28 fevereiro 2012

Viver no fim dos tempos

Fogo, que artigo comprido...tá bom, tem que ser. Porque é interessante, é um novo ponto de vista acerca do fim da nossa sociedade. Não "o fim do mundo", nada de tão catastrófico: simplesmente, o fim de era.

Acerca disso acho existirem poucas dúvidas: o mundo tal como conhecido até hoje está a desmoronar-se. Como sabemos, começou com a queda do Muro de Berlim, depois houve a tentativa de implementar um único grande império (o dos Estados Unidos), agora parece que o futuro seja o da multi-polaridade: não uma única grande super-potência mas um mundo com vários pontos de referência.

Mas há mais do que uma mera revolução geopolítica: em discussão está o mesmo conceito de Capitalismo. Gostem ou não, nos últimos três séculos foi este o motor do mundo e ainda não conseguimos vislumbrar um possível sucessor. Mas o facto de não conseguir imaginar o futuro próximo não abranda um processo que não pode ser travado: o Capitalismo está a chegar ao fim, pelo menos nos moldes actuais.

Slavoj Zizek, filósofo e atento leitor do Ocidente contemporâneo, escreveu Viver no fim dos tempo, onde a questão não é "se" estamos no fim do capitalismo, mas "como" gerir a transição nesta altura tão delicada. O sentimento que cada vez mais domina a nossa época é a impressão de que o tempo está acabado.
Mas qual tempo? Começou quando? Quanto durou? Está a acabar o quê e que haverá depois?


O início do nosso tempo

O historiador francês Fernand Braudel, por exemplo, achava que o Capitalismo tinha começado com o nascimento da burguesia em Itália, por volta de 1000.

Max Weber achava que o Capitalismo tinha começado com a afirmação da racionalidade económica, com a afirmação do "número-peso-medida" e da contabilidade, com a previsão racional do tempo, do custo e do lucro, sempre na Italia mas desta vez por volta do 1400.

Outros, como Giovanni Arrighi e Immanuel Wallerstein, viam o início do Capitalismo no século sucessivo, perto do 1500, com os grande Descobrimento e, em última análise, o início do apetite imperial do Ocidente. Karl Marx colocava a acumulação primitiva do capital como premissa, que depois dá vida ao processo de reprodução constante que Marx chamava de "modo de produção burguês", mas que nós definimos "Capitalismo".

Em qualquer caso, seja com Marx, com Weber, com Braudel ou com Wallerstein, a modernidade é inseparável do Capitalismo e o fim dos tempos que estamos experimentando seria o fim do Capitalismo (e assim da Era Moderna), ou pelo menos de muitas das suas determinações estruturais.
Será?

Gobekli Tepe

Um salto atrás. Um salto comprido, diga-se: até a fronteira entre Turquia e Síria. Estamos agora num lugar chamado Gobekli Tepe. É este um lugar que excita os arqueólogos, definido como "a descoberta arqueológica mais importante" dos últimos 30, 50 ou 100 ano. Na prática, de sempre.

Desde 1995 até hoje, as escavações têm rendido mais de 40 monólitos, com 3 metros de altura em média, para 10 toneladas cada um, feitos de uma laje quadrada colocada verticalmente e uma laje quadrada colocada horizontalmente em cima da outra (portanto em forma de T). Os monólitos estão decorados com baixos-relevos com animais incríveis e são colocados um ao lado dos outros, em círculos: actualmente existem 4 diferentes círculos. Existe também um monólito solitário, com uma impressionante altura de 7 metros.

Sete metros não parecem muitos? Experimente o leitor endireitar uma pedra de 7 metros de altura com os instrumentos da Pré-História, depois podemos voltar a falar.

Mas as análises geo-magnéticas descobriram que no subsolo ainda há mais de 200 pedras enterradas E as análise do solo revelam que o complexo foi edificado quando na região havia bosques e lagos, ao contrário de hoje (uma planície estéril).
No entanto, em Gobekli Tepe não morava ninguém: o complexo monumental que necessitou de séculos de trabalho ininterrupto de centenas, senão milhares, de trabalhadores, artesãos, pedreiros, artistas, e quem sabe que outra coisa, era apenas um local simbólico.

Não sabemos qual a função do lugar: se um sitio religioso, astronómico, político, mercantil, cultural, ou se mais de uma coisa ao mesmo tempo.

O que interessa é o seguinte.
  1. não era uma cidade ou um lugar onde viver;
  2. teve que implicar uma massa de pessoas organizadas para a sua construção durante muito tempo e (possivelmente) uma número ainda maior de pessoas para as eventuais cerimonias;
  3. tudo isso foi feito numa época em que os nossos conhecimentos (antropológicos, históricos, arqueológicos) indicam que estas coisas não eram possíveis.

Gobekli Tepe foi edificada a partir de 10.000 a. C. e foi completamente enterrada, deliberadamente, sob toneladas de terra por volta de 8.000 a.C. E aqui encontramos outro aspecto interessante: a agricultura nasceu mesmo nesta zona, no famoso Crescente Fértil, mas apenas alguns séculos depois do enterro de Gobekli Tepe.

E então? Então não é verdade, como acreditámos até hoje, que descobrir a nova tecnologia de subsistência e os ciclos da agricultura foi criada a Revolução Neolítica, o nascimento das primeiras sociedades complexas, sedentárias , urbanas, sociais, com produções de elite, divisão do trabalho e tudo o resto. Gobelki Tepe demonstra que não é da agricultura que derivam as sociedades complexas: é exactamente o contrário. Em Gobelki Tepe antes houve uma sociedade complexa e só depois nasceu a agricultura.

É isso importante? Sim, muito. Por exemplo: resolve alguns problemas, incluindo o aparecimento quase contemporâneo da agricultura em lugares tão distantes como o Crescente Fértil, o Vale do Hindu, a China, um problema que tem atormentado estudiosos longos.

Gobekli Tepe foi construída por tribos de nómadas, ou melhor, tribos semi-nómadas possivelmente federadas num território comum, que os especialistas estimam ter tido um raio mínimo de 100 km e no centro do qual foi construiu o lugar simbólico de Gobekli Tepe. Utilizado durante um período de mais de 3000 anos, ficou na base dum sistema social muito complexo.

A agricultura, portanto, foi um adaptação dum sistema social complexo, já existente, e não foi a causa deste último. Mas donde surgia esta complexidade social que, em seguida, passou para o Paleolítico o Mesolítico, o Neolítico, até chegar aos nossos dias?

As explosões demográficas

Segundo Slavoj Zizek, a causa deve ser procurada  no simples aumento da densidade populacional.

Pela lei dos aumentos proporcionais, numa certa altura a densidade humana num dado território atinge patamares críticos, que dão origem a novos fenómenos, novas formas de organização. É uma maneira que homem tem de auto-organizar-se.

Um dos principais motores da história humana, não é a invenção, não é a tecnologia ou descoberta, não é a luta entre as classes: são todas estas coisas juntas na altura em que os homens se tornam muitos num lugar onde antes eram poucos. Mudam as necessidades e a resposta é uma nova organização, com a migração, com a invenção de novos sistemas.

A contribuição de explosão demográfica é múltipla. O Ocidente nasceu duma conflituosa união entre uma sociedade pacífica, sedentária e agrícola )onde hoje há os Países do Leste europeu) e povos nómadas e sem-nómadas, com armas, cavalos, patriarcais, caçadores e guerreiros que reunimos com o termo de povos indo-europeus.

Os indo-europeus, numa determinada altura por volta do 4.000 a.C., começaram a migrar da Ásia Central para a Europa, mas também para a Anatólia (Hititas), a Síria (o Mitanni) e talvez o Egipto (os Hicsos); empurraram os povos do planalto iraniano para a Mesopotâmia (os "misteriosos" Sumeros), trazendo uma nova religião (Vedas), em seguida, a linguagem escrita (o sânscrito). Talvez chegassem até a China, mas aqui a  história se torna muito confusa e conjectural.

Mais tarde, outra explosão demográfica, com os Gregos que migraram para a Anatólia e para a Itália, os celtas austro-suíços que fugiram até a Irlanda, os povos anglo-saxões, em seguida, dinamarqueses, em seguida, os Vikings, até a Inglaterra, criando precisamente a Terra dos Angles (os Angles eram um povo dinamarquês, daí o interesse de Shakespeare que faz dizer ao seu Hamlet "há algo de podre na Dinamarca "). E foi uma explosão demográfica, mas também político-cultural, a razão pela qual os puritanos ingleses, escoceses e irlandeses fundaram mais tarde os Estados Unidos da América.

Então? Assim, parece que as grandes eras do nosso passado foram duas: e agora estamos à beira da terceira.

A terceira era

A primeira era foi a do Paleolítico, de baixa densidade; a segunda foi o advento da complexidade em que os homens começaram a formar as inter-relações complexas, mantendo um estilo de vida semi-nómada, depois pararam para dar vida a aldeias, vilas, reinos, impérios, Estados-nação, construção de sociedades ordenadas pelo princípio da hierarquia, organizadas em torno da existência protegida pela força militar, regida pela força política, ordenado pela força jurídica, até homogeneizadas e consolidadas pela força cultural e religiosa

Hoje esta forma de adaptação humana alcançou uma nova descontinuidade, um novo limite. No século passado havia "apenas" 1,5 biliões de pessoas, hoje cerca de 7.000 milhões, um aumento nunca tão significativos em tão pouco tempo. Os tempos que estão a morrer e dos quais respiramos o cheiro doce da morte, são aqueles da época das sociedades complexas, que tinham chegado a uma ordem mundial com uma parte, o Ocidente, que domina e explora o resto do planeta . Poucas nações (meia dúzia, chefiadas por duas: Reino Unido e EUA) dominam todas os outros, quase 200.

E quando, no prazo de 2 ou 3 anos, a China alcançar sozinha o topo do ranking do Pib (e na altura o Ocidente decidirá que afinal o Pib não é um dado tão importante), então será claro para todos que a era acabou.

Mas como será a nova era, agora que já não podemos migrar ou matar uns aos outros como nos bons tempos idos? Sim, pode haver uma grande guerra, uma guerra global que reduza a população. Mas em qualquer caso seria uma solução temporária; cedo ou tarde (mais cedo do que tarde) o problema voltaria a aparecer.

Slavoj Zizek espera uma Era dos DMD.

Destruição, Morte e Desnutrição? Epá, que leitores mórbidos neste blog...Nada disso: Decréscimo, Mulheres e Democracia.

O Decréscimo é um tema bastante tratado neste últimos tempos: o mito do eterno crescimento não é sustentável, por várias razões, a primeira das quais é que o nosso planeta é um lugar "finito" e não "infinito". Portanto, também os seus recursos são limitados..

Mulheres pois, segundo autor, a melhor maneira de organizar um sistema deve ser baseada na simetria. E, do ponto de vista social, a nossa sociedade é assimétrica, com uma parte ( a masculina) preponderante).

A terceira letra, a D, indica a Democracia, uma democracia na qual todos sejam ao mesmo tempo actores e realizadores.

Resumindo: nem o autor dos livro consegue imaginar um futuro viável...Mas há uma última sugestão que acho ser engraçada:
Devemos começar a construir o nosso Gobekli Tepe, talvez um Templo do Tempo, um lugar comum onde não há apenas o interesses económicos, onde a diferença relativa ao género, a opinião, a tradição cultural, cria riqueza e hierarquia, onde os indivíduos se colocam em círculo para conversar, discutir, trocar de ideias e, em seguida, decidir em conjunto como estar no mundo dos tempos modernos, a nova era.

A ideia dum novo Gobekli Tepe não é mal.
Talvez financiado pela Coca-Cola.


Nota:
Uma página em Português com material de Slavoj Zizek pode ser encontrada neste link: Slavoj Zizek.


Ipse dixit.

Fonte: Megachip

11 comentários:

  1. maria28.2.12

    Olá Max: ficou mais alegre, colorido o visual...gostei!
    Teorias, teorias, teorias...sempre é possível mais uma...a minha, pois.
    Neoliberalismo/escassez/genocídio, uma tríade que permanecerá por séculos e séculos amén,porque é extremamente recente enquanto tríade vinculada - só a minha idade! Seja liderada pelo império que for, ou por uma coligação de impérios, foram, são e serão sistemas formados por poucos a submeter e por muitos submetidos econômica, político,social, religiosa e mentalmente. As formas de submissão e as estratégias de submetimento podem mudar de nome e nuance, mas permanecerão, enquanto existir humanos no planeta, que na sua maioria são chegados ao egoísmo-cobiça,as hierarquias,ao desrespeito e ao protagonismo. Ao mesmo tempo, e por outro lado, ilhas de resistentes,irreverentes, desobedientes, avessos ao binômio submeter-submetido, ou seja, aqueles que inventam estratégias econômicas, políticas,sociais, religiosas e mentais de libertação e vida no limiar de liberdade exequível. Estes (entre os quais, muito satisfeita comigo mesma, me incluo, neste momento)são mais chegados ao compartilhamento, a não-hierarquia, ao respeito (incluídas todas as formas de vida e as próprias coisas) e, sobretudo ao anonimato.Resumindo: a minha teoria poderia se chamar NO FUTURO...MAIS DO MESMO. Abraços

    ResponderEliminar
  2. Anónimo28.2.12

    "nova era", diz o autor...
    se as coisas não fossem encaminhadas para aí é que eu me admirava...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo28.2.12

    Por curiosidade, como erigir um megalito de 7 m:

    http://www.freeimagehosting.net/m6mt6

    No fim-de-semana passado participei no workshop "Faça um cromeleque você mesmo", e as possibilidades são infinitas:

    http://www.freeimagehosting.net/gi99w

    ...quando não houver em casa um megalito de 10 toneladas, pode sempre utilizar-se o material que estiver mais à mão:

    http://www.freeimagehosting.net/gfqdr

    O workshop decorreu no IKEA:

    http://www.freeimagehosting.net/mumlt

    ;-) Fiz uma leitura na diagonal do artigo mas voltarei para ler com mais calma, pois parece interessante. Já ouvi falar do autor do livro, que também parece ser recomendável.

    Abraços!

    http://www.freeimagehosting.net/5d1zx

    ResponderEliminar
  4. Anónimo29.2.12

    Já tido lido umas coisas sobre Gobekli Tepe, não neste contexto, por isso achei o artigo muito interessante. Contudo, o que mais me agradou foi o post da Maria. Estou de acordo com o que ela escreveu.

    Se por um lado é evidente que este modelo socio/económico está em avançado estado de putrefação, por outro lado parce-me que o 'bicho' antes de morrer ainda vai espernear muito e por muito tempo. È a natureza humana a funcionar. No entanto os acontecimentos futuros podem acelerar o processo. Como se disse antes o petróleo ou a sua eventual escassez, pode ter um papel importante neste filme.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  5. Olá meu caro Max! As civilizações são cíclicas. Os escritos do Dr. Zecharia Sitchin a partir de milhares de evidências e das famosas tabuinhas sumerianas nos levam a crer que estamos no limiar de mais uma transição planetária, como aconteceu outras vezes. É preciso expandir nossas visões para detectar que o ELO PERDIDO é exatamente associado às experiências genéticas dos "deuses que desceram do céu" e que, portanto, nos usaram como escravos para minerar ouro que tanto queriam. Somos escravos "lulus", portanto, desde que fomos criados à imagem e semelhança deles. Acho que já é hora de nos libertarmos. E é para onde nos caminhamos agora...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo29.2.12

    Para ler:

    http://nacional-socialismo.com/As%20Sociedades%20Secretas.pdf

    ResponderEliminar
  7. Anónimo29.2.12

    Este merece um estudo:

    http://portugaliza.net/num06/Naomi_klein_sem_logo_A_tirania_das_marcas_em_um_planeta_vendido.pdf

    ResponderEliminar
  8. O fim do capitalismo?! mas porquê? Não leu um artigo de Fábio do blogue "Admirável Mundo Novo" em que afirma ser esta a sua verdadeira essência e está aí para ficar? De qualquer modo, eu compartilho da mesma visão.

    ResponderEliminar
  9. Erro... como sempre...

    Flávio Gonçalves do blogue Admirável Mundo Novo.

    ResponderEliminar
  10. É Max,é tudo baseado em teorias e teorias que não levam em conta outras variáveis, tantas que até poderiam derrubar muitas das afirmações "científicas" e por não aceita-las são simplesmente descartadas. Vou citar dois exemplos de descarte, as pedras de ICA e pode ser pesquisado que é um assunto descartado, pois contradiz a "história" e os tuneis existentes dentro dos Andes onde ja foi achado uma enorme biblioteca escrita em folhas de ouro em idioma desconhecido e que ficam todas arrumadas no ar dentro de muitos quilômetros de tuneis que não se sabe aonde vai dar. Resultado... "deixa pra la pois isso contradiz a HISTÓRIA oficial" e se falarem são mentirosos ou coisa pior. Se observarmos friamente tem muita coisa que não conhecemos, feitas com tecnologia muito + MUITO superior a nossa, mas se alguém disser isso "é só mais um idiota conspiranóico"pois não vê que isso é impossível?!?! Estamos numa é poca que temos que estar com a mente igual um paraquedas bem aberta senão piramos.Nosso maior problema atual é o excesso de ego, tipo eu sou doutor, logo sou autoridade no assunto, mas eu alem de doutor sou PHD logo sou mais autoridade que você, por que que eu vou acreditar no que um índio fala pois ele não pode saber disso pois ele não estudou (VEJA sobre os DOGONS)como saberiam da existência de plutão antes do "todo poderoso Homem Branco ter descoberto". A medida que formos abrindo nossos horizontes vamos fatalmente achar a saída que tanto procuramos, pois muito mais que mudança de ERA teremos uma mudança de paradigmas e historicamente resistimo a isso com "unhas e dentes" e vou dar dois exemplos de muitos, 1 o relógio digital"japonês" que invadiu e dominou o mundo foi descoberto pelos ...SUIÇOS 2 o inventor da copiadora XEROX ofereceu o invento a KODAK, que também não aceitou a mudança de paradigmas e disse que aquilo não tinha FUTURO e ainda hoje os poderosos "donos" da história "oficial" não vão e não aceitam nada que contradiga o que "ELES" postularam. Já leu sobre as piramides da Bósnia, bem maior que a de Gize, são novos Paradigmas o que vem por aí e a própria física quântica é uma mudança total dos postulados Newtonianos, temos que estar com a mente aberta para coisas impensadas pela grande maioria adormecida, o choque vai ser grande. Mas quando disserem que teu trabalho não é profissional, lembre-se, amadores construíram a arca de Noé e profissionais construíram o TITANIC

    ResponderEliminar
  11. Tem mais Max, eu adorei o novo visual pois só estava lendo no mail e hoje vim ver comentários. Parabéns e cumprimenta também teus colaboradores rsrsrs pois aí tem dedo do Leo e também da Guida rsrs pois não são uma equipe?!
    Ficou muito bom o visual.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...