20 junho 2012

O Procurador

"Procurem! Procurem!" diz sempre o simpático Max. Que sou eu.
Mas procurar como? E onde? E porquê? E quando?
Epá quantas perguntas, vamos calma.

Procurar na internet é simples e complicado ao mesmo tempo.
Simples porque não faltam motores de busca, complicado porque no meio dum mar de resultados muitas vezes não é fácil encontrar o que interessa.
Então eis algumas dicas para o Bom Procurador.

As dicas do Bom Procurador

O motor de pesquisa

Que fique claro: Procurador em Português não é utilizado para indicar a pessoa que procura. Mas eu gosto de termo, por isso fica assim. Então: o que faz o Bom Procurador? Procura, óbvio.
Como procura? Com um motor de pesquisa (ou busca, mesma coisa).
Qual? Primeira resposta que passa pela cabeça: Google.
Resposta errada.

Não que Google seja um mau motor de pesquisa: só que Google utiliza alguns parâmetros para filtrar os resultados e não é dito que tais parâmetros sejam os nosso também. Em muitos casos não são, por isso aconselho utilizar outro motor.

O meu favorito é Ixquick. Porquê? Por duas razões:
porque é um metamotor
porque é mais "privado"

Os metamotores efectuam uma pesquisa na internet que desfruta dos resultados de vários mecanismos simples de pesquisa, simultaneamente. Do ponto de vista do utilizador nada muda, pois um metamotor é utilizado exactamente como um motor de pesquisa qualquer. Só que uma vez introduzido o termo de pesquisa, o metamotor não consulta o próprio database mas liga-se aos vários Google, Yahoo e outros para procurar os resultados.
Mais eficiente e, sobretudo, resultados diversificados.

E depois há a questão da privacidade, talvez ainda mais importante.
Há vários metamotores, mas Ixquick tem uma particularidade: é um dos poucos /talvez o único, mas não tenho a certeza) que não guarda os endereços de quem efectua as pesquisas (ah, pois, meus amigos: cada vez que você efectuar uma pesquisa, Google guarda tudo: o vosso IP, que é o endereço do computador, os resultados, as páginas consultadas...).

Fora dos metamotores, há também um motor de pesquisa simples que tutela a privacidade: é DuckDuckGo.

Dork!

Muito bem: temos o computador ligado, o nosso metamotor...só que por cada pesquisa são devolvidos centenas, até milhares de resultados. Como encontrar alguma coisa de jeito?
Resposta: modificando a pergunta.

Se pego num motor de pesquisa qualquer (um Google, por exemplo) e digito a palavra "casa", consigo cerca de 2.200.000.000 de resultados: ou temos alguns meses para visitar todas as ligações ou, caso contrário, é melhor refinar a pesquisa.

Neste caos, a melhor coisa é modificar a pergunta inserindo um dork.
Um quê???
Um dork. Que depois é um comando.

Um dork simples é por exemplo este: AND.
Se quero procurar todas as casa em Lisboa e Rio de Janeiro, vou escrever: casa Lisboa AND Rio de Janeiro.
O que dá sempre mais de 6 milhões de resultados...

Outros dork bastante conhecidos são:
OR (para procurar uma casa ou outra)
- (menos) com o qual Google irá procurar tudo menos a palavra depois do signo (então porquê escreve-la? Bah...)
+ (mais) desta forma Google não inclui na pesquisa artigos e conjunções
* (asterisco) para incluir na pesquisa todas as palavras derivadas do termo "casa"
"" (aspas) para procurar uma inteira frase exacta)

Depois há uns dorks um pouco menos utilizados mas que podem facilitar a vida na altura de efectuar uma pesquisa na internet. São os seguintes:
  • intitle: serve para procurar páginas que tenham no título uma determinada palavra. Por exemplo: intitle:casa mostrará todas as páginas nos quais títulos aparece a palavra "casa".
  • allintitle: os resultados serão páginas os quais títulos contêm todas as palavras após os dois pontos. Exemplo: allintitle:casa de Lisboa
  • inurl: os resultados serão páginas nos quais endereços aparecerá o termo após os dois pontos. Exemplo: inurl:Informação Incorrecta (assim acabei de descobrir que um meu artigo foi publicado na Gazeta de Coimbra).
  • allinurl: mesmo conceito, só que desta vez no endereço das páginas aparecerão todos os termso após os dois pontos. Exemplo: allinurl:fantástico blog Informação Incorrecta (esquisito, nem um resultado).
  • filetype: com este comando os resultados serão ficheiros dum determinado tipo. Por exemplo: Coldpaly filetype:mp3. fornece uma lista de músicas mp3 dos Coldplay (mas não é esta a melhor maneira para encontrar músicas).
  • link: limita a pesquisa aos site que contêm a ligação especificada após os dois pontos. Por exemplo: link:informacaoincorrecta.blogspot.pt (dois milhões e 480 mil resultados, um triunfo!!!)
  • related: o endereço das páginas encontradas estarão relacionados com quanto escrito após os dois pontos. Exemplo: related:Informação Incorrecta dá como resultado também ortografia incorrecta (apropriado, sem dúvida).
  • cache: com este comando os resultados são procurados no centro de dados de Google, nas páginas guardadas após um tempo
  • info: neste caso os resultados serão informações (quando disponíveis) acerca do endereço escrito após os dois pontos. Exemplo: info:informacaoincorrecta.blogspot.pt (nenhum resultado)
Nota: após os dois pontos não deixar espaço.
Há também dork para procurar password e para testar a protecção duma página web. Mas não são estes os truques dos verdadeiros hackers.

A Deep Web "boa"

Muito bem: temos o computador ligado, o nosso metamotor, até uma lista de dorks...e mesmo assim não conseguimos encontrar nada de jeito. Porquê? Talvez porque o motor de pesquisa, seja "meta" seja "normal", não pode encontrar nada.

Há algo que os tais motores não conseguem listar e este algo são os database. Aborrecido, não é? Afinal os database servem para facilitar as pesquisas...

Mas há maneira de resolver o assunto: é preciso utilizar um motor de pesquisa especializado em Deep Web. Não a Deep Web "má" mas a Deep Web "boa". Que é um lugar enorme e onde os motores de pesquisa não entram.
Infelizmente a maioria dos resultados são em língua inglesa e é uma pena, pois falamos de imensos database com um oceano de dados. Mas com um pouco de paciência é possível encontrar algo de jeito em Português também.

Os melhores motores de pesquisa são:
Complete Planet (um dos melhores em absoluto)
Infomine
Infoplease (ideal para procurar enciclopédias, almanaques, atlas, e biografias)
Scirus (especializado em assuntos científicos)

Há outros também, mas já estes representam a porta de acesso a uma miríade de informações.

O navegador que calcula

Então: computador ligado, metamotores, lista de dork, endereços da Deep Web...ehi, não funciona o navegador!
Tá bom, mas eu que posso fazer? Tinha dito de utilizar Opera...
Mesmo assim, se o Leitor tiver Windows XP (mas Linux seria melhor), pode experimentar o seguinte:
  • abra a calculadora (Início>Todos os Programas>Acessórios>Calculadora)
  • clicar no "Ajuda" (ou "?" em algumas versões)
  • seleccionar "Ajuda online" (ou "Tópicos de ajuda")
  • agora clicar com o botão direito do rato na parte alta da janela, aquela que costuma ser azul, e seleccionar "Salta para o URL"
  • por fim, inserir o endereço http://informacaoincorrecta.blogspot.com.
E pronto, eis o vosso novo navegador. É só lembrar que por cada endereço será preciso acrescentar "http://". Nem funciona tão mal...

Agora o Leitor tem mesmo tudo para efectuar as melhores pesquisas.
Posso até fechar o blog.


Ipse dixit.

4 comentários:

  1. Anónimo20.6.12

    Colega, podes verificar os artigos: 09, 10, 27 (linhas 2-3 e 4) e 30 do ESM (o Mecanismo de Estabilidade Financeira Europeia temporária e mecanismo europeu de estabilização financeira)?

    abraços

    ResponderEliminar
  2. Olá Anónimo!

    Si, verifiquei. Não encontrei nada de estranho...ou seja: na óptica mafiosa do ESM parece tudo regular.

    Só alguns pormenores: o Conselho de Auditoria, por exemplo, é composto por cinco membros, nomeados pelo Conselho de
    Governadores: dois membros das "mais altas instituições de fiscalização" (imagino...), um do Tribunal de Contas Europeu e outro dois que, evidentemente, devem pertencer ao mesmo Conselho. Mas esta é uma suposição minha, pois no documento não está especificado donde saem estes últimos dois.

    O artigo 27 fala dum relatório anual e um resumo da situação financeira trimestral, mas não encontrei nada disso. Seria interessante espreitar, se calhar não procurei bem.

    No artigo 9 um dado interessante: os Países têm 7 dias para entregar o dinheiro ao fundo. Sete dias são poucos, não estamos a falar de algumas centenas de Euros...Além disso, o pedido pode ser entregue aos Países após constatado um potencial deficit no Fundo. "Potencial"?

    Todo o artigo 9º, juntamente com o 10º, define o Concelho de Administração como um gestor a 360º, livre de qualquer intromissão externa. Livre ao ponto de poder aumentar o capital do fundo (de 5 em 5 anos) se assim achar for necessário: neste aspecto, os membros do Fundo podem apenas concordar.

    Preocupante.

    Abraço!!!!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo20.6.12

    Obrigado pelas dicas!
    Serão de muita utilidade para todos.

    abraço!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo20.6.12

    Max,
    aí vai uma coisa a pesquisar e analisar:

    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/10/cada-pessoa-nova-e-um-fardo-para-o-planeta-diz-movimento-da-extincao.html

    Que gente doente e sociopata esses caras.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...