20 abril 2012

Última chamada

Após anos em Portugal continuo a considerar-me Genovês. Deve ser a Síndrome do Emigrante.

Mesmo assim, tive tempo para observar a sociedade portuguesa, interagir com ela, tentar perceber o que se passa nas cabecinhas dos indígenas.

E este último ponto é um autêntico mistério.

As últimas estimativas do Eurostat acerca da força de trabalho na Zona NEuro (Fevereiro de 2012) são assustadoras: em Espanha o desemprego dos jovens aumentou de 44,4% para 50,5%. Na Grécia de 39,5% para 50,4% em Dezembro de 2011 (melhor não imaginar como pode estar agora). Em Portugal, sempre o desemprego juvenil, subiu de 26,9% para 35,4%, sem nenhuma perspectiva de melhoria, dada a deterioração das condições do mercado de trabalho.

Em termos de desemprego global, Portugal passou de 12,3 por cento em Fevereiro de 2011 para 15 por cento (ou mais) 12 meses depois.

Peter Weiss, chefe da comissão da União Europeia para Portugal:
Vimos os números e estamos um pouco surpreendidos do rápido aumento no último trimestre. Temos ainda algumas dificuldades na interpretação dos dados, pode ser que factores ligados à época não tenham sido adequadamente considerados.
Este sociopata está surpreendido. Na sua óptica de doente mental, cortar os ordenados, as reformas, facilitar os despedimentos, reduzir os serviços públicos, eliminar os subsídios e outros ainda são todos factores que deveriam fazer bem à ocupação.

A austeridade facilita a economia e a recessão aumenta o número de empregos, como é sabido.

Uma das regras que regulam a macroeconomia é aquela segundo a qual a despesa se reflecte nos rendimentos, que trazem ocupação. Este não é um dogma dalguma religião oculta, são coisas de primeiro ano de Faculdade.

Continua o indivíduo:
O ajuste orçamental está em linha e é provável que o Eurogrupo concorde com a entrega da quarta parte (do dinheiro do resgate) [...] No geral, o respeito do programa está indo muito bem. O governo de centro-direita liderado por Pedro Passos Coelho deve respeitar as medidas de cortes que concordou e ir ainda mais longe, cortando os subsídios de desemprego para certos grupos com tratamento preferencial.
Eu utilizei o termo "sociopata", mas tenho a certeza que em Psiquiatria existe um termo mais apropriado.
Um termo que inclua desprezo pelos sentimentos dos outros, atitudes graves e persistentes de irresponsabilidade e desrespeito pelas normas sociais sem esquecer o desrespeito e violação dos direitos do próximo.

Portugal está actualmente nas mãos de doentes mentais, este é um facto. Não são simples demolidores do País, pois se assim fosse não haveria surpresa perante dados que não podem ser senão negativos.
Pelo contrário, a surpresa é sintoma da total perda de contacto com a realidade.

Mas perante esta condição, qual a atitude dos Portugueses?
Resposta: zero.

Que dizer, há sim um pouco de indignação pelo facto do Sporting ter corrompido um árbitro. Mas além disso tudo continua na boa. O que é bastante preocupante.

Não está em causa a capacidade dos Portugueses de engolir e suportar tudo e mais alguma coisa. Isso deve ser reconhecido. Mas há limites, além dos quais entramos no campo do masoquismo (na melhor das hipóteses).

Até a mais paciente das pessoas, após receber uma série de marteladas nos dedos pode perguntar: "Importas-te de parar?".
Os Portugueses não: continuam a receber as marteladas e entretanto apontam o dedo (da outra mão): "Olha aquele que rouba!".

Sendo Italiano (em verdade: Genovês) é fácil fazer uma comparação com o meu País de origem. E em Italia está a formar-se um novo partido político (por acaso, algo de bem interessante) que já pode contar com 7-9% das intenções de voto.
Servirá? Não servirá? Interessa? O que conta é fazer algo, mexer-se. Pois ficar imóveis não adianta, de todo.
A construção duma via férrea impopular (Val di Susa) foi travada exclusivamente pelos cidadãos. Que lutaram, alguém até morreu, mas obtiveram alguma coisa. 

Em Espanha tivemos as recentes manifestações em Barcelona; na Grécia os cidadãos saem nas ruas para gritar a própria indignação, lançam molotov, deitam fogo aos bancos, apanham da polícia se for necessário.

Em Portugal, no máximo, um dia de greve geral, bem ordenados sob o controle dos sindicatos. E quem apanha da polícia são dois jornalistas atordoados. Depois tudo volta como antes. Na boa.

Não há nada.
As pessoas passam o tempo a queixar-se, mas falta qualquer capacidade organizativa. Nem parece haver tentativas. Na verdade há, mas as poucas morrem no berço por falta de participação.

Na internet portuguesa somos poucos desgraçados que gastam o próprio tempo com ideias não necessariamente correctas, mas com ideias. Que ficam onde nascem, na internet.

Os jornais reportam diariamente casos de abusos de poder, injustiças, mal-funcionamentos. Mas nada parece conseguir provocar uma reacção.

Sim, eu sei: há a história dos media que "adormecem" o povo. Mas tentamos ser sérios: há media nos outros Países também.
E poderia ser possível encontrar razões históricas, com certeza que há.

Mas dêem um pontapé na História (e isso dito por quem gosta muito dela) e abram os olhos: aqui e agora são os problemas, não no passado.

Há alguma coisa no "ser Português" hoje? Além do futebol, entendo.

Se houver, acordem, mexam-se. Eu, mesmo sendo estrangeiro, disponibilizo o meu blog para iniciativas e também posso participar em reuniões, encontros e quanto mais. Estou convencido de que seja possível fazer algo, acordar as pessoas e construir uma alternativa. É só querer fazer.

Se não houver, então fiquem na lama onde acabaram, porque isso é o que merece a vossa apatia e a falta de coragem.

E bom fim de semana.


Ipse dixit.

13 comentários:

  1. Ai MAX... não sabes que a Populaça Portuga não se chateia apenas em caso de grave risco de vida, como aqui, já tentei explicar?!

    Para já parece que são as crianças e os jovens que se estão a começar a fartar desta cena de os pais não lhes darem tudo o que eles querem e... PIMBA, TOMA... porrada nos pais... É bem feito! Já deviam há muito ter arranjado um 3º emprego para conseguir comprar o novo iphone, a nova consola, as novas sapatilhas... por aí fora!
    Agora não, são preguiçosos, pais desnaturados!... Querem ter apenas um trabalho! Onde já se viu isto! O castigo: estão a começar a levar pancada da canalha e bem dada!

    De resto gosto de observar a MANADA a pastar! E os camiões do matadouro a chegar...

    ResponderEliminar
  2. maria20.4.12

    Max, não te desesperes ainda porque dias piores virão. Estou me convencendo, e nisso, tu, o Voz e a Fada, tem grande participação, que os portugueses são muito mais parecidos com os brasileiros do que com os outros da Europa meridional. Embora louve a tua iniciativa de por o II a disposição de iniciativas alternativas, eu sei como isso funciona: se a coisa começa, ela não continua, a não ser que os sujeitos sintam cheiro de um interesse individual satisfeito,mediante o processo/produto da iniciativa. Já estás esbravejando..."mas como que não é do interesse individual!!???"
    Pois já te explico: uma coisa para ser do interesse individual, tem de ser reconhecida como tal. Brasileiros, e parece que portugueses também, na sua maioria, não se reconhecem como tendo suas vidas em perigo. Eles comentam os problemas, e balançam a cabeça, a pensar nas dificuldades do povo, mas não reconhecem essas dificuldades como sendo deles também. O povo é outro, e está noutro lugar. O lugar deles é o futebol, a novela,as fofocas da família,as compras nas lojas de 1,99, a ida a videolocadora para alugar aqueles filmes holydianos mais babacas e mal intencionados do mundo,a cerveja, com as piadas ridículas, o "som" que vão colocar no carrinho popular...Tudo isso constrói uma vida medíocre, que exige muito pouco financeiramente, que quem está dentro não se dá conta da miséria humana que está emergido, mas é o SEU mundo e o SATISFAZ. Ele não quererá saber de nada, a não ser, como diz o Voz,se sentir ESTA VIDA, em perigo.
    Lamento,e não imaginas o quanto lamento, mas II é o espaço para desabafar, tocar idéias entre alguns, que concordando ou discordando,e as vezes não entendendo patavina, gostam de aqui colocar seus pitacos,conversar e aprender. E, mesmo assim, é extremamente importante para o desenvolvimento de nossas revoluções particulares, e de pequenos grupos de influência.
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Fiquei atônito!!!


    Infelizmente a situação em Portugal é crítica, com esse aumento de desemprego entre os jovens, mais a notícia que o Voz colocou. A depressão aumentará e o consumo de drogas também aumentará entre alguns jovens que vão preferir fugir dessa relidade, é deprimente o quadro que se inicia.

    Como bem disse a Maria, as pessoas só começam a reagir e se revoltar quando o "Seu pequeno mundo" começar a desmoronar.

    O individualismo é o mal do século!!!

    Um abraço a todos

    ResponderEliminar
  4. maria20.4.12

    Olá BURGOS: gosto de te encontrar aqui no botequim do Max! Olha, o individualismo é sim, uma característica da humanidade civilizada, uma das coisas que nos faz demasiadamente humanos, a ponto de constituir-nos em civilizações imperiais e não em colonias, matilhas ou tribos. Mas o pessoal se orgulha desse desenvolvimento societário, que fazer?
    E a propósito de "revolución", vistes o tão garboso está o Leo na foto, com boina e tudo? É fotogênico este guri! Abraços

    ResponderEliminar
  5. koalabomb20.4.12

    Boas pessoal
    Esta apatia generalizada que se sente em Portugal sem duvida deixa muito que pensar, principalmente nos jovens.
    Neste momento já podemos falar de centenas de jovens que abandonam os estudos porque não têm dinheiro para propinas(e muitas outras centenas nem sequer prosseguem os estudos, indo logo procurar trabalho, quase sempre precário), e por e simplesmente não fazem nada, é como cada um estivesse no seu mundo.
    Temos manifestações pontuais de muita ou pouca gente mas é só mesmo isso, no dia a seguir já ninguém se lembra.
    Precisamos quase todos de um verdadeiro choque e erguer os braços contra o estado de coisas.

    Como diz o senhor Bezegol:
    "Como vamos explicar á próxima geração
    os espinhos que vieram dos cravos da revolução?"

    ResponderEliminar
  6. Anónimo20.4.12

    Ó Max, o povo simplesmente já nem sabe como fazer as coisas de modo a funcionarem! Todos os meios lhe estão tomados!
    Quem tem poder de mandar em alguma coisa (que possa melhorar a vida das populações) também acaba sempre por se corromper. Os que têm o poder de responsabilizar também têm muito de responsabilizáveis. E se se tenta resolver as coisas "à porrada" cai-nos o sistema em cima, e andamos metidos nele uns 20 anos, sempre a perder dinheiro em custas judiciais que não hão de acabar nunca! É mesmo para uma pessoa meter na cabelça que ou come e cala, ou acaba na miséria! Além de tudo, resolver as coisas à porrada apanha sempre inocentes pelo meio - coisa que não deve acontecer nunca, reconheçamo-lo - e só reforça a vigilância policial posterior, que é o que a NWO quer, e por isso cria cenários em que haja explosividade por parte das pessoas.
    As pessoas estão preocupadas com a sua sobrevivência imediata. ter que ganhar dinheiro para sobreviver. É a "caixa" em que o sistema pretende limitar o pensamento das pessoas, e em Portugal funcionou. Ninguém pensa em mais nada "fora da caixa" que solucione o problema!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo21.4.12

    Já antes o disse aqui e volto a dizer o mesmo; Não é de esperar que o povo se revolte em uníssono pois a leitura que cada um faz da situação poucas vezes coincide com o vizinho do lado.

    Se uns procuram entender a realidade, a maioria nem por isso. Nem vou falar de futebol. Mas a TV e os jornais têm feito um excelente trabalho de desinformação.

    O facto é que a qualidade dos portugueses e não só, deixa muito a desejar. Só pensam no bolso deles.
    Se tivesse que caracterizar os nossos concidadãos teria de utilizar mais defeitos que qualidades.

    Mas há sempre uma réstia de esperança. Por um lado existem cada vez mais pessoas informadas e por outro, pode ser que as circunstâncias levem a uma união geral em torno de um objectivo comum, que possa contribuir para mudar o rumo das coisas.

    Krowler

    ResponderEliminar
  8. Maria e Max

    Eu ví a foto do Léo, adorei, parece que está pronto para uma revolução, ía comentar mas depois que lí o artigo do Max não consegui pensar em mais nada, hehehehe.

    Quando o Max escreve assim:

    "Este sociopata está surpreendido. Na sua óptica de doente mental, cortar os ordenados, as reformas, facilitar os despedimentos, reduzir os serviços públicos, eliminar os subsídios e outros ainda são todos factores que deveriam fazer bem à ocupação."

    Não pude deixar de lembrar da frase que diz:

    "Se não fosse trágico sería cômico"


    Abraços e beijos meus amigos

    ResponderEliminar
  9. Max

    Recebi um email para participar do "Portugal Social", aqui vai o email na íntegra:

    Em termos técnicos poder-se-á encontrar algumas semelhanças, contudo acreditamos que este projecto vá mais além, não só ao nível da imagem que lhe dá uma identidade própria, como também por ter sido pensado para os portugueses e para a sua realidade. Outro ponto forte, é o facto de respeitarmos a sua privacidade. Enquanto que a informação que coloca no Facebook, incluindo as suas mensagens privadas e chats, ficam sempre registadas nas bases de dados da plataforma e você não tem como apagá-las, mesmo que dê ordem para isso ou cancele a sua conta, aqui, quando decidir deixar-nos, tudo é apagado. Queremos também que possa estar num espaço onde não seja constantemente incomodado com notificações e aplicações que não lhe interessam, podendo assim trocar e partilhar sem o ruído de fundo que se pode sentir, hoje, no Facebook.

    Mas a razão principal para que participe e se registe, é porque você é português e este é um espaço pensado para si. Iremos criar, no futuro, novas secções a pensar na nossa realidade nacional assim como fomentar a partilha e a troca, mesmo para além da esfera virtual. Lembre-se que o Portugal Social é um espaço criado por pessoas iguais a si, que vivem dentro de um mesmo contexto social e cultural e que, por isso mesmo, compreendem melhor a suas necessidades, podendo fazer chegar-lhe, com maior facilidade, tudo aquilo que tem a ver consigo, algo que o facebook, por ser um espaço generalista criado por pessoas que vivem noutros contextos culturais, não poderá fazer.

    Por isso, espalhe a palavra e divulgue este projecto. Vamos fazer do Portugal Social o espaço de eleição dos portugueses, assim como o trampolim que possa permitir que um conjunto de iniciativas, fora da esfera virtual, possam vir a acontecer de modo a promover a partilha e a entre-ajuda de todos.

    Com o nosso profundo agradecimento,
    Equipa do Portugal Social

    www.portugal-social.com

    Max, tu ou mais alguém aí em Portugal sabe sobre isso?


    Abraços

    ResponderEliminar
  10. Caro Max, o seu "genovese" faz a diferença. Não tinha percebido com nitidez o quanto o meu pai tinha razão quando me dizia que; queiramos ou não queiramos somos todos portugueses... Admiro-os por sutis diferenças de expressão, não de sentimentos, não as há, somos todos mais que portugueses somos latinos. Quanto a sua "última chamada" temo que "o trem da história" já tenha passado pela estação faz um bom tempo. Parece que nos acostumaram a andar de costas - nada a haver com o nosso Curupira. Vamos pensar um pouco fora da caixa de doutrinações oficiais. Esquece os detalhes históricos que produzem infinidades de zeros, trabalha com as expressões mais simples e verás com mais clareza a simplicidade com que, a palavra certa é psicopatas, eles manipulam nossos corações e mentes manteno-nos em discussões estéreis, sempre, sobre o leite colhido e derramado por eles mesmos. Veja que o sistema é muito, muito antigo. Carrega e faz a manutenção em "nosso pensamento" de programas "outo run" de reabilitação e aperfeiçoamento do escravagismo milenarmente. Entra socialismo, sai socialismo, mudam-se regimes, guerras vão guerras vem e as realezas continuam inabaláveis... Elas são um símbolo, tal como placas nas estradas onde não conseguimos ler os avisos. Estão lá, em toda parte, e nós Infantilizados até a alma gerações após gerações, processamos a INFORMAÇÃO INCORRETA, não percebemos os programas de jogos do intelecto com que nefastamente nos mantém ocupados nossos egos de (des)importancia. Quem sou eu? Quem somos nós? Esta e a pergunta socrática que não quer calar. Eles, os dominadores, nos mantém desde o berço longe desta resposta e os Sócrates continuam a beber sicuta através dos séculos indefinidamente. Cabe a cada um de nós parar e ver que não podemos resolver os "problemas" criados por "eles" com as mesmas idéias, meios e modos com que foram criados. A chipação da Guantanamo planetária do 4º Reich está vindo aí montada na garupa dos quatro cavaleiros do apocalípce. Todas as nossas reações vindas de dentro da caixa já foram previstas por "eles", as bestas psicopatas. Os dados estão viciados, e como já disse alguém Deus não joga dados. A física Cartesiana agora já não nos serve mais para compreendermos e encontrarmos as soluções que queremos. Se não cancelarmos urgentemente todos os programas escravagistas em nossas mentes rodando em nossos subconscinte não enxergaremos as soluções, continuaremos como os cachorros correndo atrás do próprio rabo. TODO o processo de pensar a existencia no planeta está montado para ocupar-nos com jogos do intelecto na manutenção deste labirinto do nada em que nos aprisionam e escravizam. Desejo sinceramento que ainda haja tempo para uma virada. O tempo urge, é a última chamada para abandonarmos nossas invisibilizadas ecravagistas vaidades, são programas inoculados pelos psicopatas, não somos nós, são espelhos da tirania, nós somos seres humanos e não há nada de errado conosco, somos todos um neste ressonante divino orgonico campo quantico de infinitas possibilidades...
    Sinto muito, sou grato, renovo aqui minha admiração, respeito e estima pelo seu trabalho, toda paz para você e todos nós.

    ResponderEliminar
  11. voz a 0 db21.4.12

    ihihih BURGOS foste alvo de SPAM!!!

    "...projecto para desenvolver uma Rede Social com um rosto nacional, feita por e para Portugueses."

    São selectivos!!!

    ResponderEliminar
  12. Voz

    Eu imaginei que fosse spam, que loucura, como inventam idiotice.

    Obrigado meu amigo

    ResponderEliminar
  13. "as realezas continuam inabaláveis..."

    Pudera... Há séculos que as famílias fazem o que fazem, não admira que se tenham tornado exímias executantes de Manipulação de MANADAS...

    Todos continuam a "acreditar" que ISTO não é possível! Mas o curioso é que EXISTE e está documentado! Mas "não é possível existir"

    Adoro MANADAS!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...