05 março 2012

A História oficial

A História, sabemos isso, é escrita pelos vencedores. E dos vencedores temos também que respeitar as leis, mesmo que estas defendam falsidades.

A Lituânia, por exemplo: pequeno País da antiga União Soviética: pouco mais de 3 milhões de habitantes, culturalmente próxima da Polónia, república independente desde 1918,  a partir da II Guerra Mundial parte integrante do território gerido por Moscovo. Até 1990, quando consegue recuperar a própria independência.

Aqui a historiografia oficial explica que os Soviéticos tentaram recuperar o território lituano com um golpe de Estado, em 1991: a heróica resistência do civis, culminada no massacre de 14 pessoas e o ferimento de outras 700 na torre da televisão, ditaram o fracasso da tentativa e a definitiva liberdade da Lituânia.


Hoje a pequena república é parte da União Europeia e da Nato. Então acontece que um jovem lituano, Algirdas Palezkis, líder do pequeno Partido Socialista local, é indiciado pela justiça do seu País por ter "questionado a veracidade" da versão oficial dum episódio sangrento que é oficialmente considerado o acto mais marcante da independência da nova Lituânia: o massacre da torre da televisão de Vilnius, no dia 13 de Janeiro de 1991.

Mas qual a culpa de Palezkis? Pelazkis limitou-se a enunciar as revelações de quem organizou" a provocação: o nome dele é Audrius Butkiavicius, na altura chefe de segurança da capital lituana, mais tarde ministro da Defesa.
Em 2000 deu uma entrevista ao jornal de língua russa Obzor. A culpa de Palezkis é ter lembrado a existência desta entrevista. Não é uma reconstrução histórica: é apenas lembrar as palavras de quem organizou a morte de próprios concidadãos para obter um efeito político..  
Pergunta da jornalista, Natalia Lopatinskaja: Foi o senhor que planeou as mortes de Janeiro?
Resposta de Audrius Butkiavicius: Sim...realmente não posso justificar-me perante os parentes das vítimas, mas posso fazê-lo perante a História. Quero acrescentar: as baixas infligiram um golpe decisivo contra os dois principais pilares do poder soviético, o exército e o KGB. Digo abertamente: eu organizei tudo. Tinha trabalhado por um longo período no Einstein Institute, com o professor Gene Sharp, que estava no comando do que era então chamada de defesa civil. Isso é, guerra psicológica.
Coloquei o exército soviético numa posição psicológica pela qual cada oficial teria tido vergonha de estar nele envolvido. Era isso, uma guerra psicológica. Sabíamos que nesse conflito não teria sido possível vencer caso tivéssemos feito uso da força. Tudo isso ficou claro. Por isso tentei transferir a batalha para um outro nível, o nível psicológico. Posso apenas dizer que fui eu que ganhei, porque aqueles planos não violentos de defesa tinham sido preparados muito antes dos acontecimentos de Janeiro.

A tropas russas não fizeram mortos. A investigação do Kremlin, em seguida promovida por Mikhail Gorbachev, permitiu verificar que os soldados não tinham munições nas armas, tal como os tanques. Os assassinos foram pessoas nunca identificadas que atiraram a partir dos telhados dos edifícios circundantes, directamente sobre a multidão.

As autópsias realizadas nos corpos da vítimas (corpos logo feitos desaparecer nos dias após o massacre) mostraram que tinham sido usadas espingardas e outras armas que não pertenciam ao exército russo. Butkiavicius tinha organizado tudo: tinha feito massacrar os próprio concidadãos.

Butkiavicius, obviamente, vive em Vilnius e goza de todas as honras do caso enquanto libertador de seu País. Nem mesmo a entrevista levou a uma incriminação ou, pelo menos, uma investigação.

Há, no entanto, as testemunhas que ainda vivem: são os Lituanos que viram donde os disparos foram efectuados. Mas nunca foram ouvidas.

O professor Vytautas Landsbergis, agora deputado, então presidente do Soviete Supremo da Lituânia, naqueles dias disse que "não há liberdade sem sangue". Em resumo: o fim justifica os meios. E o professor Gene Sharp, que ainda dirige o Instituto Einstein, publicou um livro traduzido em todas as línguas do mundo com o título "Como vencer um regime com a não-violência". Porque 14 assassinados e 700 feridos não é "violência".

As teorias de Butkiavicius conhecem agora uma assinalável vaga de revivalismo: Líbia e Síria são os teatros de guerra onde são amplamente utilizadas. Porque as pessoas, às vezes, se levantam. Mas para onde vão, isso é decidido pelos vários Butkiavicius e Sharp.


Ipse dixit.

Fontes: La Voce delle Voci, Ozbor (nota: o link aponta para a página do diário russo traduzida com Google Translation: nela é contido o elenco das quatros partes nas quais a entrevista com Butkiavicius está dividida. A parte mais importante é esta), Inosmi.

7 comentários:

  1. Vitor Miranda5.3.12

    Quer que eu acredite que as forças Soviéticas foram posicionadas sem sequer terem sido municiadas? E que havia atiradores a fazer fogo sobre a multidão e isso não provocou qualquer reacção dos militares? ah é verdade eles não tinha qualquer munição para responder ao fogo.

    ResponderEliminar
  2. Meu amigo, você acredita em que mais Lhe apetecer, este blog não tem Verdades Absolutas.

    O que este blog tem sempre são links, que ponho de forma que o Leitor possa conferir e, se for o caso, aprofundar.

    No caso, há as palavras do ex ministro da defesa da Lituânia, que, pode crer, não é pessoa "amiga" da ex-União Soviética.

    Forças da União Soviética sem munições? Qual a surpresa? Os Soviéticos sabiam muito bem que o eventual sangue derramado teria posto a palavra fim na aventura lituana: foi exactamente o que aconteceu. Não esqueça que na altura secretário geral do Partido Comunista Soviético não era Stalin mas Gorbachev: e Gorbachev era empenhado numa difícil operação de transição que atraia as atenções de todo o mundo.

    Mas mesmo que o Exército Vermelho tivesse sido armado e pronto para o fogo: qual o Seu problema? Temos dum lado as palavras de Butkiavicius, que admite ter organizado a operação, e temos do outro lado o resultado das autopsias e as testemunhas.

    O facto das espingardas do exercito terem sido eventualmente carregadas torna o mesmo exército culpado?

    Curioso o Seu ponto de vista.

    Mas se preferir pode sempre acreditar na versão oficial, não há crise, sério.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Vitor Miranda5.3.12

    Parece-me estranho simplesmente. Não faz parte do procedimento operacional enviar militares sem serem municiados. Isto independentemente de quem era o secretario geral do PCUS na altura.
    Parece-me estranho também que haja atiradores não identificados aos tiros e isso não tenha provocado qualquer reacção do exercito vermelho.
    Parece-me estranho que Butkiavicius dê uma entrevista desse género a um jornal, (isso não é um tiro no próprio pé?)
    Quanto a resultados de autopsias o plano foi tão bem planeado que foram usadas armas de calibre diferente daquelas usadas pelos soviéticos. É inteligente quando a ideia era fazer parecer que tinham sido os russos a disparar.
    E testemunhas há também aquelas que afirmam que foram os soviéticos a disparar.
    Parece-me estranho fácil demais e demasiado conveniente.

    ResponderEliminar
  4. "Ataque de Falsa Bandeira"

    É o prato do dia aqui nas redondezas.


    Abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  5. EUA ESCONDEM SEUS MILHARES DE MORTOS NO IRAQUE E AFEGANISTÃO


    [OBS deste blog ‘democracia&política’:

    Em várias postagens, já mencionamos o artifício utilizado pelo governo dos Estados Unidos para driblar as leis internacionais e agirem abusivamente pelo mundo. Um desses artifícios é o Pentágono contratar, sem licitação e por centenas de milhões de dólares, empresas de mercenários militares/“civis” . Muita corrupção e súbitos enriquecimentos estratosféricos de altas autoridades acontecem nas esteiras desses contratos. Uma das principais é a “Blackwater”, ligada a Dick Cheney [Richard Bruce "Dick" Cheney], vice-presidente dos EUA no governo Bush e um dos principais promotores da invasão norte-americana no Iraque.


    http://democraciapolitica.blogspot.com/2012/03/eua-escondem-seus-milhares-de-mortos-no.html

    ResponderEliminar
  6. Não sei qual é a verdade neste caso, e provavelmente nunca saberemos. Mas colocar a dúvida em questão é uma atitude louvável, tanto do Max como do Vitor. Quanto temos coragem de levantar suspeitas de uma verdade, seja oficial ou alternativa, creio eu que estamos no caminho certo.

    Agora, a respeito do tal Sharp, se ele foi fiel a sua pregação da não-violência, não sei. Mas a não-violência que conheço de Gandhi, na minha humilde opinião, é muito interessante e viável, dentro de determinados conceitos. Fuçando no wikipedia dele achei um conceito muito interessante, chamado Ahimsa. Nas palavras de Gandhi (ou do Wiki em português...): "(...) Trato de amolecer a espada do tirano, não cruzando-a com um aço mais afiado, mas defraudando sua esperança ao não oferecer resistência física alguma. Ele encontrará em mim uma resistência da alma, que escapará de seu assalto. Essa resistência primeiramente o cegará e em seguida o obrigará a dobrar-se. E o fato de dobrar-se não humilhará o agressor, mas o dignificará..."

    Será mais uma utopia boba?

    ResponderEliminar
  7. Anónimo6.3.12

    Então na Lituânia ocorre problema semelhante ao de países como Alemanha, Áustria e França, onde questionar a história oficial em relação ao chamado holocausto também é motivo para ser indiciado pela justiça.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...