30 março 2012

A violência no Brasil

Este não é um verdadeiro artigo, é mais uma pergunta para todos os Leitores do Brasil. Pois há algo que não consigo entender e gostaria de ler as vossas opiniões.

Há um vídeo que está a dar a volta ao mundo. É um vídeo que chega do Brasil e relata em directo o assassinato dum rapaz.

Antes demais o vídeo em questão.

ATENÇÃO:
O conteúdo do vídeo pode ofender as pessoas mais sensíveis.


É verdadeiro? É falso?
Pouco importa.

Há alguns dias estava a falar com uma rapariga à beira do regresso para o Brasil.
- Contente?
- Sim, muito, é o meu País. Mas duma coisa vou sentir falta: a segurança.
- Como assim?
- Aqui vocês podem sair de casa sozinhos à noite, não há problemas. No Brasil não é assim. Eu vou abrir uma pequena loja na minha cidade e já sei que vou ter problemas com os roubos, os assaltos e mais ainda.

Hamas e a cor do dinheiro

O líder do Hamas Ismail Haniya fez um discurso na sexta-feira na mesquita de Al-Azhar, no Cairo. Um discurso estranho. Ou talvez não, em linha com o mercado. Pontos de vista.
Eu saúdo todas as nações da Primavera árabe e eu saúdo o povo heróico da Síria que luta para a liberdade, a democracia e a reforma.
Eeeehhh???
Isso mesmo: Hamas apoia a Primavera árabe e os revoltosos da Síria.
Então, Hamas encontrou novos donos? Assim parece. E os donos têm rostos e nomes: a junta militar do Egipto, as monarquias do Golfo Pérsico. Em última análise: o Ocidente, na sua pior vertente. 

Uma ruptura completa com o Irão e a Síria e a aproximação com o imperialismo dos EUA.
Mas não é uma autêntica surpresa. Esta mudança "sísmica" já se tinha manifestado na posição mais recente da liderança com a reconciliação com a Fatah da Cisjordânia e a vontade de abandonar a luta armada contra israel. Agora, como selo e acto de contrição, chega o apoio às operações da intelligence ocidental na Síria.

O publico ficou a olhar, depois começou a gritar slogans contra o Irão e Hezbollah.

A Grande Fuga continua

No passado dia 6 deste mês, o blog publicou um artigo cujo título era: A Grande Fuga. O assunto era a mais recente vaga de demissões (125) de top managers de bancos espalhados pelo globo, que tinham abandonado os respectivos cargos desde Setembro do ano passado.

Acontece que a hemorragia ainda não parou e está a alcançar dimensões preocupantes: agora são mais de 300. Ao juntar as demissões de pessoal ligado aos governos e as companhias privadas, o total atinge as 700 unidades. Mas, claro está, o foco está centrado na categoria "bancos e seguros", onde tantas "partidas" todas juntas são algo de muito esquisito, sobretudo considerando o timing, o curto período no qual acontecem.

A lista completa pode ser encontrada nas páginas dum grupo de Facebook que decidiu seguir os desenvolvimentos. A primeira parte da lista contem os nomes das pessoas que abandonaram o cargo no interior duma instituição financeira, seja banco ou empresa de seguro, fundo de investimento, etc.
No total, 313 nominativos em poucos meses. Nada mal.

Explicações? Nenhuma.
A única coisa que pessoalmente lembro é que quando o barco afunda, os ratos fogem. Mas não tenho a certeza ser este o caso. Pode ser que o dono do barco tenha decidido simplesmente mudar de ratos.

Ipse dixit.

Relacionado: A Grande Fuga
Fontes: Global Mass Resignation (Facebook), Wake Up World

A Rainha pusher

Sexta-feira, até que enfim...

Então vamos com alguns notícias "soft", tanto para bem dispor o Leitor em vista do fim de semana.

Por exemplo, esta, no limite entre gossip e crime: será que a Rainha da Inglaterra é uma pusher?

Exagerado? Sim, claro. Mas valem a pena algumas linhas, pois a noticia não é dum blogger com um trip acabado mal.

A Financial Services Authority (FSA) condenou o banco da rainha britânica, Coutts Bank, a uma multa de 8,75 milhões de Libras (nada mal) para não efectuar os controlos adequados sobre "pessoas politicamente expostas" e não ter impedido lavagem de dinheiro.

As deficiências do Coutts foram graves, sistemáticas e existência delas foi oficialmente autorizada ao longo de três anos. Implicaram um risco muito elevado, pelo banco, de gerir o produto do crime, como afirmado pela FSA num comunicado publicado no seu site oficial.

A notícia chega menos de uma semana após as afirmações de um candidato francês das eleições presidenciais, segundo o qual a rainha britânica deve a sua fortuna aos rendimentos do tráfico de droga e aos relacionamentos com os "banqueiros judeus da cidade."

29 março 2012

Queridos Portugueses...

Queridos Portugueses,

Têm de saber isso: o governo está a enganar e com ele os jornais e os noticiários. Baixam os vossos ordenados, as reformas, tudo vai custar mais, a gasolina e os serviços: já estão mais pobres, e amanhã vai ser pior.
Eis o que acontece.

Quantas vezes já ouviram as palavras "consolidação orçamental do Estado, para voltar a crescer"? Crescer depois, claro, não agora. Agora é só austeridade.

Quantas vezes ouviram dizer que "gastámos demais antes e temos que poupar agora"? E que as contas do Estado têm de ser tratadas? É o que o governo está a fazer agora: gastar menos (os famosos cortes) e taxar mais. Tudo bem. Mas exactamente o quê acontece?

Acontece que o que o governo não gasta (por exemplo nos serviços, nos salários ou nas reformas) terá de ser pago por nós. Nós teremos de gastar as nossas poupanças ou fazer sacrifícios. Menos poupanças, mais dívidas. Simples, não há fuga possível: alguém tem de pagar.

Os escravos das monoculturas

Da última vez que o blog falou da cana de açúcar no Brasil houve polémica.
Acontece.

Agora encontrei um novo artigo, desta vez de autoria de Guadalupe Rodriguez.

Graduado em filosofia, que trabalhou na Argentina, Equador, Alemanha e Espanha.. As suas análises e relatórios de destruição ambiental e violação dos direitos fundamentais no Sul do mundo são publicados semanalmente no site da Organização Salva la Selva e nos meios de comunicação alternativos.

Boa leitura.

O príncipe e a grande festa

O Bahrain é governado por um rei, mas com ideais democráticos como base.

Por exemplo: no Bahrain o que pensa o Rei vale quanto as ideias de qualquer outro rei. E como no Bahrain há apenas um rei, a taxa de democracia é de 100%. Contra factos não há argumentos.

O Bahrain é tão democrático que até o filho do Rei participa nas manifestações dos cidadãos.
Nestes dias, por exemplo, o príncipe Sheikh Nasser Ibn Hamad Al Khalifa uniu-se com as suas guardas reais aos pacíficos demonstrantes.
Os mais atentos afirmam que o príncipe não fica mesmo "ao lado" das manifestações, mas estes são pormenores que já não interessam.

O que se passa é que na ilha de Sitra começaram as manifestações e o príncipe, logo após ter percebido isso, chamou as guardas: "Meus amigos, vamos ajudar estas pessoas que sem dúvida precisam duma orientação". O príncipe estava certo, pois o povo é burro por natureza e precisa de indicações.

Shaykh Mohammad Habib al-Miqdad, por exemplo, até um ano atrás era um religioso da oposição, perdido, que precisava dum sentido. Durante a detenção foi visitado várias vezes pelo príncipe e agora Shaykh conhece o sentido, nomeadamente da palavra "tortura".

Nem todas são Sakineh

A execução de Amina
Lembram-se de Sakineh?

A jovem iraniana condenada à morte por ter cometido adultério?
Uma história triste, que chegava do Irão e que ocupou as páginas dos diários de todo o mundo.

Sakineh teve a apoio das organizações humanitárias do planeta, tal como Avaaz, Human Rights Watch ou Amnesty International. Até surgiram blog para salvar a vida dela, por exemplo Liberdade para Sakineh.

A história da rapariga era mais uma demonstração da crueldade do regime dos ayatollah: um País sem coração, governado por monstros, atrasado e inimigo da Humanidade. Um País que deve ser combatido e democratizado.

Afinal Sakineh não foi lapidada. Apesar de ter assassinado o marido com a ajuda dos dois amantes (o que não é coisa tão simpática, mas este é um pormenor que as associações humanitárias esquecem frequentemente), Sakineh não foi justiçada e continua nas prisões do Irão. Mas o País continua a ser um regime de monstros.


Lembram-se de Amina bint Abdul Hamis bin Salem Nasser?
Acho que não. Esquisito, pois com um nome assim não deveria ser difícil lembrar dela. Mas ninguém conhece a mulher. Aliás: conhecia. Pois Amina foi justiçada em Dezembro com a acusação de bruxaria na província setentrional de al-Jawf, na Arábia Saudita.

Amina foi a decapitada.

28 março 2012

Apagar o passado

Pergunte a qualquer político porque entrou na política: provavelmente a resposta será que "queria trazer a mudança". E, de facto, mudanças há. Mas não forma como o Leitor poderia pensar.

Uma análise do Bureau of Investigative Journalism feita pelo diário The Independent revelou que os deputados e funcionários que trabalham na Câmara dos Comuns têm sido responsáveis ​​por cerca de 10.000 alterações nas páginas da enciclopédia online Wikipedia.

Quase um em cada seis deputados tiveram as páginas onine de Wikipedia alteradas a partir do Parlamento e dezenas forma as tentativas de apagar as embaraçosas consequências do escândalo das despesas de 2009.

Mas algumas alterações não têm nada a ver com o parlamento inglês. Uma é relativa a um plano para espionar as Nações Unidas, outra acerca dos snacks Pringles e foi também apagada a referência aos Países onde o incesto é ainda legal.

Todos os usuários de internet no interior do Parlamento inglês passam atravesso dois endereços IP: o sistema mantém um registo completo de todas as alterações feitas. E o quadro pintado é revelador.

A guerra dos drones

A guerra dos drones continuas no Paquistão.

Os drones, como sabemos, são veículos aéreos não tripulados, também chamado UAV: utilizados pelos Estados Unidos na guerra do Afeganistão, são verdadeiras bombas voadoras controlados à distância, por meios electrónicos, sob a supervisão de operadores humanos ou até sob as directivas dum computador chamado PLC, Programmable logic controller (Controlador Lógico Programável).

Os drones têm levantado algumas questões. Em primeiro lugar: têm a mesma inteligência de quem os utiliza.

O drone não reconhece bons e maus. Se o computador (ou o operador humano) dizer "ataca!", o drone ataca mesmo. E se houver civis nas redondezas, paciência. O que pode ser visto como uma ajuda ao Evolucionismo (são os indivíduos mais espertos sobrevivem), mas tudo depende do ponto de vista. Sobretudo se o ponto de vista for o da vítimas.

As palavras proibidas

Estupidificação.

Lenta, mas inexorável, procede nas várias frentes. E chega até os bancos da escola. Não é por acaso: é aí que os cidadãos do futuro são criados, condicionar desde a tenra idade os cerebrinhos significa metade do trabalho já feito.

A melhor forma de condicionamento? Há muitas, mas as palavras têm um lugar especial: é que as palavras são a porta de acesso dos conceitos. Presas as palavras, os conceitos ficam menos visíveis.

E assim o Departamento da Educação de New York trava a guerra das palavras, algumas das quais podem ser removidas dos textos escolares. Para já são 50, no futuro quem sabe?

Por exemplo, a palavra "dinossauro". Uhhh, que palavra horrível, quase um palavrão. Porque "dinossauro" faz lembrar a evolução e isso não fica bem: e se a família da criança for criacionista? A criança fica perturbada.
Quer isso dizer que desaparece também a palavra "Deus" para não perturbar os evolucionistas? Não, "Deus" fica porque In God We Trust, em Deus acreditamos, como é possível ler imprimido nos Dólares.

27 março 2012

O Pacto

Estava imergido na pesquisa acerca da Modern Money Theory, quando deparei com um documento bem divertido. Vale a pena gastar algumas palavrinhas.

O documento tem como título "Projecto de Pacto Internacional acerca do Ambiente e o Desenvolvimento", é um tijolo de 242 páginas, assinado pela IUCN, a International Union for Conservation of Nature and Natural Resources, que trabalha com a ONU.

O documento em questão, de facto, constitui o projecto de Constituição Global para o Ambiente, está em marcha desde 1995 e a quarta edição foi apresentada aos Estados Membros das Nações Unidas no dia 22 de Setembro de 2010. Nos vamos ver a 3ª revisão, possivelmente a mais divertida.

Tanto para entender quem é esta IUCN, é suficiente dizer que a actual Directora Geral é a francesa Julia Marton-Lefévre, antiga directora executiva do programa Leadrship for Environment and Development da Fundação Rockefeller, antiga membro do concelho de administração do IIED, International Institute for Environment and Development (Banco Mundial, União Europeia, Comissão Europeia, Bill Gates Foundation), e colaboradora da Dow Chemical Company e da Coca-Cola Company .

Assim fica tudo mais claro, não é? Pois fica, por isso vamos em frente.

Uma história bizarra

Um artigo estranho.

Já ouviram falar de Barack Obama? É o simpático fulano com o cão português Bo e que mora em Washington. É também o presidente dos Estados Unidos, que é como dizer "Rei do Mundo". E Nobel da Paz.
Não riam, é de verdade Nobel da Paz.

Agora, o passado do simpático Obama sempre mostrou amplas lacunas. Ninguém sabe ao certo qual a verdadeira nacionalidade (a certidão de nascimento apresentada é suspeita, e este é um eufemismo) ou a religião dele. Na minha óptica estas não são coisas importantes: se uma pessoa for decente, quero lá saber se é americano ou turco, cristão, muçulmano ou pagão.

O problema é que: 1 - Barack não é decente; 2 - a eleição dele pode estar relacionada com factores que o grande público desconhece.

Fukushima: um estudo

"Fisicamente" é um bom site italiano: escrito por especialistas do sector (físicos da matéria, físicos nucleares, etc.), trata da física e dos fenómenos a esta ligados.

Agora um grupo de pesquisadores publica um estudo acerca de Fukushima. Baseado na avaliação das principais variáveis ​​no núcleo (temperatura, pressão, nível) como registados pelos instrumentos das unidades 1, 2 e 3 no momento do acidente, o relatório foi apresentado na localidade japonesa em ocasião do primeiro aniversário do terremoto.

O relatório desmente as afirmações da Tepco, a sociedade privada que gere as usinas nucleares japonesas. Segundo os Japoneses:
  1. o sismo foi de grau 9, consideravelmente superior aos limites do projecto dos reactores nucleares
  2. os três reactores em funcionamento foram regularmente desligados após o acidente e os sistemas de refrigeração entraram normalmente em função
  3. a onda do tsunami tinha danificado todos os sistemas eléctricos e diesel de emergência a diesel, e isso provocou os incidentes nos núcleos do reactores 1, 2 e 3.

26 março 2012

Mali, ou seja: mas quem liga?

...e continuemos a falar de África.

Houve um golpe no Mali, notícia que mereceu algumas linhas até nos media ocidentais ao longo da semana. Hoje, pelo contrário, no português Público, no italiano Corriere della Sera, no brasileiro Globo nem uma palavra.

É justo que assim seja. Afinal o Mali é País de 14 milhões de habitantes, quase todos pobres. Não têm nada para oferecer, não têm motivos de interesse. As notícias do Mali deveriam simplesmente ser proibidas pois subtraem espaço para assuntos bem mais empolgantes.

Por exemplo: a descida no mar do realizador James Cameron, 11 quilómetros abaixo da superfície. É sempre o realizador de Titanc e de Avatar. Wow! E depois há os preparativos da visita do Papa Rat Singer em Cuba. Wow e ainda Wow!

A pobreza do Banco Mundial

Diz o New York Times: "Relatório revela: a pobreza extrema em queda apesar da crise global".

Estranho, não é? Não, não é, só é preciso perceber donde chega este relatório:do Banco Mundial, que anuncia "Novas estimativas revelam uma queda da extrema pobreza entre 2005 e 2010".

Notícia relançada pelo The Economist:pela primeira vez na História, o número dos pobres diminui em todos os lugares".

Então, a crise global afinal faz bem? Mais desgraçadas as economias, melhor a vida de todos? E todos os novos desempregados?

Seria bom se assim fosse. Mas não é.

É preciso observar bem o relatório do Banco Mundial e perceber algumas coisas.
Por exemplo:

1. Os números nada dizem sobre o impacto da recessão.
Os dados reais cobrem o período 1981 - 2008, provavelmente os dados que terminam em 2008 nem podem dizer alguma coisa sobre o impacto duma recessão que começou nos Estados Unidos no final desse mesmo ano. O relatório alude a uma "estimativa preliminar" para 2010. Reparem: estimativa preliminar. E com base nisso o banco afirma com convicção que em 2010 atingiu o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio, nomeadamente a redução para metade do nível de pobreza. Nível de pobreza que o Banco fixa em 1.25 Dólares por dia.

O futuro americano da África

Uma agenda escondida dos Estados Unidos na África?

Faz sentido: o continente está repleto de recursos. Minerais, hidrocarbonetos, estratégia e, no futuro, um enorme mercado, já hoje com quase mil milhões de habitantes. E mais: nem é tanto escondida...

Isso explica, em parte, as intervenções humanitárias, as várias ONG,o caso Kony na Uganda, as guerras civis apoiadas por Washington no Sudão, no Congo, no Ruanda, na Somália, na Etiópia. Um total de 8 milhões de mortos nos últimos 20 anos.

Nile Bowie in Merchandising and Branding Support for US Military Intervention in Central Africa, Global Research, 14 de Março de 2012:
Em mais uma manobra destinada a ganhar a hegemonia na região e superar a China, os EUA tentam obter através do AFRICOM uma posição na zona extremamente rica em recursos da África Central. A República Democrática do Congo (RDC) é uma das maiores regiões do mundo sem um governo real. Tem grandes depósitos de diamantes, cobalto, cobre, urânio, magnésio e estanho, além de produzir mais de mil milhões de Dólares por ano de ouro. É bem possível que os Estados Unidos aumentem significativamente a presença deles na República Democrática do Congo sob o pretexto de querer capturar Joseph Kony 

25 março 2012

MMT - Parte I

Meus amigos, então é assim: chegou a altura de falar da MMT, a Modern Money Theory.
E porquê? Porque sim.

Na verdade já enfrentámos uma vez o assunto. Mas agora mais a fundo. Porque falar dos males desta sociedade é simples, propor algo de alternativo já é mais complicado.
Mas fique descansado o Leitor: aqui está Informação Incorrecta. Está tudo dito.

Pode ser a Modern Money Theory uma válida alternativa? Acredito que sim. E reparem: não a alternativa mas uma das alternativas.
Poderá ser implementada? Acredito que não. Porque implicaria a perda do poder que bancos, grandes corporações e elite corrupta conseguiram reunir ao longo dos últimos séculos.

Claro, o discurso é comprido. Mas temos tempo, não temos? Convido o Leitor a acompanhar-me nesta viagem, que começa hoje, no final da qual verá o mundo de forma diferente. Que concorde com a teoria ou que não concorde, tanto faz. Um exagero? Nem por isso. Mas vamos explicar.    

23 março 2012

O fim do mundo. Como sempre.

É Sexta-feira, dia da ficção científica. Desde quando? Desde hoje.

Circula na internet o resumo dum "evento planetário", uma espécie de The Big One, que é suposto acontecer nestes dias-semanas-meses.

Tudo parte das centenas de demissões que efectivamente tiveram lugar nos últimos tempos e que atingem lugares-chave no mundo da política mas sobretudo da economia e da finança.

Vamos ler, do site Stampa Libera:

22 março 2012

Pôr em segurança o próprio computador - 2: Antivírus

Mas a página dos Programas não deveria ter sido reorganizada?
Ah, pois, deveria. Mas o tempo é o que é, lamento.

Mas não fique triste e deprimido o Leitor!
Eis um comprido artigo acerca de como pôr em segurança o próprio computador. Não é bem a mesma coisa, mas lembre: todos nós somos navegantes da internet, todos somos possíveis alvos de vírus e ameaças várias.

E mais: como o bom Max não é um especialista do sector (e nem entende substituir-se ao vários blogues e sites de informática), nada melhor de que confiar nas palavras de quem dedica à segurança o próprio trabalho. E quem é esta pessoa? Bom, em verdade são várias, vamos conhece-las.

Alguns Leitores não gostaram da ideia. "Assassino, criminal! Não é isso que este blog tem de tratar!".

Justo, não é esta a essência de Informação Incorrecta. De facto, este não é o início duma nova secção dedicada ao mundo da informática, pois não é este o âmbito natural do blog. É algo feito una tantum como diziam os Romanos, esporadicamente.

A razão? Como afirmado: todos nós somos utilizadores de computadores e possíveis alvos de ameaças.

Por isso: boa leitura e fiquem descansados.

Um ataque nuclear não é boa coisa

Os jornalistas do Daily Mail não sabiam como ocupar o tempo. Então contactaram a administração do simpático Obama, na esperança de ter algumas novidades.

Infelizmente também em Washington reinava o tédio: o presidente ainda não tinha dado ordem para atacar nenhum País e "matar o tempo" era um sério problema.

De repente, uma ideia: "E se uma bomba atómica atingisse Washington?". E porquê Washington? Porque, por exemplo, não Teherão? E porquê uma bomba atómica? Já não há aviões disponíveis? Mas o que interessa isso? A verdade é que o título ficava bem:
O que aconteceria se uma bomba nuclear atingisse Washington DC? O relatório terrível que prevê os danos que um ataque terrorista iria causar na capital da nação.
Admitimos: faz um certo efeito. Sobretudo porque foi acrescentado o elemento "terror": é a velha história dos terroristas que possuem bombas atómicas mas nunca decidem usa-las. Quem sabe a razão? Mesmo assim, calha bem: é só acrescentar alguns gráficos, poucas imagens e a tensão é mantida alta. Os jornalistas têm algo para publicar, a administração do simpático Obama trabalha um pouco, afinal é isso que conta.

O delirante planeta dos jornalistas

Um ano atrás o massacre de Oslo.
Ainda as armas estavam quentes e já os diários de meio mundo afirmavam ter sido um ataque de Al-Qaeda.
Depois a verdade: nada de Al-Qaeda mas um solitário com simpatias de extrema direita.

E os jornalistas, em vez de pedir desculpa, começaram a procurar provas dum enredo com base nos movimentos anti-Islão. Cujos dirigentes podem não ser génios, mas percebem muito bem que um atentado como aquele teria destruído o trabalho de anos.

Duma outra pista, bem mais interessante, aquela israelita, nem uma palavra.
Esquisito, não é?

Agora, em França, dois ataques contra os militares e um contra uma escola hebraica de Toulouse. Logo os diários, lembrando a péssima figura anterior, têm culpado os neo-nazistas.

Azar: era um solitário islâmico com simpatias para Al-Qaeda. É provável que em caso dum próximo ataque os diários culpem islâmicos neo-nazistas, tendo assim 50% de probabilidade de acertar.

Porque o micro-crédito não funciona

Enquanto os novos iPad da Apple desligam para arrefecer (mas a Apple avisa: não utilizar com mais de 35ºC) e quem pagou até 800 Dólares percebe agora ter adquirido uma frigideira de escassas prestações,  vamos tratar de assuntos bem mais importantes.

Por exemplo: o micro-credito.

A solução de Yunus

Trinta anos atrás, pensava-se que fosse esta a solução perfeita para o desemprego e a pobreza nos Países em desenvolvimento: a concessão de micro-crédito aos pobres, utilizado para implementar pequenas actividades comerciais.

Esta micro-finança está intimamente associada ao Dr. Muhammad Yunus, economista do Bangladesh treinado nos Estados Unidos e Prémio Nobel da Paz em 2006. Já tratámos dele no artigo O chacal, enquanto em Outros chacais vimos o suspeito modus operandi de muitas agências de micro-crédito. Mas não é das desventuras pessoais ou empresariais que vamos tratar aqui: agora o assunto é a mesma ideia de micro-crédito.

Celebrando a auto-ajuda e os empresários em nome individual (e, implicitamente, desacreditando outras formas de acção colectiva tais como as cooperativas, por exemplo), os promotores da comunidade internacional de desenvolvimento neoliberal observaram com amor o fenómeno da micro-finanças.

21 março 2012

Falar do Tibete fica mal

Acho que nunca este blog falou do Tibete.
Mau.

Resumo dos últimos 60 e poucos anos.
Em 1949 Mao Tzedong proclama a República Popular Chinesa e invade o Tibete: revoltas, dezenas de milhares de mortos, destruição de templos e de obras artísticas. O Comunismo no seu melhor.

Mas porquê falar do Tibete agora?
O facto é que cada vez mais monges budistas tibetanos usam a imolação como forma de protesto contra a repressão da liberdade religiosa por parte de Pequim. O suicídio, no entanto, não consegue atrair a atenção mundial sobre a questão tibetana.

Os observadores atribuem isso ao crescimento da China até o status de super-potência económica, e, portanto, as delegações dos governos ocidentais evitam tratar o problema com Pequim. Nenhum primeiro-ministro ocidental vai para Washington para falar da base de Guantanamano, certos assuntos devem ser evitados. O mesmo se passa na China.

A moeda (limpa) do futuro

Nova economia? Moeda alternativa?
Enquanto nós estamos aqui a debater, os Estados Unidos ficam um passo à frente e experimentam o futuro.

Neste caso, a nova moeda escolhida é um detergente, o Tide. Deve ser uma resposta ao "dinheiro sujo".

Óbvio, os primeiros foram os fora-de-lei, mas desde sempre os que lutam contra as regras imperantes são vistos como subversivos. Depois o povo segue a estrada traçada.

Vamos explicar.
Nos EUA acontece um fenómeno, a "monetização" do Tide, o detergente líquido utilizado nas máquinas lava-roupa. É caro (entre 12 e 18 Dólares) e muitas donas de casa já não podem enfrentar a compra. Então? Então o Tide é roubado em grandes quantidades, ao ponto que os gestores das lojas pensam fecha-lo em montras com cadeado, como acontece com as garrafas de champanhe.

Não estamos a falar duma ou duas embalagens desaparecidas, mas de verdadeiras incursões organizadas para roubar carrinhos cheios de Tide.

20 março 2012

Deus salve as galinhas

Sinais. Pequenos/grandes sinais que surgem no globo. Tudo normal ou algo está em marcha?
O Leitor é que sabe. Informação Incorrecta tem o papel de mostrar os vários sinais.

Por exemplo: nos Estados Unidos, o simpático Nobel da Paz Barack Obama acaba de assinar uma Ordem Executiva do Presidente (que é ele, o simpático Obama!), com o nome de Preparação Nacional dos Recursos para a Defesa. Tal ordem pode implementar a lei marcial no território americano em tempo de paz.
Mas vamos ver com mais atenção.

Esta Ordem confere ao presidente o poder de utilizar qualquer coisa que seja julgada necessária em nome da defesa nacional. Isso em tempo de paz porque, como diz o nome, estamos perante uma "preparação".
Não é este um cenário de guerra, não há aqui um ataque: são os Estados Unidos que se preparam.

Assim, alegremente, os ministros da Agricultura, da Energia, da Saúde e Serviços Sociais, dos Transportes, Defesa e Comércio podem entrar numa quinta qualquer e dizer ao dono:
- Em nome da Ordem Executiva do Presidente dos Estados Unidos para a Preparação Nacional dos Recursos para a Defesa, faça o favor de entregar comida, gado, adubos, máquinas agrícolas, todas as formas de energia, água e recursos hídricos, todos os veículos de transporte e qualquer outro material que possa ser útil, inclusive os materiais de construção.
- Também as galinhas?
- Sobretudo as galinhas: com aquele olhar fixo vêem tudo e são perigosas.

Hollywood e o Sudão

George Clooney preso. Coitadinho. Afinal queria apenas travar a guerra no Darfur.

Mas vamos ouvir as palavras de quem vive no Sudão: o que pensa uma sudanês?
Antes a intervenção de Nesrine Malik, publicada no diário The Telegraph, a seguir uma breve consideração:

George Clooney não ajuda o Sudão
Desde Sexta-feira, quando Clooney e os seus seguidores foram presos por causa do protesto em frente à embaixada sudanesa em Washington, a maior preocupação não era tanto para o sofrimento do povo das montanhas Nuba (a razão que Clooney está a apoiar) mas o activismo das celebridades. As estrelas são vítimas deles mesmas, tornando visível a fama mas pouco carisma, e é uma tortura ouvir as considerações do manifestante Clooney sobre o que está a acontecer no Sudão.
Mas ele é um actor, não um político ou um especialista em política académica. Ele quer salvar vidas. Mas qual o impacto que os EUA têm sobre o governo sudanês? Muito pouco. O envolvimento internacional tudo pau e nada cenoura pode ser contraproducente. Mas tentamos ser bons com Clooney, e olhar para além dos comentários maliciosos e das piadas. É admirável que empenhe o seu tempo, a sua saúde e os seus recursos. Eu não tenho dúvida de que é sincero. Mas tomou o Sudão, o principal interessado, pelo lado errado. O crime que a maioria dos sudaneses encontrou neste último incidente fica na suspeita bem fundamentada duma indignação selectiva por parte dos Estados Unidos.

O sistema dos bancos-sombras

Cá estamos outra vez.
E falemos de bancos.

As Mentes Pensantes de Bruxelas lançam um Livro Verde. Um conjunto de receitas vegetarianas? Um manual de jardinagem? Nada disso.
Explica a União Europeia:
Os Livros Verdes são documentos de discussão sobre um específico assunto político, publicados pela Comissão. São antes demais documentos para todos aqueles (organizações e privados) envolvidos no processo de consulta e debate.
Wow, parece uma coisa importante...e de facto é: a ideia é estabelecer uma forma de vigilância do sistema dos bancos-sombras.
O que é isso?

19 março 2012

Intervalo (comentários livres)

As transmissões estão interrompidas por motivos técnicos-políticos-logísticos-religiosos (falta de tempo) e serão retomadas no dia de amanhã.

Pedimos desculpa pelo incómodo, estamos a trabalhar para Si (mais ou menos).

Entretanto, os Leitores são convidados a utilizar o espaço reservado aos comentários para comentar tudo e mais alguma coisa.

Obrigado desde já, que a Força esteja convosco.

Nota: o "Intervallo" ao lado é um raro original dos anos '80 da RAI, a radio-televisão italiana.Se é que isso interessa, coisa da qual duvido.

Ipse dixit.

16 março 2012

Pôr em segurança o próprio computador - 1: Vírus e Malware

É sexta-feira: fechamos a semana com um tema levezinho.

Já pensaram na segurança do vosso computador? Por causa da visita na Deep Web tive que fazer algumas actualizações e aproveitei para recolher alguns dados e definições.

Eu sei, eu sei: este não é um blog de informática e eu nem sou um informático. Mas você, você mesmo que está a ler estas linhas, é um utilizador da internet, por isso possível alvo de ataques informáticos, mais ou menos problemáticos.

Pode Informação Incorrecta ficar insensível perante o grito de dor dos Leitores? Claro que não, ora essa. E deixem de gritar todos juntos, sério, não gosto de barulho. Por isso fui procurar entre quem conhece estes assunto. E a seguir o resultado (que será inserido na página "Programas" (a propósito: no fim de semana a dita página será actualizada, com imensa felicidade de grande e pequenos).

Emisoft, casa produtora de sistemas de protecção anti-vírus, assim divide as várias ameaças que podem ser encontradas na normal navegação internet. Aviso: o termo malware é a contracção das palavras malicous software, programa malicioso, por isso inclui todas as ameaças, mesmo os "normais" vírus.

Amok

Amsterdam (Hollanda), 09 de Abril de 2011. Um jovem dispara loucamente num centro comercial de Alphen aan den Rijn, uma cidade de 70.000 habitantes, cerca de 40 km de Amsterdam, e mata seis pessoas antes de suicidar-se. Testemunhas afirmam que o homem tinha entrado no shopping Ridderhof ao meio-dia e começou a disparar contra a multidão para em seguida cometer suicídio. O nome dele era Tristan van der Vlis e tinha 24 anos. O jovem, que vivia com o pai não longe do local do massacre, tinha uma licença de arma e era proprietário de três armas de fogo.

Oslo (Noruega), 22 de Julho de 2011. Anders Breivik Behring, 32 anos, faz um massacre na Noruega, primeiro com uma bomba em Oslo e, em seguida, na ilha de Utoya, onde morrem 77 pessoas.

Istambul (Turquia), 30 de Novembro de 2011. Um homem armado com uma espingarda atira sobre a multidão perto do Topkapi e provoca três feridos graves. O tiroteio com as forças de segurança leva cerca de uma hora, em seguida, o homicida é abatido. De acordo com as testemunhas, o homem gritava Allah Akbarâ (Deus é Grande) antes de atirar contra os turistas.

Hollywood (Estados Unidos), 9 de Dezembro de 2011. A polícia armada mata um homem que abriu fogo, disparando aleatoriamente contra os carros em trânsito, ferindo gravemente uma pessoa. Teatro do disparo a famosa Sunset Boulevard no cruzamento com a Vine Street. Uma testemunha, Oscar Herrera, disse à KABC-TV ter visto o homem disparar pelo menos nove tiros contra os carros em trânsito, enquanto gritava I kill (Eu mato). Os investigadores estão a tentar entender os motivos do ataque.

A propósito...

...eis uma notícia de ontem: os hackers de Anonymous voltaram a atacar.

Desta vez alvo do mais recente ataque foi o sitio oficial do Banco Central Europeu, o falso banco da União Europeia nas mãos dos bancos privados.

A acção começou na tarde do dia 14 de Março e as páginas do BCE ficaram offline ao longo de duas horas.
Mais logo a reivindicação:
Queremos informar as pessoas que vocês tramam nas costas delas, em prol dos interesses dos credores privados querem transformar a Europa numa imensa lavagem de Títulos tóxicos que vocês criaram.
Difícil contestar o ponto de vista, é só informar-se...

Isso para completar o discurso acerca da Deep Web.
Como vimos, há muitas maneiras da verdade emergir.


Ipse dixit

A internet profunda (Deep Web)

Bom, meus senhores. Alguém entre os Leitores sugeriu falar dum assunto, a Invisible Web ou Deep Web.
Curioso, fui espreitar e fiquei de cabelos em pé. Mas vamos explicar.

O icebergue

Os motores de pesquisa ou busca (Google e os outros) não conseguem listar tudo o que está na internet. Aliás, conseguem listar muito pouco. Quanto? Eis alguns dados:
  • A informação publicada na Deep Web (ou Web profunda) é actualmente de 400 a 550 vezes maior do que a rede normalmente definida World Wide Web.
  • A Web profunda contém 7.500 terabytes de informação em comparação com os 19 terabytes de informação da Web "superficial".
  • A Web profunda contém cerca de 550 biliões de documentos individuais em comparação com o 1 bilião da Web de superfície.
  • Existem mais de 200.000 sites na Web profunda.
  • Sessenta dos maiores sites da Deep Web contêm no total cerca de 750 terabytes de informação, só por si suficientes para exceder o tamanho da Web de superfície quarenta vezes.
  • A Web profunda é a categoria com o maior crescimento de informações.
  • Os sites da Web profunda tendem a ser mais estreitos mas com conteúdo mais profundo, do que sites de superfície convencionais.
  • Mais da metade do conteúdo da Web profunda é constituído por tópicos específicos em bancos de dados.
  • Um total de 95 por cento da Web profunda é a informação acessível ao público, isso é, não sujeita a pagamentos ou assinaturas.
Para simplificar e entender melhor o que é esta Deep Web e porque os motores de pesquisa não conseguem localiza-la, é necessário entender o que é um database (nota: como não sou um "expert" no assunto, espero não escrever idiotices...): de facto é uma lista, que pode tratar de qualquer argumento. Os motores de pesquisa não conseguem "indicizar" ou "indexar", como se costuma dizer, os database que, portanto, são acessíveis apenas se tivermos o endereço directo.

15 março 2012

Horror: "Ai se eu te pego" acusada de plagio!

O quê? Outro post?
Bom, hoje chove, há espaço para uma breve panorâmica acerca do que se passa no mundo. Vamos ver algumas notícias, em ordem de importância.

Brasil: "Ai se eu te pego" acusada de plágio

Esta é uma notícia terrível.

A Justiça brasileira mandou bloquear o dinheiro feito com o tema tornado famoso pela voz de Michel Teló.
Um grupos de estudantes brasileiras acusa a compositora da música "Ai se eu te pego" de plágio.

As jovens afirmam que durante algum tempo a compositora Sharon Acioly admitia que se tinha baseado na música das estudantes, mas depois deixou de o fazer.

Eu fiquei de rastos, á não há respeito nem religião.
Mas gosto de lembrar o simpático Michel assim, sorridente, com a sua treta simpática canção enquanto dezenas de simpáticos jovens e menos jovens repetem as simpáticas palavras, como neste vídeo.

Não, estou a brincar, não tenho coragem para pôr o vídeo aqui...

A Fuga

De vez em quando aparecem artigos que anunciam a morte do Dólar. Pois, porque não é apenas o Euro que está em coma: o bilhete verde de Washington não tem nada para rir.

Difícil que possa ser indicado um dia preciso para estabelecer o fim do Dólar: mais do que isso, é provável assistir a uma mudança de hábitos que, lentamente, determinarão a saída da moeda americana qual "dinheiro do mundo".

Por exemplo: China Daily informa que o Japão está a comprar Títulos de Estados chineses. É um marco histórico, pois até poucos meses atrás, Tóquio guardava a maior reserva de Títulos de Estado americanos.

O facto é que os Países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e Japão estão cheios de Dólares e Euros resultado dos lucros comerciais: é inevitável que, cedo ou tarde, essa montanha de papel volte para o mercado para a compra de bens reais.

O centro do mundo

Enquanto a Europa está a entreter-se com a crise financeira, o resto do mundo avança. Ou recua, pontos de vista.

Os Estados Unidos, por exemplo, continuam as grandes manobras político-militares no Oceano Pacífico, a área geopolítica da renovada expansão e provável futura etapa de eventos de portada histórica.

A visita do presidente Obama na Austrália (meados de Novembro) tem produzido resultados muito significativos: após o seu discurso, com o qual elogiou os mais de sessenta anos de cooperação militar entre Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia no ANZUS (uma espécie de NATO do Pacífico meridional), Julia Gillard, o primeiro-ministro australiano, disse que "a nossa região está a crescer economicamente, mas a estabilidade é fundamental para o crescimento económico e a nossa aliança foi uma das bases da estabilidade na nossa região".

Obama, por sua vez, reiterou que os Estados Unidos estão a focara atenção nas questões de segurança na Ásia Oriental e no Pacífico, e que a mensagem que os EUA enviam para a Ásia e do Pacífico é: "Estamos aqui para ficar". Uma declaração extremamente importante, que deve ter feito endireitar os ouvidos dos Chineses.

I am the Law (eu sou a Lei)

Os Estados Unidos são conhecidos por serem o País da Liberdade.
Demonstração: o governo de Barack Obama toma a liberdade de decidir quando um cidadão pode gozar dos direitos constitucionais e quando não pode.

Num discurso arrepiante de poucos dias atrás na Northwestern University Law School, em Chicago, o procurador-geral (Attorney General) dos Estados Unidos, Eric Holder, anunciou publicamente os princípios "legais" com os quais o presidente dos EUA pode secretamente ordenar o assassinato de suspeitos de terrorismo, incluindo cidadãos norte-americanos e em todos os cantos do planeta.

Reparem no termo: não "terroristas" mas "suspeitos de terrorismo".

A intervenção estabelece, na prática, a supressão de qualquer controle sobre o poder executivo, resultando num perigoso ataque aos direitos democráticos garantidos pela Constituição.

14 março 2012

Doenças: o drama da estupidez crónica

Breve artigo dedicada ao tema:estupidez.

A estupidez é uma doença bastante difundida no planeta: os sintomas mais frequentes são afirmações sem sentido ou até delirantes, incapacidade de entender o próprio estado "estupidificado", a recusa de qualquer tipo de tratamento, mesmo perante flagrantes evidências.

Verdade seja dita: uma cura definitiva não existe, no máximo podem ser subministrados medicamentos sintomáticos (mordaças ou soníferos).

Eis um caso clássico de estupidez, relatado pelo Corriere della Sera (um especialista no sector):
Dante anti-semita e islamofóbico. A Divina Comédia deve ser tirada dos programas escolares.
Antes de prosseguir será bem lembrar quem é este Dante e qual o papel dele e da sua Divina Comédia.
A Commedia foi escrita por Dante Alighieri entre 1304 e 1321 e representa, nada mais nada menos, que uma obra prima da literatura mundial, filha da poética provençal e (justamente) leitura obrigatória nas escolas italianas (tal como acontece com Os Lusíadas em Portugal).

Seignorage...seigneurage...mas como raio se escreve?

Não que fosse indispensável, mas as confirmações oficiais fazem sempre bem.

O Europarlamentar Marco Scurria pediu esclarecimentos acerca duma resposta que a Comissão Europeia tinha dado após outro pedido italiano, o do Eurodeputado Marco Borghezio: na resposta era afirmado que o Euro pertence ao Eurosistema enquanto na fase da circulação pertence ao titular da conta na qual são depositadas.

Atenção ao uso das palavras, que no âmbito burocrático têm um determinado peso específico.
Segundo esta primeira resposta do Comissário Olli Rehn, a propriedade das notas do Euro (onde encontramos em várias línguas o acrónimo BCE, do Banco Central Europeu) é do Eurosistema.

Mas que raio é este Eurosistema? 

Na página oficial do BCE, o Eurosistema é definido da seguinte forma:
O Eurosistema é constituído pelo BCE e pelos BCN dos países que adotaram o euro. Coexiste com o SEBC enquanto houver Estados-Membros da UE fora da área do euro.

Títulos de Estado: Primary Dealers

Dívida pública.
Bom, vamos ver: se houver uma dívida deverá existir um credor, justo?
E quem é o credor, a pessoa que compra a dívida pública dos Estados?

No geral a explicação é que os credores são "privados": instituições, pessoas que querem pôr as próprias poupanças a render, fundos de investimento. O termo utilizado muitas vezes é:especuladores.

O pequeno especulador

Porque é disso que falamos: eu, João Pedro Paulo de Vasconcelos da Arrabida, tenho na minha conta 100 Euros (porque sou um bocado pobre, mas enfim). Com uma normal conta bancária os juros chegam apenas para pagar as despesas de manutenção da conta, se a ideia é ganhar algo a estrada é outra.

Então vou ao banco e pergunto: "Olhe lá, seu Director que outra coisa não é: como posso tornar as minhas poupanças mais rentáveis?".
O Director olha a nossa conta no ecrã dele e diz: "Você é um morto de fome, saia desta instituição respeitada".

Porque é assim: com 100 Euros que raio de investimento podemos ter? Nem o depósito da gasolina conseguimos encher.

Mas eu, João P.P.d.V.d.A., consigo outros 9.900 Euros. 100 + 9.900 = 10.000 Euros!
Não que seja muito, mas algo é possível fazer.

13 março 2012

A terceira vaga

Não pode ser travado. O mundo da especulação financeira é algo que continua, imparável, apesar das crises. Pode abrandar nas alturas mais complicadas, mas uma vez que a situação ficar estabilizada (não "recuperada", simplesmente "estabilizada"), eis que a especulação recupera o fôlego.

Seria o caso de repensar a nomenclatura Homo sapiens? Talvez seria, mas vamos aos factos.

As primeiras vagas

O nível da especulação financeira mundial subiu para os mesmos patamares de antes da crise.
A primeira vaga, para ser claro, as das hipotecas subprime de 2007-2008: estamos de volta a cerca de um trilião de Dólares por ano, quando o produto interno bruto mundial é de cerca 70 mil milhões de Dólares. O que significa que a economia virtual é quase 15 vezes a economia real: normal, portanto, que a economia virtual tenha um peso maior da real, condicionando esta última.

Atrás disso temos uma gigantesca bolha especulativa, cujo real valor é desconhecido; os especialistas tentam quantifica-la há mais de cinco anos, sem sucesso. estão pedindo quase uma década e que mais cedo ou mais tarde chegaram à superfície.

O que sabemos é que cedo ou tarde explodirá, porque é nas naturezas das coisas.

Primeira vaga. Porque não foi a última. Depois foi a vez da segunda vaga, começada com a especulação dos Títulos dos governos europeus em 2011 e ainda não acabada. Nestes dias os media repetem que a Grécia alcançou o delicado equilíbrio entre PIB e dívida, que o spread está outra vez nos limites, que o pior já passou. Infelizmente, não é assim.

Mas isso agora nem interessa. O que interessa é a terceira vaga.

MOP, a mãe de todas as bombas

Uma boa notícia para todos os Leitores que têm medo de ser possíveis alvos no caso dum ataque militar iraniano: os Estados Unidos apresentam a "Mãe de todas as bombas" não nucleares, o MOP, Massive Ordnance Penetrator.

Agora podem ficar descansados: Teherão tem que cuidar-se e repensar nos seus planos para conquistar o mundo e arredores. Agora temos o MOP. E o MOP não brinca, em particular quando se encontra em serviço.

Mas afinal o que é este MOP?
É simples: o MOP é um bunker bluster, uma bomba projectada para penetrar nas instalações subterrâneas dos inimigos e fazer um massacre.

Este tipo de arma não é uma novidade e o exército dos Estados Unidos já tinha bombas como estas. Só que não eram suficientemente "massacradoras". Era preciso algo mais, algo de mais mortífero.

Em 2002, o Northrop Group e a Lockheed Martin já estavam a trabalhar numa bomba de 13.000 quilos, conhecida como "Big Blue", mas o projecto tinha sido abandonado por causa do custo e das dificuldades técnicas. Mas a guerra do Iraque, em 2003, revelou que os bunker bluster americanos não eram suficientes: sim, causavam mortos, mas não tinham muita graça.

Uma ideia para o futuro

Tal como prometido, eis a segunda carta recebida via e-mail. Desta vez o tema é a energia.

Agradeço mais uma vez a participação e lembro que qualquer Leitor pode enviar o próprio texto desde que trate de assuntos de interesses gerais. Os escritos serão publicados, independentemente do autor do blog partilhar ou não as ideias do Leitor.

E agora:boa leitura!
Uma ideia para o futuro

Decidi partilhar uma teoria que tenho acerca de uma tecnologia alternativa que pode muito bem ser útil…se funcionar, como é óbvio. E, ao mesmo tempo, gostava ouvir algumas opiniões a respeito dela: será que isto não passa de ficção científica, de um mero devaneio da minha imaginação…ou poderia mesmo funcionar?
A tecnologia em questão é o famoso gerador contínuo de energia, ou máquina de movimento perpétuo. Os físicos dizem que é uma impossibilidade, mas segundo parece, já Nikola Tesla tinha projetos para isto, e estando nós em 2012, e tendo hoje ao nosso dispor tecnologia muito mais avançada, será que essa impossibilidade permanece?

No outro dia, no canal Discovery, estava a passar um daqueles programas em que mostram como as coisas são feitas e funcionam. Naquele momento, o programa focava-se num flash de máquina fotográfica. E explicava o narrador que a luz do flash é de 3000 volts. Como conseguiam as pilhas do flash originar essa energia? A resposta estava em 3 pequenos transformadores dentro do flash, que, um, após outro, transformavam a voltagem das pilhas numa voltagem muito maior.

12 março 2012

A Rússia de Putin e o futuro multipolar

Putin ganhou as eleições.
O quê interessa? A Rússia é tão longínqua e fria.
Pelo contrário: interessa, e muito.

Os Estados Unidos, depois de terem aprovado Putin após a idade de ouro de Gorbachev e Yeltsin, a queda acelerada e até a fragmentação da Rússia sonhada por Zbigniew Brzezinski no grande tabuleiro geopolítico, agora desesperam: como raio livrar-se de Putin?

A tentativa duma nova Revolução Laranja na Rússia fracassou apesar da presença em Moscovo de Mac Faul, o embaixador que se auto-denomina "um especialista em movimentos democráticos, anti-ditaduras e revoluções".

A actual oposição russa não tem líderes, não tem qualquer unidade e apresenta tendências diametralmente opostas no próprio seio: é uma criação dos media ocidentais, sem espessura.

O regresso da Santa Mãe Rússia? Parece. Mas fiquem descansados os nostálgicos do antigo regime soviético: a Rússia de Putin nada tem de comunista. É, pelo contrário, algo de novo, uma alternativa que ainda está à espera de ser totalmente decifrada.

O database francês

Eu acho não ser o caso de incomodar assuntos quais Nova Ordem Mundial e similares. Tudo é muito mais simples: informação e controle, o sonho de qualquer regime, desde sempre.

Agora, na França, conseguiram um passo em frente.

Os deputados franceses votaram na Terça-feira 6 de Março a favor da criação dum arquivo de identificação com os dados biométricos de toda a população francesa.

A ideia é lutar contra o roubo de identidade, cerca de 15.000 casos por ano.

A medida, aprovada com 285 votos a favor e 173 contrários, será agora obstaculizada pelo Partido Socialista que entende ouvir o parecer do Conselho Constitucional. Caso tivesse que passar também o exame do Conselho, isso significaria a criação dum novo bilhete de identidade e dum banco de dados centralizado.

Um paralelo entre ciência e religião

Recebi dois textos que publico de bom agrado: hoje o primeiro, amanhã o segundo.

Lembro que qualquer Leitor pode enviar os próprios escritos, desde que o assunto tratado seja de interesse público, como é natural. Por isso agradeço o Leitor Anónimo e convido à leitura:


Um paralelo entre ciência e religião
(no qual, vulgarmente, não se costuma pensar)

Olá aos leitores de Informação Incorrecta.

No post que aparece agora em primeiro lugar, o Max diz para continuar a comentar os assuntos que se costumam comentar aqui…e eu, à semelhança de outros posts que vi aqui publicados, escolhi, como tema de análise, algo que incluísse a religião.

Mas, aviso prévio: vou comentar um assunto religioso de uma forma que talvez não tenham visto antes…por isso, tenham a mente aberta, e não percam a concentração, que isto que vão ler requer capacidade de “visualização” e de “encaixe”. E eu já sei, pelo assunto que é, que a controvérsia vai ser imensa.

Cá vai: Religião e Ciência. Este sempre foi um dos duelos mais persistentes da História humana. Creio que todos concordaremos com isto. Ao longo dos séculos, aquilo que a religião dizia, a ciência tomava como mistificação, crença supersticiosa, sem fundamento ou explicação. Aquilo que a ciência dizia, a religião chamava de heresia, apostasia, descrença e falta de princípios.

09 março 2012

Obrigado Blogger.

Cortesia de Blogger, agora o fundo aparece com uma horripilante tonalidade azul (mais ou menos na primeira metade da página): isso significa que tenho de encontrar algo diferente. Trocassem as cores dos carros deles, em vez de mexer nos blogues...

Peço desculpa: talvez fique assim no fim-de-semana, vamos tratar disso com calma.

Update: a faixa azul durou algumas horas, depois desapareceu. Mistérios de Blogger...

Ipse dixit.

Macondo Resiste

Olá pessoal!

Nasceu um novo blog: Macondo Resiste.
Já está adicionado ao blogroll e aconselho uma espreitadela. Talvez Macondo penda um pouco para a esquerda, mas é outra voz fora do coro e é sempre bem vinda. Além disso, apresenta-se muito bem, trata temas interessantes com créditos e tudo.
Um bom trabalho.

Votos dum próspero futuro para Macondo, nome que faz lembrar o melhor livro alguma vez escrito por um ser humano. Já por isso merece sucesso :).

Ipse dixit.

Link: Macondo Resiste

Grécia: Swap, CDS, ISDA, Credit Event...tudo normal.

A propósito: a Grécia...

Alt! Mas não era esta Sexta-feira, o dia das notícias light?
E desde quando a Grécia é um assunto sério?

Por isso: breve actualização acerca da situação na Grécia, da qual falámos ontem. A corrida para o swap foi uma estrondoso sucesso. Ontem, na autoradio, ouvi dizer que a quota de 85% tinha sido alcançada mas que os resultados oficiais só teriam sido conhecidos no dia a seguir (hoje). Nem o tempo de chegar em casa e já os diários online apontavam 90, 95, 100, 170%...

Na prática todos, mas mesmo todos foram de joelhos até Atenas para pedir: "Por favor, não quero ganhar muito, cortem a rentabilidade dos meus Títulos!". Estes "todos" eram os bancos, sem dúvida, mas também  privados "normais", cidadãos comuns que tinham investido parte das próprias poupanças nos Títulos de Estado gregos. E agora perderam 75% do valor. Justo assim.

Kinderlager

E continuemos com assuntos pré-fim-de-semana.

Vosso filho é um pouco agitado? Faz muitas birras? Óbvio: é um futuro criminal.
Como? Tem só dois anos? Isso mesmo: é esta a idade na qual é possível identificar os perigosos fora-de-lei de amanhã.

Esta não é uma piada, mas o resultado duma pesquisa publicada pelo diário Telegraph:
As educadoras deveriam identificar as crianças que mostram os primeiros sinais de agressão e reprimir o mau comportamento, marcando visitas com um especialista, afirma o documento.
Os filhos mal comportados podem ser salvos com a socialização e com a imposição de limites adequados: isso pode prevenir o aumento dos problemas.

Coca-Metilimidazol e Pepsi-4-MEI

Sexta-feira, dia de notícias leves para que o Leitor fique bem disposto em vista do fim-de-semana.
Um serviço de Informação Incorrecta.
Por exemplo esta:

A Coca-Cola e a Pepsi vão alterar a receita dos seus refrigerantes para não terem de pôr avisos contra o cancro nos rótulos.

Cancro? Como assim? É um refrigerante, não uma central nuclear.
O problema é que as bebidas contêm um corante, aquele que dá o bonito tom caramelo, que é potencialmente cancerígeno.

Explica a porta-voz da Coca-Colca, Diana Garza Ciarlante:
Apesar de considerarmos que não há qualquer risco para a saúde pública que justifique esta alteração, pedimos aos nossos fornecedores de caramelo para alterarem a quantidade do corante 4-metilimidazol para que as nossas bebidas não tenham que exibir um aviso no rótulo que não tem qualquer fundamento.
É uma justificação interessante: a Coca-Cola e a Pepsi consideram que não haja riscos para a saúde e que um aviso nos rótulos não teria fundamento. No entanto, mudam a receita.

08 março 2012

O progresso, a velocidade

O que é o progresso?
Wikipedia:
Progresso é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.
Ahé? Não, eu entendia outro progresso. A concepção filosófica do progresso. Que na Wikipedia portuguesa não existe. Melhor experimentar a versão espanhola:
El progreso es un concepto que indica la existencia de un sentido de mejora en la condición humana.
Olé. Esta é a definição. Mas estará correcta?
No ano 1650, na Europa, os suicídios eram 2.6 por cada 100 mil habitantes. No ano 1850 eram já 6.9, hoje são 20 por cada 100 mil habitantes.
Matematicamente falando há de facto uma "progressão". Mas não é possível falar de "mejora en la condición humana". Pior: os suicídios são mais difundidos nos Países desenvolvidos. Dá que pensar.

Grécia? Swap!

A Grécia. Pois, a Grécia.
A seguir um artigo que pode parecer complicado, mas não é.
Tenham fé e vejam.

Esta noite às 21 será a hora de X para Atenas. Após semanas de negociações, finalmente o País vai saber qual o próprio destino: uma falência descontrolada, com provável regresso à Dracma, ou uma sobrevivência, a submissão forçada ao verbo de Bruxelas e uma falência adiada.

Tudo depende do que acontece com o assim chamado PSI, que termina em poucas horas. PSI significa Private sector involvement, envolvimento do sector privado e refere-se ao plano que inclui o envolvimento dos credores privados no resgate do País.

Avaaz, Danny e Khaled, alegremente na Síria.

Imagens terríveis aquelas que chegam da Síria.
Para boa sorte está Avaaz, a ONG que tudo relata.

Começamos com Danny, definido como "um cidadão jornalista participativo", obviamente membro de Avaaz, enquanto relata pela CNN as terríveis condições da zona de guerra.

Na verdade este vídeo mostra o que acontece antes da ligação com a CNN: é noite, um bairro tranquilo duma cidade síria, Danny tem os dedos gelados, pede uma prostituta. Depois começa a ligação em directo e tudo muda: vê pessoas armadas nos telhados, vê mortos ("220 nas últimas horas" afirma), ouve explosões, Danny está no centro duma batalha e parece assustado.

07 março 2012

As sanções e o gás

As sanções não funcionam.

Islamabad confirmou a intenção de construir o gasoduto para ligar Paquistão e Irão. A Rússia confirmou o próprio interesse no projecto enquanto a China confirmou 1o acordo com Teherão para aumentar o fornecimento de petróleo: meio milhão de barris por dia antes do fim de 2012.

É uma zona quente, a melhor para entender as razões dos negócios estrangeiros dos principais actores do mundo.

O simpático Barack Obama reitera a intenção de seguir o caminho da paz, mas ao mesmo tempo diz estar pronto para utilizar a força, incluídos todos os elementos da potência americana. Normal, é prémio Nobel da Paz.

Atenas ameaça e paga

Dia de notícias curtas...

A Grécia, por exemplo: Atenas agora ameaça a falência. Porquê? Porque os credores privados ainda não aceitaram reduzir os montantes pedidos. O que a Grécia quer é que pelo menos 75% dos credores privados aceitem "rever" os próprios créditos.

É uma reestruturação da dívida, algo normal num País falido há muito. Só que no caso da Grécia falta a declaração oficial de bancarrota, pois com as ajudas da União Europeia o Estado helénico é mantido artificialmente em vida.
É o primeiro caso de Estado morto-vivente, algo que nem o criador de Frankenstein tinha tido a coragem de imaginar.

Algumas Bolsas já suspenderam os Títulos gregos. Como acabará?
Ideia pessoal: acabará bem, no sentido que será atingido o limiar de 75% e a Grécia continuará na própria lenta agonia. Não porque os credores privados sejam boas pessoas com o coração de manteiga, mas porque a União Europeia precisa do acordo e não poupará pressões sobre os investidores privados.

E a propósito de Grécia: é possível ganhar com o sofrimento dum País? Sim, sem dúvida. Aliás, é dinheiro bastante fácil.
A agência Reuters informa que a Alemanha já ganhou 380 milhões de Euros de juros graças aos empréstimos para a Grécia. E não são cálculos de qualquer blogueiro azedo, são documentos do Ministério das Finanças de Berlim.

A contribuição alemã no pacote de resgate de 2010 tinha sido de 15.17 biliões de Euros, e a Grécia pagou juros entre 3.423% e 4.528%. No final de 2011, os juros pagos por Atenas alcançaram 380 milhões de Euros.

Este, repetimos, os juros da Alemanha. Só da Alemanha. Imaginem os juros pagos a todos os Países que participaram no resgate...Com amigos como estes, a Grécia nem precisa de inimigos...


Ipse dixit.

Fontes: WallStreetItalia, Reuters

O livro de ouro

A feira de tecnologia CeBIT, na Alemanha, foi inaugurada ontem com a presença de duas convidadas especiais: a chanceler alemã Angela Merkel e a Presidente brasileira Dilma Roussef.
Juntas pegaram num tablet da Fujitsu e mergulharam-no dentro de água para provar a sua resistência. O aparelho passou no teste.

Então? Mas o que é isso? Em vez que mergulhar a Merkel, Dilma mergulha o tablet da Fujitsu?

Verdade que para mergulhar toda a chancelera teria sido preciso algo maior, mas pelo menos a cabeça, não é? Mas não, mergulha o tablet. E a Fujitsu agradece, claro.
As líderes munidas também assinaram um “livro de ouro digital” da Microsoft, que apresentou nesta exposição a sua "visão digital da cidade", permitindo optimizar a comunicação, melhorar a eficiência e aumentar a interacção cidadã.

Ahié? O livro de ouro da Microsoft? A "visão digital da cidade"? Ahiahiahiahi Dilma...


Ipse dixit.

Fonte: Público

06 março 2012

Uma voz de Homs

Falar do que realmente acontece na Síria é inútil.

Nenhum blog ou grupo de blogues poderá alguma vez contrastar a vaga dos media mainstream e as palavras, mesmo de quem está na Síria e pode ver o que se passa, ficam como os delírios de maníacos que desejam ver o podre onde podre não há.

Hoje, por exemplo, há um vídeo que percorre as capas dos diários online, um vídeo do alegado hospital de Homs. Vamos ler o que escreve o Diário de Notícias:

Um vídeo feito às escondidas por um empregado do hospital militar de Homs, na Síria, mostra o que parecem ser pacientes sírios torturados. O vídeo foi emitido pelo canal britânico de televisão Channel 4.
As imagens foram captadas por um empregado do hospital que aceitou ser entrevistado por um jornalista francês identificado como Mani. Nessa entrevista, ele explica que viu pacientes serem torturados pelos próprios médicos com choques elétricos. Outros são mesmo feridos propositadamente para que não se consigam mover. "Operam sem anestesia, acorrentam os doentes às camas, negam-lhes água. Atam-lhes o pénis para os impedir de urinar", contou.
O canal inglês admite que não há possibilidade de confirmar estas informações. As imagens mostram apenas os pacientes de olhos vendados e acorrentados às camas. Numa mesa vê-se um cabo elétrico. Alguns doentes mostram feridas no peito que parecem ter sido provocadas por espancamento.
Claro? Não há possibilidade de confirmar as informações, mas fica na primeira página o vídeo onde aparecem doente com feridas que "parecem" ter sido provocadas por espancamento, vídeo supostamente gravado no Hospital de Homs. Depois, claro, há as palavras do jornalista francês, do qual nem o nome é revelado. Uma lição de jornalismo.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...