15 março 2012

A Fuga

De vez em quando aparecem artigos que anunciam a morte do Dólar. Pois, porque não é apenas o Euro que está em coma: o bilhete verde de Washington não tem nada para rir.

Difícil que possa ser indicado um dia preciso para estabelecer o fim do Dólar: mais do que isso, é provável assistir a uma mudança de hábitos que, lentamente, determinarão a saída da moeda americana qual "dinheiro do mundo".

Por exemplo: China Daily informa que o Japão está a comprar Títulos de Estados chineses. É um marco histórico, pois até poucos meses atrás, Tóquio guardava a maior reserva de Títulos de Estado americanos.

O facto é que os Países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e Japão estão cheios de Dólares e Euros resultado dos lucros comerciais: é inevitável que, cedo ou tarde, essa montanha de papel volte para o mercado para a compra de bens reais.

Mas que tem a ver isso com a "fuga do Dólar"?
A notícia da compra de Títulos de Estado chineses por parte do Japão é importante porque consequências
do recente acordo entre Pequim e Tóquio. A troca de obrigações é inserida no âmbito de tal acordo segundo o qual os dois Países vão regulamentar o comércio local sem passar pelo Dólar.
O Japão anunciou nesta Terça-feira que conseguiu a aprovação das Autoridades chinesas para a compra de 65 biliões de Yuan (mais ou menos 3,10 biliões de Dólares) em títulos do governo chinês. A mudança vai ajudar o Japão na diversificação das próprias reservas e fortalecer os laços entre os dois Países que são os maiores credores do mundo [...]

Yi Gang, vice-governador do Banco Popular da China e chefe da Administração Estatal do Comércio com o Estrangeiro, disse que os investidores japoneses são bem-vindos e que a China vai comprar Títulos do governo japonês [...]
Segundo as estatísticas, o rendimento médio do investimento japonês de cinco anos nos Títulos de Estado americanos foi de 1.41% no ano passado, enquanto o rendimento médio dos Títulos do governo chinês tinha sido de 3,52%.
Fica mais fácil agora perceber uma das consequências dos Bancos Centrais manter baixo o custo do dinheiro: o mesmo dinheiro fica muito menos apetecível como valor de reserva, pois o rendimento é bem menor.

Mas o que conta reter é que há muitos Dólares e Euros em todo o mundo e que as respectivas economias já não são capazes de sustentar a força das própria moedas. A festa da deflação, o dinheiro de baixo custo qual política para reanimar as economias americanas e europeias, simplesmente acabou: o Japão deu o sinal da direcção da fuga.


Ipse dixit.

Fontes: China Daily

2 comentários:

  1. voz a 0 db15.3.12

    Não é à toa que as Famílias estão desesperadas por entrar à força nestes Mercados que infelizmente para elas não dominam... Elas bem tentam pelas portas das traseiras (tipo eu) mas as portas são "piquenas" (como diz a múmia)...

    ResponderEliminar
  2. o caso da queda do dólar é um problema grave aqui pro Brasil . com a queda do dólar , a moeda brasileira aumenta muito a sua valorização , reduzindo a competitividade com outros países em desenvolvimento . de acordo com o IIMD (International Institute for Management Development ) , o Brasil caiu de 38º para 44º lugar .O relatório, apresentado pela Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade do Chile, é liderado por Hong Kong, EUA e Cingapura em uma lista formada principalmente pelos países europeus e asiáticos, sendo Chile o primeiro país latino-americano incluído no o ranking, seguido pelo México, que subiu para a posição 38, seguida pelo Peru, que caiu para 43 .

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...