09 junho 2012

Droga


Drogas
  • É lícito pensar na legalização das drogas como forma de combate contra o narcotráfico?
  • É lícito distinguir entre drogas "pesadas" e drogas "leves"?
  • Como combater a difusão ilegal da droga?
  • Se o Leitor tivesse um filho/a toxicodependente, qual seria a sua atitude? Quais as medidas práticas? 

28 comentários:

  1. Me falta conhecimento para elaborar uma resposta a todas as questões, mas sendo sincero, respondendo à última:
    Se o Leitor tivesse um filho/a drogado/a, qual seria a sua atitude? Quais as medidas práticas?

    Bem, ele/a teria que fazer seu próprio composto em casa. Afinal, ele teria a garantia de algo sem involvimento com atividades "ilícitas" (como, por exemplo, financiamento à facções), e teria a garantia de um produto de qualidade.

    Me recordo de Fringe, apesar de ficção, Walter não tem problemas com o LSD confeccionado por ele mesmo... Puro, você tem controle dos compostos nele, etc...

    Elimina toda a propaganda de elementos estranhos nas drogas por aí.

    ResponderEliminar
  2. rafael7.6.12

    nao falo por outras drogas, mas maconha é commoditie, tem um enorme potencial em tecidos, biodiesel, medicamentos, fibras e muito mais, sem contar q é ecologicamente correto.

    ResponderEliminar
  3. Marcelo7.6.12

    1 - Legalizar não é a solução, é redenção, desistência

    2 - É importantíssimo distinguir tais características, pois cada droga tem seu efeito colateral, só por isso é LÓGICO que deve haver a distinção.

    3 - Educação, instrução, valores

    4 - Reeducação, instrução, solidariedade

    ResponderEliminar
  4. Anónimo7.6.12

    O que leva alguém a beber? Ou a fumar? Ou a drogar-se? Ou a ter sexo arriscando a concepção de um filho? Ou...etc., etc.

    Sugestão psicológica. Estímulo artificial do desejo. Somos bombardeados dia e noite com imagens que sugestionam práticas desregradas, e que nos querem levar a imitá-las, convencendo-nos de que são a normalidade. E quando toda a gente cai na esparrela e realmente imita...então passa a constituir a nova "normalidade", como se sempre tivesse sido assim.

    Somos levados a imitar aquilo em que nos querem tornar. Querem moldar o nosso sistema de valores consoante a direcção em que nos pretendem levar e controlar, e consoante o dinheiro que ganham.

    Eu acho que o verdadeiro remédio está na prevenção...transmitir valores logo desde miúdo/a ao/à filha, e ensiná-lo/a a não cair no seguidismo...o mesmo vale para todos os outros itens.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo7.6.12

    Marcelo, não confunda "redenção" com "rendição"...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo7.6.12

    Daqui a bocado vêm os gajos todos do PS e do BE, de pau de marmeleiro na mão, a querer dar um atesto de porrada a toda a gente, com aquilo que estamos aqui a discutir....eheheheheh.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo7.6.12

    Talvez fosse mais simpático usar a expressão "toxicodependente" em vez de "drogado", Max...

    ResponderEliminar
  8. Anónimo7.6.12

    Os argumentos pela liberação, ou pela descriminação, obedecem à lógica que descrevo a seguir. Se o consumo e o comércio forem liberados, a maconha, a cocaína, a heroína e os produtos afins serão disponibilizados aos seus infelizes consumidores, inviabilizando a atividade do traficante, cujos lucros fabulosos alimentam o crime organizado e a corrupção. Tal providência, dizem, determinaria um efeito em cascata benéfico para o conjunto da segurança pública. Alegam mais, os defensores dessa tese.

    Sustentam que a repressão agride o livre arbítrio, que os indivíduos deveriam ter a liberdade de consumir o que bem entendessem, pagando por isso, e que os valores correspondentes a tal consumo, a exemplo de quaisquer outros, deveriam ser tributados para gerar recursos ao setor público e não ao mundo do crime. Há quem se deixe convencer por esses argumentos.

    No entanto, quando se pensa em levar a teoria à prática, surgem questões que não podem deixar de ser consideradas. Quem vai vender a droga? As farmácias? As mesmas que exigem receita para um antibiótico passarão a vender cocaína sem receita? Haverá receita? Haverá postos de saúde para esse fim? Os usuários terão atendimento médico público e serão cadastrados para recebimento de suas autorizações de compra? O Brasil passará a produzir drogas? Haverá uma cadeia produtiva da cocaína? Uma Câmara Setorial do Pó e da Pedra? Ou haverá importação? De quem? De algum cartel colombiano? O consumidor cadastrado e autorizado será obrigado a buscar atendimento especializado para vencer sua dependência? E os que não o desejarem, ou que ocultam essa dependência, vão buscar suprimento onde? Tais clientes não restabelecerão a demanda que vai gerar o tráfico? A liberação não vai aumentar o consumo? Onde o dependente de poucos recursos vai arrumar dinheiro para sustentar seu vício? No crime organizado ou no desorganizado?

    A Holanda, a Dinamarca e a cidade de Zurich, na Suíça, adotaram políticas liberais em relação ao consumo e à descriminação do tráfico. Decorridos vários anos dessas experiências, estão regredindo em suas posições porque a experiência mostrou que o consumo aumentou e que regiões inteiras de seus centros urbanos se converteram em áreas de convergência de fornecedores e consumidores, e polos de um indesejável turismo da droga e da prostituição.

    Por outro lado, o uso da droga, todos sabem, não afeta apenas o usuário. O dependente químico danifica sua família inteira e afeta todo o seu círculo de relações. Ao seu redor muitos adoecem dos mais variados males físicos e psicológicos. A droga é socialmente destrutiva e o Estado não pode assumir atitude passiva em relação a algo com tais características sem grave renúncia a suas responsabilidades morais.

    ResponderEliminar
  9. Marcelo7.6.12

    PARA TODOS LEREM:

    Sete mitos e mentiras sobre a legalização das drogas

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/governo-do-pt/12174-sete-mitos-e-mentiras-sobre-a-legalizacao-das-drogas.html

    ResponderEliminar
  10. Anónimo7.6.12

    Legalizar as Drogas certamente não é uma solução. Podemos comparar isto então a pirataria de DVDs de jogos eletrônicos e filmes, que hoje é enorme, apesar destes produtos serem legais e estarem disponíveis para venda em muitos lugares.

    ResponderEliminar
  11. Marcelo7.6.12

    Revelou-se que George Soros, o bilionário que opera fundos de alto risco e que também é um famoso ateu, tem despejado centenas de milhares de dólares em grupos católicos "progressistas" que são personagens importantes nos debates nacionais acerca do sistema de saúde e de imigração.

    Na superfície, poderia parecer que Soros se opõe a muitas das posições da Igreja Católica. Sendo um dos grandes financiadores da ACLU, Soros apóia causas tais como legalização das drogas, direitos dos "profissionais do sexo" e dos criminosos, eutanásia, feminismo radical, direito ao aborto e direito dos homossexuais. Ele faz tudo isso em nome da promoção de uma "sociedade aberta".

    Mas através de um exame dos arquivos do seu Open Society Institute (Instituto Sociedade Aberta) descobre-se que um grupo que se autodenomina Catholic in Alliance for the Common Good (Católicos em Aliança pelo Bem Comum), CACG recebeu mais de 200 mil dólares de Soros nos últimos anos. Então, vejamos que grupos católicos também são financiados pelo ateu George Soros, mais uma prova da influência da esquerda na cultura e religião, além da política.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo7.6.12

    borto, ateísmo, pornografia, casamento gay, eutanásia e suicídio com assistência médica - estes são os temas centrais da agenda progressista do Sr. Soros.


    A praga das drogas ameaça o próprio tecido de nossa sociedade, destruindo a vida (e o cérebro) de milhões de americanos. Ela também fomenta o abuso de crianças, a violência doméstica, a criminalidade, os nascimentos ilegítimos, a AIDS e o colapso social. É um flagelo público cujo uso não deveria ser encorajado ou sancionado legalmente, mas erradicado.

    O fato de que a legalização resultaria em mais mortes causadas por drogas e em taxas maiores de dependência, especialmente entre crianças e adolescentes, não significa nada para o Sr. Soros. Ele defende a cultura da morte. Aborto, ateísmo, pornografia, casamento gay, eutanásia e suicídio com assistência médica - estes são os temas centrais da agenda progressista do Sr. Soros.

    As elites da mídia dão pouca atenção ao Sr. Soros e suas atividades políticas nefastas porque eles compartilham de sua filosofia política. Logo, eles se recusam a lançar luzes sobre seu comportamento secreto, voraz e imoral. Eles são cúmplices no acobertamento de suas transações econômicas destruidoras, manipuladoras e sombrias, bem como de suas opiniões marxistas radicais.

    O Sr. Soros é o paizão do Partido Democrata e da esquerda moderna. Sua fortuna é estimada em mais de 7 bilhões de dólares. Ele é um dos homens mais ricos e influentes do mundo.

    O Sr. Soros é um imperialista esquerdista que busca erguer um governo de um mundo único. Ele é um anti-capitalista furioso. Ele defende impostos altos, gastos públicos abundantes, estatismo a la welfare, maciça distribuição de renda aos pobres e um sistema regulatório das finanças internacionais rigidamente controlado. Ele despreza o nacionalismo e a herança judaico-cristã do Ocidente. Sua meta é dar início a uma nova ordem global - baseada no materialismo científico e na engenharia social progressista. Ele defende anistia para os imigrantes ilegais e a supressão de nossas fronteiras com o México e o Canadá. Em sua opinião, a religião, os estados-nacionais e a familia são instituições repressoras que devem ser abolidas. Ele é inimigo da América e da democracia. Ele é um estudante perspicaz de história. Como Leon Trotsky, um dos líderes de Revolução Bolchevique de 1917, o Sr. Soros acredita no fomento permanente da crise a serviço da revolução permanente. Uma crise econômica prolongada dizimará a classe média - e trará com ela a aceitação de uma intervenção sem precedentes do governo. É isto que por vários anos ele esperou que acontecesse.

    Em última análise, é um megalomaníaco amoral alienado da realidade. Ele se refere a si mesmo como "o patrão do papa." Ele já admitiu ter impulsos messiânicos. "Em minhas fantasias, já me vi como uma espécie de deus," disse ele uma vez. Em seguida, ressaltou que "para dizer a verdade, eu levei comigo algumas fantasias messiânicas muito poderosas desde a infância, que eu senti que devia controlar, senão elas poderiam me causar problemas." Entretanto, o Sr. Soros afirma ter aprendido a lidar com elas - assumindo seu destino histórico mundial. "É um tipo de doença quando alguém se considera uma espécie de deus, o criador de tudo, mas eu me sinto confortável com ela, desde que comecei a vivenciá-la."

    O fato de que o Sr. Soros é a força por trás do regime Obama revela a falência moral e intelectual deste último - e as profundezas a que desceu o esquerdismo. Ao invés de ser um herói ou benfeitor, ele deveria ser motivo de constrangimento para os esquerdistas de qualquer lugar. Além do mais, ele representa um perigo real e presente à república e seus valores fundadores.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo8.6.12

    Vejam bem o que Amsterdão (a cidade do famoso distrito da luz vermelha) é hoje...eu não gostava de morar numa cidade moralmente decadente assim...

    ResponderEliminar
  14. "Vejam bem o que Amsterdão (a cidade do famoso distrito da luz vermelha) é hoje...eu não gostava de morar numa cidade moralmente decadente assim."

    Não gostavas de morar, então não mores! Alguém te está a obrigar a ires para Amesterdão? que eu não gostava era de morar na cabeça dum fanático evangélico, porque deve ser tudo escuro e fedorento como uma fossa.

    Não gostas de droga, alcool, tabaco ou sexo? Tens bom remédio: Não consumas, não pratiques, não faças. Agora, querer censurar ou proibir os outros? Mas quem é que tu julgas que és para querer impôr aos outros as tuas taras e opções? Afinal, és um sósia do George Soros que tanto criticas. E em vez de vir para aqui meter nojo, não seria melhor ires comentar para o blogue do Tea Party? É só uma sugestão.

    ResponderEliminar
  15. Anónimo8.6.12

    ...???...

    Que eu saiba, o Soros não quer proibir decadência dessa...antes pelo contrário, tudo o que dá poder a gente como ele não favorece outra coisa...

    E olhe que acusar de fanatismo já não pega...

    ResponderEliminar
  16. Anónimo8.6.12

    "Taras?"

    Que eu saiba, criticar o distrito vermelho é criticar as taras que lá vão!

    ResponderEliminar
  17. Anónimo8.6.12

    O Tea Party é só outra fachada, não se fie nisso...

    ResponderEliminar
  18. Anónimo8.6.12

    Meter nojo?

    Os comentários anteriores ao seu baseavam-se em informação existente. Os seus, a dado ponto, começaram a meter insultos! quem está realmente a meter nojo?

    Já da outra, vez, por causa do CO2 e do aquecimento global, veja bem o estrilho que você armou!... Não consegue comentar de outro modo?

    ResponderEliminar
  19. rafael8.6.12

    ler mídia sem mascaras é atestado de reacionário, sem mais...

    ResponderEliminar
  20. Marcelo8.6.12

    Rafael e JMS

    MENOS CRÍTICAS, MAIS ARGUMENTOS OU FATOS.

    Não somos fanáticos ou nada do tipo, estamos apresentando fatos e informações verdadeiras. Vocês pensam como o topo da pirâmide quer que pensem.

    ResponderEliminar
  21. Marcelo
    Estás a confundir factos com afirmações. Nem tu nem o anónimo apresentam factos nenhuns, mas apenas afirmações fantasiosas e desinformadas, como a de dizer que o capitalista e multimilionário Soros é esquerdista só porque apoia organizações de esquerda. Se ele financia organizações de esquerda é precisamente para as silenciar e para adquirir uma imagem de "liberal". E consegue. Os financiamentos dos capitalistas a organizações ambientalistas ou progressistas como a ZNet e outras não são segredo nenhum para mim. E por isso é que eu dou pouca credibilidade a essa pseudo-esquerda que apenas quer mudar alguma coisa para que tudo fique na mesma. A minha esquerda não é essa. Tu simplesmente confundes causas com efeitos e tens a cabeça colonizada por delírios conspiratórios e fantasias conservadoras. Tal como muitos "alternativos", vives num western a preto e branco, com a elite secreta e super-poderosa dum lado, e do outro a humanidade inocente. Se as coisas fossem assim tão simples, bastava matar o Rockfeller, o Soros e mais meia dúzia, e o mundo converter-se-ia no jardim do Éden e os homens dariam todos as mãos e fariam uma dança de roda. Isso é uma visão infantil, de Walt Disney ou de testemunha de Jeová. A realidade é muito mais complexa do que tu ou o teu guru Olavo julgam. E se queres perceber essa complexidade tens de estudar, não te podes ficar pelas teorias delirantes de certos paranóicos. Estudar economia, biologia, geologia, sociologia ou filosofia e usar esses conhecimentos para filtrar a informação. Mas se preferes acreditar cegamente em todas as teorias não-científicas defendidas por certos blogues pseudo-alternativos, por muito estás à vontade.

    ResponderEliminar
  22. Marcelo8.6.12

    JMS

    Você apenas enxerga o que quer. Não quer entender o que não compreende.
    Quanto menos você entende, menos entende que não entende nada. O movimento da esquerda abraça todas e qualquer causa que lhe convém ou que possa ajudar em sua agenda. Sempre em nome de um hipotético futuro que nunca chega. É sempre futuro.


    Temos filosofias e pensamentos contrários. Deixo as seguintes citações, para encerrar.

    "É inútil querer discutir e tirar de alguém as suas ideias; as pessoas não querem deixar-se convencer; o melhor é deixá-las"

    "Não tente debater ou discutir com alguém que não admite a verdade."

    ResponderEliminar
  23. rafael8.6.12

    Marcelo
    Se resolverem debater o assunto do tópico volto a comentar, critiquei a sua referência simplesmente pq ela nao pode ser levada a sério, portal de fascistas reacionários...

    ResponderEliminar
  24. As respostas às perguntas, prefaciando que sou contra a utilização generalizada de qualquer tipo de droga, fora de estritos contextos culturais tribais, porque uma coisa é certa; se ao princípio tu gostas das drogas, depois passam elas a gostar de ti.

    1ª pergunta:
    Como forma de combater o narcotráfico é lícito… Se é legal, não há tráfico, no máximo poderá haver contrabando.

    2ª pergunta:
    Tanto quanto o é distinguir entre um copo de cerveja e um de absinto.

    3ª pergunta:
    Legalizando.

    4ª pergunta:
    Não tenho filhos, nunca os quis ter, nem os quero ter.

    Permito-me pegar na segunda parte da 4ª pergunta e generalizá-la, assim a modos como que a explanar o que acho que seriam algumas medidas práticas que poderiam prevenir o uso das drogas ditas duras:

    Educação, instrução e conhecimento parece-me ser a chave. Uma disciplina escolar semanal a partir dos 8 anos de idade de “educação narcótica” seria recomendável. Entre outros temas que um programa bem elaborado pudesse conter, pagar a um heroinómano em estado avançado e levá-lo, em plena função, à presença dos miúdos, mostrando realmente (e não com filmes) a degradação física e mental que se alcança com o consumo, era uma terapia que poderia ter resultados irrepreensíveis.

    Já no caso da cocaína e outra drogas duras a coisa é mais complicada, uma vez que a degradação física não é tão visível e a degradação moral é socialmente muito perigosa e encoberta, e muita gente conhecida e até poderosa a consome (a cocaína) … Em última instância, se o ressacado de heroína é perfeitamente capaz de te matar para te roubar, já o ressacado de cocaína é capaz de o fazer só porque lhe passaste à frente na fila do abastecimento de gasolina.

    Neste caso o programa da matéria escolar teria de ser muito bem pensado e com recorrência a meios áudio visuais especialmente preparados para o efeito (por exemplo, câmaras estrategicamente colocadas ou filmagens com câmaras escondidas, com imunidade legislada relativamente a qualquer subsequente investigação policial, claro está) complementados com explanações de ex-consumidores.

    Agora uma coisa é certa, filho ou filha de pais consumidores não tem muitas hipóteses de se safar sem uma enorme ajuda… E mesmo assim é difícil… Para estes seria necessário outro tipo de intervenção, muito especializada… Mas mesmo que se safem de drogas ou álcool serão sempre pessoas muito sujeitas a problemas psicossomáticos.

    O ideal seria mesmo que os consumidores não pudessem procriar… Mas como a sociedade ocidental economicista é, muito religiosamente, “pela vida”, nem que ela seja miserávelmente degradante a medida iria sempre ter conotações arianistas.

    ResponderEliminar
  25. Anónimo8.6.12

    Se se matasse a elite, o problema não acabava aí...porque a falta de princípios com que brindaram o resto da civilização continuava a deitar tudo a perder. É por isso que é preciso tê-los. Não é seguir os que nos impingem.

    E se o pessoal daqui é "alternativo num western a preto e branco", deixe estar que não é a si, JMS, que vamos atribuir côr. Aliás, julgava que você, como todos os que por cá andam, andavam por este blog para conseguir um bocadinho mais de côr...

    ResponderEliminar
  26. Anónimo8.6.12

    "Nem tu nem o anónimo apresentam factos nenhuns"

    E você, apresenta?

    "dizer que o capitalista e multimilionário Soros é esquerdista só porque apoia organizações de esquerda."

    Isto não tem a ver com ser de esquerda nem de direita, tem a ver com moldar a sociedade a bel-prazer de quem pode!

    ResponderEliminar
  27. Penso que deveriam ser liberalizadas todas as trocas "naturais" pois não consigo entender como se pode proibir algo que cresce na natureza. Não acho que seja racional falar nos problemas causados pelas drogas (especialmente as leves) quando existe outras drogas legais que causam maiores problemas de saúde. Tomando um exemplo de Bill Hicks sobre uma noticia de um jovem que se atirou de um prédio quando estava com uma trip de ácidos por pensar que podia voar. Se pensava que podia voar porque não tentou levantar voo do chão antes?
    Não é tão (ou mais grave) que andem bêbados a matar inocentes nas estradas, apesar de toda a propaganda e leis anti-alcoólicas?
    Se beber de vez em quando não faz ninguém alcoólico, de certeza que não é de certeza que uma ganza que faz uma pessoa um toxicodependente.

    ResponderEliminar
  28. Anónimo9.6.12

    para mim o foco desta discussao nao seria DROGAS ou ALCOOL, mas sim ALTERAÇAO DE CONSCIÊNCIA. na minha opinião a pergunta mais justa seria: VC É A FAVOR DA ALTERAÇAO DE CONSCIÊNCIA?

    Eu sou. gosto muito do efeito da cannabis, eh possivel ouvir por ai que um chapado nunca poderia envolver-se numa briga, ja que estaria tao zen...
    (Lembrando que me refiro ao efeito da cannabis, e nao da cannabis + alcool, ou cannabis + alcool + cocaina, + crack etc)

    O LSD tem efeitos visuais que julgo unicos. alem de nao ser tão destrutivo e viciante como parece aos leigos. o grande mal do "papel" esta na anfetamina, o que torna a droga acessivel ao mercado da musica eletronica.

    A ayahuasca eh simplesmente sensacional. isso que nao eh considerado droga.

    Enfim, peyote, salvia, cogumelos, folha de coca, ALCOOL, etc... penso que drogas como estas sao leves, com moderacao podem ser apreciadas e devem ser descriminalizadas.

    Agora, opiaceos, cocaina, crack, oxi, remedios "tarja preta", anfetaminas, antidepres, drogas injetaveis, aquela porcaria da russia, todos esses alteradores de consciencia sao perigosos e devem ser regulados e/ou proibidos pelo estado.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...