04 janeiro 2012

O Banco, os Chineses e a África

Eis uma notícia que deveria fazer reflectir.

Um estudo da sociedade Fitch revela que ao longo dos últimos dez anos o Banco Export-Import chinês (Exim Bank) emprestou 67,2 biliões de Dólares às mais pobres regiões da África, nomeadamente a zona sub-sahariana.

Qual é o espanto? Cá está: no mesmo período, o Banco Mundial emprestou 54,7 biliões de Dólares, muito menos do que o banco chinês.

Os Países interessados são os seguintes:
Angola
Etiópia
Nigéria
Sudão

E nos últimos tempos foram envolvidos também outros Países, de forma que o empenho do Exim Bank aumentou de 12,5 biliões de Dólares.


Coisa interessante, são os mesmos Países que preferem o dinheiro de Pequim: as condições oferecidas são mais vantajosas, as taxas de juros são mais competitivas, os prazos para os pagamentos resultam ser mais flexíveis, os empréstimos são destinados à criação de importantes infraestruturas. Por isso os governos locais preferem o banco chinês em detrimento do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional.

Não só, mas com o fim do ano 2009, 35 Países africanos obtiveram a anulação das dívidas que tinham contraído com Pequim, um total de 30 biliões de Dólares.

Depois aqui continuamos a falar do mórbido neo-colonialismo chinês.
Sem dúvida o Exim Bank não faz nada em troca de nada, sem dúvida os Chineses ganharão com estas operações. Tudo verdadeiro, tudo correcto.

Mas não será o caso de perguntar como é que os mesmos Países desfavorecidos escolhem a ajuda chinesa em detrimento daquela do Banco Mundial, cuja missão, como lembra Wikipedia, "é a luta contra a pobreza, através de financiamento e empréstimos aos países em desenvolvimento"?

Como é possível que o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional invistam menos do que um único País?


Ipse dixit.

Fontes: Movisol via Stampa Libera, Wikipédia

2 comentários:

  1. maria4.1.12

    Ola Max: taí um pequeno post, extremamente simpático, que faz pensar...
    O FMI e similares (ou seja, as "famílias")não fazem negócios, elas praticam a extorsão,isto é emprestam para as vítimas pagarem juros de uma dívida que sequer existe, na maior parte das vezes.Coisa de "democracia de mercado"!
    O estado chines faz negócios, até bastante rentáveis para o emprestador porque além dos dividendos financeiros conta com o envolvimento na produção de infraestruturas no país recebedor, que acaba se beneficiando. Coisa de "governos totalitários"!
    Imaginem vocês o dia que o Irã negociar sem juros!? Coisa de "fundamentalismo islâmico"!
    Caríssimos, tudo se resume a negócios: por isso, para o democrático ocidente, a China é do mal e deve ser contida. O islã então nem se fala, é satanás de barba e turbante, e urge destruí-lo. Abraços

    ResponderEliminar
  2. A China tá certa, tá criando oportunidades para ela mesma, se tornando mais competitiva do que o FMI ou o BM.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...