18 junho 2012

Grécia: até o fundo do abismo, democraticamente

Assim acabaram as eleições na Grécia.
Estes os resultados, quando já foi analisados 80% dos votos:
  1. Nea Dimokratia (Direita conservadora) 29.7%
  2. Syriza (coligação de Esquerda radical) 26.9%
  3. Pasok (socialistas) 12.3%
  4. Grécia Independente 7.45%
  5. Chrisi Afghí (Amanhecer Dourado, neo-nazi) 6.95%
  6. Dimar (Esquerda Democrática) 6.1%
  7. KKE (partido comunista) 4.46%
A abstenção ficou na casa de 40%.

As percentagens podem ainda variar mas não de muito.
Isso significa que os principais partidos pró-Euro, Nea Dimokratia e PASOK, conseguem 163 assentos, a maioria parlamentar.
Antonis Samaras, líder de ND: .
Hoje, os Gregos optaram por manter os laços com a Europa. Esta é uma vitória para toda a Europa.
No entanto, ND precisa dos socialistas do Pasok para a maioria, mesmo após do partido socialista ter sido pesadamente punido pelos eleitores. Evangelos Venizelos, o líder do Pasok, já anunciou o próprio apoio para um governo de coalizão com a Nova Democracia, e até foi mais longe, propondo um governo de "responsabilidade compartilhada" apoiado por quatro partidos: PASOK, a Nova Democracia, Syriza e a Dimar, a esquerda democrática.

Mas Syriza já fez saber que ficará na oposição.

O que muda? Nada. Os partidos que ganharam apoiam as medidas da troika FMI-BCE, incluídas as de austeridade. A tragédia grega pode continuar sem outras perturbações, decomposição do País incluída: a partir de agora até com o carimbo democrático.
Satisfeitos eles...


Ipse dixit.

Fontes: La Repubblica

8 comentários:

  1. Seria o efeito alucinógeno proveniente da Euro 2012?
    Sem comentários.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo18.6.12

    Que importa isso se a Grécia passou para os quartos de final do Euro.

    A 'crise' continua a seguir o seu curso normal. Aliás nem era de esperar outra coisa. Os cidadãos são avessos a mudanças.

    Krowler

    ResponderEliminar
  3. Pensava que eram só os Portugueses que eram mansos, afinal os Gregos apesar de andarem á pedrada com caixotes do lixo na rua, chegada a hora da verdade fica tudo igual...

    Na Itália irá ser o mesmo, a Espanha já está a levar a anestesia em pequenas dosagens .

    ResponderEliminar
  4. ...blablabla...blablabla...espera... abstenção 40%?! Isto quer dizer que 40% (QUARENTA POR CENTO) da população grega não encontrou representantes dignos do seu voto nas opções do boletim ou simplesmente já não têm esperança e estão-se a cagar. E o mais engraçado disto é que uma percentagem tão significativa nem sequer entra na equação e o mesmo acontece em Portugal.

    Gostava de saber a opinião do Max e dos leitores sobre a ideia de criar um partido da abstenção, seria uma forma de dar visibilidade pratica a estas percentagens e ganhar cadeiras na assembleia, facilitando assim a entrada do cidadão comum nos debates e votações na assembleia. Penso que seria um passo na direcção da democracia directa. Óbvio que essas cadeiras da assembleia correm sempre o risco serem compradas pelo poder económico mas é uma das arestas a serem limadas. O que acham?

    ResponderEliminar
  5. Pois, a Grécia passou aos quartos de final do Euro 2012: juntamos a vitória dos partidos pró-Euro e pronto, os problemas já foram.

    Pessoalmente esperava um pouco mais destas eleições. Mas é verdade que houve uma maciça participação de Bruxelas durante a campanha eleitoral: e para mudar de rumo pode ser precisa coragem.

    Portugal já foi, a Grécia já é, Italia e Espanha serão. É preciso mais para mexer os cidadãos: até quando houver comida e uma televisão ligada as esperanças são poucas...

    O partido do Amanhecer Dourado, mesmo após os murros na televisão, conseguiu 6.95% dos votos. Gostaria ver as pessoas que votaram neste gajos, só como curiosidade.

    Abraçoooooo!

    ResponderEliminar
  6. Olá RJRM!

    Bem visto: 40% é muito. Raciocinando com número absolutos, é como se 5 milhões de Gregos não tivessem encontrado uma representação política. Na verdade não é mesmo assim, pois nem todos os 11 milhões de Gregos votam, mas é só para ter uma ideia das proporções.

    Pode chamar-se "democracia" um regime onde o governo é formado por pessoas que nem representam metade da população? A resposta é sim, pois é assim que a democracia funciona: não é possível obrigar as pessoas a votar e quem escolhe não participar nas eleições deixa que as decisões sejam tomadas pelos outros.

    Isso permite que este 40% de abstenção seja tranquilamente ignorado pelos órgãos de informação.

    "Gostava de saber a opinião do Max e dos leitores sobre a ideia de criar um partido da abstenção".
    Lololol, seria um partido com votos "zero", todos os simpatizantes não iriam votar :)

    Agora, à sério: é assim que funcionam os partidos de "protesto", recolhem os votos das pessoas descontentes. O problema é que estas pessoas são na realidade um conjunto bem pouco homogéneo: há os descontentes de Esquerda e os descontentes de Direita, os que acham o Estado pouco comunista e os que acham faltar um pouco de fascismo.

    Na verdade há mais do que isso: a maioria dos que não votam não são extremistas e simplesmente não encontram um partido decente (e não é fácil, de facto). O problema nasce na altura em que o partido deixa de ser "protesto" para ser "proposta": aí as diferencias ideológicas voltam à tona e o partido começa a perder votos.

    Todavia, na actual situação, a ideia dum partido de protesto pode fazer sentido, desde que recuse uma rotulagem ideológica e estabeleça como programa soluções válidas para todos os cidadãos. Como a democracia directa, por exemplo.

    E quem sabe? Pode ser que alguém já esteja a pensar nisso.

    Abraço!!!!!!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo19.6.12

    Olá!

    Dá para pedir um artigo sobre a saída do euro? Gostava de saber se haverá mesmo essa possibilidade e se é algo bom ou mau. E se a Grécia sair do euro, iremos atrás?

    Cumpts!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo19.6.12

    ...E já agora, na continuação do pedido anterior, também gostava de conseguir pereber se as agencias de rating influenciam os governos e suas acções ou se os governos utilizam as agencias de rating como desculpa para suas acçoes.
    Para um leigo como eu é muito estranho o conceito de agência de rating... Quer dizer um país até pode ser riquissimo a nivel de recursos e a economia até pode nao estar assim tao mal, mas mesmo assim podem ser mal classificado, né?

    Vou dar também uma espreitadela nas etiquetas relacionadas com este assunto!

    Cumpts!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...