16 agosto 2012

Bancos simpáticos: HSBC - Parte II

Havia sinais de perigo que poderiam ter advertido o banco? Havia, e eram mais do que simples sinais.

Em Março de 2002 surgiu a lista dos financiadores da Al-Qaeda, após a apreensão dos computadores da Benevolence International Foundation (BIF) em Sarajevo, uma organização sem fins lucrativos da Arábia Saudita que o Departamento do Tesouro dos EUA mais tarde descreveu como "terrorista".

E antes de prosseguir com as aventuras do HSBC, vale a pena gastar algumas palavras acerca desta BIF.

Al-Rajhi Bank. Notável o logo.
BIF

A BIF teve origem em 1988 quando foi fundado o Islamic Benevolence Committee, no Paquistão: tratava de assistir os combatentes na guerra contra os Russos no Afeganistão.

Em 1992 o Islamic Benevolence Committee foi rebaptizado Benevolence International Foundation (BIF) e estabeleceu a própria sede nos Estados Unidos: antes na Florida e depois em Chicago, Illinois. Aqui recebeu a visita do Embaixador americano Melissa Wells, enviado pelo então presidente Bill Clinton, que abençoou o BIF pelos "esforços para aliviar o sofrimento".

Não apenas no Afeganistão, mas em outras partes do mundo também, como a Bósnia. E Bin Laden tinha um passaporte da Bósnia, fornecido por Alija Izetbegovic, o ex-membro da SS Handschar (uma divisão do exército nazista durante a Segunda Guerra Mundial), o ex-comunista ao serviço do Marechal Tito e o futuro presidente da Bósnia e Herzegovina, que tantos apoios teve entre os Ocidentais (pois Izetbegovis era um "liberal").

Mais tarde os responsáveis do Benevolence International Foundation nos Estados Unidos foram presos em Mountain View, perto de San Francisco (é a cidade de Google, Mozilla, LinkedIn, da Simantec, do Seti), mas não antes de ter enviado dinheiro, mísseis, metralhadoras, baionetas, explosivos, dispositivos de comunicação aos grupos de Bin Laden na Chechênia, no Afeganistão, no Paquistão 

Mas porque é importante esta Benevolence International Foundation? Porque fazia parte da "Cadeia de Ouro", um grupo de autênticos anjos financeiros ao serviço do terrorismo internacional.

Em 2002, os investigadores americanos invadem em Herndon (Virgínia) os escritórios da SAAR Foundation, uma organização ligada à Al Rajhi. Na verdade o nome "SAAR" é um acrónimo do fundador Sulaiman Abdul Aziz Al Rajhi, acionista controlador da Al Rajhi Bank. Na SAAR os investigadores encontram documentos interessantes, relacionados com a tal "Cadeia de Ouro" de Bin Laden.

E um dos primeiros vinte nomes que identificavam os patrocinadores financeiros da Al-Qaeda era mesmo este: Sulaiman bin Abdul Aziz Al Rajhi, um dos fundadores e executivos da Al Rajhi Bank.
As consequentes pesquisas permitiram individuar mais de 100 empresas na Virgínia, ligadas ao círculo da família Al Rajhi, cuja tarefa era a lavagem de dinheiro, construída de maneira a não mostrar as ligações com o ambiente do terrorismo.

Particularmente interessantes as ligações com a SAAR Foundation e o Swiss Al Taqwa Bank, uma empresa constituída nas Bahamas em 1988, fundada pelo simpatizante nazista e convertido ao islamismo Albert Armand (Achmed) Huber; mas é nesta altura que a Administração Bush decide arquivar o inquérito. É evidente que a operação Green Quest pode levantar tampas de panelas incómodas, melhor parar tudo.

Mas a Swiss Foundation volta em 2011, quando o gigante dos seguros Lloyd, de Londres, tenta recuperar o dinheiro para as vítimas do 9/11. A denúncia dos Lloyd afirmava: ".. que dois ex-funcionários do banco Taqwa, Ibrahim Hassabella e Samir Salah, estavam associados à Fundação SAAR."

Naqueles dias, The Independent publicou alguns elementos contidos na denúncia, segundo os quais os arguidos estavam plenamente conscientes dos financiamentos para Al-Qaeda nos anos anteriores ao ataque (o 9/11). Mais: de acordo com os documentos na posse dos investigadores:
Na ausência de patrocínios, quais aqueles das personagens apenas acusadas, Al-Qaeda não teria tido a capacidade de conceber, planear e executar os ataques de 11 de Setembro O sucesso dos planos da Al-Qaeda, incluindo o 11 de Setembro, só foi possível através das generosas contribuições financeiras recebidas ao longo de mais de uma década antes de 11 de Setembro de 2001.
Os investigadores do Senado americano conseguiram ligar entre eles Mr. Hassabella (ex-funcionário do Banco Taqwa e acionista da SAAR Foundation), o Sr. Saleh (um ex-director e tesoureiro do Taqwa Bank of Bahamas e presidente da Piedmont Trading Corporation, que fazia parte da SAAR Foundation), o Al Rajhi Bank (fundado pelo Sulaiman Abdul Aziz Al Rajhi, dono da SAAR também).

Mas que tem a ver tudo isso com o banco HSBC? O relatório do Senado mostra que:
HSBC estava totalmente informada das suspeitas sobre o Al-Rajhi Bank e o facto dos donos deste estarem associados ao financiamento de operações terroristas, situação facilmente detectável pelos perfis dos clientes da Al-Rajhi Bank.
"Só" isso? Afinal um banco que fechou os olhos acerca dum dos seus parceiros comerciais?
Não, não é "só" isso.

As preocupações

A suspeita das ligações entre Al-Rajhi Bank e HSBC não se esgotam com as informações descobertas nos arquivos da "Cadeia de Ouro" e na verdade são apenas a ponta do iceberg.

Após 9/11 o FBI descobriu que três dos sequestradores, Hani Hanjour, Nawaf Alhazmi e Abdulaziz Alomari, descontaram milhares de Dólares de cheques de viagem e transferências recebidas por um indivíduo (não nomeado) que tinha como fonte os fundos do Banco Al-Rajhi.

Como explica o pesquisador Kevin Fenton no livro Disconnecting the Dots, as ligações entre a maioria dos sequestradores foram descobertas na sequência das suas transações bancárias:
Neste contexto, é interessante notar que Global Objectives, uma empresa de auditoria dos bancos britânicos, mesmo antes dos ataques tinha identificado quinze dos dezanove terroristas, realçando-os como indivíduos de alto risco e preparando uma base de dados com os perfis deles. A base de dados foi espalhada entre dezenas de bancos.
Entre os quais, óbvio, o HSBC.

Embora não haja evidência de que o HSBC e, neste caso, o Banco Al-Rajhi tivessem conhecimento dos ataques planeados em 11 de Setembro, o total desprezo mostrado por essas instituições no que diz respeito à violação do KYC (Know-Your-Client, Conheces o Teu Cliente) que regulam as transacções financeiras, revela um total desrespeito das normas mais básicas: o que importa é continuar a encher o cofre, tudo o resto não conta.

Comunicações confidenciais entre os altos executivos do banco revelam que estes estavam bem cientes dos problemas e dos riscos envolvidos, mas pouco ou nada fizeram, continuando a HSBC a hospedar todas as manobras do Al-Rajhi Bank.

Os suspeitos eram tais que a gerência do HSBC tinha classificado o banco Al-Rajhi como CCS (Categoria Cliente Especial), a categoria dos conteúdos de maior risco. Isto porque, explicaram os investigadores, o Reino da Arábia Saudita era considerado um "alto risco" e também pelo facto de que o accionista maioritário do Al-Rajhi, Sulaiman Bin Abdul Aziz Al Rajhi, era considerado uma pessoa politicamente exposta (PPE).

Documentos internos do HSBC revelam que em 2002, ou seja, após o 9/11:
O Departamento Bancos Privados Internacionais pediu para transferir diversas contas do HSBC para o Departamento Bancos Institucionais, no Delaware, com a justificação que este teria tido melhores oportunidades de acompanhar de perto as actividades das mesmas contas.
Na verdade, a transferência das contas de Al-Rajhi para a divisão no Delaware teria tido (e teve) o efeito oposto e os funcionários do banco sabiam isso muito bem. A transferência, portanto, foi uma maneira para afastar estas actividades dos olhos dos curiosos.

Como escrito pelo jornalista Nicholas Shaxson num artigo dedicado aos bancos offshore:
O Delaware é o Estado que permite o mais alto nível de confidencialidade para as empresas offshore.
Shaxson observou que a Suprema Corte do Delaware tinha estabelecido uma regra legal em relação às atividades económicas pela qual os tribunais não podem "especular" sobre as chefias das sociedades, então as chefias gozavam duma liberdade ilimitada perante os acionistas traquinas, o controlo jurisdicional e a opinião pública também.

É exactamente o contrário de "melhores oportunidades de acompanhar de perto as actividades das mesmas contas".

Joseph Harpster da HBUS escreveu o seguinte e-mail:
As principais preocupações nasceram quando foram feitas três transferências de pequenas somas de dinheiro (50 mil, 3 mil e 1.500 Dólares) em favor de pessoas com nomes que eram muito semelhantes aos nomes dos terroristas envolvidos nos actos de 9/11. O perfil da conta principal mostrava um dobrar das transferências de dinheiro a partir de 1 de Setembro, um grande número de cheques de viagem mas de valor reduzido e alguns depósitos em dinheiro.
De acordo com o oficial encarregado da conta, o tráfego da mesma foi aumentado porque tinham sido enviados mais recursos, como resultado dos relacionamentos com o Saudi British Bank e o fortalecimento da HSBC na República. Manter estes negócios neste âmbito é bem recomendado por David Hodghinson (da Saudi British Bank) e Dixon André, vice-presidente do HSBC Bank do Médio Oriente. A mesma opinião é de Niall Booker e de Alba Khoury do HBUS.
Havia portanto o conhecimento acerca da identidade de determinados correntistas ("pessoas com nomes que eram muito semelhantes aos nomes dos terroristas" sic!), mas o que mandava eram os interesses do banco. Um total de 54.000 Dólares transferidos para os bolsos dum terrorista? E porquê preocupar-se? O verdadeiro problema parece ser a "publicidade adversa". Que, admitimos, não é simpática.

Douglas Stolberg
Preocupados com a tal perspectiva e os possíveis controles das autoridades, eis o e-mail enviado de Douglas Stolberg, chefe do Departamento Comercial e Institucional, para Alexander Flockhart, na altura executivo sénior da Secção de Retalho e Comercial do HBUS:
Como mencionado anteriormente, aqueles da Conformidade levantaram dúvidas sobre a gestão real da conta do Grupo Al-Rajhi. [...]
Devemos considerar o Departamento Bancário Privado Internacional como o domicílio do relacionamento para fins de continuidade, dado que sabemos de interesses futuros em continuar a desenvolver os negócios com os membros da família.
Domiciliem portanto a conta no Delaware, onde os mecanismos de controle sobre as contas são ao mais alto nível [lololol, ndt].
E continua:
Esta tornou-se uma situação de alto perfil. As preocupações por parte daqueles da Conformidade referem-se a possibilidade de que a conta Al-Rajhi possa ser utilizada pelos terroristas. Se isso for verdade, poderia expor HBUS a um inquérito público e/ou medidas regulamentares.
Aqueles do SABB [Saudi British Bank, ndt] são, obviamente, dispostos a continuar o relacionamento. Como esta questão está principalmente relacionada com a conformidade e os riscos de reputação, achamos justo que o SMC (Comité Executivo Sénior) recebera informação adequada [...] para que possam opinar sobre a aceitação ou não do plano. Estamos ansiosos para saber os pensamentos deles sobre como proceder!
E o que pensaram ficou claro: após uma semana as contas foram transferidas para o Delaware.

É interessante realçar o teor das preocupações: o que está em causa não é a ideia de trabalhar com terroristas, os mesmos que, supostamente, acabaram de assassinar cerca de 3.000 pessoas. O verdadeiro problema são "os riscos de reputação", "um inquérito público" e/ou "as medidas regulamentares".

O mesmo e-mail deixa também bem claro que o dossier Al-Rajhi era de conhecimento dos mais altos níveis da instituição (o SMC).

A prioridade do HBUS (que, lembramos, é a filial americana do HSBC) era a continuação dos negócios com as contrapartes árabes. Nem no e-mail de Harpster, nem naquele de Stolberg aparece um problema moral ou ligado à justiça.

Cabe ao Leitor retirar as próprias conclusões.
No próximo artigo a terceira e última parte.


Ipse dixit.

Fontes:
Senado dos Estados Unidos: U.S. Vulnerabilities to Money Laundering, Drugs, and Terrorist Financing: HSBC Case History (ficheiro Pdf, inglês)
Senado dos Estados Unidos: HSBC Exposed U.S. Financial System to Money Laundering, Drug, Terrorist Financing Risks
Senado dos Estados Unidos: U.S. Vulnerabilities to Money Laundering, Drugs, and Terrorist Financing: HSBC Case History - Hearings (vídeo, declarações, testemunhos; inglês)
CSR Report for Congress: Saudi Arabia: Terrorist Financing Issues (ficheiro Pdf, inglês)
Kevin Fenton: Disconnecting the Dots
Richard Labévière: Dollars for Terror, The United States and Islam
Nicholas Shaxson: Treasure Islands
The Guardian
The Telegraph
The Wall Street Journal
The Independent

9 comentários:

  1. Rita M.16.8.12

    Isto não há como ter as prioridades bem definidas...
    E agora, fico a aguardar a terceira e última parte :)

    Abraço
    Rita M.

    ResponderEliminar
  2. Max,

    Já li em postagens anteriores suas suspeitas quanto ao 11/09, não sei se estou enganado, mas me parece que a tua posição a respeito se alterou quanto ao assunto.

    Não sei se seria pedir muito, em se tratando de participante menos atuante, como no meu caso, mas poderia fazer um resumo sobre o que pensas de todo este enredo? Sempre tive a impressão de que comungava da tese de ataque de falsa bandeira. Agora, tenho a impressão que tuas buscas te levaram por outras paisagens.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. maria16.8.12

    Olá Max: antes mesmo da terceira parte, parabéns!Porque mostras inequivocamente que, se não és o único a fazer pesquisa para postar,(não posso afirmar, não tenho domínio da blogosfera) és um grande pesquisador. Excelente história! Porque reitera o muitas vezes aludido, e poucas demonstrado:
    1. Os grandes bancos descobriram faz já muito tempo que o terrorismo internacional é um dos melhores filões de negócio, e o praticam exaustivamente.
    2. Os grandes negócios terroristas estão globalizados, e têm nos acionistas especiais, suas balizas.
    3. A mídia majoritária conta histórias de imaginar para o "deleite informativo" das plateias mundiais, e a maior parte da mídia alternativa apenas especula, produzindo zero de historiografia.
    Penso que a partir de histórias como essa não é difícil compreender ser menos terrorista o desgraçado anônimo que se imola arrebentando um cinturão de bombas caseiras, do que organizações bancárias e outras, que projetam "intervenções humanitários" pelo mundo afora, para efetivar seus lucrativos negócios de terrorismo internacional, tendo como "mestres sala" governantes do primeiro mundo.Abraços

    ResponderEliminar
  4. maria16.8.12

    Olá Walner: bom te encontrar por aqui! Sei que trabalhar a questão do 11 de setembro não é tarefa muito simples, especialmente seguindo o protocolo de pesquisa do Max, depois de tudo que se disse, escreveu e "bestiou". Sei também que aquele tal de dente que habita o Max, continua a persegui-lo (como ele vem repetindo),acredito que sendo uma das razões para retardar outras iniciativas. Mas, como mais um 11 de setembro se aproxima, também me junto a ti na solicitação da versão inteligente de ii. Abraços

    ResponderEliminar
  5. Acho que o Max está indo pelo caminho certo!

    Ele está voltando as origens do blog, seguindo o dinheiro, ou seja, os bancos!!

    Investigação sobre o 11/09?
    Ataque de falsa bandeira?
    Acho que a resposta está de onde vem o dinheiro para financiar todo o esquema, e se precisa de dinheiro, precisa haver bancos, então, com sempre, a história nos ensina que os verdadeiros chefões estão as escondidas gerenciando empresas e até tais bancos.

    Boa Max!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo16.8.12

    E então, quem tem mais poder?
    esses bancos ou o país?

    Quem tem mais influência num ataque deste porte como o 11 de setembro?
    Seria uma operação conjunta com apoio do próprio governo? Ou seria algo que não poderíamos aceitar antes, mas agora aceitamos por termos amadurecido e conseguido informações credíveis? Difícil saber. Uma coisa é certa, precisamos procurar por várias versões da mesma história, tanto contra, quanto a favor dos EUA, pois sabemos que os americanos possuem inimigos e vice versa, um tenta manchar a imagem do outro e graças a essas desavenças é que conseguimos informações diferentes, de origens diferentes e com teorias diferentes.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo16.8.12

    E então, quem tem mais poder?
    esses bancos ou o país?

    Quem tem mais influência num ataque deste porte como o 11 de setembro?
    Seria uma operação conjunta com apoio do próprio governo? Ou seria algo que não poderíamos aceitar antes, mas agora aceitamos por termos amadurecido e conseguido informações credíveis? Difícil saber. Uma coisa é certa, precisamos procurar por várias versões da mesma história, tanto contra, quanto a favor dos EUA, pois sabemos que os americanos possuem inimigos e vice versa, um tenta manchar a imagem do outro e graças a essas desavenças é que conseguimos informações diferentes, de origens diferentes e com teorias diferentes.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo17.8.12

    Ultimamente tenho andado calado e cansado, apesar de continuar a ler os post todos.

    Este tema está muito interessante, e a abordagem do 9/11 segundo este perisma deixaram-me curioso.

    O Walner deixou implicita a ideia de uma mudança de rumo na procura da origem dos ditos atentados. Não sei se o Max está rumar noutra direcção, mas em minha opinião o que aqui temos é mais uma peça que se encaixa na perfeição nos factos ocorridos.

    Venha a 3ª parte

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  9. http://ofaceburro.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...