20 dezembro 2011

Sem vergonha


Um post para os Portugueses, uma notícia do diário Público.
Para os não Portugueses, CP significa Caminhos de Ferro Portugueses, empresa ferroviária estatal portuguesa. O sublinhado é meu:
A CP tentou vender junto de museus ferroviários europeus o comboio histórico de via estreita estacionado na Régua, mas a Federação Europeia das Associações de Caminhos-de-Ferro Turísticos (Fedecrail) boicotou essa tentativa, pedindo aos museus que renunciassem à compra, mesmo que estivessem interessados.

"Essa proposta pareceu-nos escandalosa, porque o material em via métrica português é raro e é uma composição que está em bom estado", disse ao PÚBLICO Jacques Daffis, vice-presidente da Fedecrail, que tomou a iniciativa de informar o Museu Nacional Ferroviário português, que desconhecia esta tentativa de venda por parte da CP. "O que é incrível é que a CP tenha proposto a sua venda sem informar previamente o museu português", disse, explicando que a posição da Fedecrail é de que o património deste tipo só deve ser vendido ao estrangeiro "se não houver nenhuma possibilidade de preservação no país de origem e/ou se estiver em perigo".

A tentativa de venda partiu da CP Frota, a unidade de negócios que gere o material circulante, através de um email muito informal, datado de 9 de Novembro e enviado para museus ferroviários europeus, no qual até se propunha que fossem estes a avançar com uma proposta de preço.


Contactada a CP, a porta-voz da empresa explicou que se trata de um comboio que está em condições operacionais (em 2005 ainda circulou na Linha do Corgo), mas que não tem agora utilização possível em Portugal, com o fim anunciado da Linha do Vouga, que é a última linha de via estreita em funcionamento no país. "Podendo haver interesse por alguma companhia ferroviária na sua colocação ao serviço para fins turísticos, a CP fez uma primeira auscultação do mercado para verificar a existência de eventuais interessados", disse a mesma fonte. A CP mantém, por isso, o interesse na venda, mas admite agora que "será dada preferência ao Museu Nacional Ferroviário, caso este tenha disponibilidade" para o comprar.

Esta posição oficial da CP surpreendeu o presidente da Fundação do Museu Nacional Ferroviário, Júlio Arroja, que tinha pedido à CP para que houvesse uma "cedência" (e não uma venda) daquele material circulante ao museu. "Foi feito um pedido à administração da CP e creio que o assunto está bem encaminhado", disse ao PÚBLICO.

É que, embora tenha sede no Entroncamento, o Museu Nacional Ferroviário tem secções museológicas em todo o país e existe precisamente um projecto para Macinhata do Vouga (Águeda). Este projecto consiste na requalificação do complexo ferroviária daquela estação, para albergar ali o comboio histórico e poder vir a dar-lhe utilização, com passeios turísticos entre Aveiro, Águeda e Sernada do Vouga. Um projecto que agora fica no limbo, com o encerramento da Linha do Vouga.

Material do início do séc. XX

O comboio histórico de via estreita em causa é composto por uma locomotiva a vapor fabricada na Alemanha em 1923 e enviada para Portugal a título de indemnização da I Grande Guerra. Esta máquina prestou serviço em praticamente todas as linhas de via estreita do país e está ainda operacional. A composição pode também ser rebocada por uma locomotiva a diesel de 1964, fabricada em Espanha, e comprada pela CP em segunda mão nos anos setenta.

Além de um furgão em madeira de 1925 e de um vagão-cisterna, a composição inclui uma carruagem de origem belga de 1908, outra fabricada na Alemanha em 1925 e ainda uma outra construída pelos então Caminhos de Ferro do Estado, nas oficinas do Porto, em 1913. O conjunto constitui um acervo único em Portugal e raro na Europa, que deve ser preservado, "de preferência no país de origem", refere Jacques Daffis.
Apesar de residual em Portugal, a exploração de comboios turísticos e dos museus ferroviários a que estes estão associados constituem uma actividade que só em três países europeus – Alemanha, Reino Unido e França – emprega 3812 pessoas e factura anualmente 174 milhões de euros.A Fedecrail – Federação Europeia dos Caminhos-de-Ferro Turísticos e Históricos é um organização de direito belga que congrega 616 membros de 27 países e que tem por missão a coordenação de todos os caminhos-de-ferro históricos e dos museus que se ocupam da sua conservação, bem como da protecção do material circulante que lhes está associado.

Em Portugal, o único comboio histórico em funcionamento é o do Douro, entre a Régua e o Pinhão, que só circula no período de Verão. A CP ameaça acabar com ele, se não aparecer qualquer entidade disposta a assumir-se como parceira de exploração do comboio que este ano registou prejuízos da ordem dos 60 mil euros. A CP já teve também o Comboio do Vinho do Porto, que circulou no Douro, mas que se encontra agora semi-abandonado em Contumil. 

Assim, enquanto a exploração dos comboios históricos em outros Países é fonte de receita e cria emprego, em Portugal a solução é vender o material em bom estado para o estrangeiro, de preferência com mail "informais" para não atrair as atenções.

E isso apesar de existir um Museu Nacional Ferroviário com projectos de exploração turística.

Portugal está completamente à venda e até é pedido para que sejam os compradores a fazer uma oferta.
Sem um pingo de amor para o próprio País, sem respeito para a própria história, sem vergonha.


Ipse dixit.

Fonte: Público

2 comentários:

  1. Pois é Max!! Não que sirva de consolo, apenas a displicência para com o patrimônio público não tem fronteiras. Já lestes Brasil Privatizado? É o resultado entre nós de 20 anos entregues a sanha da privatização, que nem é feita em nome da ideologia neoliberal, mas simplesmente porque traz benefícios econômico financeiros a rodo para os poderosos envolvidos na tramoia. A respeito desses poderosos e suas falcatruas privativistas nas maiores e melhores empresas do Brasil: Fernando Henrique Cardoso e José Serra (aquele que perdeu a presidência para Dilma Rouseff)para falar nos mais conhecidos, e também seus familiares e afiliados, leiam uma publicação recente de Amaury Ribeiro Junior (jornalista investigativo dos mais premiados e proeminentes), um livro que alcançou vendas extraordinárias neste país - mais de cem mil exemplares em uma semana, A Privataria Tucana (Editora geração)
    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20.12.11

    É maria, essa onde de privatizacão foi o preço pago pelo plano Real.....conveniamos que n deixariam o Fernando Henrique implemetar o Real a troco de nada....

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...