30 agosto 2011

O medo e a faísca

A guerrilha urbana no Reino Unido; as operações da polícia em Espanha contra os "indignados"; o atentado da Noruega; as revoltas na África do Norte; a guerra na Líbia; a eterna guerra no Afeganistão; o nuclear iraniano; a crise económica; o regresso da pandemia; o furacão Irene.

Continuamos? Não, pode ser suficiente assim.

O nosso é um mundo de medo. Um medo que não é natural, mas criado e alimentado de propósito.
Quantos dos factos mencionados acima são "reais" e quantos "criados"?

Vivemos num drama sem fim, adequadamente publicitado pelos media. Não seria correcto analisar de forma separada os vários episódios. Começamos a considerar muitas destas coisas como parte dum conjunto. Ao qual podemos dar um nome: O Colapso da Velha Ordem.

Um colapso natural? Sim, duma certa forma. Mas enriquecido com chamarizes que têm como objectivo alienar a nossa atenção. É preciso anestético para que as pessoas não percebam. Não muito, a maioria já está suficientemente idiotizada: a maior parte do trabalho está feito, o que é preciso é manter a alienação ao nível certo.

Repito mais uma vez: ao longo dos próximos meses será possível observar coisas fantásticas. Em todos os sentidos. "Fantásticas" pois não previsíveis até pouco tempo atrás e "fantásticas" porque fruto da fantasia de quem percebeu que a nossa sociedade tem que dar um passo para frente.
Ou para trás, pontos de vista.

29 agosto 2011

Liberdade de escolha



Fonte: Ben Garrison via Informazione Scorretta

Khadafi em pijama

Khadafi e guarda-costas
Tripoli está conquistada, a Líbia nas mãos dos rebeldes, mas a guerra continua.
Esquisito.

Vamos em frente.

O diário italiano La Repubblica, supostamente próximo da oposição, publica um interessante artigo do correspondente Pietro Del Re. O bom Pietro acaba de recolher o testemunho arrepiante da doutora Siham Sergewa, de Bengasi.

O que conta a simpática Siham?
Conta que a vida das "amazonas", as guarda-costas do regime líbio, era um inferno: repetidamente violadas pelo leader líbio e pelos filhos dele.

Na prática, o regime utilizava as guarda-costas como uma espécie de harém, à disposição da família do Coronel.

Realmente assustador.

Então é mais fácil perceber as ordens dadas por Khadafi aos próprios milicianos: violar todas as mulheres da oposição, esposas, filhas, irmãs, amigas, tias, primas, mães, avós e bisavós dos rebeldes.
Bom, algumas dúvidas acerca das avós e bisavós, mas continuemos.

Significativo o depoimento duma rapariga que, uma vez expulsa da Universidade, foi contactada pela equipa de Khadafi com a promessa de poder ser readmitida no curso graças à intercessão do Coronel. A rapariga, obviamente, aceitou e foi então levada até a residência de Khadafi, Bab al-Aziziya em Tripoli, onde o Coronel estava à espera em pijama (sic!!!).

Os elementos de Ockham

Se o Leitor ouvir duma exercitação perto da sua casa, aceite um conselho: pegue na família, na coleção dos discos de Roberto Leal, feche o gás, e afaste-se.

Melhor ir muito, mas mesmo muito longe.

O porquê é logo dito.

11 de Setembro de 2001, ataque às Torres Gémeas, Estados Unidos. Na mesma altura está em curso uma exercitação militar. Objecto: aviões civis desviados por terroristas.

07 de Julho de 2005, atentado no metropolitano de Londres, Reino Unido. Na mesma altura está em curso uma exercitação militar com o seguinte objecto: bombas sincronizadas prontas a explodir nas estações do metropolitano.

22 de Julho de 2011, massacre de Utoya, Noruega. 26 minutos antes do massacre, tinha acabado a exercitação dos militares com o seguinte objecto: ataque terrorista no qual um ou mais executores atirava a quantas mais pessoas possíveis.

Obviamente é um mero acaso. É verdade que os teóricos da conspiração poderiam encontrar aqui material mais do que suficiente para avançar com pesadas e fundamentadas dúvidas. Mas nós não.
São coisas que acontecem, ponto final.
"É a vida", como costuma dizer-se em Portugal.

28 agosto 2011

O mundo de Maria

Eis o que diz Maria.
Olá todos: Max nos brinda com informações objetivas bem organizadas, que da minha parte agradeço muito. Sei lá quem disse uma coisa interessante: pensar globalmente, agir localmente.

Mesmo sem grandes informações, tateando meio que intuitivamente, me parece que para quem busca alternativas de sobrevivência não seria oportuno gastar energia com organização de grandes massas, até porque a humanidade em geral esteve e está condenada a burrice crônica.

Que tal arranjar uma terrinha, plantar sua comidinha, como eu faço e me dou bem, embora nem por isso fique livre dos pesticidas que estão nas sementes já globalmente manipuladas!?

Que tal praticar pequenas trocas com o excedente com vizinhos?
Por exemplo: eu troco ovos por farinha, troco feijão por mel, e nisso sem alarde, em 10 anos, nos envolvemos 50 pessoas, dessas que não sabem nada de política global, mas sabem economizar o pouco que têm e ainda sabem distinguir pelo cheiro ou ausência de, comida de veneno puro!?

27 agosto 2011

A simpática dinastia Rothschild - Parte II

Rothschild. Uhhhh...

Informação Incorrecta já tratou desta simpática família num post publicado ontem.
Ou anteontem.
Talvez no dia 20 de Março. Passa o tempo, não é?

Mas não é que por acaso o bom Max tinha esquecido a segunda parte?
Eu?!?!? Mas estamos a brincar? É que achei bem reflectir sobre o assunto.

Reflecti? Ah, pois reflecti. Também Leonardo reflectiu. E eis o resultado.

Após ter falado da origem hebraica (óbvio...), da genealogia, dos casamentos (muitos deles entre primos: sabem o que dizem dos filhos dos matrimónios entre primos, não sabem?), da paixão pela coleções (a preferida: ouro), vamos ver um pouco de história prática: que fizeram de bom estes Rothschild?

Peço desculpa, não "de bom", pois neste caso o artigo deveria acabar aqui: vamos ver o que fizeram, assim, no geral.

Da batalha de Waterloo já dissemos. Na dúvida, os Rothschild ajudaram ambos os contendentes (e este, meus amigos, é verdadeiro espírito democrático), para depois ganhar ao saber com antecedência o epílogo do combate.
Ganharam dinheiro? Não, ganharam mais, muito mais do que isso.

Mas vamos em frente, pois quando estão reunidos pelo jantar de Natal, a simpática família tem muito para lembrar. E entre uma Feijoada à Transmontana e um Sopa de Pedra (os pratos favoritos dos Rothschild, aposto eu), de que podem falar os membros da família mais poderosa do mundo e arredores?

26 agosto 2011

A comida dos escravos (esperando o fim do mundo)

Enquanto há pessoas que esperam o fim do mundo e que apagam os links de quem pensa o contrário, o mundo continua a tratar todos nós como escravos. Porquê?

Simples: porque somos escravos.

"Pronto, lá vai ele com outro discurso acerca da finança e da economia...".

Nada disso.
Sim, verdade: argumentos acerca desta realidade não faltam.
Sabia o bom Leitor que147 companhias controlam 40% do valor monetário de todas as empresas transnacionais?

Isso mesmo: ao analisar mais de 43.000 empresas, é possível descobrir um núcleo central. É como ver uma teia de aranha: há muitos fios, muitos nós, mas no centro há apenas 147 companhias que controlam a teia.

Este é o fruto da primeira tentativa de fazer um pouco de luz no nebuloso mundo da finança: o trabalho, conduzido por um grupo de pesquisadores da Cornell University, New York, foi publicado online no passado dia 28 de Julho.

E quem pensar ainda em fantasias como "livre mercados" ou "concorrência" faria bem a ler todo o documento.

Mas, como afirmado, não é disso que vamos falar. Pelo contrário, eis algo de muito mais "pragmático", algo que podemos encontrar no nosso dia a dia, quando entrarmos num supermercado ou numa loja qualquer.
Porque o que acontece no mundo da finança e da "alta" economia é o reflexo do que se passa no mundo da "baixa" economia, a nossa economia.

Realmente podemos escolher os produtos? De verdade temos a liberdade de preferir um fornecedor em detrimento de outro?

Na área da alimentação, por exemplo: o café Tofa é muito diferente do Nespresso? E qual o melhor: o chocolate da Nabisco ou o da Ferrero? Estes são pormenores, pois podem comprar o que querem: o dinheiro acabará sempre nos bolsos de poucas empresas. Muito poucas mesmo.

Guerra mediática e Nato Assassina

Só algumas notas. Aliás: um pedido.

Alguém sabe o que se passa na Líbia? Alguém tem notícias certas?
Porque a situação seria ridícula se não fosse que esta é uma guerra.

Há alguns dias (no mínimo desde o passado Domingo) os rebeldes conquistaram Tripoli: esta é a notícia divulgada pelos media.

Hoje a guerra continua. Mas contra quem se até o bunker de Khadafi foi pesadamente bombardeado?

Porque os rebeldes anunciaram no passado Domingo a captura do filho de Khadafi, Saif-Al-Islam, e este continua a deixar-se fotografar com o punho levantado no meio de forças amigas?

Como é possível para Saif-Al-Islam (capturado pelos rebeldes) ir até o hotel onde moram os jornalistas ocidentais (o Rixos Hotel), convida-los para passeio de carro para mostrar os pontos quentes de Tripoli, e depois voltar no próprio quartel geral como se nada fosse?

Quem eram as pessoas que ameaçaram os jornalistas ocidentais para que estes não divulgassem as imagens dos hospitais bombardeados pelas forças da Nato?

25 agosto 2011

LulzsecBrazil: assistir ou fazer?

A seguinte entrevista foi publicada no site Galileu, do grupo O Globo, conduzida pelo jornalista Tiago Mali e sinalizada pelo Leitor Anónimo, que agradeço.

Dá para reflectir.
Eu acho que uma luta contra o sistema deve ser conduzida no âmbito da legalidade: não podemos descer ao miserável nível das oligarquias no poder.

Todavia, isso faz lembrar o fulano que à noite não trancava o carro.
"Ehi, mas não trancas o carro?"
"Não, e porque deveria?"
"E se alguém o roubar?"
"Ah, não, isso é proibido pela lei".

Será que não estamos a trancar o carro?

Os limites catatónicos

O Presidente da República Portuguesa, Aníbal Cavaco Silva assim falou:
Constitucionalizar uma variável endógena como o défice orçamental – isto é, uma variável não directamente controlada pelas autoridades – é teoricamente muito estranho. Reflecte uma enorme desconfiança dos decisores políticos em relação à sua própria capacidade de conduzir políticas orçamentais correctas
O quê? Engoliu um carapau vivo?

O bom Anibal poderia ter dito:
Inserir na Constituição um limite para a dívida pública é estúpido.
Mas os "sábios" de regime falam assim: um pouco porque "faz fino", um pouco para intimidar as pessoas que não querem chatices, um pouco para dizer e não dizer: em vez de afirmar que o limite constitucional da dívida é uma estupidez, o bom Aníbal fala de "variável endógena" teoricamente estranha, de forma a não irritar ninguém.

Ao mesmo tempo é uma maneira para elevar o patamar do discurso e afastar reacções "poucos dignas": que tudo fique entre os sábios.

Mea culpa, mea maxima culpa

Mesmo na altura em que o sistema económico global manifesta todos os seus limites, o establishment liberal lança uma ofensiva que tende a acentuar ainda mais este modelo, ao sacrificar o assim chamado welfare no altar da dívida pública e do Produto Interno Bruto.

Num período em que os cidadãos vêm o próprio nível de vida baixar por causa da crise e das suas consequências, o Estado contraria a própria missão (que é de redistribuir a riqueza comum, fornecer um mínimo de justiça e protecção social, investir o dinheiro pago com os impostos) e escolhe o lado das corporações: corta nos serviços, limita os impostos dos bancos, diminui o salário de trabalhadores e reformados.

24 agosto 2011

100% algodão

Compostos perigosos para a saúde e o ambiente utilizados na produção de marcas desportivas em todo o mundo. Estes são os resultados dos testes encomendados por Greenpeace e do relatório publicado.

Os produtos analisados tinham sido comprados em 18 Países, entre os quais Argentina, Áustria, China, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Italia, Japão, Holanda, Noruega, Filipinas, Rússia, Espanha, Suécia, Suíça, Tailândia, Grã-Bretanha.
Entre os itens comprados estão t-shirts, casacos, calças, roupas íntimas e sapatos em lona para homens, mulheres e crianças.

Dos 78 artigos de vestuário e calçados desportivos comprados por Greenpeace em 18 Países diferentes ao redor do mundo, 52 produtos de 14 marcas (Abercrombie & Fitch, Adidas, Calvin Klein, Converse, G- Star RAW, H&M, Kappa, Lacoste, Li Ning, Nike, Puma, Ralph Lauren, Uniqlo e Youngor) têm dado êxito positivo no etoxilato de nonilfenol (NPE).

Este composto, também usado na indústria têxtil, uma vez liberado no meio ambiente é transformado em uma substância perigosa, o nonilfenol (NP). O nonilfenol é persistente, pois não se degrada facilmente, é bioacumulável (acumula-se na cadeia alimentar) e pode alterar o sistema hormonal do homem, mesmo em níveis muito baixos.

O nolifenol é considerado um interferente endócrino porque tem capacidade para replicar os efeitos dos estrogénios (um conjunto de hormonas básicas da mulher) e podem quebrar o equilíbrio natural das hormonas presentes no organismo atingido.

Taxas? Não é connosco

Pagar impostos não é agradável, e talvez nem justo (mas este é outro discurso, muito mais complexo). Mas há quem pague menos do que os outros. De quem estamos a falar? Resposta fácil: dos bancos.

Há quem não saiba disso, até quem recuse acreditar no assunto: mas a realidade é que os bancos não pagam os mesmos impostos das empresas privadas, pagam menos.

Eis uma breve panorâmica, só para não esquecer.

Geometria: a triangulação do Santander

Já vimos como todos os bancos utilizam os offshore, o que torna elementar evadir o fisco.

O banco Santander Totta, por exemplo, utilizou dois fundos (Ptif e Taf) que movimentavam 350 milhões de Dólares e que circularam durante anos nas praças financeiras do Luxemburgo, de Londres e das ilhas Caimão, fazendo triangulações que permitiram à casa-mãe (em Portugal) aumentar os seus custos e assim reduzir o pagamento de impostos, ao mesmo tempo que obtinha proveitos mais elevados nas ilhas Caimão, onde fica livre de impostos.

23 agosto 2011

Programas

Ok, ok...estou de férias, mas mesmo assim estive a preparar algo.
Que não tem nada a ver com o blog.
E que se calhar até é inútil.
Paciência. .

Debaixo do título do blog, na barra das páginas, aparece agora "Programas": pensei dereunir os melhores programas gratuitos (freeware e open source) disponíveis na internet, pois acho que estes recursos podem dar jeito a quem costuma utilizar a Web.

Como não sou um perito de informática, não fiquem à espera de tecnicismos: é uma página "na óptica do utilizador", como eu e, imagino, como a maioria dos Leitores; por isso desfrutei artigos de site e blogues de confianças (estes sim feitos por pessoas que percebem do assunto) para criar uma lista das melhores aplicações "de graça".
A maioria das quais já foi utilizada ou simplesmente testada por mim (a cobaia).

O ouro de Tripoli

Nada, não há nada a fazer: uma pessoa vai de férias e pronto, as Bolsas precipitam, Khadafi cai, Strauss-Khan é ilibado e o Brasil derrota Portugal no campeonato do mundo de futebol sub-21.


Milagre! Fátima? Não, Tripoli.

Tentamos perceber. Aliás, reparamos num facto: ninguém tenta perceber.

A notícia é que os rebeldes conquistam a capital da Líbia, Tripoli, e ameaçam o simpático Khadafi.

E ninguém, mas mesmo ninguém, explica uma coisa: como é que uma cambada de incapazes (Nato mais "rebeldes"), que ao longo de seis meses ficaram a contemplar as dunas, de repente torna-se um exército invencível?

Eis as respostas possíveis, cabe ao Leitor escolher a opção que parece mais adequada:

18 agosto 2011

Crise? Melhor uma guerra

Paul Krugman
Como sair da crise? Simples, basta seguir as indicações de Paul Krugman.
Que agora já não é um mero economista, mas muito mais.
Doutro lado é prémio Nobel.

Explica o bom Krugman:
Se descobrirmos que os alienígenas estão a planear um ataque e precisamos preparar-nos para combater a ameaça alienígena e de facto a inflação o passivo orçamental passassem para segundo plano, a crise terminaria em 18 meses. E ao descobri de ter cometido um erro, que não havia alienígenas, ainda melhor. [...] Existe um episódio de Twilight Zone no qual os cientistas simulam uma ameaça alienígena para poder alcançar a paz no mundo. Bem, desta vez [...] seria preciso para obter alguns estímulo fiscais. 
Sim, eu sei: é precisa paciência, e muita.

Bau!

Tomo a liberdade de publicar um texto que apareceu no blog Burgos.

Só tenho certeza da dúvida que existe em mim, dúvida da prepotência de achar que estou certo, certeza de que tudo é uma dúvida e certamente devemos duvidar da certeza com que duvidam de nós. A duvida leva ao questionamento. 
A certeza nos leva a estagnação, ao fanatismo, a arrogância e com isso deixamos de pensar.
(Burgos Cãogrino)
Um cão Peregrino


"Não podemos ser tão crédulos a ponto de sermos ingênuos, nem tãocéticos a ponto de sermos estúpidos”
( I.Penz )

Foi pela angústia de não me conformar pelo modo pelo qual temos que viver, dentro de um Sistema cercado por todos os lados com “grades” culturais, morais e sistemáticas e que não permitem que sejamos a nossa própria essência, seja pela ignorância travestida de educação, de cultura, sejam por todas as ideologias enganadoras que buscam tutelar as nossas consciências e o nosso livre arbítrio para que sejamos uma massa obediente, submissa, insegura e dividida, ou seja, “escravos psicológicos” sem sequer darmo-nos conta disso, fazendo-nos crer estarmos vivendo no melhor dos mundos e sempre acreditando que o amanhã será melhor do que o hoje, vivendo de esperanças, pois é isso que nos incutem e que nos fazem acreditar.

17 agosto 2011

Os limites da Ciência e a nova Idade Média

Ao ver uma corrida de automóveis na televisão somos constantemente informados acerca da posição e da velocidade de cada carro. O que dá jeito.

Agora, imaginem que o comentador diga:
Queridos telespectadores, informamos que a partir deste preciso instante será possível determinar apenas a velocidade dos carros mas não a relativa posição. Em alternativa, ao carregar a tecla vermelha do vosso comando, podem descobrir qual a posição do vosso piloto favorito mas não a velocidade dele.
Aborrecido, não é? Mas é isso que se passa na mecânica quântica. De facto, o que acabamos de descrever é o principio de indeterminação de Heisenberg, formulado em 1926: podemos conhecer a posição duma partícula mas não a velocidade dela; ou, em alternativa, podemos descobrir a velocidade mas não a posição.

Complicado? Parece, pois isso é contrário à nossa experiência do dia a dia. Mas não é.
Eis uma simplificação extrema para explicar este que é um dos princípios básicos da mecânica quântica.

16 agosto 2011

Bonequeiros

A última semana no blog foi bastante divertida. E triste também.

Divertida porque quis "provocar" os Leitores e os resultados não faltaram: nunca o blog tinha recebido tantas críticas, algumas das quais hilariantes.
Triste porque, infelizmente, algumas suspeitas ficaram confirmadas.

No post O regresso de Nibiru já expliquei algumas coisas; hoje gostaria de realçar alguns aspectos que julgo serem mesmo muito importantes.

15 agosto 2011

9/11: CeeCee e a carta de condução

CeeCee Lyles era assistente de voo na United Airlines. Segundo a versão oficial, CeeCee morreu no ia 11 de Setembro de 2001, pois encontrava-se no voo UA 93, precipitado em Shanksville, Pennsylvania.

A sua licença de condução foi um dos documentos sobrevividos ao desastre e de seguida recuperado pela FBI.

Pouco antes de morrer, CeeCee ligou para o marido dela, que de profissão é polícia; como ele, Lorne Lyles, tinha acabado o tunro da noite, não ouviu o telefone tocar e reparou no telefonema só deposi de acordar.

Lorne estranhou, pois sabia que na altura a mulher estava a trabalhar no avião; por isso declarou numa entrevista televisiva:
Mas como é possível? Não é possível telefonar dos aviões com os telemóveis, isso pensei.
De facto não é possível, mas CeeCee e outros passageiros dos aviões sequestrados conseguiram. Potência do terrorismo.

14 agosto 2011

2012: o Rei dos Gatos

Como é Agosto e o blog está de férias (melhor lembrar isso...), nada melhor do que desfrutar o tempo para assuntos um pouco diferentes.

Por exemplo: em 2012 o mundo acabará? É importante saber isso, mesmo para quem não acredita nestas coisas.

Vale a pena comprar Títulos de Estado com prazo de 5 anos? Se o Mundo acabar em 2012, melhor um prazo de 6 meses, assim teremos tempo para desfrutar dos lucros.

Mas antes de começar, dado que este blog não quer menosprezar quem tiver outras crenças, eis o artigo dedicado a quem acredita em Nibiru.

A violência em Manchester




12 agosto 2011

O regresso de Nibiru!!!

Admito: o anterior foi um dos melhores post. Não por causa daquilo que escrevi, nem por isso, mas por causa das reacções.
Às 11 de manhã já havia 11 comentários, agora são 42.

O que significa: funcionou. E parabéns para Observer, o único que parece ter percebido :)

Os Leitores

Antes demais vamos dedicar as últimas notas ao "caso Nibiru".

A amiga Ravena não gosta que se use o termo "acreditar" em relação ao blog dela e a Nibiru. Peço desculpa, mas como é muito fácil encontrar artigos que "demonstram" a existência de Nibiru em Evoluindo Sempre, pensei fosse implícita a aceitação.

Ao ler em Evoluindo Sempre que  
Quando os Anunnakis vieram pela primeira vez na Terra, as artes do cultivo de cereal, de plantação de fruta e criação de gado não existiam.
[...] E os textos sumérios indicam que os deuses criaram o homem para fazer o trabalho que era deles.
parece mesmo que a Autora acredita em Nibiru. Mas, claro, como Ravena diz: o factor crença é meu, não dela, por isso, como foi meu engano, peço outra vez desculpa.

Porque Nibiru não existe

Experimentem procurar a palavra Nibiru com Google: 2.480.000 resultados.

Mais de 94.000 só em Português.
Impressionante.

Acho que nesta altura todos sabemos o que é suposto ser Nibiru: um planeta que está a aproximar-se ao nosso planeta, a Terra.

Depois há a história dos Annunaki, o povo feroz que Sichtin descobriu nas antigas tábuas da Sumeria. E graças aos quais ganhou não pouco dinheiro.

Todos estão livres de acreditar naquilo que mais lhes apetecer, isso parece-me claro. A amiga Ravena, por exemplo, de Evoluindo Sempre (blog que aconselho visitar com regularidade), acredita nisso e também alguns dos Leitores de Informação Incorrecta.

Tudo bem. Mas eu tenho o direito de não acreditar, também isso é claro, e de explicar porque acho Nibiru uma excelente ideia editorial mas um péssimo assunto histórico-científico.

Começamos pelo início.

11 agosto 2011

Passatempo Nibiru

- Bom Dia, sou Max de Informação Incorrecta, conhecem?
- Tragatabaz durum!

- Eh?
- Trabaga...uh? Ah! Desculpe, não tinha programado o tradutor simultâneo. Sim, Max de Informação, caramba, é muito conhecido aqui, claro que é.

- Obrigado. Mas só como curiosidade: porque decidiram contactar-me via internet?
- Epá, sabe como é aqui em Nibiru: sempre no espaço, sozinhos...o espaço é um lugar frio e escuro, quando voltamos nas redondezas da Terra, a cada 3.000 anos mais ou menos, tentamos sempre contactar alguém. Eu estava a ler o artigo sobre a sua prisão, nas revoltas de Almada, por isso decidi falar consigo.

- Desculpe mas eu nunca fui preso...
- Ainda não, mas fique descansado, os trabalhos forçados não são tão maus como podem parecer.

- ...ah...obrigado... Bom, como pode imaginar, gostaria de fazer algumas perguntas sobre o vosso planeta e a vossa sociedade, os Annunaki.
- Annuke?

- Annunaki.
- É assim que nos chamam? Realmente, 3.000 anos são demais...Nada disso: o nome correcto é Nibirenses. Faz sentido, não é? Nibiru, Nibirense...Annunaki não tem nada a ver.

Xenofonte 1 - Tottenham 0

Ninguém melhor pode saber o que acontece na Inglaterra senão uma pessoa que mora em Londres, onde tudo começou, e que conhece os lugares, as pessoas.

Ontem a noite foi mais calma, não apenas na capoital mas, ao que parece, nas outras cidade também como Manchester ou Birmingham.

Mas a tensão ainda fica, por isso será preciso esperar para ver.

O Nobre Xenofonte enviou um comentário que com muito prazer realço.

É o seguinte:

10 agosto 2011

London´s burning


Milhares de Leitores perguntam: "Max, mas que se passa na Inglaterra? Explica! Explica!!!".
Ok, não foram milhares, mas centenas. Ou dezenas. Talvez ninguém pediu nada, mas não faz mal, vamos falar do que se passa na Terra da Rainha.


Quais são as causas dos motins 
em Londres e em todo o Reino Unido?

Boh.

Que como explicação não é grande coisa, mas, como sempre, identificar as causas dum fenómeno tão complexo como os tumultos em Londres e no Reino Unido não é fácil.

Podemos procurar um denominador comum entre o que começou em Tottenham e os tumultos na banlieue de Paris ou os confrontos na Via Padova em Milano.
Primeiro: a agitação social nos subúrbios.

Podemos tentar conectar tudo ao fenómeno das revoltas árabes.
Segundo: o desconforto que tornou-se raiva para os efeitos da Grande Depressão.

Ou ainda podemos acreditar que esta seja o fruto duma abordagem simplesmente violenta, característica das camadas inferiores da sociedade inglesa; afinal esta é a terra onde nasceu o punk.
Ponto três: um substrato social dispostos a confrontação física. 

Mas qual será a resposta correcta?

Boh.
Outra vez? Tá bom, vamos tentar perceber algo...

66 anos atrás

E falamos de quê?
Da revolta em Londres?
Da crise económica?

Não, é Verão, está um lindo dia de sol, aproveitamos para tratar dum assunto mais leve. Que tal Hiroshima e Nagasaki?

Hoje é o 66º aniversário da explosão atómica em Nagasaki, apenas três dias após o de Hiroshima. São datas importantes, por varias razões.
Assinalaram o fim da Segunda Guerra Mundial; inauguraram a "Era Atómica"; e, como último pormenor, marcaram a morte imediata de cerca de 220.000 pessoas, quase todos civis.

Obviamente, explicam os sagrados textos, foi um "mal necessário". Era preciso obrigar o Japão à render-se, caso contrário a guerra poderia ter acabado só após longos meses.

Esta é a versão ocidental, pois no Japão as coisas são vistas de forma um pouco diferente: os bombardeios foram desnecessários, uma vez que a preparação para a rendição já estava em progresso em Tóquio.

Qual a verdade?

09 agosto 2011

Quando Obama fala...


Ontem o simpático Obama falou.

E era um discurso esperado após o downgrade de Standard And Poor's.
O Presidente não traiu as expectativas: quem estava à espera dum discurso em perfeito estilo Obama, isso é, genérico e recheado de boas intenções, não ficou desiludido. E os resultados estão à vista.

Mas vamos com ordem: antes o discurso.

O discurso de Obama

O nosso problema não é confiança no nosso crédito. 
(Tradução): O nosso problema é confiança no nosso crédito.

Os mercados continuam a reafirmar o nosso crédito como estando entre os mais seguros do mundo.
Acabei de ouvir o Primeiro Ministro do Canadá que, apesar do ataque de gargalhadas, conseguiu dizer que o nosso crédito é o melhor do mundo.

O nosso desafio é a necessidade de controlar o deficit a longo prazo. 
Não conseguimos controlar o deficit. 

Na semana passada chegámos a um acordo que fará cortes históricos na Defesa e na despesa interna. 
Até aceitámos todas as condições dos Republicanos, mas não há nada para fazer.

Contudo, não há muito mais que podemos cortar nas duas categorias.
Mas agora reparei que alguém entre vocês ainda tem alguns trocos guardados. 

O que temos de fazer agora é combinar estes cortes na despesas com dois passos adicionais: uma reforma fiscal que pedirá a quem pode que pague a sua quota-parte e ajustes moderados aos Programas de Segurança Social como a Medicare.
Por isso eis o meu plano: aumentamos os impostos e cortamos no serviço de saúde, que tal?

08 agosto 2011

Fé vs. Religião

O post Rezamos já sortiu o efeito: o número de seguidores perdeu uma unidade.
Normal.

O blogueiro inteligente driblaria o assunto, pois quando se fala de Religião são despertadas paixões que mexem no íntimo de cada um: há pessoas que conseguem lidar com isso, e encarar o discurso como a tentativa de procura, há outros que recusam até ler opiniões que possam divergir dos sagrados textos.

Mas como por aqui não há um blogueiro inteligente, continuamos com o assunto, para que fique claro que Informação Incorrecta não é um blog católico (mas nem anti-católico).
É um blog de dúvidas, as minhas e de todos os Leitores que tentam encontrar respostas.

E continuamos para fazer um pouco de limpeza (passem o termo) também: se houver Leitores que julgam as críticas aos sagrados textos uma blasfémia, então esta pode ser uma boa ocasião de migrar para outros portos. Porque neste blog não há certezas e ainda menos dogmas, de nenhum tipo.

Diz Anónimo:
Vejo que todos falam de religião.
Quem poderá descrever a criação?
Quem dentre vocês é tão sábio para conhecer as coisas do Altíssimo?
Tudo o que há nos universos, céus e terra é criação, mas Deus é Criador de tudo e é diante d'Ele que devemos dobrar os nossos joelhos em adoração e louvor. Deus é Único, não pode ser comparável, nem com árvores, nem com animais, nem com estrelas, mares, rios, nem sequer com pessoas. Tudo foi criado por Ele e para Ele (Eclesiastes 5:2).
Olá Anónimo.
Em primeiro lugar (além de agradecer por ter escrito, isso é implícito): ninguém consegue descrever a Criação.

Cada religião formulou uma história bastante simples, que fosse facilmente entendida por todos.
Na Religião cristã temos Deus que em seis dias fez tudo e no sétimo descansou (pois de facto tinha sido uma trabalheira).

Downgrade: mas que significa? (E olho aos mercados)

Os Estados Unidos perderam a AAA. Mas que significa isso?

O Dólar é a moeda de referência do planeta. Se quisermos comprar ou vender petróleo, açúcar, milho, a transação é feita em Dólares.

Há alguns casos de acordos bilaterais, nos quais é possível utilizar outras moedas, mas no geral o Dólar manda.

Por isso todos os Países têm que ter nos próprios cofres uma reserva em Dólares. A melhor maneira de acumular Dólares é adquirir Títulos de Estado Americanos, os Treasury Bonds ou simplesmente T-Bonds.

Baixar o rating dum País significa devalorizar os seus Titulos; e, de facto, agora os T-Bond valem menos do que os homólogos canadianos, por exemplo. Isso significa que os bilhões de Dólares em reservas ao redor do mundo sofrerão uma desvalorização.

O que implica a necessidade de reequilibrar, a partir de amanhã, Segunda-feira. Ou seja hoje para quem está a ler. Mas amanhã para mim, que estou a escrever às duas e meia da manhã. Que depois é já Segunda, por isso "hoje", mas como tenho ainda que dormir para mim é amanhã, não sei se rendo a ideia...ok, não interessa.

Pode parecer complicado mas não é.

07 agosto 2011

Rezamos...

É Domingo, dia de Missa.
Rezamos.

Não sei se todos os Leitores repararam, mas houve uma interessante troca de ideias no blog acerca da religião, um assunto importante.

Diz o Anónimo 1:
Não há outro conhecimento sobre o mal e o bem a não ser o livro divinamente inspirado.
As obras de satanás estão no mundo, cegando e oprimindo, pois ele esta no mundo desde o príncipio da criação.
E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu. Lucas 10:18
E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. 2 Coríntios 11:14
Mas, porque vos digo a verdade, não me credes. João 8:45
Diz o Anónimo 2:
Caro anónimo do comentário do livro divinamente inspirado:
Lamento dizer-lhe, mas muito do que está na Bíblia também foi deturpado ao longo do tempo, nem que seja nas traduções.
Vou-lhe dar um exemplo: por aquilo que andei a pesquisar, a História de Jesus difere em muitos pontos entre os textos de várias religiões. Compare os Evangelhos e o Corão. Logo para começar, na história do nascimento de Jesus que se conta no Corão, não houve mangedoura nenhuma, Maria deu à luz num deserto debaixo de uma palmeira (o que por sua vez, é algo parecido com a história do nascimento de Buda...). O que lhe garante que a versão que está certa é a que se conta deste lado? [...]
Diz o Anónimo 1:
caro amigo anônimo também
compreendo sua colocação histórica, na qual já pesquisei errôneamente também. Não posso te convecer por palavras que escrevo aqui, mas, posso te afirmar, que a salvação é pela Fé, quando digo que a bíblia é divinamente inspirada, é que a mesma foi escrita através da vontade de Deus pelo seu Santo Espírito.
Somente se testifica tal palavra se tens o Espírito de Deus, do contrário, são meras palavras impressas. Se desejas encontrar, busca enquanto tens tempo para a verdadeira "Sabedoria".
Que Deus abençoe sua vida.

Godzilla e King Kong

Há três dias foi publicado um breve artigo no qual se dava conta da utilização de 20.000 soldados americanos no interior do território dos Estados Unidos.

Um notícia curiosa aqui, uma preocupação entre alguns cidadãos norte-americanos. Que, entretanto, endireitaram as antenas, prontos para receber mais pormenores.

Escreve The Intel Hub:
Nos últimos dois meses foi observado um enorme aumento de movimentações militares, que fazem pensar em algo de pouco claro em preparação.
Numerosos helicópteros pretos, exercitações militares em grande escala, maciços movimentos de comboios: as deslocações dos militares aumentaram muito. 
Um cidadão filmou helicópteros do exercito empenhados numa exercitação nos céus da cidade de Boston, algo invulgar até hoje.

06 agosto 2011

Coincidência

O diário Público de hoje:
Um helicóptero da NATO foi abatido ontem à noite numa missão no Afeganistão, segundo fontes militares. Morreram pelo menos 31 elementos das forças especiais norte-americanas e sete soldados afegãos.

O jornal “New York Times” fala num dos piores dias para as tropas da coligação nesta guerra que já dura há quase uma década.

A maioria dos mortos são elementos das tropas da NATO (Isaf, Força da NATO no Afeganistão) que seguiam a bordo do aparelho.

"...a maioria dos mortos são elementos das tropas da Nato..." afirma o diário.

Correcto, mas se o Público não fosse apenas um entre os conjuntos de canetas ao serviço do regime seria possível ser um pouco mais precisos: os mortos são os mesmos soldados que capturaram Osama Bin Laden.

USAA+

Um pouco sério, um pouco não


Estava a pensar numa maneira para resolver os problemas portugueses (nada mais, nada menos: esta sim chama-se "humildade"), quando encontrei um bom texto que, com algumas modificações e acrescentos, aqui proponho.

Além disso, reparei que as medidas apresentadas poderiam ficar bem não apenas para os Países falidos da Zona Neuro, mas em outros Estados também.

São apenas algumas ideias: que acham?


Fora da Zona Neuro

Fora da Zona Euro: um suicídio? Nem por isso.

Abandonar a moeda única (e ainda bem que é única) significaria uma desvalorização de 40%. Não pouco. Mas isso implicaria um assinalável salto para a frente das empresas (as poucas que ainda existem neste País...), com produtos fortemente competitivos.

04 agosto 2011

Lemmings

A democracia são dois lobos e um cordeiro que decidem o que há como jantar.
Benjamin Franklin


Pouco antes da estação dos comboios de Pragal, em Almada, há uma escrita preta num muro de cimento:
"Se o voto mudasse algo já teria sido proibido".

Como há um semáforo, o vermelho é uma boa ocasião para reflectir: o voto serve? A "democracia" é um mito ou o melhor dos sistemas políticos imagináveis? Isso enquanto esperamos o verde, claro.

Pois na verdade ninguém põe em causa a utilidade do voto. Há uma veneração, uma fé cega na Democracia.
Seria suficiente observar os resultados para questionar-se. Corrupção, injustiça, guerras: são estes os frutos dos nossos regimes democráticos.

Os Estados Unidos, que muitos vêem como o Mal Absoluto, são uma democracia.
A Europa é um conjunto de democracias ou pseudo-monarquias democráticas.
A Nato é um conjunto de democracias.
Portugal, Grécia, Irlanda, todos Estados falidos, são democracias.
Espanha e Italia, próximos falidos, são democracias.
Os grandes bancos privados têm sedes nas democracias mais avançadas, assim como as empresas farmacêuticas.

Mesmo assim, continuamos a pensar nas democracias como a melhor receita política. E o voto como a máxima expressão do povo.

Os defensores afirmam que não é a Democracia doente, são os homens que estragam.
Verdade: mas isso significa que a Democracia não tem defesas contra os que querem aproveitar-se dela. Em outras palavras: a Democracia é, ainda uma vez, a lei do mais forte; o mais "esperto", mais corrupto, mais endinheirado, mais qualquer coisa.

Godzilla?

O Pentágono acaba de anunciar a implementação duma força de 20.000 unidades no interior dos Estados Unidos; isso na eventualidade que ao longo dos próximos dois anos possa haver agitações civis provocadas por eventos terroristas ou uma grande queda económica.

Segundo algumas testemunhas, o plano já está a ser actuado com a deslocação de tropas no terreno.

É só medo? Ou há algo no horizonte?

Alguns observadores falam dum plano desconhecido , talvez parecido com o plano de pre-posicionamento de tropas e equipamentos (NOTAM) ou com a No Fly Zone nos Estados Unidos (CONUS).

Outros afirmam que tudo é devido à situação económica, que atingiu o ponto de não regresso, outros ainda salientam o perigo nuclear dadas as condições precárias de alguns reactores.

Há depois o programa REX84, activado em previsão de eventos catastróficos.  

Por enquanto, tudo não passa de mera especulação, não existindo indícios que possam preterir uma explicação a outras.

O que podemos fazer é tentar unir os pontinhos.

03 agosto 2011

Dívida ou não dívida?

Conhecem Alex Jones? Não? Mau.

O site de Alex Jones é Inforwars, aconselho procurar alguns dos vídeos dele na internet, há muitos legendados também.
No seguinte, Jones dá a sua versão acerca do aumento do tecto da dívida nos Estados Unidos. Vale a pena espreitar:


Alex Jones demasiado alarmista? Talvez.
Mas é verdade que uma crise é sempre uma boa ocasião para apertar, e não apenas o cinto.

Fontes: Evoluindo Sempre, Libertar.

Maria e os hebreus

Diz Maria:
No caso dos judeus que vivem em Israel, me parece que seria oportuna uma pesquisa sobre os métodos pedagógicos empregados naquele território, desde os kibuts. Penso que lançaria luz sobre o tamanho sucesso dos mesmos que faz com que sua história recente seja totalmente obnubilada.
Ao ponto de desconhecerem e/ou rejeitarem fatos claros como céu de brigadeiro, tais como: as vítimas judias do holocausto foram, em sua maioria, judeus POBRES. Os dotados de riqueza econômica e cultural foram todos poupados e inclusive culpados pelo sofrimento dos "descartáveis" antes pela ausência de qualquer tipo de auxílio, durante pela entrega deliberada dos "irmãos" as iniciativas nazistas e depois pela tomada de posse das propriedades dos já extintos.

02 agosto 2011

Tristeza digital

Miguel Hanson queria ser casado por um amigo sacerdote. Só que, no dia pretendido, este não estava disponível. Então, ele e a futura mulher, Diana Wesley, web designer, desenvolveram um programa para computador que fez o papel do padre.

01 agosto 2011

A dívida dos Estados Unidos: o mundo é salvo (vídeo)

Mas afinal, quem são os credores?
Os Estados Unidos têm que subir o limite da dívida para pagar quem?

Eis a resposta:



a área amarela indica dívidas governamental (4.613 bilhões de Dólares, 32.3% do total).
a área azul indica dívida privada (9.656 bilhões de Dólares, 67.7% do total).

Na área governamental encontramos as despesas para os serviços e o normal funcionamento da máquina estatal: contas do Governo, fundos do serviço social, reformas e outras.

Na área privada encontramos as dívidas nas mãos de outras entidades, domesticas e estrangeiras:
investidores privados (57,7%) assim repartidos:
investidores nacionais 26,4%
investidores estrangeiros 31,4%

Entre estes últimos, os principais são a China (8,1%), o Japão (6,4%), o Reino Unido (2,3%).

Reparem na posição da Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos: não deveria estar contabilizada na área "governamental"? Pois deveria, se não fosse privada...

O total é um espantoso 14.270 bilhões de Dólares.

Férias!

A partir de hoje, e ao longo do todo o mês de Agosto, Informação Incorrecta entra no modo "Poupança, Meditação e Descanso".

Não que desapareça, mas o número de artigos será fortemente reduzido. Nalguns dias pode até não haver nada (ohhhhh!!!).

É o Verão.

Para todos os Leitores: Votos de Boas Férias!

Ah, uma última coisa: quem abandonar o próprio animal doméstico, faça o favor de morrer também. Possivelmente com bastante sofrimento e com toda a família. O ideal seria um aparatoso acidente rodoviário, com o carro em chamas.

Eu sei, é um desejo pouco cristão: paciência e ámen. 
Embora ache que um Leitor de Informação Incorrecta não faça estas coisas...

Fechem o gás, fechem as janelas, conduzam devagarinho, descansem 15 minutos a cada 2 horas de condução. Ou duas horas a cada 15 minutos de condução, é o Leitor que escolhe. Não esqueçam o protector solar.

É tudo? É.

BOAS FÉRIAS!!!

Max

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...