21 março 2012

Falar do Tibete fica mal

Acho que nunca este blog falou do Tibete.
Mau.

Resumo dos últimos 60 e poucos anos.
Em 1949 Mao Tzedong proclama a República Popular Chinesa e invade o Tibete: revoltas, dezenas de milhares de mortos, destruição de templos e de obras artísticas. O Comunismo no seu melhor.

Mas porquê falar do Tibete agora?
O facto é que cada vez mais monges budistas tibetanos usam a imolação como forma de protesto contra a repressão da liberdade religiosa por parte de Pequim. O suicídio, no entanto, não consegue atrair a atenção mundial sobre a questão tibetana.

Os observadores atribuem isso ao crescimento da China até o status de super-potência económica, e, portanto, as delegações dos governos ocidentais evitam tratar o problema com Pequim. Nenhum primeiro-ministro ocidental vai para Washington para falar da base de Guantanamano, certos assuntos devem ser evitados. O mesmo se passa na China.

Desde Fevereiro de 2009, pelo menos vinte e oito tibetanos morreram entre as chamas numa vaga de protestos, e nos últimos três meses outros quinze casos foram notificados no Himalaia. Isto levou a que os tibetanos no exílio lançassem um alerta mundial contra as políticas chinesas contra o Tibete. No entanto, nenhum governo estrangeiro está disposto a fazer pressão sobre Pequim e o alerta ficou letra morta.

Dibyesh Anand, professor adjunto de relações internacionais na Universidade de Westminster, Londres:
Com o crescente poder económico da China e o declínio do Ocidente, a causa tibetana é susceptível de ser limitada a uma pequena parte da sociedade civil. No passado, os governos ocidentais prestaram ainda formalmente um pouco de atenção aos direitos dos tibetanos. Como a China aumentou o nível, as intenções de desestabilização ocidentais desapareceram.
Frustrados pela indiferença do mundo, os seguidores do Dalai Lama, líder espiritual tibetano no exílio, continuam a luta dentro e fora da China para um Tibete Livre.

As autoridades chinesas intensificaram a vigilância nas áreas habitadas por tibetanos em Março. O dia 10 deste mês marcou o aniversário da fuga do Dalai Lama para a Índia depois de uma revolta armada fracassada em 1959 contra o domínio chinês e a luta mortal nos protestos em Lhasa, capital do Tibete. Observadores alertam que os sacrifícios poderia aumentar este mês.

De acordo com a Xinhua News Agency, o último sacrifício ocorreu no passado dia 14, na província de Qinghai. Jamyang Palden, um monge do mosteiro de Rongwo, saiu do seu templo às 10:42, usava roupas encharcadas de gasolina, e com um isqueiro pôs-se em chamas.

Xinhua, citando um porta-voz local, disse que os seguranças nas proximidades correram para apagar o fogo e transportar o monge para o Hospital do Povo de Huangnan. Mas ao meio-dia, alguns monges e moradores locais foram até o hospital e trouxeram Jamyang Palden para a rua, para que pudesse completar o próprio sacrifício.

Quatro dias antes, no dia 10 de Março, um jovem monge tibetano, Gepey, do mosteiro de Kirti, Prefeitura de Aba, na província de Sichuan, deu-se fogo. O grupo de activistas de Londres, Free Tibet, comenta:
Gepey, 18 anos, imolou-se atrás de um acampamento militar no dia 10 de Março em Aba. [...] Os moradores tentaram ficar com o corpo mas o pessoal de segurança não permitiu.
Poucos dias antes, em 6 de Março, um manifestante de 18 anos, Dorjee, pôs-se em chamas e morreu, também na prefeitura de Aba. O grupo Save Tibet comenta:
Antes de se sacrificar e morrer, Dorjee tinha entrado num escritório do governo no condado de Naba (prefeitura de Aba) gritando palavras de ordem contra as políticas do governo chinês.
Os sacrifícios estão a aumentar em áreas habitadas por tibetanos em Sichuan e Gansu, fora da Região Autónoma do Tibet.

Alguns funcionários do governo chinês recentemente denunciaram os actos de sacrifício como "terrorismo suicida", e consideram responsável o Dalai Lama.

Alguns comentaristas chineses dizem que o Dalai Lama incita deliberadamente os protestos suicidas fora do Tibete apenas para "justificar" a reivindicação de um "Grande Tibete", em outras palavras para mostrar que a sua influência se estende até áreas habitadas fora do Tibete.

Zegang Wu, chefe da prefeitura de Sichuan, em princípio tinha feito acusações semelhantes:
Alguns dos suicídios foram cometidos por homens religiosos que tinham regressado a uma vida laica, e todos tinham anteriores actividades criminosas ou suspeitas. Eles tinham uma má reputação na sociedade.
No entanto, numa conferência de imprensa em Pequim, em 14 de Março, no final da sessão anual do Congresso Nacional Popular, primeiro-ministro chinês Wen Jiabao parecia tocar outras teclas, dizendo que estava "profundamente chocado" com os sacrifícios:
Os jovens tibetanos são inocentes. Estamos profundamente chocados com o comportamento deles.
Também acrescentou que o governo chinês se opõe a tais actos radicais que perturbam e prejudicam a harmonia social.

Wen acusou também o Dalai Lama e o governo tibetano no exílio em Dharamsala de tentar separar o Tibet da China: "Acerca desta matéria temos uma firme posição de princípio."

Enquanto isso, os exilados tibetanos negam as acusações e continuam a série de protestos contra as políticas de Pequim, pedindo a intervenção dos governos das Nações Unidas.

Na véspera do aniversário da revolta fracassada de 1959, foram organizados fortes protestos desde a capital do exílio em Dharamsala, Índia, até Times Square, New York. Greves de fome, vigílias, protestos e oposição popular têm sido testemunhadas em cada comunidade tibetana no mundo.

Em 8 de Março, no final dos Cinco Dias de Monlam Chenmo (um grande festival de oração), em Dharamsala, o Dalai Lama disse:
Agora a verdade é reprimida violentamente no Tibete [...] a verdade está perdendo força e poder, mas não podemos fazer muita coisa.
No dia 10 de Março, aniversário da revolta, Dr. Lobsang Sangay, o primeiro-ministro do governo tibetano no exílio, disse:
Faço um brinde para as pessoas corajosas que sacrificaram tanto para o Tibete. Apesar de 53 anos de ocupação pela República da China (RPC), o espírito do Tibete e a sua identidade permanecem intactos [...] É culpa da intransigência dos dirigentes em Pequim. Esperamos que no futuro os líderes chineses possam começar uma mudança real e encontrar a sabedoria para admitir que a longa e rígida política do governo no Tibete falhou.
Os Países que fazem fronteira com a China, como Nepal e Índia, parecem ter sucumbido ao poder económico da China e fazem o seu melhor para evitar qualquer activismo anti-China. Não há outros Países asiáticos que têm demonstrado uma preocupação real com os acontecimentos do Tibete. Em vez disso, os governos enfatizam cada vez mais o reconhecimento do Tibete como parte da República da China (RPC) e o facto deste ser um assunto interno da China.

Os Países ocidentais, que primeiros levantaram a questão do Tibete nas relações com a China, agora parecem ignorar o assunto quando negoceiam com Pequim.

Durante uma visita nos Estados Unidos do vice-presidente chinês Xi Jinping (provável sucessor de Hu Jintao no final deste ano), Barack Obama e altos funcionários norte-americanos nunca abordaram a questão do Tibete. Não admira: Obama é Nobel da Paz e deseja paz sobretudo nas conversações com os dirigentes chineses.

Esquisito pois pouco antes o Coordenador Especial dos EUA para os Assuntos Tibetanos, Maria Otero, tinha declarado:
O governo dos EUA tem directamente e constantemente levantado o problema dos sacrifícios tibetanos. O governo dos EUA instou repetidamente com governo chinês para que sejam travadas as políticas contraproducentes na área tibetana, que têm criado tensões e ameaçam a identidade separada de diversidade religiosa, cultural e linguística do povo tibetano.
Conclui o professor de Westminster, Dibyesh Anand:
Com respeito às questões de direitos humanos, os relatórios provenientes dos Países do Sudeste da Ásia são terríveis. Enquanto o Nepal está a agir contra os seus habitantes tibetanos como se fosse um substituto do governo chinês, a conduta da Índia é apenas melhor ", disse Anand, da Universidade de Westminster.
E Elliot Sperling, professor e especialista sobre a história do Tibete da Indian University:
A China exerce influência sobre os críticos dela por causa do poder económico e isso se
Lobsang Wangyal, um empresário tibetano que vive exilado na Índia:
Há muito os tibetanos no Tibete não são felizes sob o regime chinês. Os sacrifícios dizem que eles não brincam, mas o mundo presta pouca atenção. Isso dá a sensação que vinte e cinco tibetanos que põem em perigo as suas vidas ainda não são suficientes e que há necessidade de sacrificar mais vidas.
Profecia tibetana do IX século contida num Gterma, os papeis escondidos dos mestres:
Quando a ave de ferro voar, os cavalos correrão sobre rodas,  chegarão o homem vermelho e a destruição.

Ipse dixit.

Fonte: Asia Times

15 comentários:

  1. voz a 0 db21.3.12

    Nós agora que já estamos a ver os 5 tostões à China... o cú já está vendido... Nunca mais vamos apoiar politicamente o Tibete e estou para ver se quando o Dalai Lama cá vier é recebido com foi até ontem...

    Se nos pomos a armar em diplomatas... os bacanos cortam-nos a luz que é um mimo!

    ResponderEliminar
  2. voz a 0 db21.3.12

    estou parvo! para não variar!

    "Nós agora que já estamos a ver"

    favor ler

    "Nós agora que já estamos a vender"

    ResponderEliminar
  3. acho que a independência do Tibete seria bastante pertinente . o problema é que a economia é muito limitada . pequenas minas de carvão e algumas empresas têxtil . e até a agricultura também é comprometida , devido ao país ter o relevo montanhoso ( o país fica em média 4.900 metros acima do nível do mar ) e ter poucas áreas cultiváveis . apesar disso , o desespero do povo tibetano deve ser terrível ao ponto de cometerem protestos em forma de suicídio (mesmo assim, acredito em outras formas viáveis e menos "enérgicas" de se fazer um protesto).

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21.3.12

    Está aqui uma opinião do pensador italiano Domenico Losurdo que vai numa direcção diferente do texto acima.

    http://resistir.info/asia/dalai_lama.html

    Krowler

    ResponderEliminar
  5. Losurdo, "O surdo", pois...

    Não me admira: o artigo aparece no site Resistir.info, rigorosamente comunista e contra tudo e todos aqueles que falam em termos não entusiastas de qualquer assunto ligado ao Comunismo.
    E a China ainda é comunista.

    Vice-versa, tudo aquilo que for ligado aos EUA (que supostamente defendem as razões do Tibete, embora no artigo seja mostrado como) é filho do Demónio ou até é o Demónio em pessoa.

    É o que dá quando o pensamento é filtrado pelas ideologias.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo21.3.12

    A China não é boazinha. Os EUA também não. Mas pesquisem as palavras "the true face of the dalai lama" e vejam o que encontram.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo22.3.12

    Max, é obvio o cariz ideológico do texto do Losurdo e do Resistir.info.

    De uma coisa tenho a certeza, sempre que existem conflictos de interesse onde quer que seja, quem se lixa são os mais fracos.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  8. Anónimo22.3.12

    bonita profecia.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo22.3.12

    Os monges até chegaram a ser obrigados pelas tropas a FORNICAREM nas ruas nas quilo a que se chamou "a libertação pacífica do tibete".
    Tristeza...

    ResponderEliminar
  10. maria22.3.12

    Olá Max: um pouco atrasada no comentário, queria te perguntar? A China ainda é comunista? Eu pensei que, se um dia tenha sido, deixou de ser faz tempo...
    Por falar em atrasado, cadê a segunda parte do mail resposta? Até agra, só recebi a primeira. Abraços

    ResponderEliminar
  11. Só o fato do Dalai Lama ter envolvimento com a CIA, já é uma boa razão para eu não me importar nem um pouco com esse suicídios.
    Por mim podem continuar se matando.

    Abraços

    ResponderEliminar
  12. maria23.3.12

    Olá BURGOS: esses jovens que se matam são uns pobres coitados, convencidos por seus "mestres" que essa é uma boa medida. Te garanto que os Dalai Lama da vida não se matam. E o suicídio deve atender a algum interesse inconfesso que não deve ter nada a ver com o benefício real do povo tibetano. Abraços

    ResponderEliminar
  13. “Porque estou esperançoso sobre o futuro do mundo”

    Why I’m hopeful about the world’s future

    Pelo Dalai Lama (O 14º Dalai Lama, Tenzin Gyatso, é o líder espiritual do Tibete. Desde 1959, ele vive em exílio em Dharamsala, no Norte da Índia.)

    The Washington Post, Opinions, 13 de junho de 2016


    É nossa responsabilidade coletiva garantir que o século 21 não repita a dor e o sangue derramado do passado. Devido à natureza humana ser basicamente compassiva, acredito ser possível que nas décadas que virão veremos uma era de paz — mas temos que trabalhar juntos como cidadãos de um planeta compartilhado.”


    http://dharmalog.com/2016/06/14/artigo-dalai-lama-porque-estou-esperancoso-a-respeito-do-futuro-do-mundo/

    ResponderEliminar
  14. Atenção - 1ª parte
    http://pistasdocaminho.blogspot.com.br/2016/10/atencao-1-parte.html

    Sobre a atenção - 2ª parte: Carlos Castaneda e Xamanismo
    http://pistasdocaminho.blogspot.com.br/2015/12/sobre-atencao-1-parte-carlos-castaneda.html

    Sobre a atenção, 3ª parte: o vigilante.
    http://pistasdocaminho.blogspot.com.br/2011/02/o-vigilante-sobre-observacao-de-si-e.html

    ResponderEliminar
  15. Actually, Let’s Not Be in the Moment

    http://www.nytimes.com/2016/11/26/opinion/sunday/actually-lets-not-be-in-the-moment.html

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...