03 julho 2012

Culpa nossa...e não só.

Nos Países ocidentais mais desenvolvidos este é o período do mea culpa.

Tudo o que foi feito e que ainda é feito representa uma culpa: olhar para o passado significa atormentar-se com remorsos, parece impossível encontrar uma civilização pior do que a nossa. E os povos que sofreram as nossas torturas confirmam: o nossa civilização foi (e ainda é) uma autêntica vergonha.

Há razões que explicam esta visão, mas não vamos falar disso nesta altura. Vamos, pelo contrário, falar dalguns destes aspectos. E um dia, quem sabe, iremos falar também do porque "temos" que recitar o mea culpa.

Um dos grandes males cuja responsabilidade parece ser exclusiva do mundo ocidental é o colonialismo. Isso não é verdade, mas como ninguém hoje perde tempo na leitura da História, a ideia passa sem problemas.

O que é o colonialismo? Basicamente pode ser descrito com três pontos:
  1. impor num País estrangeiro a própria civilização
  2. introdução dum conjunto de regras que favorecem a potência ocupante (do ponto de vista político, económico, etc.)
  3. discriminação baseada nos conceitos de raça e/ou de religião.
Dito assim, de facto, parece mesmo uma exclusiva das potências colonialistas europeias a partir do ano 1500, mais ou menos. Mas já sabem: um pouco de paciência, alguns bom livros de História, e eis que a verdade surge de forma um pouco diferente.
Isso, que fique claro, não iliba das culpas, mas ajuda a perceber que os Europeus não foram piores do que outros: simplesmente continuaram "tradições" antigas de séculos, radicadas até em lugares que hoje consideramos como "vítimas" do colonialismo do Velho Continente. Estamos perante males antigos, infelizmente ainda não eliminados.

O colonialismo do Império Egípcio, por exemplo, durou cinco século (séculos XVI - XI a.C.). Pois os Egípcios não passaram a vida a construir as Pirâmides: além disso, ficaram entretidos com a ocupação de outros Países, a imposição das próprias leis e, óbvio, o comércio de escravos.

Mesmo discurso pode ser feito no caso do Império Persa: três séculos de colonialismo (séc. VII - IV a.C.) ou do Império Romano (séc. I a.C. - IV d.C.). Um pouco mais longe encontramos os impérios Chinês, Mongol e, surpresa, os dos povos da América pré-colombiana.

Os povos da América pré-colombiana?!? Mesmo isso.
O facto destes impérios não terem conseguido expandir-se além duma certa dimensão não foi provocado pela falta de "apetite": simplesmente havia limitações militares, económicas, geográficas ou ainda uma mistura delas. Parece, tudo somado, que um dos vícios danados do Homem seja mesmo este: reunir um exército (de soldados, religioso ou, melhor ainda, de ambos) e ocupar terras vizinhas.

O império colonial europeu, na altura do seu auge, tinha uma população que era 1,4 vezes maior do que a Europa. O Império Otomano (séc. XVIII) tinha uma população entre 2,5 e 3 vezes do que o povo da Turquia. No caso do Império Romano, a proporção era ainda maior.

Os escravos

Também um dos estigmas mais negativos da colonização europeia, o comércio dos escravos, merece algumas palavras. Já o termo anglo-saxónico para definir um escravo, slave, provem da palavra Slav, isso é, "eslavo": e deveria sugerir alguma coisa. Mas vamos em frente.

Segundo os últimos dados disponíveis, o número de escravos que deixaram a África para alcançar as Américas pode ser quantificado em 9.5/10 milhões. E se juntarmos os escravos que morreram durante a viagem, o total fica na casa dos 11/11.5 milhões. Números assustadores, sem dúvida.

Mas o comércio dos escravos não foi uma exclusiva dos Europeus e nem foram este os primeiros ou os mais empenhados nesta actividade. A parti do século VII até o fim do XIX, o mundo muçulmano "raptou" entre 14 ou 15 milhões de pessoas da África subsariana, dos quais cerca de 8 milhões só entre os anos 1500 e 1890.

Pergunta: mas porque, se os Muçulmanos foram os grandes escravagistas da História, hoje não há tantos descendentes de escravos no mundo islâmico? Resposta: porque os escravos do mundo muçulmano eram regularmente castrados. E, além disso, tinham uma taxa de mortalidade muito elevada.

Na mesma altura havia também a figura do escravo da América pré-colombiana, nomeadamente o escravo azteca (o tlacotin); mas faltam até hoje dados para que seja possível quantificar nas correctas proporções o fenómeno.

Discurso parecido no caso da China. Sabe-se que na época da dinastia Shang (1766 a.C. - 1122 d.C.) cerca de 5% da população era composta por escravos; e há relatos de revoltas neste sentido ao longo dos séculos, mas os números são ainda incertos.
Uma breve nota acerca da China: apesar da escravidão ter sido oficialmente abolida em 1919, a prática de manter escravos continuou até 1949. Nos anos mais recentes, houve ainda alguns escândalos por causa de práticas escravagistas na China, nomeadamente em 2007 com o Shanxi Black Brick Kiln incident

Resumindo: entre europeus e muçulmanos, o número de escravos pode ser calculado na ordem do 25-26 milhões de indivíduos. E isso só considerando povos que conseguem apresentar dados: da escravidão em outras partes do mundo falta totalmente qualquer referência. A impressão é que o total de escravos ao longo da História pode alcançar valores realmente aterradores. Se mea culpa deve ser, o difícil é encontrar uma civilização que não tenha de recita-lo.

Mas ficando com os dados disponíveis, é interessante notar como as sociedade "mais escravagistas" foram aquelas que viram o nascimento e o maior desenvolvimento das duas principais religiões dos nossos dias.
Isso significará alguma coisa...


Ipse dixit.

Fontes: Wikipedia (versão inglesa), Bulletin du Département d'Histoire Économique (Universidade de Genebra, nº 20, 1989-90), Mito e Paradoxos da História Económica (Paul Bairoch, 2001)

4 comentários:

  1. koalabomb4.7.12

    A escravidão sempre foi um dos problemas da humanidade, mas mesmo assim nós conseguimos ser perversos ao ponto de não ficar-mos contentes com apenas a dominação de outras culturas, gostamos de mais, dentro da nossa própria "civilização" temos de dominar.
    O sistema feudal que existiu pela Europa por séculos e em vertentes diferentes noutros cantos do mundo é o exemplo mais claro.

    A noção de escravatura é muito complexa, não serão hoje os trabalhadores das fábricas indianas e chinesas escravos do século XXI?
    Afinal de contas eles trabalham para alimentar as "necessidades" de outros com mais poder que eles, são controlados por pessoas mais poderosas que eles e no final o dinheiro que ganham serve para se alimentarem e pouco mais do que isso.
    Mudasse o tempo e as palavras, mas no final o ser humano continua a ser explorado...

    abraço

    ResponderEliminar
  2. Toda a classe média baixa hoje, presa das dívidas para pagar o carro que precisa para trabalhar e da casa que precisa para ter uma pseudo-existência social, estará assim tão longe da escravatura?

    ResponderEliminar
  3. Toda a classe média baixa hoje, presa das dívidas para pagar o carro que precisa para trabalhar e da casa que precisa para ter uma pseudo-existência social, estará assim tão longe da escravatura?

    ResponderEliminar
  4. Anónimo10.7.12

    Uma curiosidade:

    Sabiam que a significado original da palavra "robô" significa escravo?

    Isso me recorda as teorias neohumanistas da NOM, em transformar os humanos cada vez mais em robôs.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...