube.com/watch?v=zNRLpQKeGWI&feature=watch_response

    3:
    http://www.youtube.com/watch?v=u2cneq_zuSk&feature=watch_response

    4:
    http://www.youtube.com/watch?v=FIsirBkfIYY&feature=watch_response

    5:
    http://www.youtube.com/watch?v=BxdO04Us5hs&feature=watch_response

    6:
    http://www.youtube.com/watch?v=8tE9vLH-Hu0&feature=related

    Não vejo a hora de Jeremy Stride finalizar o equipamento e confrontar toda a "ciência moderna" que foi nos imposta todo esse tempo. Um novo tempo de energia limpa e infinita está por vir!

    ResponderEliminar
  37. Anônimo novo24.12.11

    Max e pessoal, me desculpem pela quantidade de links de vídeos, porém, é essencial que vejam, para poderem entender do que estou falando, este em especial, também é essencial, pois revela muitas coisas e passa credibilidade, além de ser muito bem documentado:


    Os Segredos das Pirâmides:

    http://www.youtube.com/watch?v=LPVlhMLjuos&feature=related

    ResponderEliminar
  38. Anónimo24.12.11

    Sim, o levantamento de pedras para edificações era, em princípio feito por recurso a magnetismo e anulação do efeito de gravidade.

    A estrela de 6 pontas não tem nada a ver com David, mas é antes o selo de Salomão, que surgiu quando ele se dedicou ao ocultismo.

    ResponderEliminar
  39. Marcelo26.1.12

    Para quem acha que o comunismo e o socialismo tem alguma coisa haver com o cristianismo ou os ensinamentos de Jesus, recomendo este texto:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/12683-jesus-e-socialista.html

    Não deixem de ler por completo a reflexão.

    ResponderEliminar
  40. Anónimo31.1.12

    já li esse texto

    Pelo que percebi, lá diz que para ser comunismo, o governo teria que estar envolvido. Quanto a mim, não necessariamente.

    Também diz que a propriedade provada não estava abolida. Não tem que estar...quando se distribui algo em comum, é para que o que cada um recebe tomar como sua propriedade privada até eventualmente decidir dá-la.

    Também diz que "Não, Jesus não é, nem nunca foi e também jamais será socialista. A Bíblia nos diz que Jesus usará toda a eternidade derramando Suas bênçãos ilimitadas e riquezas sobre os crentes."
    Ei...que eu saiba, as bênçãos ilimitadas e riquezas de Cristo tem a ver com o espiritual...Cristo dizia para não acumular riquezas na Terra, mas no Céu.

    O que o anónimo do texto quis dizer foi que a aplicação dos princípios de Cristo não se BASEIAM EM comunismo (na altura, tal conceito era desconhecido) mas RESULTAM NUM TIPO DE comunismo (como hoje lhe chamamos). E, já agora, resultam também num tipo de ascetismo, e de pacifismo...

    Tudo quanto se seguiu ao longo da história (o socialismo e o comunismo como "recentemente" os conhecemos) foi usar esses princípios da pior das maneiras, o que resulta na sua anulação. Fizeram mal a coisa, julgando (também mal) que estavam a fazer bem. E assim, claro que "a alternativa fica com mau nome", como diz o autor do texto acima.

    "De acordo com a profecia bíblica, o mundo está sendo preparado para um tempo em que o socialismo realmente virá a dominar sob o governo do Anticristo", diz o texto do link.
    De certeza que esse socialismo/comunismo/etc. não terá nada a ver com o socialismo/comunismo/etc. que resultaria da aplicação dos princípios de Cristo. Disso não haja dúvida...

    É por isso que há que saber distinguir a diferença. É aquilo para que o texto acima adverte.

    ResponderEliminar
  41. Anónimo24.2.12

    O anónimo que escreveu a reflexão pode ter lançado confusão na cabeça dos leitores ao não ter estabelecido explicitamente no texto a diferença entre comunismo soviético e comunismo de Marx.

    O comunismo de Marx foi uma "rebusquice" baseada apenas em valores económicos e materialistas. Isso, só por si, já é mau.

    Depois, os soviéticos aplicaram esse comunismo de forma ainda pior. O próprio Marx chegou a escrever que não gostava dos russos, chamava-lhes atrasados até em pensamento.

    Mas primeiro que o comunismo de Marx, veio uma coisa muito mais simples, humilde e descomplicada: os princípios de redistribuição que advêem do Novo Testamento, onde não se tem que estar a pensar em "mais-valias", nem nada disso.

    Não me admira que Marx se tenha baseado nisso, mas tenha apagado propositadamente quaisquer valores espirituais, para escrever a sua "fórmula" comunista. É que segundo parece, Marx também era maçónico, e procedendo dessa maneira, estaria, por um lado, a reduzir a explicação do funcionamento da sociedade apenas a valores materiais, e por outro, a aproximar o raciocínio das pessoas apenas a isso.

    Pode ter havido a intenção propositada de fazer com que, insuspeitamente, o comunismo falhasse, para que, por associação, as pessoas nem quisessem saber do que vinha no Novo Testamento. Era uma maneira de apagar os valores espirituais que as pessoas tinham, de modo a formatar um pouco mais as suas mentes para a nova ordem mundial.

    ResponderEliminar
  42. Anónimo30.8.12

    "Eu pergunto: a segurança social, é o quê?"

    E falta falar dos impostos mediante escalões!...

    ResponderEliminar
  43. Anónimo30.8.12

    "essa onda de eco-ONGs que tem vindo a surgir encaixa-se todinha na agenda das sociedades secretas (tal como a onda de movimentos
    “occupy”…)"

    E também a onda de movimentos "HACKtivistas"...

    ResponderEliminar
  44. Anónimo30.8.12

    O jornalista famoso mencionado no fim do texto é o Baptista Bastos.

    ResponderEliminar
  45. Anónimo30.8.12

    Com a revolução marxista russa, as expectativas dos marxistas europeus atingiram um ponto alto. Esperava-se o mesmo tipo de revolução nos restantes países da Europa. À medida que o tempo passava, os teóricos marxistas verificaram que a expansão marxista não estava a ocorrer. Foi então que dois ideólogos marxistas se dedicaram ao estudo do fenômeno da falha da expansão do comunismo marxista: António Gramsci (Itália) e George Lukacs (Hungria).

    Gramsci concluiu que os trabalhadores europeus nunca seriam servidos nos seus interesses de classe se não se libertassem da cultura europeia – e particularmente da religião cristã. Para Gramsci, a razão do falhanço da expansão comunista marxista estava na cultura e na religião. O mesmo conclui Lukacs.

    Marcuse por exemplo, indo a fundo, se infiltrando na cultura, defendeu já nos anos 30 do século passado, que a masculinidade e a feminilidade não eram diferenças sexuais essenciais, mas derivados de diferentes funções e papéis sociais; segundo Marcuse, não existem diferenças sexuais, senão como “diferenças construídas”. Daí já nasce mais um tipo de movimento feminista por exemplo.
    No fim das contas, o comunismo não é compatível com a religião, por si só, o comunismo marxista pode ser considerado em teoria uma utopia e na prática, uma desgraça. A história mostra as provas.

    ResponderEliminar
  46. Anónimo30.8.12

    "Gramsci concluiu que os trabalhadores europeus nunca seriam servidos nos seus interesses de classe se não se libertassem da cultura europeia – e particularmente da religião cristã."

    Pois aí é que está o busílis da questão: é que isso é só areia para os olhos. A realidade é que o novo testamento ensina que é possível ser comunista com princípios conservadores, e sem necessidade de armas!



    "Marcuse por exemplo, indo a fundo, se infiltrando na cultura, defendeu já nos anos 30 do século passado, que a masculinidade e a feminilidade não eram diferenças sexuais essenciais, mas derivados de diferentes funções e papéis sociais; segundo Marcuse, não existem diferenças sexuais, senão como “diferenças construídas”."

    Isso já fez parte de agendas de lavagem cerebral com objectivos de engenharia social. Foi o início da agenda gay e tabagista.



    "No fim das contas, o comunismo não é compatível com a religião, por si só, o comunismo marxista pode ser considerado em teoria uma utopia e na prática, uma desgraça. A história mostra as provas."

    Tal como o autor do texto refere, depende do comunismo a que você se refere. O comunismo Marxista, Soviético, Cubano, Chinês, etc., são horríveis e incompatíveis com a religião, sim. Mas o comunismo Cristão é perfeitamente compatível e é exactamente o que é suposto acontecer. Leia ACTOS 4 32-35: "A comunidade de bens entre os primeiros cristãos. Ananias e Safira: E era um o coração e a alma da multidão que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. E os Apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Não havia pois, entre eles, necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos. E repartia-se por cada um, segundo a necessidade que cada um tinha."
    Repito ainda o que escrevi de início: a realidade é que o novo testamento ensina que é possível ser comunista com princípios conservadores, e sem necessidade de armas!
    Ou seja, por se ser cristão, ser-se simultaneamente temente a Deus, conservador, pacifista, altruísta, ascético e comunista. A primeira coisa que parece impossível mas a primeria que devíamos ser: tudo isso ao mesmo tempo.

    ResponderEliminar
  47. Anónimo26.11.12

    A segurança social não foi inventada no fim da IIGM. Essa informação está errada. Foi inventada ainda no séc. 19.
    No entanto, o resto do raciocínio mantém-se.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...