17 fevereiro 2012

O custo da energia: o petróleo

Falar mal do petróleo é simples, os exemplos de poluição não faltam.

Mas aqui falamos de destruição, as sofrida pelos Países onde o líquido é extraído: Países pobres, que não têm relacionamentos de amizades com os grandes consumidores, que não ocupam áreas estrategicamente relevantes e onde as pessoas, mergulhadas num mar de preta riqueza, sofrem a fome.

A área do Delta do Níger é a maior zona fluvial da África,  a terceira maior do mundo. Tem uma superfície total de 70.000 quilómetros quadrados. Era um paraíso ecológico, um ecossistema onde a floresta, os pântanos e as curvas do rio representavam um equilíbrio perfeito que mostrava de forma clara a extraordinária beleza da natureza, que providenciava os instrumentos para que 20 milhões de pessoas pudessem viver da caça, de pesca e de agricultura.

Tudo isso no passado, pois hoje já não é assim.


No final dos anos '50 (entre 1956 e 1957) foi descoberto o petróleo. As licenças foram adquiridas pelas companhias de exploração, em particular os anglo-holandeses da Royal Shell, e durante as sucessivas décadas ocuparam a área, extraindo e poluindo, com o silencioso apoio dos governos corruptos, "manobrados" também com o auxilio de pessoas próximas das companhias mas operantes nos partidos.

Como resultado, os povos de pescadores e agricultores foram afastados do habitat tradicional enquanto a exploração selvagem do território continuou sem mais obstáculos..

No Estado de Rivers (cuja capital é Port Harcourt, hoje "cidade do petróleo" com as maiores refinarias da Nigéria) a população afectada foi aquela dos Ogonis, hoje um grupo de 500 mil pessoas, que desde os anos '90 começou uma dura luta contra o governo nigeriano e depois directamente contra as multinacionais do petróleo.

Em 1990 nasceu o Mosop (Movement for the Survival of Ogoni People, Movimento para a Sobrevivência do Povo Ogoni), liderado pelo escritor e poeta Ken Saro-Wiwa.

O movimento conseguiu chamar a atenção internacional acerca do problema do Delta do Níger: entre os pedidos havia aquele para utilizar os enormes lucros do petróleo para a população local, mais de 70% da qual vive abaixo da linha da pobreza. Ken Saro-Wiwa foi preso várias vezes, condenado e no final enforcado juntamente com outros oito activistas do MOSP no dia 10 de Novembro de 1995.

Claro que o assassinato dos líderes dos Ogoni, que ocorreu durante a sangrenta ditadura de Sani Abacha, teve um grande impacto internacional: a Shell aceitou pagar uma indemnização de 11 milhões de Euros para evitar um processo penal.

Desde o ano 2000 é também um activo grupo armado chamado MEND (Movement for the Emancipation of the Delta Niger, Movimento para a Emancipação do Delta do Níger), que ataca directamente as companhias petrolíferas e os funcionários delas. Desde o início, o MEND pediu que os estrangeiros abandonassem o território, a pena de morte.

No início deste mês, após uma trégua de quatro meses, o MEND voltou a atacar, desta vez com a destruição das condutas petrolíferas da zona de Brass, Estado de Bayelsa.

O sucessivo comunicado do movimento é explícito:

Pode parecer um episódio insignificante mas só serviu para lembrar que aqui estamos e que podemos bloquear a produção de óleo.

O presidente Goodluck Jonathan [actual presidente da Nigéria, eleito no Fevereiro de 2010, ndt], em vez de enfrentar os graves problemas que assolam a Nigéria, desperdiça os fundos públicos em informadores, espiões e bandidos que dizem ser ex-militantes do movimento.
Mas além de discursos vazios, essas pessoas não são capazes de ajudar Jonathan de qualquer forma. Na verdade a maioria deles fica escondida em Abuja e Lagos, e não se atrevem a visitar as suas aldeias de origem no Delta do Níger.

A British Petroleum está disposta a pagar 25 biliões de Dólares como compensação pelos danos ecológicos causados ​​pelo acidente que causou o derrame de petróleo no Golfo do México. Mas até agora os danos, bem piores, causados pelo continuo derrame de petróleo bruto foram pagos com a morte de populações locais por mão do exército nigeriano.

Um governo incapaz de gerir estradas, refinarias, centrais de energia e infra-estrutura básica, mais uma vez está a desperdiçar preciosos recursos públicos na comissão que foi encarregada de investigar a viabilidade da energia nuclear para produzir electricidade. Mas o governo da Nigéria não é capaz de eliminar os resíduos radioactivos.

Nós recomendamos que tomem muito a sério os nossos próximos avisos de ataques. Nós sempre alertamos para minimizar as baixas civis e dar tempo suficiente para a evacuação.

Um relatório publicado em Agosto de 2011 (Enviromental Assessment of Ogoniland, Avaliação Ambiental do Ogoniland) do UNEP (United Nations Environment Programme, Programa Ambiental das Nações Unidas) determinou que serão precisos pelo menos 30 anos de intervenções, algumas das quais urgentes, e muitos biliões de Dólares para recuperar o ambiente natural. E os danos deveriam ser pagos pela Shell.

Entretanto, conforme relatado pelo jornalista Osasu Obayiuwana do New African (a edição do passado Janeiro tem dedicado um especial aprofundamento acerca do Delta do Níger, com o título The Rape of Paradise), nada foi feito até agora.

O relatório do UNEP envolveu ao longo de 14 meses uma equipa que analisou mais de 200 locais, monitorizou 122 km de condutas, preencheu mais de 5.000 fichas medicas, encontrou-se com 23.000 pessoas, recolheu e analisou mais de 4.000 amostras do solo.

O relatório destaca o estado de poluição particularmente grave. A água bebida no local pelas pessoas está contaminada por hidrocarbonetos: 60% das amostras têm excedido o limite permitido.

Isso do Delta do Níger é uma vergonha contra a natureza e o homem. A ganância das corporações multinacionais (que é em última análise a nossa ganância, dado que somos nós a utilizar o petróleo e os seus derivados) e uma classe política corrupta permitiu décadas de destruição. É foi mais um acto de violência contra a África (claro, implementado com a cumplicidade dos Africanos) e contra o seu povo.
Foram feitas coisas que no "nosso mundo" nunca teriam sido possíveis. Nenhuma lei, nenhuma protecção para as pessoas, nenhuma ré-distribuição de (pelo menos) parte das grandes receitas: só muito dinheiro para muito poucos.

A Nigéria é o oitavo exportador mundial de petróleo e, simultaneamente, um dos Países mais pobres do mundo. Estima-se que foram acidentalmente derramados mais de 500 milhões de galões de petróleo no Delta do Níger (um galão é cerca de 5 litros). As canalizações para o transporte foram construídas no meio das aldeias ao longo dos rios que abasteciam de água potável à população, muitas vezes com materiais de escassa qualidade inferior e sem qualquer manutenção sucessiva.

E isso não acontece apenas no Delta do Niger.

Tudo isso é um custo do petróleo. Podemos não ter consciência disso, podemos não observar de forma directa as consequências, mas o custo está aí. E cedo ou tarde a conta terá de ser paga, disso podemos ter a certeza.


Ipse dixit.

Relacionados:
Nigéria? Era só que faltava.
Export Land Model
A Primavera da Nigéria

Fontes: AltreNews, Unep, Corriere della Sera

Imagens: The Atlantic

4 comentários:

  1. Bruno António17.2.12

    Estimado Max: Sem querer abusar do teu tempo, peço-te um favor, há dias recomendaram-me um vídeo na internet http://youtu.be/MPL2CReZaHI chamado Collapse - The End Of The Age Of Oil baseia-se numa entrevista com um Sr. Chamado Michael Ruppert , o vídeo é totalmente desconcertante ( isto é dizer pouco)…porém nada conheço sobre este homem, Max, considero-te muito credível e uma autoridade nestas matérias e por isso pergunto-te: Este homem é credível? É assim como ele diz? E acredita se me convencer totalmente da verdade deste vídeo…vai ser objecto de instrução numa escola especial, apesar dos possíveis danos colaterais (…)

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. NÃO VI NADA... NÃO LI NADA...

    Até já... vou dar uma volta no meu Bentley!

    ResponderEliminar
  3. Olá Bruno!

    "Max, considero-te [...] uma autoridade nestas matérias"
    Lolol, eu sou uma autoridade na área da dúvida: posso duvidar de tudo, perante qualquer assunto, esta é a especialidade da casa :)

    Agora, à sério: enviei um mail para Debora Billi, jornalista italiana que faz parte da ASPO, Associação para o estudo do Peak Oil: a rapariga é simpática, já trocámos de opiniões no passado e às vezes utilizo os artigos delas aqui no blog. Mas sei que anda bastante ocupada, espero tenha alguns tempos para uma entrevista que queria publicar aqui sobre o assunto.

    Entretanto comecei a ver o vídeo de Mike Ruppert, que é interessante.

    Muitos Leitores acham mais provável o petróleo de formação abiotica: é uma teoria não considerada por parte da ciência oficial e acho isso um grave erro, pois se as evidências apontam para uma origem fóssil, não parece existir uma prova definitiva. Ninguém observou a formação de petróleo, nem nos fósseis nem por parte das bactérias, portanto estamos perante teorias.

    Eu apoio a teoria do Peak Oil, com o petróleo de origem fóssil; parece-me mais razoável, mas assumir teorias (e não factos) como dogmas absolutos é sempre perigoso (e inútil).

    Enquanto espero pela resposta da Billi, vou acabar de ver o vídeo de Ruppert (a propósito: obrigado, é bem interessante) e mais logo voltaremos a falar do assunto "petróleo". Assunto muito, mas muito importante mesmo.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  4. lá Max e Bruno

    Ainda não assisti o video citado mas prometo faze-lo. Contudo leio muito e num dos textos sobre petróleo q encontrei cita-se que ele seria de origem mineral e não tem a ver com fósseis decompostos... Tanto que o termo petro+oleo seria óleo de pedra literalmente. Se avaliarmos pelo nome acho que tem alguns gajos que não estão nos contando tudo! analisando o nosso planeta e o que ele contém... sabe-se que nos túneis de mineração quanto mais profundo é o túnel mais se condensam gases que podem explodir e muitas vezes são eles que causam desastres de desmoronamento e muitas mortes. essa parte fica para reflecção...

    Agora sobre a Nigéria, é lamentável que os pobres tenham que ser penalizados para que os ricos desfilem com seus carrões... Claro, ficamos sem saber como fazer pois nos acostumamos com aviões e toda sorte de motores movidos a gasolina. E muitos produtos do ouro negro já fazem parte de nossa vida e nem o sabemos o quanto!

    A Shell precisava reparar os danos à natureza que ela causa, nem é pelo nigeriano que ela sequer nota a existencia... mas porque vive neste planeta! A mim só o que posso fazer é divulgar estes fatos para que se tornem públicos, quem sabe assim a propaganda negativa surta o efeito de combater essas e outras tantas negligências que ocorrem. abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...