22 maio 2012

O futuro? Risonho...

Antigamente, para conhecer o estado de saúde da economia mundial, olhava-se para Washington. Hoje não, observa-se o que se passa em Pequim.

O problema é que a China é ainda um objecto "misterioso": aquele sistema capital-leninista é de difícil interpretação.

Por exemplo: no primeiro quadrimestre deste ano esperava-se que a China alcançasse um ponto particularmente baixo da própria economia, mas isso não aconteceu. Mesmo assim, se o País fosse "normal", os alarmes já teriam começado a tocar, fortes e claros.

Todos os principais indicadores da oferta monetária mostram sinais de crise. As transacções caíram para níveis nunca vistos desde a estagnação no final dos anos 90

Os dados M1 (o total da moeda circulante) de Abril são os mais baixos registados nos tempos modernos: uma contracção mais rápida daquela observada na crise de 2008-2009, mais rápida daquela actualmente em curso em Espanha.

A produção de electricidade em Abril caiu também, e muito. Excede a do ano passado de apenas 0,7 pontos percentuais.
Os investimentos do Estado nas ferrovias caíram 44%, com  uma tendência negativa que aumentou nos últimos meses. A construção de estradas diminuiu de 2,7%.
Alistair Thomton do IHS Global Insight:
Os dados mostram uma extrema fraqueza da economia chinesa.
Os estaleiros do Yangtze falam por si. A revista Caixin revista afirma que oito dos dez fabricantes nacionais deste ano não receberam uma única encomenda:
Uma vaga de falências na construção naval ainda não começou. Mas a tempestade está próxima.
As vendas dos imóveis caíram 25% no primeiro trimestre e os prédios em construção caíram, só em Abril, de 28,3%.

Este último não é um fenómeno secundário: o sector emprega directamente 10% da força de trabalho da China, mais um adicional 20% indirecto. As vendas de terrenos constituem 70% da receita fiscal das autarquias, 30% para o governo central.

Tudo planeado? Em parte sim: o premier Wen Jiabao quer usar a queda dos preços para reforçar a sua política de "bem-estar". Preços mais baixo = mais possibilidade de aquisição por parte das famílias economicamente menos fortes. No entanto, há algo mais, não é apenas planeamento.

O Banco da China informa que os novos empréstimos caíram desde 160 mil milhões de Dólares (em Março) para 108 mil milhões em Abril. E até o crédito paralelo, um fenómeno bem conhecido na China, caiu não pouco.
É o fenómeno contrário daquilo que se passa na Zona NEuro: na China os bancos oferecem empréstimos, as empresas recusam. Péssimo sinal: significa que os privados não têm capacidade para investir.

Mas não é apenas a China: a produção industrial da Índia caiu 3,5% em Março, com o País que parece encurralado numa estagflação estilo anos 70.No Brasil as vendas de carros caíram 15% e a produção industrial baixo em Março. O crédito mal parado alcançou 10,3%, mais do que após a falência da Lehman Brothers.

E se até os BRICS carregam no travão... 

A bolha estourou? É cedo para afirmar isso, mas há indícios pouco simpáticos.
A Europa continua a deslizar em direcção à auto-destruição estilo anos 30 anos, nos Estados Unidos o crescimento fica pouco acima da imobilidade. Os Países BRIC foram, até hoje, as únicas economias "vivas" nestes últimos tempos.

Haveria uma maneira para sair da crise? Ou de evitar um colapso global? Sim, haveria, mais do que uma.

Sem pensar em medidas radicais, haveria. Mas muitos dos economistas hoje estão ainda possuídos pelos demónios saídos da "escola austríaca".

Como Friedrich von Hayek:
O liberalismo é a única verdadeira filosofia política moderna, o único compatível com as ciências exactas. Converge com as mais recentes teorias da física, químicas e biológicas, especialmente com a ciência do caos formalizada por Ilya Prigogine. Tanto na Natureza quanto na economia de mercado a ordem vem do caos: milhões de decisões e de dados levam não à desordem, mas a uma ordem superior.
São estes os delírios que ainda hoje agitam os sonhos dos economistas e dos políticos.
Está tudo dito...


Ipse dixit.

Fontes: The Telegraph, Wikipedia (versão inglesa)

12 comentários:

  1. Anónimo22.5.12

    Acabei de ler um artigo sobre o futuro, mas não da economia, e sim das famílias.

    Diz o artigo em determinada parte:

    "...Nascimentos fora do matrimônio são a “nova normalidade” em boa parte do mundo onde 40% de todas as crianças nascem sem pais casados..."

    “...Crianças nos Estados Unidos que são criadas fora de um lar intacto e casado têm uma probabilidade de duas a três vezes maior de sofrer de problemas sociais e psicológicos, tais como delinquência, depressão e evasão do ensino secundário...”

    "...Phillip Longman, membro de elevada posição da Fundação Nova América, é um dos autores do relatório. Longman e Eberstadt contribuíram para o livro Population Decline and the Remaking of Great Power Politics (Declínio Populacional e a Reconstrução das Políticas das Grandes Potências), que mostra por que o declínio da fertilidade está provocando instabilidade nos assuntos mundiais..."

    "...No Japão, diz Eberstadt, crianças sem irmãos podem trazer como consequência a síndrome do “pequeno imperador” que agora virou praga na China. Tão escassos são os irmãos, tias e tios que “parentes de aluguel” são agora prontamente disponíveis para noivas e noivos que não têm uma família para encher suas cerimônias de casamento. O declínio demográfico do Japão contribui para seu elevado índice de suicídio, que perde só para o da Rússia. A Rússia tem, depois do Japão, a segunda população mais velha..."

    "...Os russos criticaram os relatórios do secretário-geral da ONU por sua “visão tendenciosa e unilateral” ao promover o declínio da fertilidade como “a única direção certa para a realização do desenvolvimento econômico e bem-estar social dos Estados..."


    O que isto significa?
    Significa que os desgraçados da elite e da ONU estão conseguindo o que queriam - a desestabilização e destruição da família. Claro que isso para a agrande massa, já que eles continuam com suas manias de casarem-se entre si, criando e gerando mais monopólios e poder. Enquanto isso, a população vai ficando mais solitária e problemática. Os índices são alarmantes.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo22.5.12

    Creio que seja do interesse de todos aqui, principalmente aqueles mais chegados a esquerda..quero dizer, ateísmo.


    Crimes do Ateísmo (Será Que o Cristianismo Matou Mais Que o Ateísmo?):

    http://www.youtube.com/watch?v=xcGlK5SPQOw&feature=player_embedded


    A lógica que venho observando a anos é a seguinte. Quanto mais esquerdista uma pessoa é, mais tende a ser ateísta. E quanto mais ateísta é (no sentido radical), mais marxista tende a ser. É simples, é só parar para pensar e refletir.

    Aposto que muitos aqui vão ficar se coçando e vão logo rebater meus argumentos e os do vídeo. Mas quer saber, é sempre assim mesmo esse pessoal ateísta metido a esquerdista.

    ResponderEliminar
  3. David22.5.12

    nao entendi muito esse video, desde quando hitle era ou foi ateu? kkkkkkk acho q julamento religioso para explicar o caos social nao eh muito correto.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22.5.12

    Mao tsé tang,Hitler,Stalin-dizem que Stalin,Fidel castro também-tiveram ensinamentos religiosos,mas abandonaram assumindo postura ateísta.Aliás, Hitler, até dizia:"tô fazendo serviço de deus". Mas suas causas não eram religiosas, e sim, racial (raça ariana). Ele inventou um Cristo ariano pra persuadir cristãos.Valeu-se de tudo pra alienar pessoas. Ele não era "cristão fervoroso", como muitos neo ateus afirmam.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo22.5.12

    Os chineses puseram-se a construir cidades que estão às moscas!

    ResponderEliminar
  6. Quer dizer então que na teoria econômica que adotamos, o normal é a auto-destruição para gerar o caos, para então melhorarmos e recomeçarmos este ciclo? Oras bolas, e não é que não enxergo nada mais humano? nada mais que nós mesmos, o ser humano é um tipo lindo mesmo...

    ResponderEliminar
  7. Graças aos deuses que existem pessoas iluminadas assim :D

    ResponderEliminar
  8. Anónimo22.5.12

    "teoria econômica que adotamos, o normal é a auto-destruição para gerar o caos, para então melhorarmos e recomeçarmos este ciclo?"

    Este princípio de caos para gerar mudança ou crescimento, ou recomeço é como a filosofia maçônica. Por isto que o símbolo maçom/illuminati da pirâmide com o olho está na nota de 1 dolar.

    ResponderEliminar
  9. maria22.5.12

    Olá Max: entre o discurso teórico e a prática da economia política no ocidente nos últimos 100 anos parece haver um fosso. Não observo nada caótico no desenvolvimento planejado exemplarmente do enriquecimento de uma parte ínfima da população em detrimento do empobrecimento e desaparecimento de outra parte substancial. Decididamente esta suposta ordem caótica não deixa espaço para o acaso. Ao que tudo indica, caótica fica a cabeça dos pobres figurantes, que tentam entender um jogo do qual só participam como massa falida. Abraços

    ResponderEliminar
  10. Anónimo22.5.12

    alguem de vcs já leram o livro "Holocausto judeu ou alemão?"

    ResponderEliminar
  11. Anónimo22.5.12

    jah leu*

    ResponderEliminar
  12. Anónimo23.5.12

    Para provar que não é coisa minha essa de mostrar que o cristianismo está sendo claramente difamado e destruído aos poucos, seja pela militância ateísta da internet, as mídias televisivas ou jornalísticas aí vai mais uma bomba:


    "Disney cancela seriado anticristão depois de protestos:

    Embora alguns cristãos tenham, pelo que tem sido alegado, gostado muito de “GCB”, o seriado da Disney ofendeu muita gente. Agora, a Disney o tirou do ar. GCB foi baseado na novela “Good Christian B*tches” (Adoráveis Putas Cristãs) de Kim Gatlin.

    Ted Baehr, fundador e publicador de Movieguide, disse que o fato de que ABC/Disney cancelou seu “preconceituoso” seriado GCB, que zombava e ridicularizava os cristãos, foi uma “vitória da fé e valores”.

    Movieguide fez parte de uma campanha nacional para convencer anunciantes a abandonar o seriado e apoiar programação que respeitasse mais a família. David Outten de Movieguide recentemente escreveu uma carta aberta ao presidente da Disney exortando-o a remover o seriado.

    Baehr disse que o GCB violou a próprio compromisso expresso da Empresa Walt Disney (em seu documento empresarial “Alvos de Cidadania 2012”) de “defender e inspirar nossa audiência principal de crianças e famílias” e ajudá-las a fazer “uma mudança permanente e positiva no mundo”.

    Max, isso é apenas UM EXEMPLO dentre tantos outros que estão surgindo, é um método de não violência, de não impor a força, mas sim de difamação, zombaria e destruição de valores morais e tradicionais históricos. Gostaria que todos entendessem isso, mesmo os que não são simpatizantes, pois o que está em jogo são os bons valores morais, é nítido isso. Devem achar que sou mais um fanático, mas a verdade é bem outra me considero agnóstico, porém estou cada vez mais do lado cristão, depois de ver tanta MERDA que estão fazendo hoje em dia com tais valores e com a sociedade.

    abraços.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...