13 fevereiro 2012

A falência, para reconstruir

E vamos acabar o discurso sobre a Grécia falando...de Portugal também. 

O analista do conceituado Financial Times, Wolfgang Münchau, examina as situações de Grécia e Portugal.
A solução? A falência. A falência oficial, pois aquela técnica já é coisa assumida.

Não é o só caso de economista que encontra numa falência declarada a única saída possível; além disso bem conhecemos a atitude dos Ingleses perante os problemas da União Europeia.
Todavia o tempo passa, a crise continua e isso faz pender a balança em favor deste tipo de solução.

Pode parecer uma medida drástica e até injusta. Mas afastadas as regurgitações pseudo-patrióticas, é possível encontrar um sentido nesta visão. Paradoxalmente, mais patriótica que não o contrário. 

Ambos os Países não precisam de medidas para salvar uma situação desesperada, mas de decisões para reconstruir-se: o futuro não pode ser um conjunto de medidas de emergência que têm como fim a sobrevivência.

Eis o artigo traduzido, onde o negrito é meu.
Boa leitura.


Porque é que a Grécia e Portugal deviam entrar em falência

Há dois anos atrás, a maior parte dos decisores políticos europeus ainda acreditavam que a Grécia iria conseguir resolver a sua crise. Mas faltava-lhes experiência em lidar com crises financeiras. Nem sequer consultaram outros Países que já tinham enfrentado crises nas décadas anteriores.

Armados com ignorância e arrogância, acabaram a repetir os erros de todos os outros. Pensavam que estavam a ser espertos quanto tiveram a ideia de uma contracção orçamental expansionista. E pensaram que o envolvimento voluntário do sector privado poderia ajudar.

Tendo falhado em aprender com os erros dos outros, alguns deles estão agora a aprender por si próprios. Em algumas capitais do norte da Europa, os decisores políticos estão a começa a entender que o programa grego foi um falhanço monumental. E perderam a confiança nas políticas gregas. Ao entrarmos no quinto ano de depressão e a certeza de que o Produto Interno Bruto vai cair ainda mais sob a influência da austeridade, estão prestes a desistir da Grécia.

Mas continuam a ser avessos ao risco e com tendência a manter-se o mesmo procedimento. Sentem que devem fingir que levam a sério o último programa de austeridade grego, enquanto simultaneamente dão a impressão de que salvaguardam os interesses dos seus contribuintes.

A coligação de partidos gregos chegou a acordo que devia, pelo menos formalmente, satisfazer os interesses dos ministros das Finanças europeus. O parlamento grego aceitou-o. O Eurogrupo também vai aceitá-lo. Separadamente, os credores gregos vão chegar a um acordo para o perdão da dívida.

O Bundestag ainda pode rejeitá-lo, à medida que a opinião pública na Alemanha está actualmente a ficar muito nervosa com a perspectiva de um programa inútil de 130 mil milhões de euros. Um período de calma vai ter lugar, mas após uns poucos meses vai-se tornar claro que os cortes nos salários gregos e pensões pioraram a depressão.

Os decisores políticos europeus vão também que, num ambiente desolador, mesmo metas reduzidas para as privatizações são irrealistas. O Produto Interno Bruto grego caiu 6% em 2011 e continua a desacelerar a um nível semelhante este ano. E num futuro próximo, vai ter lugar outra ronda de reestruturação da dívida.

E este nem é o cenário mais pessimista. Ainda assume que os políticos gregos continuam a apoiar o programa. Mas como novas greves e demissões ministeriais a receber o novo programa, existe realmente a certeza de que o líder da Nova Democracia, Antonis Samaras, e o provável vencedor das eleições em Abril, vai cooperar com a actual estratégia? Não se sabe como é que isto vai funcionar politicamente. Para um novo primeiro-ministro que contempla um mandato de quatro anos, a tentação deve ser grande para deitar o plano por água abaixo e culpar o seu antecessor pela confusão.

Depois vai ter quatro anos para reconstruir o País do zero após a saída da Zona Euro. Vai ser politicamente muito mais arriscado para Samaras agarrar-se a um programa que ele próprio diz não funcionar, e que vai manter o seu País em depressão durante o seu mandato, e possivelmente mais tempo ainda.

Mas para o argumento funcionar, pode-se assumir que Samaras vai manter-se fiel ao programa e que a armadilha da dívida pode ser evitada. Tudo corre como oficialmente planeado. Seria isto o fim da crise grega? Nesse caso a dívida grega iria cair dos actuais 160% do PIB para os 120% até 2020.

Mas estes números ainda vão ser muito elevados. Devemos lembrar-nos que 120% é um número político que não tem justificação económica. Não é coincidência que isto seja um actual nível da dívida italiana. Se admitirmos que 120% não é sustentável para a Grécia, pode-se presumir que o mesmo seja verdade para Itália.

Mas as duas economias são muito diferentes. A Grécia viu a sua economia colapsar. Para se reconstruir, a Grécia precisa de ter uma infra-estrutura económica a funcionar, um moderno mercado de trabalho e um sistema político menos tribal. Só depois destas medidas entrarem em vigor é que os mercados podem voltar a confiar na Grécia. Mas isto pode estar à distância de décadas.

Portanto, mesmo na possibilidade de tudo correr conforme o plano, a sustentabilidade da dívida está longe de ser assegurada. O rácio dívida-PIB deve deixar para um nível muito mais inferior – algo como 60% do PIB – antes do País conseguir escapar da crise. Isto iria limpar a maior parte da dívida detida por estrangeiros, incluindo a dívida do sector oficial.

Alguns dizem que a Grécia devia sair da Zona Euro agora, e usar os fundos para salvar Portugal. Mas discordo.

Pessoalmente acredito que o melhor é reconhecer o estado desolado de ambos os Países, deixar os dois ser incumpridores dentro da união monetária, e depois usar um fundo de resgate muito maior para ajudar os Países a reconstruírem-se e para bloquear o resto dos problemas ao mesmo tempo.

Isto vai ser muito caro.
Mas ignorar a realidade durante mais dois anos vai ser desastroso.


Fonte: Financial Times

1 comentário:

  1. Max

    Se a União Européia está nessa crise econômica desde 2008, como os europeus permitiram que a União Européia fizesse uma doação de 175 milhões de euros para Somalilândia? Um "Estado" não-reconhecido internacionalmente.

    É um fato bem intrigante esse tipo de doação.

    O que os europeus acharam disso? E qual foi o argumentado usado pelos representantes da União Européia para esse tipo de doação?
    Houve alguma manifestação sobre isso em Portugal, Itália ou Grécia?

    Um abraço meu amigo

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...