20 abril 2012

Revolución!

É Sexta-feira e, como sempre, é altura certa para um assunto um pouco mas descontraído.
Então fazemos isso: vamos falar de revolução, pode ser?

As democracias representativas são um engano, acerca disso acho não existirem dúvidas.
Os partidos políticos sozinhos nunca poderão reformar alguma coisa. Seria como pedir a um vampiro de não beber o sangue que o mantém vivo.
Doutro lado não é possível aceitar que os mesmos sujeitos políticos que criaram esta desastrada sociedade possam continuar a mandar. Já causaram demasiados prejuízos ao longo das última décadas, chega.

Então temos o problema: como reformar a actual situação?
Aqui temos um cruzamento: dum lado há as pessoas convencidas de que seja possível mudar a situação a partir do interior, outras acham que só do exterior seja possível obter alguma coisa.

A diferença é substancial.

Mudar do interior significa tentar introduzir uma mudança utilizando as existentes regras democráticas.
Mudar do exterior significa o contrário: utilizar métodos não democráticos.

Em bom Português: uma coisa é fundar um novo partido que possa sentar-se no Parlamento, outra coisa é esperar o político fora do Parlamento para contar-lhe algumas coisas.

Sei que alguns Leitores simpatizam com a segunda hipótese, a via não democrática. É uma opção legítima, do meu ponto de vista, afinal estamos em democracia e todas as opiniões devem ser respeitadas. Quem pensar o contrário (não podemos pensar em escolhas radicais enquanto anti-democráticas), não entende qual o sentido da palavra "democracia".

A propósito: antes demais é precisa um pouco de ordem.
Porque há várias maneiras de ser "anti". Anti "que"?
Anti-sistema, incluindo o sistema democrático, ou anti-partidário? Ou anti-outra coisa?

Eu acho que a democracia não pode ser posta em discussão. Se não vejamos: quais as alternativas?

As alternativas

As alternativas são:
  • Fascismo
  • Comunismo
  • Monarquia (constitucional e absoluta)
  • Anarquia
  • República

Nota: um "purista" ficará horrorizado com esta lista. Mas é uma simplificação, lembrem disso. 

Fascismo e Comunismo, na minha óptica, pertencem à mesma categoria e como tais podem ser tranquilamente eliminados. A razão é simples: em ambos os casos estes sistemas degeneram após alguns tempos para tornar-se verdadeiros cultos da personalidades. Pelo que teremos uma Ditadura: não a Ditadura da Antiga Grécia, mas no sentido de Totalitarismo.
Fascismo e Comunismo têm já dados muitas provas de não ser boas soluções.

E acho que ninguém na plena posse das próprias faculdades mentais pode defender um regime totalitário.

A Monarquia parece coisa do passado, mas não é: muitos Estados hoje são monarquias. Diferença respeito aos tempos idos: as monarquias hoje em dia são quase todas constitucionais. O que significa: partidos. O que significa: nenhuma verdadeira mudança com os problemas da repúblicas.

Da Monarquia Absoluta acho nem valer a pena falar.

A Anarquia. Não é um regime mau e, sobretudo, não tem nada a ver como a ideia de "caos" que costumamos associar ao termo. O problema da Anarquia é o mesmo dos outros sistemas: as ideias podem ser boas, só que depois devem ser aplicadas por seres humanos e aqui tudo fica estragado.

Aliás: o mundo está cheio de óptimas teorias que falham miseravelmente quando posta em prática. O bug, o defeito congénito das teorias, muitas vezes reside no facto de não avaliar as reais capacidades do Homem, que tem a simpática tendência para estragar tudo.

Pelo que sobra a República que, de forma errada, costumamos juntar ao termo "democracia". Pois assim não é: pode tranquilamente haver repúblicas não democráticas. A República Romana (509 - 27 a.C.) era gerida exclusivamente pela aristocracia.

Então, mais uma vez para simplificar, apagamos o termo "República" e vamos substitui-lo com Democracia, pode ser? Fica mais fácil.

A Democracia pode ser: Representativa ou Directa. 

A Democracia Representativa é a vergonha na qual vivem a maioria dos Países "desenvolvido" ou "em desenvolvimento". A ideia é simples: como não é possível ir todos no Parlamento para votar (seria preciso um Parlamento bem grande), são eleitor alguns representantes do povo. Os representantes, claro está, respeitam a vontade do povo e actuam de consequência. O conceito de "representatividade" existe também nas Monarquias Constitucionais e , em mínima parte, no Fascismo e no Comunismo.

Mais uma vez: a teoria é boa coisa, a prática não. E todos sabemos o que são e que fazem hoje os "representantes do povo", não vale a pena repetir coisas ditas já muitas vezes.

A Democracia Directa, pelo contrário, não prevê nenhuma forma de representatividade. São os cidadãos que, directamente, votam, apresentam, aprovam ou chumbam leis, os orçamentos, etc. Não há "filtros" (ver o caso da Suíça neste artigo).

A minha preferência vai sem dúvida para a Democracia Directa. Que poderia sem implementada e funcionar já hoje.

Depois haveria outras ideias. Mas são ideias. Sociedade do futuro, organizadas de formas totalmente diferentes, com novas bases.
Tudo muito bonito, sem dúvidas, mas:
  • são teorias (e já vimos o que acontece com as teorias)
  • podem representar o futuro, não presente.
Antes de prosseguir: qual a ideia dos Leitores?
Concordam com a ideia de Democracia Directa ou preferem algo diferente? O que é este "algo diferente"? E porquê? 

Estabelecido isso (que também é uma maneira para observar quais as preferências dos Leitores do blog), vamos ver como fazer uma revolução e mudar de rumo.

Nada mais, nada menos. 


Ipse dixit.

16 comentários:

  1. Anónimo20.4.12

    Estou de acordo com o modelo de democracia directa. Pese embora, a imaturidade ou indiferença politica dos portugueses é um modelo sem alternativa no horizonte. Os demais já deram as provas que tinham a dar.

    Acima de tudo há que não concentrar o poder em mãos de carácter ou competência duvidosa, com tem acontecido até agora.

    Krowler

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20.4.12

    Caro informação incorrecta

    Já passamos da fase de democracia.
    Só há um caminho.

    CHOQUE E PAVOR.

    Eu explico.
    Se forem eliminados certos grupos de poder ( pessoas que mandam em Portugal ), em um número limitado, digamos " 10 ILUSTRES ", do grupo ( MAÇONS / BILDERBERGS ), a restante escumalha mete o rabo entre as pernas rápidamente, e ganham rumo e juízo.

    Por exemplo:

    - FRANCISCO PINTO BALSEMÃO
    - ANIBAL CAVACO SILVA
    - MANUELA FERREIRA LEITE
    - JOSÉ SOCRATES
    - PAULO PORTAS
    - ANTONIO BORGES
    - ALMEIDA SANTOS
    - MÁRIO SOARES
    - RICARDO SALGADO
    - JAIME GAMA

    Somente com estes, o restante da escumalha metia o rabo entre as pernas rápidamente !!!!~

    Como digo , CHOQUE E PAVOR !!!!!

    Rápidamente Portugal endireitava, acredite .....

    Um abraço.

    Desta vez é anonimo, por motivos óbvios.

    ResponderEliminar
  3. maria20.4.12

    Olá Max: por tudo que já vivi, disse e digo aqui: DEMOCRACIA DIRETA. Está mais do que na hora das multidões, enquanto sociedades, aprenderem a "errar" sozinhas! É o único meio delas serem responsabilizadas e, efetivamente,serem responsáveis pelos rumos da vida social e política do ambiente em que vivem.
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Marcelo20.4.12

    Democracia Direta!
    É lógico.

    E um alto investimento e reforma em educação para formarmos futuros intelectuais de ética a ingressarem e influenciarem na política e no povo com suas idéias e literatura de qualidade.

    ResponderEliminar
  5. Todas as formas (Fascismo, Comunismo, Monarquia (constitucional e absoluta), Anarquia, República) são aceitáveis do ponto de vista das Famílias... O objectivo central é que independentemente da forma, o resultado seja sempre o mesmo: Totalitarismo... Portugal é exemplo de uma "República Democrática Representativa" que está quase a quase a atingir o objectivo de se tornar numa "República Democrática Representativa Totalitária"... Confusão?!? Nem por isso... O Controlo de um qualquer país torna-se mais fácil e simples se no mesmo o regime for Totalitário ou a roçá-lo, pois para as Famílias é manifestamente mais simples controlar uns poucos, do que muitos.

    Tem que se reduzir o tamanho para que algo seja efectivamente praticável!

    Estado Central deve ir à vidinha, Banca Privada adeusinho... Só por aqui já se vê que a coisa não pega, pois nas actuais cabeças formatadas (A MANADA) isto é algo de impensável!

    Enquanto se andar a fazer que faz, e a fazer cruzes numa folha de papel tal canalha na primária... somos como os cães quando andam a brincar a correr atrás da própria cauda!

    Quanto ao sistema do "Choque e Pavor" acho que 10 é pouco! Mete-lhe mais um zero e já começa a fazer sentido... E tens que escolher menos marionetas e mais manipuladores de marionetas!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo20.4.12

    O Negócio é descobrir meter os nomes no meio disso tudo.
    Digo no sentido de denunciar a corrupção e combater os adversários no caminho.

    Política é a respeito de poder, estamos lidando com pessoas disputando poder. Não podemos começar apenas nos opondo com ideias, precisamos antes, combater pessoas, se não, de nada adiantará isso tudo.

    Isso vale para outro post de cima Max. É preciso denunciar nomes, lutar contra eles, depois colocamos nossas ideias em pratica.

    ResponderEliminar
  7. O SISTEMA É ESCRAVAGISTA, ALIENÍGENA , INUMANO E ANTROPOFÁGICO.
    Toda esta escravidão está estruturada "LEGALMENTE". Nunca desligue seu detector de mentiras. Ninguém virá nos salvar...
    Nada, religião alguma, lei alguma, substituirá a responsabilidade 100% dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao perdão do amor incondicional. Fiquemos em paz.
    A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal e intransferível.

    ResponderEliminar
  8. voz a 0 db20.4.12

    Ora nem mais....

    É PRECISO COMBATER PESSOAS...

    E neste vídeo está um bom exemplo de como se faz esse combate!

    Claro que no nosso nível a coisa é mais básica e simples!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo20.4.12

    Caro voz

    A teoria do CHOQUE E PAVOR pode ser alterada até fazer efeito.
    Primeiro 10, depois 20 depois 30, depois 40, e por aí em diante até o problema ser resolvido.
    Reafirmo o que disse, depois dos 10 primeiros, os restantes punham o rabo entre as pernas e se punham a ganir como cães !!!!!!
    O problema é começar ...........
    Um abraço a todos.

    Desta vez é anonimo, por motivos óbvios.

    ResponderEliminar
  10. maria20.4.12

    Olá Voz: destaco duas, que considero pérolas da tua lucidez:
    "Tem que se reduzir o tamanho para que algo seja efectivamente praticável!"
    "tem de atingir menos as marionetas , e mais os manipuladores das marionetas"(adaptação da tua fala)
    Sobre a primeira posição, é por isso mesmo que decidi reduzir a minha "revolución" a este pedacinho de mato e seus habitantes.
    Sobre a segunda, bem...é uma questão de oportunidade...e de informação, conhecimento de causa.
    Abraços

    ResponderEliminar
  11. Já antes de se falar em democracia direta, eu defendia que esta era a única e verdadeira democracia. Mas Portugal é um país demasiado atrasado para implementar uma sistema tão "normal". O Português gosta de ser submisso e arcar com o minimo de responsabilidades possivel. A Democracia Direta terá que ser implementada primeiro em países mais avançados, tendo como exemplo prático a Suiça, claro.

    ResponderEliminar
  12. voz a 0 db20.4.12

    maria...

    Queres que entre em desgraçada, é?!?

    Lucidez... Que saudades tenho do tempo em que a cada comentário meu era apelidado de "doido", "maluco"... Os meus TEMPOS de INSANO parece que se estão a desvanecer por entres as cada vez mais incapazes sinapses... Os seus impulsos estão a perder a capacidade de produzir pura energia insana!

    Bem, agora escrevendo a brincar...

    Eu não consigo vislumbrar nada no futuro que não passe por isto. Infelizmente apenas a solução que tu apresentas, e praticas, é viável na Civilização Actual, criar pequenas ilhas comunitárias onde os Seres Humanos são efectivamente Seres Humanos. Onde a consciência do "EU" está presente.

    (P.T.:Nada como o MAX escrever a palavra Revolución para o pessoal se alegrar!eheheheh)

    ResponderEliminar
  13. Anónimo20.4.12

    Parece-me bem.
    Democracia directa seria uma optima escolha .
    Para começar na segunda feira?

    ResponderEliminar
  14. Tô falando e ninguém tá prestando atenção. No meu comentário da postagem do Max sobre a água chamei a atenção para esta tirania mundial vindo aí... Leiam aquele meu comentário quem ainda não leu.

    Olha aí Maria, Max e amigos
    Microchip obligatorio a partir del 2013 en EEUU.

    Obama aprueba la implantación del microchip en EEUU como reforma sanitaria para el 2013. El microchip será obligatorio, sin el cual no se podrá tener acceso a los centros de salud. Fonte: http://ultimasnoticiasnew.blogspot.com.es/2012/04/microchip-obligatorio-partir-del-2013.html

    Sinto muito, sou grato.

    ResponderEliminar
  15. Vocês vão adorar ler esta notícia!... estão a fechar o cerco!



    Juntem o resto... e temos festa!

    ResponderEliminar
  16. Max e todos
    Concordo com Democracia Direta desde que seja fechado o Senado Federal e a Câmara de Deputados Federais, estaduais e municipais.
    O povo através do voto decidirá tudo sem precisar pagar esses canalhas que em sua maioria são uns pilantras.

    E Antes de mais nada quero deixar aqui o meu protesto ao Voz e ao Anônimo(por motivos óbvios):

    Voz, "somos como os cães quando andam a brincar a correr atrás da própria cauda!"

    Anônimo(por motivos óbvios), "Reafirmo o que disse, depois dos 10 primeiros, os restantes punham o rabo entre as pernas e se punham a ganir como cães!"

    O que os coitados dos cães tem a ver com tudo isso?

    Pessoal, vamos ter mais respeito com os animais, afinal nenhum cão gosta de ser comparado a estes tipos de "humanos", hehehehehe.


    Um grande abraço a todos, menos para o Voz e o Anônimo(por motivos óbvios)

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...