24 janeiro 2012

O quê é a Nato?

Cresce o interesse das multinacionais pelos negócios "pobres": reformas, serviços. Tudo é ocasião para privatizar, introduzir códigos fiscais, novas contas bancárias, cartões de crédito.

É preciso liberalizar. E para liberalizar, os seguros tornam-se obrigatórios, pois já não há o Estado ou a autarquia nos bastidores, há só o privado.

Em Italia, por exemplo, em cruz estão agora os taxistas que, ao ler os diários nacionais, vivem em condições próximas daquela de Bill Gates. Aliás, nem se percebe porque continuam a trabalhar, deve ser um vício, como a cocaína.

A conclusão? A mesma dos taxistas dos Estados Unidos, totalmente liberalizados, totalmente compostos por imigrados: pessoas que fugiram dos próprios Países, das condições de inimaginável miséria, para aceitar salários de fome no estrangeiro.

Doutro lado, migrar é uma necessidade, não apenas das pessoas mas dos governos: por isso o primeiro ministro de Portugal e alguns homens do executivo dele convidam os Portugueses a abandonar o País. Tudo tornará mais simples gerir as liberalizações, que serão reduzidas até meros conflitos étnico-raciais, com as vítimas umas contra as outras. Racismo e xenofobia: pode haver acusação pior?

O que é mais simples: controlar um povo ou controlar um conjunto de pessoas com língua, religiões, usos diferentes? Paradoxalmente, a resposta correcta é a segunda, porque neste caso é suficiente a força.


Assim os diários italianos, em vez de tratar da revolta dos forcados (que continua), tratam dos taxistas, autênticos paxás que evadem o fisco, obstaculizam o crescimento, provavelmente lapidam as mulheres infiéis.

Um meu colega do liceu era filho de taxista e não lembro de tamanha riqueza; mas provavelmente disfarçava (e bem, diga-se). 

Estes tons de psico-guerra imperialista contra as corporações não são uma anomalia da propaganda, mas representam um facto natural que tem como objectivo a máxima privatização da sociedade. São a "prática" enquanto a "teoria" pode ser encontrada no Business & Economics Program do Concelho Atlântico, o órgão da Nato.

Nato e governance mundial? Esquisito, não é?
Não, não é: os bombardeiros servem para gerir o business. E com a guerra na Líbia, só para fazer um exemplo, deveríamos já ter percebido isso: bombas e bancos. A sinergia perfeita.

Vamos ver quem são os membros do Concelho Atlântico? E vamos.

Olhaolhaolha: entre os membros do Advisor Group do Business & Economics Program que trata das liberalizações há um italiano, tal Mario Monti.

Ehi, mas não é aquele homem dos bancos? É.
E não é aquele senhor que foi nomeado primeiro ministro sem ser eleito por ninguém? É.
No mesmo País onde os taxistas agora são a vergonha nacional? É.

Coisas estranhas da vida. Mas vamos em frente.

Ian Brzezinski, filho de Zbigniew Brzezinski, irmão do advogado Mark Brzezinski e do jornalista MSNBC Mika Brzezinski. Palavras para quê?

Outros:
Nancy Walbridge Collins, Aspen Institute, Council on Foreign Relations, Foreign Policy Association, Intelligence and National Security Alliance, International Institute for Strategic Studies, Rockefeller Foundation
Caio Koch-Weser, Banco Mundial, Deutsche Bank, World Economic Forum
Angel Ubide, Tudor Investment Corporation
Paula Stern, Stern Group
Jean Lemierre, BNP-Paribas
Rod Hunter, IBM
Paula Dobriansky, Thomson Reuters
Jacob A. Frenkel, American International Group (AIG)
Daniel Vasella, Novartis International AG
Gunter Thielen, Bertelsmann AG
Robert J. Stevens, Lockheed Martin
Martin Senn, Zurich Financial Services
John Wren, Omnicom
Jacob Wallenberg, Investor AB
Martin Sorrell, WPP Group PLC
Stephen A. Schwarzman, The Blackstone Group
Gordon Nixon, Royal Bank of Canada
Rupert Murdoch, News Corporation
Muhtar Kent, The Coca-Cola Company
Thomas Enders, Airbus S.A.S.
Robert E. Diamond, Barclays PLC
Josef Ackermann, Deutsche Bank AG

A lista poderia continuar, mas podemos parar, é já suficientemente claro. Ou seja, não é muito claro o que raio está a fazer a Coca-Cola na Nato, se calhar serve as bebidas.

A moral é que hoje a Nato é uma das maiores organizações de lobby bancárias, com certeza a mais potente, onde o papel principal é desenvolvido por elementos como JP Morgan, Deutsche Bank e Goldman Sachs: pois por cada nome de empresa contido na lista acima é possível efectuar breves pesquisas e descobrir assim a complicada teia de ligações, no fim das quais encontramos os conhecidos do costume.

Não admira, portanto, que Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial e homem Goldman Sachs,  tenha encontrado os membros do Concelho partilhando pérolas de sabedoria, numa reunião "generosamente suportada pela Deutsche Bank".

"Conflito de interesses"? Não entendo, o que significa?


Ipse dixit.

Fontes: Atlantic Council, Mondart

3 comentários:

  1. Anónimo24.1.12

    "Bombas e Bancos"
    Isso daria um ótimo livro, aliás, daria um ótimo nome para um livro!!
    Levando em consideração de que grande parte das vendas de um livro são por causa da capa e do nome.

    ResponderEliminar
  2. "Ou seja, não é muito claro o que raio está a fazer a Coca-Cola na Nato"... bem... esta tiro de letra!

    A Coca-Cola está na NATO/OTAN devido à sua 1ª palavra!! Pois sem protecção bélica não tinha hipótese...

    ResponderEliminar
  3. Marcelo25.1.12

    Ora, assim como a OTAN, a Coca-Cola também não é confiável e faz mal para nós. Aí está a semelhança.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...