09 janeiro 2012

Cinquenta grandes poluidores

São cinquenta.
Quem são? São os cinquenta bilionários contra os quais o dedo está apontado por causa das responsabilidades na degradação do meio ambiente.

Derivam as próprias riqueza de actividades altamente poluidoras e não hesitas em gastar milhões para influenciar o governo e a opinião pública. As riquezas deles, todas juntas, totalizam um impressionante 613.000.000.000 Euros. Este 50 têm um peso financeiro maior do que o fundo de estabilidade que foram criados para "defender" a Zona Neuro contra a especulação.

Este é o poder que detêm. É esta concentração de poder que é denunciada no relatório do Fórum Internacional da Globalização (IFG), um instituto independente com sede em San Francisco, que reúne economistas e pesquisadores, incluindo o indiano Vandana Shiva ou o canadiano Tony Clarke, conhecido pelas suas batalhas contra os abusos corporativos.

Este volumoso relatório, Outing The Oligarchy, tem como objectivo "atrair a atenção do público sobre os indivíduos ultra-ricos, que obtêm cada vez mais lucros - e mais responsabilidade - do agravamento da crise climática".
Por causa da poluição causada por eles e por exercer uma pressão em defesa dos combustíveis fósseis, é este grupo de bilionários, de acordo com o IFG, "a maior ameaça que pesa sobre o nosso clima". O instituto decidiu divulgar os nomes daqueles que constituem esta ameaça. Uma vez que é o 99% a sofrer as consequências do enriquecimento deles, temos de saber de quem estamos a falar. Uma espécie de "outing" forçado.


O homem que valia 63,3 biliões

Estes cinquenta bilionários são americanos, russos, indianos mexicanos. Mas também do Brasil, da China, de Hong Kong e de israel. Alguns são bem conhecidos na Europa: Lakshmi Mittal, presidente da ArcelorMittal gigante da metalurgia, Rupert Murdoch, o anglo-saxão magnata dos media, Silvio Berlusconi, ex-primeiro-ministro italiano com 6 biliões de Dólares, Roman Abramovich, dono do Chelsea Football Club . Outros são anónimos, a não ser que o Leitor conheça o ranking da grande riqueza publicado pela revista Forbes. Enquanto anónimos, passam despercebidos, mas possuem companhias petrolíferas, de mineração, media, um exército de guarda-costas.

Por exemplo, o mexicano Carlos Slim, o homem mais rico do mundo (63,3 biliões de Dólares), que bem aproveitou da privatização da empresa pública Telmex. Possui 222 empresas em todo o mundo (telecomunicações, sectores bancários, mineração, energia, restauração, saúde, etc.), emprega 250 mil pessoas e gere vendas anuais de 386 biliões de Dólares. Ao ponto que costuma dizer-se que "é quase impossível passar um dia no México sem ajudar a enriquecer Carlos Slim", sem ligar com uma das suas companhias telefónicas, comer num dos seus restaurantes ou depositar dinheiro num dos seus bancos.

"Uma grande parte da riqueza de Carlos Slim é derivada da sua holding industrial, devastadora na área ambiental", afirma o relatório. Transferências forçadas de populações para construir diques, contaminação do solo com arsénico, destruição de aldeias, más condições de trabalho. Parece que as empresas de Slim não travam perante nada.

"As suas colaborações, como as suas actividades no sector da saúde, com o Governo espanhol e com Bill Gates, permitem construir e manter uma imagem positiva por trás da qual pode ocultar a evidencia dos danos humanos e ambientes dos seus projectos de exploração mineira e petrolífera", afirmam os pesquisadores do IFG.

As novas elites emergentes

Porque estes cinquenta e não Bill Gates, por exemplo, em segundo lugar na lista dos mais ricos do mundo?
Porque, é a explicação fornecida pelos pesquisadores do IFG, são analisados os bilionários que preenchem três requisitos:
  1. a riqueza total (medida pela revista Forbes),
  2. os danos ambientais e as emissões de carbono gerados pelas actividades económicas deles,
  3. o apoio, ostensivo ou oculto, para políticos que promovem actividades com fortes emissões de dióxido de carbono,  como a indústria do petróleo.

Resultado: os bilionários dos países emergentes são os mais representados. Existem apenas dois europeus, sem contar a Rússia: Silvio Berlusconi e John Fredriksen de Chipre, que construiu a sua fortuna graças à sua frota de petroleiros.

Os grandes ricos europeus são mais virtuosos? Nem pensar.
Desindustrialização e financeirização das economias tornam o Velho Continente menos poluidor, apenas isso. E os novos ricos constroem a sua sorte na especulação financeira ou nas novas tecnologias (Internet). Isso torna a riqueza deles aparentemente um pouco "menos devastadora".

Os autores do relatório não isentam as antigas dinastias europeia das próprias responsabilidades ambientais. Mas, além de alguns magnatas do petróleo dos Estados Unidos, já não fazem parte daquela nova "oligarquia dos combustíveis fósseis" que tenta alcançar os primeiros lugares no campo de mineração, da produção de energia e da poluição.

Alguns dos bilionários da velha escola, como Warren Buffet, também tomam posições bastante progressista em comparação com o cinismo que existe no interior da própria casta. E não vamos aqui falar das razões destas "posições progressistas", pois este seria um assunto bastante complicado.

Goldman Sachs e ArcelorMittal

O protótipo desses novos milionários sem escrúpulos: Lakshmi Mittal.

Apesar duma fortuna estimada em 19,2 biliões de Dólares, o dono da Arcelor continua a esvaziar os altos-fornos franceses e europeus de trabalhadores. Não por causa duma preocupação ambiental, mas para "racionalizar" o custo e para beneficiar dos Países em que a regulamentação pública é fraca ou inexistente.

A sua vasta rede de influências é tentacular, e ultrapassa a mera indústria siderúrgica: fica em Wall Street, onde toma lugar no conselho da administração da Goldman Sachs (um dos bancos mais poderosos do mundo), fica na Europa (Conselho de Administração da EADS), passando pela África Austral, o Cazaquistão e a Ucrânia.

Como é exercida realmente a influência e as lobbies destes cinquenta mega-poluidores? Desde EUA até a Conferência sobre o Clima da ONU em Durban, os irmãos Koch tornaram-se especialistas no assunto. Com uma fortuna estimada em 50 biliões de Dólares, David e Charles Koch são os chefes dum grande conglomerado de empresas que actuam principalmente na indústria petroquímica.

Os Dólares se acumulam graças aos investimentos em estruturas que transportam petróleo, gás, produtos petrolíferos refinados ou fertilizantes químicos. A maioria das actividades da Koch Industries, com sede no Kansas (EUA), são ignorados pelo público em geral, excepto no caso de alguns produtos como o algodão DemakUP ® ou o papel higiénico Lotus ®.

Charles e David Koch têm uma longa história de empenho político conservador e libertário. O pai deles, Fred Koch, foi um membro fundador da John Birch Society que suspeitava o Presidente Eisenhower de ser um agente comunista (milionários e paranóicos). Em 1980 os dois irmãos têm financiado a campanha do candidato Ed Clark, que apresentou-se mais à direita do que Reagan: o seu programa incluía a abolição do FBI, da Segurança Social ou do controle sobre as armas.

Os milhões e os cépticos climatéricos

Considerado como um dos top ten entre os poluidores da atmosfera nos Estados Unidos pela Universidade de Massachusetts, a Koch Industries tem sido alvo de queixas sob a administração Clinton por causa de mais de 300 derrames no mar em seis Estados federais, antes de concordar uma multa de 30 milhões de Dólares em Janeiro de 2000.

Os irmãos Koch apoiam  de forma incondicional o círculo de cépticos que negam a mudança climática. Entre 2005 e 2008 gastaram mais dinheiro do que a empresa petrolífera Exxon Mobil (18,4 milhões) para financiar organizações que, de acordo com Greenpeace, "espalham notícias falsas sobre a ciência do clima e da política energética".

Na reunião de Durban, Greenpeace inseriu os irmãos Koch entre os primeiros doze líderes de empresas poluidoras, empresas que operam em harmonia para minar um acordo internacional sobre o clima. Concedem subsídios enormes para associações como o American Petroleum Institute, uma organização que representa as empresas de petróleo dos EUA.

Apesar do papel deles nas negociações climáticas, os irmãos Koch querem ficar nas sombras. Charles Koch disse que seria preciso "passar acima do corpo dele" antes de ver a empresa listada na Bolsa de Valores: sem ser listada na Bolsa, a empresa não tem obrigação de apresentar um elenco dos subsídios que concede a várias organizações. Uma situação ideal para a prática da lobby. A empresa pagou mais de um milhão de Dólares para a Fundação Heritage, um" pilar de desinformação sobre o clima e os problemas ambientais", sempre segundo Greenpeace.

Os irmãos Koch participaram extensivamente na ampliação do Climategate, em Novembro de 2009. Este escândalo foi provocado pela difusão da correspondências via e-mail de alguns cientistas da Universidade East Anglia, correspondência na qual era evidente uma manipulação dos dados pró-aquecimento. Os Koch têm financiado alguns organismos, como o think tank de direita Cato Institute (do qual são co-fundadores) para amplificar o escândalo, questionando a real existência do aquecimento global.

Outro facto essencial: em resposta ao documentário do vice-presidente Al Gore sobre a mudança climática, os dois bilionários pagaram 360.000 Dólares uma pesquisa do Pacific Institute for Public Policy para o filme An Inconvenient Truth… or Convenient Fiction (Uma Verdade Inconveniente...ou uma Ficção Conveniente), um panfleto totalmente "climatocéptico".

O petróleo no Tea Party

As Koch Industries também começou há um ano uma campanha referendária que quer impedir a entrada em vigor da lei da Califórnia para combater a mudança climática (a AB32). A posição: o desenvolvimento de energias próprias na Califórnia custaria um monte de recursos para o Estado.

Juntamente com outras companhias de petróleo, os irmãos Koch têm investido um milhão de Dólares neste projecto. A proposta deles acabou por ser rejeitada, e agora a Califórnia impõe uma redução de 25% nas emissões de gases de efeito estufa até o ano 2020. Apesar desta derrota, o comité de acção política da Koch Industries, KochPac, continua a prática de intensa pressão em Washington para obstruir qualquer lei que limitaria as emissões de gases de efeito estufa.

De acordo com o relatório de Greenpeace, a Comissão gastou mais de 2,6 milhões de Dólares em 2009-2010 para influenciar a votação sobre a legislação Dodd-Frank, que tem como objectivo uma maior regulação financeira.

Os irmãos Koch também financiam o grupo conservador Tea Party e participam no American for Prosperity (AFP). Criado em 2004, a AFP é a fonte de muitas manifestações contra a administração Obama, em particular contra a proposta taxa sobre o carbono.

Desde que a Suprema Corte, em Janeiro de 2010, tem removido os limites do financiamento nas campanhas eleitorais nacionais, os Koch parecem estar prontos para investir mais dinheiro no Tea Party para as eleições de 2012. A lobby deles é tão extensa que são apelidados de "Kochtopus", um jogo de palavras que combina o apelido Koch com o nome do polvo (octopus em Inglês).


Fontes: Bastamag via ComeDonChisciotte

3 comentários:

  1. Anónimo9.1.12

    Não da para confiar no Greenpeace, muito menos nestes irmãos Koch.
    Então, em quem confiar? Em que lado ficar? Eis a questão.

    ResponderEliminar
  2. maria9.1.12

    Olá Max: pelo menos agora se dá nome aos bois, se identifica e publica o nome de empresas que mais causam prejuízos ambientais no mundo. Lembro que corriam os anos 70 quando começou a se falar em equilíbrio de ecossistemas no Brasil. Então se culpava indiscriminadamente a sociedade pela poluição e mandava-se as criancinhas plantar árvores. Isso me irritava profundamente, tanto quanto hoje me irrita as campanhas contra as obras de infraestrutura energética nos chamados países em desenvolvimento, a guisa da sustentabilidade dos ecossistemas ambientais e humanos.Fazem questão de esquecer que o limite de crescimento não pode ser uma generalização que se aplica igual a todos os rincões do planeta e deve ser bloqueado quando em determinado lugar ele começa a ser óbice para a qualidade de vida dos diferentes ecossistemas, seja este lugar o do entorno de uma empresa bilionária e corrupta, seja o de um país sem regulamentação do trato ambiental num setor (no Brasil é o setor dos latifúndios e produção agrícola)ou em qualquer setor ( no caso os EUA, cuja desregulamentação total já o tornou um país em vias de sub desenvolvimento). Abraços

    ResponderEliminar
  3. Anónimo10.1.12

    Emissões de CO2 atrasarão nova Era Glacial, diz estudo:

    http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5549305-EI19408,00-Emissoes+de+CO+atrasarao+nova+Era+Glacial+diz+estudo.html

    "Precisamos buscar um efeito estufa sustentado para manter o presente clima mundial vantajoso. Isso implica a habilidade de injetar efetivamente gases do efeito estufa na atmosfera, o oposto do que os ambientalistas estão erroneamente defendendo", dizem."

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...