12 janeiro 2012

Fracking

Fracking.
O que é isso?

É uma técnica relativamente nova para extrair gás da terra. É genial e disso já falámos num passado artigo.
Resumindo: pega-se num líquido composto por várias substâncias químicas, enfia-se o líquido numa sonda de alta pressão e depois dispara-se tudo no solo. Resultado? A rocha fica em pedaços, o gás é libertado.

Uma vez extraído o gás ou o petróleo, o buraco deixado atrás é enchido com areia, cascalho ou cerâmica. Antes rocha, depois areia. Mesma coisa, evidente.

As companhias petrolíferas estão tranquilas: o fracking é seguro, ora essa. Cria-se um buraco, enche-se o buraco, onde está o problema? 

O problema é que após o tremor de terra do passado 31 de Dezembro (grau 4.0 Richter), as autoridades do Ohio (Estados Unidos) decidiram travar todas as operações de extracção, em particular a ré-injecção de líquido em cinco poços. Segundo os dados oficiais, desde Setembro até Dezembro de 2011, nestes poços foram injectados 350.000 barris de fluidos perfurantes, mais ou menos 56 milhões de litros de químicos. 

Estes poços são definidos de ré-injecção, são profundos 3 quilómetros e são utilizados para despejar as abundantes águas tóxicas produzidas durante as operações de extracção. Porque verdade seja dita: o fracking é um pouco sujo. 

Em todo o Ohio, ao longo do ano passado, foram ré-injectados 7 milhões de barris, mais ou menos 1.000 milhões de litros deste lixo. 

E começam as dúvidas: mas será que o fracking é depois tão seguro?


As palavras de Kim

Won Young Kim não gere uma loja chinesa mas é professor do departamento Seismology Geology e Tectonophysics do Lamont-Doherty Earth Observatory da Columbia University, New York; e afirma ser evidente a conexão entre fracking e terremoto.
Afirma:
Sabemos que a profundez do terremoto de Sábado [31 de Dezembro, ndt] foi de duas milhas o que não é usual num terremoto natural. As circunstancias provam uma correlação entre os dois factos [fracking e terremoto, ndt], no passado nunca tivemos terremotos na área e a proximidade de tempo e espaço coincide com as operações nos poços.

Desde Março de 2011 aconteceram 10 tremores de terra na zona, embora não tão fortes como o último, e Kim acha que todos estão relacionados com a actividade de extracção. E faz notar como no Oklahoma houve 43 terremotos nos últimos dois anos ligados ao fracking.
E parar as operações ajuda? Mais ou menos:
Poderiam ser necessários dois anos para travar os terremotos. A migração dos fluídos injectados pode demorar bastante tempo.

Os moradores afirmar ter ouvido um forte "rugido" na zona.
Os petroleiros negam que fracking e terremotos possam estar relacionados. E o porta-voz do Ohio, o republicano John Kasich, está ao lado deles:
Não vamos deixar que alguém possa esfaquear aquela que pode ser a retoma económica do Ohio ocidental.
Justo, esfaquear não é boa coisa.
Provocar terremotos é muito mais educado.

Dados

Para acabar, eis algumas informações acerca do fracking.

A injecção de líquidos no subsolo remota aos século XIX: por volta de 1860, na costa leste dos Estados Unidos, era utilizada nitroglicerina, enquanto mais tarde, em 1930, a técnica foi melhorada com o uso de ácidos. Só em 1947 surge a ideia de utilizar água, método da empresa petrolífera Halliburton.

Do funcionamento já falámos: é só acrescentar que o líquido injectado (água) é enriquecido com 1% dum composto que pode conter até 500 químicos.

O fracking é também utilizado na construção de poços hídricos e na preparação das rochas antes da perfuração em minas, mas o emprego principal é a extracção de gás e de petróleo.

Problemas relacionados: além dos terremotos, já por si coisa não muito simpática, há a libertação no ar de produtos tóxicos, a contaminação do subsolo e a libertação de radiação (Pennsylvania, EUA, Fevereiro de 2011, poços 116 e 179) cujos efeitos nas águas é desconhecido, pois a legislação americana prevê apenas análises ocasionais.

Os Países nos quais é ou era utiliza a técnica do fracking são os seguintes:
  • Austrália (mas com limitações desde 2011)
  • Canada (suspensa no Quebec)
  • França (proibida desde 2011)
  • Irlanda
  • Nova Zelândia
  • África do Sul (temporariamente suspensa)
  • Reino Unido (suspensa no Lancashire após dois terremotos)
  • Estados Unidos


Ipse dixit.

7 comentários:

  1. Africa do Sul temporáriamente suspensa é de morrer de rir (de tristeza é lógico), oficialmente eles dizem que suspenderam, mas fazem o contrário.
    Qualquer hora vamos todos sermos engolidos pela "mãe" terra.
    Não há solo que resista tanta química.
    Este é um assunto importantíssimo, deve ser mais divulgado.
    Petróleo e gás, isso vai nos custar mais caro do que imaginamos, num futuro não muito distante.
    Muito obrigado Max, excelente post.

    Um abração

    ResponderEliminar
  2. Não sei porque raio ando com dificuldades em ver a "palavra-mágica" do captcha!!!! Mas não importa! A sorte é que tenho 3 browsers!!! e se não dá num dá noutro!

    agora vamos lá castigar!!!

    O contador mudou o ano... mas o MAX continua Modesto! ihih

    "Porque verdade seja dita: o fracking é um pouco sujo."

    E lá voltamos nós a estes delírios mentais... Agora é o tracking... Ó enganei-me... O fracking que provoca gases... não... liberta gases... e provoca terramotos....

    Por amor aos livros!!! Já só falta virem dizer que explosões atómicas subaquáticas provocam tsunamis e terramotos!!!! E que armas de energia dirigida para a ionosfera também atrofia as falhas tectónicas!

    É natural que se libertamos gases o corpo estremece... acontece o mesmo connosco, porque raio não haveria de acontecer com a Terra... liberta gases... estremece... ponto final.

    E afinal de contas queremos ou não queremos petróleo, gás e destas cenas maradas para "evoluirmos" e "desenvolvermos" a nossa Querida Economia e melhorarmos as nossas Condições de Vida Escrava?

    Acho que SIM... pelo menos não encontro nenhum País que sabendo que tem petróleo e/ou gás o deixe lá ficar sossegadinho!

    É exturpiar enquanto dá...

    E deixem lá os tremeliques da Terra... afinal de contas são apenas mais uns a somar às centenas que há todos os dias!

    Ah! Quanto à poluição que o processo provoca.... realmente temos que pensar positivo, e como tal apenas posso aqui escrever que há-os bem piores, logo por exclusão de males este até que é bom! eheheh

    ResponderEliminar
  3. Pois: quanto custa um litro de gasolina por aqui? 1,6 Euros?

    Meus amigos, é pouco, muito pouco: é só pensar em todos os estragos feitos para obter o petróleo.

    A gasolina deveria custar 16 Euros ao litro. E seria normal com carros que façam 40 quilómetros com um litro.

    Falta a tecnologia? Lolololol...

    ResponderEliminar
  4. Mas quem precisa de gasolina quanto temos o AR...

    E é curioso pois temos tanto trabalho para extrair gases das profundezas da terra e no entanto já não gostamos de gases (AR) para mover as nossas latas de ferro/aço/alumínio/titânio e pedaçitos de borracha!

    Bem verdade seja aqui escrita que não é bem "não gostamos", pois na REALIDADE esta tecnologia e outras são ABAFADAS pelos Mafiosos que controlam os Fluxos de Energia e que lhes valem TRILIÕES! Por isso e para já, apenas dá para assistir à Bela Destruição do Planeta... e de preferência Calados e Serenos... que é para não nos soltarem os Escravos das Fardas Azuis em cima!

    Pois meia dúzia de doidos não são nada contra uma multidão de sãos!

    ResponderEliminar
  5. maria12.1.12

    Olá todos: parece que com ou sem tecnologia não destrutiva, ninguém está interessado, até porque quando surge uma patente "sustentável", vão o patenteador e sua patente juntos para a latrina das corporações.
    Estou convencida que o caus e a catástrofe rende dividendos, e aí, acima dos negócios nem deus.
    Só que evidentemente, sem abalar os lucros,poder-se-ia ser um pouco menos estúpido (neste pormenor não se pode contar muito com os norte americanos). Vocês viram a festa de fogos de artifício que virou um planisfério que a Fada postou, na chegada do ano novo? Pois o dito representava uma espécie de linha de tempo de explosões nucleares de grande envergadura provocadas pelos humanos no planetinha. Eu fiquei encantada, gente, coisa de primeiro mundo!! E não é que nossos amiguinhos do norte explodem o máximo possível bem próximo da falha de San Andres?! Se não viram, passem lá pela loja da Fada, que acho que ainda está na vitrine da loja. Fantástico, o que isso vai render para os ricos quando esta falha se movimentar, e o magma derramar... eles já devem estar fazendo os cálculos. Abraços

    ResponderEliminar
  6. Quanto aos países que usam fracking.
    Portugal também poderá no futuro estar incluído nessa lista, para uma possível exploração de petróleo(shale oil),ver aqui

    Existe também um documentário sobre as causas deste tipo de perfuração Gasland

    saudações

    ResponderEliminar
  7. ihihih.... a nossa inteligência sempre a bombar...

    Estamos a perfurar muito próximo da superficie... NO PROBLEMO...

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...