08 janeiro 2012

Origens - Parte III

Então: já sabemos (ou pensamos saber) como o Universo foi criado.
Já sabemos (ou pensamos saber) como nasceram o Sol e os planetas do nosso Sistema Solar, Terra incluída.
Que falta? A vida.

Miller e a falsa atmosfera

Na década dos anos '50, o cientista Stanley Miller pegou num garrafa, encheu com hidrogénio, metano, amoníaco e água. Depois condimentou tudo com descargas eléctricas para simular os raios (ou a radiação solar) e foi para casa.
Após uma semana, observou a garrafa e que encontrou? Compostos orgânicos, entre os quais aminoácidos e outros potenciais constituintes biológicos: Miller tinha encontrado os tijolos da vida numa garrafa com a atmosfera primordial da Terra!

Aplausos, festa, hip hip hurra. A vida nasceu sozinha. E ainda hoje nos livros de história encontramos este bonito conto. Que é falso.


Ninguém sabe ao certo qual a composição da atmosfera primordial. Miller, por exemplo, tinha excluído o oxigénio e hoje a hipótese é que houvesse oxigénio; além disso, havia muito dióxido de carbono, muito mesmo. E com o dióxido as reacções obtidas não teriam acontecido.

Para acabar: os aminoácidos são sim os constituintes-base da vida, mas não têm a capacidade de auto-replicar-se: dos aminoácidos até a primeira célula (que podemos definir como "vida") o passo é enorme. É como comprar uma lata de tomate e gritar "consegui preparar uma pizza!": não é assim, o processo é apenas o primeiro passo.

O mesmo Miller afirmou:
Obviamente são suposições, pois não sabemos o tipo de atmosfera que a Terra tinha na altura. Não foi descoberta nenhuma prova directa.
Journal of the America Chemical Society, 12 de Maio de 1955

Do céu

Então como surgiu tudo? Intervenção divina? Não necessariamente.
Os constituintes-base da vida encontram-se também em pedaços de rocha que costuma chover do céu, literalmente: moléculas orgânicas foram encontradas em asteróides. Por incrível que pareça, os "tijolos" mais elementares da vida estão presentes no espaço.

Isso ré-propõe, aparentemente, o mesmo problema da experiência de Miller: estes "tijolos" não têm a capacidade de auto-replicar-se. Mas com duas importantes diferenças:
  1. não é preciso "inventar" uma atmosfera específica para que as condições primordiais permitam o aparecimento de tais "tijolos"
  2. a queda de asteróides (e, por consequência, de material orgânico) era coisa muito mais frequente no passado.
"Quanto" frequente? Imensamente mais frequente.
A Terra formou-se da agregação de "pedaços" de rocha e gelo e após a formação, o planeta continuou a varrer a própria órbita, recolhendo outros pedaços ainda. Mais: o Sistema Solar estava cheio de detritos, por isso a chuva de asteróides deve ter sido imponente.

Temos "prova" disso? Temos: a Lua. A maior parte das crateras do nosso satélite remota aos primeiros tempos da sua formação, hoje quase não há impactos. E a Terra, com uma força gravitacional bem maior, deve ter atraído muitos mais detritos ainda.

Imaginem um jovem planeta, continuamente alvo de bólides do espaço, alguns dos quais com material orgânico: ao longo das centenas de milhões de anos, todo o material deve ter desaparecido sem deixar rastos, mas uma mínima parte, nem que tenha sido uma molécula, pode ter encontrado condições favoráveis para gritar "consegui preparar uma pizza!" (o que responderia também a outra pergunta: "qual foi a primeira refeição?").

Quando e quem?

Mas quando apareceu a vida?
Resposta não há e provavelmente nunca haverá.

E quais foram os primeiros seres vivos?
Resposta: bactérias.

Vamos com ordem.
Descobrir o exacto momento quando apareceu a vida é impossível: no máximo podemos dizer quais os fósseis mais antigos, o que pode ajudar em perceber "mais ou menos" quando a vida fez o seu aparecimento.

Quando um ser vivo morre, o corpo dele fica a decompor-se. Mas quando as condições forem favoráveis, não desaparece por completo: pode deixar um rasto. Um exemplo básico, só para ter uma ideia: imaginemos um animal perto dum rio.

O animal morre e o corpo cai na lama. A lama cobre o corpo e após alguns tempos endurece: isso é, endurece à volta do corpo, pois os tecidos do animal ainda não foram decompostos.
Com o passar do tempo os tecidos orgânicos desaparecem, mas a lama já ficou endurecida com o "molde" do corpo. Este "molde" será depois enchido com outro material, mas entretanto o "molde" já criou-se. O geólogo, ao cavar, encontra o tal molde e pode ficar a conhecer as dimensões e os traços principais do animal que morreu. Este é basicamente um fóssil.

Os fósseis mais antigos são antigos mesmo: foram encontrados em rochas com uma idade de 3.500 milhões de anos. E eram fósseis de bactérias que comiam enxofre e não pizza, as mais antigas formas de vida do planeta localizadas em 2011 na Austrália.

Mas há indício de que as bactérias poderiam ter surgido muito antes: há vestígios de grafite (aquela coisa preta utilizada nos lápis), substância que é carbono puro e que pode surgir como "detrito" de material orgânico decomposto. Neste caso, as rochas com a grafite vêm da Gronelândia e têm uma idade de 3.900 milhões de anos.

Se assim for, a vida apareceu 600 milhões de anos após a formação do planeta, sob forma de bactérias primitivas. E, ao longo dos sucessivos 1.000 milhões de anos, no planeta houve só e unicamente bactérias, pois nenhum tipo de outro fóssil foi encontrado.

Isso significa que mais de um quinto de toda a vida da Terra foi dominada exclusivamente por bactérias: são eles, que ainda hoje existem e prosperam, os verdadeiros donos do planeta.

9 comentários:

  1. Ademilson8.1.12

    Quanto mais pensamos e buscamos entender, compreender e dissecar as profundezas do conhecimento do Universo e tudo o que nele há, ficamos sempre com a sensação de pequenez, de ser apenas um detalhe neste grande contexto, sendo assim mais uma vez sou obrigado a sair do campo apenas científico e pisar no terreno da fé, não que uma coisa anule a outra apenas a clareza das duas ainda não foram totalmente elucidadas: Portanto se nesta visão temos como determinar que " a vida apareceu 600 milhões de anos após a formação do planeta " sendo que primeiro fazermos a pergunta, " Mas quando apareceu a vida? " e a resposta é " não há e provavelmente nunca haverá " mudo a analogia da pizza para o bolo, pois a ciência faz o bolo mas a cereja só pode ser colocada pela fé.
    Um forte abraço!

    ResponderEliminar
  2. maria8.1.12

    Aqui só para ser lido!!
    Atenção: Max, Fada, BURGOS. O Voz já fez migrar a sua "rádio" da rua virtual para o sistema operacional Linux, o blog foi para worpress, e que tais.
    Cadê as barricadas na frente do "botequim do Max", da "loja de idéias " da Fada, e da "associação de resistência civil" do BURGOS?
    Até o fim do mês eu vou conseguir que alguém me ajude a instalar o Linux nesta geringonça, porque a única coisa que eu instalo aqui são dois dedos no teclado, e veja lá.
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Max, desculpe fora do tema, porém todos deveriam saber. Principalmente, os brasileiros como eu...
    ================================

    As consequências da assimetria nuclear
    Por Sued Lima*

    Na década de 70 do século passado, o Brasil desenvolvia secretamente seu programa nuclear para fins militares. Para assegurar-lhe recursos financeiros, estabelecera parceria com o Iraque, que bancava os elevados investimentos necessários em troca de acesso aos conhecimentos tecnológicos brasileiros. O responsável pelo programa na Aeronáutica era o tenente-coronel aviador José Alberto Albano do Amarante, engenheiro eletrônico formado pelo ITA.

    Em outubro de 1981, Amarante foi atacado por uma leucemia arrasadora, que o matou em menos de duas semanas. Sua família tem como certo que o cientista foi morto pelos serviços secretos dos EUA e de Israel, com o objetivo de impedir a capacitação brasileira à produção de armas atômicas. Dando força às suspeitas, foi identificado um agente israelense do Mossad, de nome Samuel Giliad, atuando à época em São José dos Campos, que fugiu do país logo após a misteriosa morte do oficial brasileiro.

    Tais fatos dão credibilidade às reiteradas denúncias do governo iraniano de que seus cientistas estão sendo alvo de atentados por parte dos serviços secretos estadunidense, britânico e israelense.
    -------------------------------------
    Como previa o embaixador do Brasil na ONU, em 1968, José Augusto Araújo de Castro, quando atuou para impedir a adesão do Brasil ao TNP, o tratado é apenas um instrumento para perpetuar o poder das grandes potências.

    *Sued Lima - Coronel Aviador Ref e pesquisador do Observatório das Nacionalidades

    CONTINUA EM
    http://contrapontopig.blogspot.com/2012/01/contraponto-7189-as-consequencias-da.html

    ResponderEliminar
  4. P.P.P

    Impressionante, mesmo a gente sabendo do que EUA e Israel são capazes, ainda assim sempre aparece alguma coisa que nos surpreende cada dia mais.
    Muito obrigado por nos informar de uma coisa tão grave, o grave na verdade é a leucemia provocada e letal em tão pouco tempo.
    Isso só vem comprovar que essa onda de câncer a varrer pela America do Sul não é somente paranóia de conspiracionistas.
    Quem convive com o meio médico sabe bem do que a "medicina" é capaz.

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Anónimo9.1.12

    "há vestígios de grafite (aquela coisa preta utilizada nos lápis)"
    hahahahahahaha


    BURGOS:

    "Isso só vem comprovar que essa onda de câncer a varrer pela America do Sul não é somente paranóia de conspiracionistas."

    Eu estava pensando nisso ontem mesmo! É estranho, muitos líderes latinos estão adquirindo câncer quase ao mesmo tempo! É de se pensar, porém, devemos manter os pés no chão e a cabeça no lugar, não podemos tirar conclusões precipitadas.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo9.1.12

    Com licença Max, mas isso deve ser visto!


    O conflito no Oriente Médio:

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=UGMliX43CgI

    Muitas vezes, devemos refletir e pensar de outro jeito, devemos confrontar nossas crenças e certezas, pois sempre ha o outro lado da moeda. Acho que o assunto: "O Conflito no Oriente Médio" merece um artigo. Hoje em dia ha uma enorme e vasta campanha anti-Israel e anti-americana por aí, criadas ha anos por serviços de inteligencia, os resultados já estão aparecendo no mundo inteiro.
    Não estou dizendo que Israel ou os EUA são santos, mas sim que as outras nações e países também não são flores a se cheirar.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo9.1.12

    Quando pensamos em Israel e Palestina, temos uma tendencia a achar que um dos 2 é do "bem" e outro é do "mal". Na verdade, são povos em conflito, não existe o lado bom nem o lado malvado, não podemos nos deixar levar de que apenas 1 deve ser punido e o outro deve permanecer. Os 2 são culpados!

    ResponderEliminar
  8. Anônimo

    Você diz:
    "Muitas vezes, devemos refletir e pensar de outro jeito, devemos confrontar nossas crenças e certezas, pois sempre ha o outro lado da moeda."
    "Quando pensamos em Israel e Palestina, temos uma tendencia a achar que um dos 2 é do "bem" e outro é do "mal". Na verdade, são povos em conflito"

    A muitos anos vemos esse "conflito", e se dependesse da mídia veríamos só o lado de Israel, graças a internet hoje podemos olhar os dois lados, e com isso podemos observar a vida que os palestinos vivem, basta olhar os dois Estados e saberemos qual lado precisa de ajuda.
    Fingir que isso é só um conflito é se omitir perante vários crimes cometidos pelo Estado Sionista de Israel, na minha opinião a omissão é o pior crime que um "humano" pode cometer.

    ResponderEliminar
  9. maria10.1.12

    Olá anônimo que os dois são culpados:
    Quando pensamos em Israel e Palestina, temos uma tendencia a achar que um dos 2 é do "bem" e outro é do "mal". Na verdade, são povos em conflito"
    NÃO!!E é preciso ser veemente em certas ocasiões.Não são POVOS, e sim interesses de MANDATÁRIOS em conflito.
    O CONFLITO é resultado da vontade de poder de uns sobre o espaço, as riquezas físicas, culturais e a própria existência do outro.
    Os povos Não são culpados. CULPADOS são os que iniciam as guerras, os que tentam dominar, se expandir, desrespeitar os demais.
    Basta um mínimo de conhecimento histórico para saber que os estados predadores da modernidade, que nada mais são do que intermediários de poderosos de todos os matizes, tem sido: Grã Bretanha, França e EUA.E muitos outros estados, nações e povos vem sendo invadidos, colonizados, barbarizados, ofendidos, submetidos, silenciados. E quando expressam um mínimo de defesa, de auto conservação, são culpados de que?
    Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...