02 março 2012

És tu que escolhes

Quando Portugal faliu não fiquei preocupado. Aliás, fiquei curioso.
"Algo acontecerá", pensei.
E de facto algo aconteceu. Mas não o que eu esperava.

Não que esperasse revoluções ou coisas parecidas, nada disso. Mas alguma reacção sim.
Em vez nada aconteceu.

Nos media temos infinitas discussões acerca do estado do País. Cada vez que surgir uma notícia relativa ao assunto, eis que nas principais televisões aparecem os "entendidos": são estas pessoas que supostamente "sabem", e explicam ao profano o que se passa.

Uma vez explicado, tudo fica como antes.


Depois há os grandes debates, com perguntas do tipo "Portugal, que fazer?".
Nestes debates fala-se de muitas coisas, aliás demais. Ao fim de poucos minutos a impressão é que o tema seja "Nasceu antes o ovo ou a galinha?". Eu não tenho nada contra as galinhas, que fique claro, considero estes animais simpáticos. Só que, dada a situação, acho existirem outras prioridades.

Por exemplo, os responsáveis que ao longo das décadas criaram esta situação: podemos prende-los e julga-los? Afinal são pessoas que traíram a confiança dos cidadãos, de todos os cidadãos. São pessoas que, na melhor das hipóteses, fizeram mal o trabalho delas.

Se eu conduzir mal, aparece um homem de farda que me entrega uma multa. O que é justo.
Se eu gerir mal o País, sou eleito outra vez e até posso esperar de chegar ao cargo de Presidente da República.
Não acham isso um pouco esquisito?

O sábio Leitor pode dizer: "Caro Max, mas punir os culpados não resolveria os problemas".
Não concordo. Um julgamento traria à superfície os erros (se só erros foram...) e daria importantes indicações acerca daquilo que é preciso não fazer e daquilo que, pelo contrário, pode ser entendido como "uma boa política".

Em Portugal nada disso acontece. Pelo contrário: os partidos que governam são os mesmos que governaram no passado. Mudaram apenas os objectivos, pois agora a intenção é desmantelar o Estado.

A TAP, a companhia aérea portuguesa, está à beira de ser privatizada, tal como os correios e até o Pavilhão Atlântico. Antes criaram um enorme buraco económico-financeiro, agora vendem o que sobra. Um trabalho que tinha começado e que agora tem de ser concluído, pelo visto.

E os Portugueses? Nada. Assistem aos programas da televisão e dizem "Pois é".
Vêem o próprio País ser vendido em fatias e repetem "É preciso, estamos com muita dívida".
Experimentem perguntar na rua: "Mas o que é esta dívida?". As respostas serão alucinantes. Os Portugueses nem sabem qual o assunto, aceitam as palavras dos governantes como se de ouro se tratasse. E os governantes agradecem: quem pode queixar-se?

Não os cidadãos, convencidos de que a destruição do próprio País seja a única solução para tratar dos males dele (tipo: o senhor está doente? Melhor mata-lo já), não os governantes, que desta forma podem obedecer em plena tranquilidade às ordens vindas do estrangeiro.

O desemprego quase atingiu 15%?
Os dados económicos são bem piores das previsões governativas?
O máximo que podemos observar são as greves. Ahhh, a greve, a força do povo na rua, a força da classe trabalhadora que, unida, desafia a classe dos patrões. Ou a força do governo que ignora as greves, pontos de vista.
Porque uma oposição digna deste nome já deveria ter proposto algo mais.
É tempo de retomar o controle do País. É tempo de salva-lo do abraço mortífero duma classe política incapaz e corrupta. É tempo que os jornalistas voltem a fazer investigações, não apenas relatos. É tempo, em primeiro lugar, de despertar os adormecidos, que são milhões só neste pedacinho de terra.

Alternativa? Ficar, olhar, confiar nas mesmas pessoas que fizeram falir um País.
É o que foi feito até agora. Os resultados estão à vista.

Pessoalmente não sou optimista acerca deste assunto. Há abulia, há cobardia, há falta de iniciativas. As pessoas não querem abandonar o cómodo mundo podre delas antes deste ter caído definitivamente em pedaços (e cairá, porque está já a cair). Aí então sim, haverá reacção. Demasiado tarde, meus amigos: na altura já existirá algo para mudar sem que nada mude. Game over. 

Afinal és tu que escolhes.
Ah: bom fim de semana.

Ipse dixit. 

15 comentários:

  1. Anónimo2.3.12

    Nem mais. O que dizer depois do que foi escrito.

    Talvez: Agora queixem-se ao TOTTA.

    Abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  2. Anónimo2.3.12

    O comentário não tem directamente que ver com este post, mas como sobre a "democracia" americana me parece quase impossível dizer melhor com menos palavras, e porque gosto de partilhar as minhas descobertas, aqui fica. O seu autor assina como Bruce, e foi retirado de um blogue chamado Question Everything.

    JMS

    The US is a militarist-imperialist, rentier-oligarchic corporate-state owned by the top 0.1-0.4% of US households by net wealth and income (nearly 50% of income and 85% of financial wealth is held by the top 10% of US households). The only “democracy” that exists is among the rentier-oligarchic caste and marginally at the local level.

    “Leadership” power of Anglo-American empire is hierarchical and highly concentrated, similar to the corporate management structure, which is akin to military command-and-control structure. Corporate and military leaders are not chosen by the workers and the enlisted personnel.

    The bottom 90% of the 312 million US population has no power to choose national political, corporate, and military “leaders”. “Elections” are mere spectacle intended to legitimate the hierarchical power structure.

    Presidents are selected by the rentier-oligarchic banking and insurance, war profiteering, energy, and media-entertainment syndicate.

    Obama’s “selection” as corporate-state CEO and chief marketing executive for Anglo-American empire was perhaps the culmination of mass-media, mass-popular psycho-emotional manipulation and corporate-state propaganda. We should expect nothing less than much more of the same hereafter.

    To discuss what kind of imperial leadership we would like presupposes, quite naively, that we among the bottom 90-99%+ have an actual “choice” in selecting those who would “lead” us; we don’t.

    Durable “change” for the betterment of individuals will occur (should it occur) organically at
    the household, community, and local institutional level via uniquely suitable self-organizing “chaos” or “novelty” at self-sustaining scale of population, resources, and consumption.

    The larger superstructure of empire is a debilitating cost to local “novelty” and effective self-organization at self-sustainable local scale.

    Therefore, voting for national “leaders” is an affirmation of the command-and-control system and a vote to sustain the imperial superstructure and its burdensome costs.

    ***

    I would add to the above that the so-called “leaders” are demonstrably sociopaths and arguably insane; but they are but reflections of the mass insanity that produces, affirms, and rewards them.
    Mass insanity is the normative condition of human ape society. One cannot be well adjusted to mass insanity without being likewise insane.
    What other than insane outcomes would one expect?
    Thus, which insane “leader” should we “choose” this time?

    ResponderEliminar
  3. É Max, infelizmente as pessoas só vão tomar uma posição quando tudo vir abaixo, é o mal da "humanidade" esperar, esperar e esperar, para ver se vai melhorar, mas a tendência sempre é piorar cada vez mais.
    A partir do momento que TODOS estiverem sofrendo, sem comida, sem emprego, talvez resolvam largar suas individualidades, e muitas vezes resolvem fazer grandes besteiras ao invés de raciocinarem juntos e tomarem uma providência, como o boicote ao Establishment.
    Sempre acreditei que os europeus eram pessoas cultas e organizadas, hoje espero ansiosamente por noticias que confirmem minha antiga crença, espero sinceramente que isso se concretize.

    Um conselho:

    Não deixem que privatizem, façam o que puderem para que isso não se concretize, somente vocês podem salvar Portugal, não façam como nós brasileiros que passamos décadas esperando que alguém viesse nos salvar.

    Vou torcer para que todos os portugueses leiam o teu post e a partir disso tenham consciência da gravidade da situação do País, aqui no Brasil já passamos por isso e sabemos muito bem onde vai chegar.

    Um grande abraço meu amigo

    ResponderEliminar
  4. "É tempo de retomar o controle do País." Abandonar o EURO e controlarmos de novo a nossa MOEDA.

    "É tempo de salva-lo do abraço mortífero duma classe política incapaz e corrupta." Ou cortamos os braços que nos abraçam, ou cortamos as cabeças... assim como assim poupamos dinheiro! Estamos em crise e não podemos manter incapazes e corruptos a pão-de-ló...

    Muito violento? Nem por isso... eles já estão a começar a morrer, o POVINHO, por isso temos que encarar pelo lado positivo!
    Na pior das hipóteses fazer como os Líbios Livres!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  5. voz a 0 db2.3.12

    "É tempo de retomar o controle do País." Abandonar o EURO e controlarmos de novo a nossa MOEDA.

    "É tempo de salva-lo do abraço mortífero duma classe política incapaz e corrupta." Ou cortamos os braços que nos abraçam, ou cortamos as cabeças... assim como assim poupamos dinheiro! Estamos em crise e não podemos manter incapazes e corruptos a pão-de-ló...

    Muito violento? Nem por isso... eles já estão a começar a morrer, o POVINHO, por isso temos que encarar pelo lado positivo!
    Na pior das hipóteses fazer como os Líbios Livres!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. Antes de mais: É OFICIAL... meu IP está a ser censurado no blogger... por sorte tenho a chave da porta das traseiras por isso é que estão a ler isto! eheheh

    "É tempo de retomar o controle do País." Abandonar o EURO e controlarmos de novo a nossa MOEDA.

    "É tempo de salva-lo do abraço mortífero duma classe política incapaz e corrupta." Ou cortamos os braços que nos abraçam, ou cortamos as cabeças... assim como assim poupamos dinheiro! Estamos em crise e não podemos manter incapazes e corruptos a pão-de-ló...

    Muito violento? Nem por isso... eles já estão a começar a morrer, o POVINHO, por isso temos que encarar pelo lado positivo!
    Na pior das hipóteses fazer como os Líbios Livres!!!!!!!!!!!!

    Entretanto... fui dar a volta à casa para entrar por trás e já cá tinha chegado o Amigo Burgos...

    Já me ri... já valeu...

    ResponderEliminar
  7. voz a 0 db2.3.12

    Antes de mais: É OFICIAL... meu IP está a ser censurado no blogger... por sorte tenho a chave da porta das traseiras por isso é que estão a ler isto! eheheh

    "É tempo de retomar o controle do País." Abandonar o EURO e controlarmos de novo a nossa MOEDA.

    "É tempo de salva-lo do abraço mortífero duma classe política incapaz e corrupta." Ou cortamos os braços que nos abraçam, ou cortamos as cabeças... assim como assim poupamos dinheiro! Estamos em crise e não podemos manter incapazes e corruptos a pão-de-ló...

    Muito violento? Nem por isso... eles já estão a começar a morrer, o POVINHO, por isso temos que encarar pelo lado positivo!
    Na pior das hipóteses fazer como os Líbios Livres!!!!!!!!!!!!

    Entretanto... fui dar a volta à casa para entrar por trás e já cá tinha chegado o Amigo Burgos...

    Já me ri... já valeu...

    ResponderEliminar
  8. maria2.3.12

    Olá Max: parece que de certa forma, ouvir o noticiário e ficar sabendo que o país faliu, e dizer: pois é, deixa os portugueses apaziguados, como se tivessem feito a sua parte. Claro que se desandou, quem governa tem responsabilidade nisso, e levá-los aos tribunais é o mínimo que a cidadania num estado de direito pode/deve fazer.
    Então a minha pergunta é a seguinte: existe em Portugal alguma instituição, grupo, ou que seja, que pode encaminhar demandas do tipo, solicitar o julgamento do ministro das finanças? Deve existir uma espécie de organização dos advogados, ou a possibilidade de uma petição pública encaminhada ao legislativo, com um x mínimo de assinaturas populares demandando isso ou aquilo. Claro que eu sei que o governo português é corrupto (como o são a maioria dos governos), mas a simples movimentação popular em torno do assunto já seria um começo a mostrar que as pessoas estão dispostas a tomar alguma iniciativa, além das greves, que neste momento, só está pondo em risco o emprego de quem deles depende, localizando precisamente as lideranças, e facilitando com que elas sejam separadas das grandes massas passivas. No entanto 1 milhão de assinaturas encaminhadas por uma instituição ganha visibilidade, dilui as responsabilidades e torna-se mais efetiva, pressiona mais. Apenas uma sugestão, que nem sei se cabe, pois não estou aí.Abraços

    ResponderEliminar
  9. maria2.3.12

    Olá Voz: poderias entrar em contato por mail comigo? O Max tem minha direção de mail. Abraços

    ResponderEliminar
  10. Anónimo2.3.12

    Infelizmente, vemos a história a repetir-se diante dos nossos olhos!No passado, foram escravizados povos inteiros, porque tinham uma cor de pele diferente e em nome da "religião". Hoje, os povos estão a ser escravizados através da palavra TERRORISTAS e outros através da palavra CRISE.Sem esquecer que é tudo em nome da "LIBERDADE E DA DEMOCRACIA".

    ResponderEliminar
  11. Anónimo2.3.12

    Há quem diga que a culpa é dos bancos.
    Os bancos têm culpa, sim, mas quando é o ESTADO a desbaratar tudo...e claro que depois tem que se pagar a dívida.
    A culpa é dos governantes, então? Também.
    Se julgá-los em tribunal funciona? Quer governantes quer banqueiros têm todos a proteção das sociedades secretas que os iliba a todos.
    *suspiro*
    Já não sei o que é correcto fazer.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo2.3.12

    Max e amigos,

    Os adormecidos daqui acordaram hoje com alvíssaras. Bom Dia Brasil da Rede Bobo (ou teria sido na Bobonius?), Sardemberg fala em final da crise americana, aumento dos postos de emprego, enfim um répiêndi róliúdiano. Podes crer, tirando os frequentadores do ii de além mar, ninguém crê na tragédia européia/americana, apenas uma coisa de gregos, que estes sim, gostam mesmo de uma tragédia.

    Um forte abraço Max.

    Abraços para meus irmãos Burgos, Maria, Fada e 0db. Sei que tenho andado em falta, mas a escravidão assim tem me obrigado 0db.

    ResponderEliminar
  13. Bruno António2.3.12

    O poder em Portugal esta tripartido em Executivo ( Governo) legislativo ( Assembleia da Republica) e Judicial ( Tribunais) foi a formula encontrada para esta espécie de democracia funcionar quase 40 anos…Os Políticos podem ser julgados por crimes cometidos durante os seus mandatos, porem não esta previsto o crime de “ gestão danosa para a gestão politica” e a existir sairíamos do campo legal para entrar no pantanoso campo politico…ter tribunais a julgar politicas seria uma catástrofe pois as politicas são opções sociais mutáveis e por vezes constrangidas por vários factores. Note-se ainda que os maiores responsáveis políticos possuem imunidades que limitam as suas possibilidades de detenção, porem, essa imunidade é uma garantia contra golpes palacianos e outras farsas, se um individuo que representa um pais não tiver uma “blindagem” deste género seria facial ataca-lo e por conseguinte atacar toda a nação por outro lado não sendo honesto poderá usar esse estatuto para beneficio próprio com prejuízo da coisa publica.
    O Problema reside em distinguir quem conduziu o pais ao estado actual, por acção e por omissão e estamos a falar de centenas senão milhares de pessoas…desde políticos a gestores públicos, magistrados e funcionários….cidadãos que fugiram aos impostos…todos eles deram uma “facada” no estado…milhões de facadas mataram o estado…mas quais as facadas que mataram e as que feriram ao de leve? Outra questão pertinente seria…quem quer governar um pais sabendo de antemão que será constrangido por circunstâncias internacionais que não domina? Intrigas e golpes sujos, e que poderá ser levado a tribunal apesar de ter tentado o melhor de si… eu não queria!
    Podemos odiar os políticos, persegui-los, mas não iremos expiar a nossa culpa, eles governaram com o nosso voto e até com a nossa abstenção…
    È muito duro…muito, mas tento admiti-lo…temos o que merecemos!
    É importante aperfeiçoar as leis, mas é extremamente importante educar-mos os nossos filhos, e educarmo-nos a nos próprios, sermos exemplo e distinguir e recompensar os bons exemplos; uma sociedade demora varias gerações a mudar, é inegável, o primeiro lugar para procurar uma solução é em nos próprios…quantas vezes já procuramos em toda a casa algo que afinal tinha-mos no bolso? Ou ate mesmo procurar os óculos com eles postos?

    ResponderEliminar
  14. Anónimo2.3.12

    http://odetriunfante.wordpress.com/2011/10/26/watch-compreender-a-divida-publica-on-youtube/

    ResponderEliminar
  15. Anónimo2.3.12

    http://bloglaurabotelho.blogspot.com/2012/02/o-universo-e-governado-pelo-complexo.html

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...