29 outubro 2012

A minhoca moderna

Enquanto israel bombardeia o Sudão, nós falamos de...nós. E viva a originalidade.

Normalmente, em tempos "normais", a condição de escravidão, de subordinação social e de marginalização compacta os indivíduos numa espécie de acordo não escrito, consagrado nas intenções de "redenção" que se expressa numa luta de classe (armada ou civil, tanto faz), com o fim de restaurar os direitos violados, a equidade social, o valor da dignidade.

É importante realçar que aqui a expressão "luta de classe" não tem nada a ver com a condição marxista-leninsta: falamos da "classe" dos cidadãos, dos marginalizados, dos que não tem acesso aos corredores do poder.

Mas nesses dias, a Idade das Trevas, onde tudo é invertido e relativizado, qualquer conceito de pensamento lógico e crítico fica alegremente deitado no lixo. Assim, os novos sujeitos sociais (nós), recusam a ideia duma vida "calma" e até solitária para viver numa caótica metrópole, poluída, disfuncional, ensurdecedora. Com o resultado de partilhar as frustrações, a repressão, as fobias, a ansiedade e a depressão com os nossos vizinhos, afectos pelos mesmo problemas.

A força de vontade, que tinha a função de poder produzir diversidade e mérito, desapareceu. Ou melhor: foi substituída por objectivos que têm como função esgotar as nossas energias na tentativa de alcançar resultados inúteis e temporários, obtidos os quais surgem novas metas, sempre inúteis e temporárias.

Exemplos? Demasiado fácil. O carro já não é um simples meio de transporte, é a exteriorização da nossa condição na escala social. O telemóvel já não é um instrumento que permite comunicar, é também ele a medida do nosso sucesso.

O facto dos vários modelos (automóveis, telemóveis, roupa...) terem uma vida excepcionalmente curta, sendo logo substituídos por versões aprimoradas, em nada parece perturbar esta filosofia: o frustrado social cedo será obrigado a comparar o objecto na própria posse com as últimas novidades e concluir que sim, de facto é altura de mudar. Pouco importa se nem conseguiu explorar as funcionalidades do presente, já há novas metas neste horizonte induzido.

A força de vontade, portanto, é canalizada na tentativa de obter o "novo", num martírio sem fim que tem pontos de contacto com o fado do pobre Tântalo.

Mas porquê? O que torna o indivíduo moderno, protagonista e realizador desta comédia do horror, o centro dum martírio sem fim?

Resposta: falhas.

O individuo moderno sabe muito bem qual a realidade: está longe da sua condição natural, o caminho que envergou implica a recusa de vertentes fundamentais daquela que chamamos "vida". Os fetiches são a tentativa de substituir os objectivos naturais com equivalentes artificiais.

Obviamente, esta substituição é bem vinda por parte da sociedade que até encoraja uma tal atitude. É preciso vender, para vender é preciso criar o desejo, e se este já for em parte presente no indivíduo (com a procura de fetiches-substitutos), o jogo é simples.

Paradoxalmente, o indivíduo procura substitutos que, por sua vez, provocam mais solidão. O indivíduo, portanto, escolhe viver numa comunidade (a metrópole, a versão moderna e anabolizada da tribo) e, ao mesmo tempo, cria as bases para uma maior solidão. Para obter os fetiches, é preciso trabalhar cada vez mais, aceitar as regras e os ritmos impostos, o que deixa menos tempo para os relacionamentos sociais.

O individuo partilha assim a solidão.

Só isso? Não. A solidão é a aceitação da própria covardia, espelho da covardia de massa, um estado de dependência psicológica do tipo "mal comum pela metade", que representa a resposta ao estado existencial patológico. Na verdade, ninguém gosta dum autocarro esgotado, com o cheiro do suor, as crianças que gritam, os malcriados, os sacos das compras que batem nas pernas. Mas o indivíduo aceita isso, pois entende que esta é a única forma de aceitar e ser aceite no rebanho.

Enquanto a força da vontade grita "dá um muro na cabeça desta mulher que grita no ouvido", o lado covarde (o mais forte após anos ou décadas de treino) reprime o surto de liberdade e responde vade retro. É preciso afastar o desconhecido, que assusta. Bem mais tranquila é a aceitação da nossa condição, infeliz mas conhecida.

A cooperação, a caridade, a solidariedade?
É esquisito: numa sociedade como aquela descrita, estas componentes deveriam ter um papel, até importante, pois poderiam ser uma excelente "válvula de ventilação".
Poderiam.

Mas aqui entra em cena o medo e, sobretudo, o facto de conhecermos as nossas essências: não ajudamos os outros porque sabemos que os outros são como nós. São simulacros de pessoas, ruínas, seres afastados da realidade, componentes duma máquina sem sentido mas potente. Nós somos os outros, e isso não é nada bom. Nas caras das outras pessoas podemos ver as nossas falhas, mas sobretudo os mesmos objectivos, a mesma perversão. Por isso os outros assustam.

Somos seres mutilados, porque já não temos aquela paixão essencial para obter as respostas às nossas perguntas, e sem a qual não pode haver vida. Foi esta paixão que permitiu abandonar as cavernas, deveria ser parte integrante do DNA, mas já não é.

O homem sem vontade substituiu a acção e os factos com a auto-piedade, a fim de absolver a sua indolência física e moral e tornar legítimas as fraquezas, a dependência e o medo.

Não admira, portanto, a propensão para a difamação o servilismo, a traição. não admira uma sociedade morta, não participativa, na qual uma elite pode tranquilamente apoderar-se e exercer o poder incontestado. Também a força das emoções é o resultado dum empenho, e nós estamos cansados, demasiado cansados para poder vislumbrar o único impulso regenerador que poderia transformar esta larva num Homem.

Meus amigos, não adianta procurar conspirações. Antes procurem um espelho, depois haverá tempo para falar dos conspiradores. Não são os "outros": somos nós. Os "outros" apenas limitam-se a explorar as nossas fraquezas, as mesmas às sombra das quais gostamos descansar.

Sim, eu sei: há as corporações, as elites, a televisão, a publicidade...há muitas coisas. Concordo. Mas qual o nosso lugar no meio de tudo isso? Apenas, só, inexoravelmente, perdidamente vitimas? Sem vontade própria, sem capacidade de reacção? Afinal qual a diferença entre um ser humano e uma minhoca? Além das pernas, entendo.

Não concordam? Paciência, hoje chove, o céu é cinzento, tanto faz.
Post demasiado pessimista? Bah, "amanhã é outro dia": haverá sol, boa disposição e será possível voltar a falar mal dos "outros".


Ipse dixit. 

10 comentários:

  1. Anónimo29.10.12

    Muitos poderao pensar " Ei isto é verdade, tenho de mudar!" mas nada muda e continua tudo no medo e na auto piedade e infelizmente eu farei o mesmo...

    é este o nosso problema, temos medo de mudarmos e nao sermos aceites, é um ciclio vicioso...

    Infelizmente é só que tenho a dizer

    John

    ResponderEliminar
  2. Olá John: "temos medo de mudar e não sermos aceites". Isso não vale John!É divertidíssimo mudar, ver a cara de pasmos dos nossos amigos, a cara intrigada dos nossos inimigos, a estranheza de quase todos. Se errando ou acertando, importa menos, mas experimentando. Como dizia um cantor brasileiro: "ser uma metamorfose ambulante". Vale a pena.Abraços

    ResponderEliminar
  3. Olá Max: não achei pessimista a reflexão, achei realista...e o que vale é não se deixar arrastar pela onda do conformismo, da exaustão. Simplesmente porque há bolas pretas no meio de multidões de bolas brancas neste saco do planeta.Então ir em frente, experimentando...
    Olha, tenho ido a Porto Alegre seguidamente, cidade com 1 milhão e 200 mil pessoas e 1 milhão de veículos. Falo com pessoas de lá, e pergunto como estão sobrevivendo.Obtenho respostas do tipo:"pois vê tchê, que estou levando 4 horas diárias no trânsito", "pior, no jogo de domingo entre o Grêmio e o Internacional, parou tudo na Ipiranga (uma das principais avenidas), empacou por 3 horas e se formou um engarrafamento de mais de 50 km.Tu acreditas que quase bati meu carro no do meu filho, pode?". E isso é dito com orgulho, uma certa satisfação de quem dispõe de mais de um automóvel em casa, e pode viver na cidade desenvolvida, a progressista capital gaúcha do Mercosul. E daí? São ruínas humanas e não sabem que são! Sei disso, o que me deixa triste, em se tratando de gente boa e amiga, mas não me impede de continuar experimentando a vida, agora mesmo iniciando um novo ciclo, e buscando cumplicidades, por aqui, ali e acolá, e sempre encontrando, como toda a vida encontrei. Abraços

    ResponderEliminar
  4. Anónimo29.10.12

    realismo ao seu melhor.

    não adiante , o ser humano medio so liga para 2 coisas, se reproduzir e se divertir, o poucos que se desviam desse principio (tanto para bem como para mal) são os que movem o mundo para frente (ou para tras).

    nao adianta , so quando o Average Joe ( joãozinho da silva ) sentir na pele os problemas , nada ele fara para mudar pois ele esta contente com sua vida ao estilo Panem et circenses, afinal os ser humano continua sendo um animal afinal.

    deal with , ser humano medio so serve para adicionar numeros e bocas para alimentar.

    deal with .

    ResponderEliminar
  5. Há simplesmente anónimos de causar pena como este último que é um bom reflexo de uma certa classe média portuguesa, que se julga mais sabedora, mais brilhante, mais bem educada ou mais astuta do que todos os outros. Esta classe não percebe que é sim mais responsável pelos degenerados que julgam governar este simulacro de país.

    ResponderEliminar
  6. Oh Max, o teu texto está óptimo e particularmente bem escrito, mas o título é péssimo! Uma minhoca? Mas como nós nos podemos comparar com minhocas, ou aliás com qualquer outro ser vivo? Não eu acho que nós como espécie fomos predadores mas algures pelo caminho criámos a civilização e com isso transferimos a violência para algo sistémico. Agora, no ocidentalidade, como espécie somos uma espécie de zombies e o sistema que foi sendo criado tem como função primária a nossa eliminação.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo29.10.12

    JJ,

    me explica o que a de errado com meu comentario ?, uma dose de realidade de vez em quando faz bem , e no fundo vc sabe q eu afirmei e verdade. e desde de quando eu afirmei que so conhecedor da verdade suprema absoluta universal. ?

    o que falei e fato deal with.

    ResponderEliminar
  8. Excelente artigo, mais uma vez, como é hábito.

    um abraço

    ResponderEliminar
  9. Anónimo30.10.12

    Bom post.
    É a velha questão: antes de olharmos para os outros devemos olhar primeiro para nós próprios. Mas temos sempre aquela tendência de fazer o contrário.

    O pensador brasileiro Mário Sergio Cortella fez esta excelente palestra com um sentido de humor fantástico: ' Voçe sabe com quem está falando?'

    http://www.youtube.com/watch?v=0YGB5u2u8kA

    Quem não viu deve ver. Até porque são somente alguns minutos do vosso tempo.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  10. Anónimo22.3.13

    Somos produtos de uma educação recebida voltada para a programação chamada de servilidade/vassalagem. Aquela máxima: domines a educação e dominarás o povo...Portanto, nossos comportamentos são mais consequências do que nos ensinam e nos mostram do que causa...Abraço.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...