14 março 2013

Papa Francisco: luzes e sombras

Após um turbo-conclave, eis o novo Papa: Francisco!

Como Francisco Xavier, fundador dos Jesuítas. Como Francisco de Assis. Como Francisco Franco. Talvez este último não. Mas o nome é sem dúvida uma boa escolha, deixa transparecer alguma coisa.

Segundo os retratos dos diários internacionais, que nestas horas dedicam os principais títulos ao acontecimento, Papa Francisco é praticamente um santo: humilde, culto, utiliza o autocarro, vive num pequeno apartamento, come pouco, bebe muito chã, fala vários idiomas entre os quais o dialecto piemontês.

Assinalável.

Mas nem todos concordam.

O livro El Silencio do jornalista argentino Horacio Verbitsky, por exemplo, conta uma história um pouco diferente. Conta-se dos dois padres Orlando Yorio e Francisco Jalicse, que perderam o apoio da Igreja por não abdicar das visitas aos bairros mais pobres. Sem protecção, ambos foram presos e torturados pelo regime militar. E quem foi que retirou o apoio? O actual Papa Francisco.

Mas tudo isso é um problema? Não.
Em Setembro de 2000 é o mesmo Papa Francisco (então ainda Cardeal Bergaglio) que escreve:
Dado que em diferentes momentos da nossa história fomos indulgentes com as posições totalitárias, em violação das liberdades democráticas que nascem da dignidade do ser humano. Porque através de actos ou omissões temos discriminado muitos dos nossos irmãos, sem nos ter empenhado suficientemente na defesa dos direitos deles. Suplicamos Deus, o Senhor da história, a aceitar o nosso arrependimento e curar as feridas do nosso povo.
Desculpas aceites, pelos vistos, e assunto arrumado.
Arrumado? Talvez não. Vamos ver o que pensam no País de Bergaglio, a Argentina.

Um Bispo, dois padres

A sempre Muy Nobre Leitora Maria envia algumas linhas que estas horas circulam na internet da América Latina (Agências/Prensa/Kaosenlared):
Jorge Mario Bergoglio é o novo Papa, doravante conhecido como Francisco I, no meio dos festejos  dos católicos; no entanto, na Argentina tem muitos críticos, nomeadamente por causa da sua atitude com a ditadura militar.

Nascido em Buenos Aires em 1936, Bergoglio era filho de imigrantes italianos. Entrou em 1958 na congregação jesuíta, entre 1973 e 1979 foi chefe provincial dos jesuítas na Argentina e um ano mais tarde tornou-se reitor do seminário onde tinha estudado.

No entanto, a grande crítica feita é que, durante a ditadura militar da Argentina, e em que vários jesuítas levantaram a voz de protesto contra o regime, e por isso foram perseguidos, Bergoglio ficou em silêncio e manteve distância de qualquer tópico político.

A frase que ele enunciava cada vez que era questionado sobre a sua opinião a respeito é que o lugar dos sacerdotes são as igrejas.

Em 1998, foi nomeado Bispo da Diocese de Buenos Aires e em 2001 Cardeal.

Cúmplice da Direta? Tortura e assassinato?

Jorge Mario Bergoglio foi acusado na altura de colaborar com a ditadura militar na Argentina, especialmente depois das declarações em qualidade de testemunha no julgamento da Escola de Mecânica da Marinha (ESMA), por supostamente ter denunciado e retirado a protecção a dois sacerdotes jesuítas que desapareceram [é o caso dos já lembrados Orlando Yorio e Francisco Jalicse, ndt].
Os bebés roubados

Jorge Mario Bergoglio também foi chamado como testemunha, por solicitação do Ministério Público e as famílias de Praça de Maio, no julgamento pelo plano sistemático desaparecimento dos bebés nascidos em cativeiro durante a ditadura.

Foi chamado para depor depois de outra testemunha, Estela de la Cuadra, ter apresentado várias cartas que o pai dela havia enviado ao Bergoglio para ajudá-lo na busca das filha e nesta desaparecidas. De acordo com o jornal argentino Pagina 12, Estela de la Cuadra Tribunal perguntou: "Como é que Bergoglio afirma saber há apenas dez anos dos roubos dos bebés?".

Confrontando o governo argentino

Como membro da Conferência Episcopal da Argentina, da qual tornou-se presidente por dois mandatos, atacou o governo Kirchner pelas suas políticas e posições diferentes sobre os católicos. A última polémica foi em 2012, com a aprovação do casamento gay no país sul-americano.

Durante o mandato de Nestor Kirchner, entre 2003 e 2007, o presidente argentino manteve confrontos dialécticos com Bergoglio, que Nestor passou a considerar como oposição. Os meios de comunicação argentinos falam de uma "problemática" que foi reduzida durante a presidência de Cristina, apesar dos confrontos nunca desaparecerem.
Depois de Néstor Kirchner ter ganho as eleições em 2003, Bergoglio criticou "o exibicionismo e os anúncios estridentes" do novo presidente [mas o lugar dos padres não eram apenas as igrejas? ndt]. O presidente recusou-se a participar nas várias cerimónias lideradas por Bergoglio e certificou-se não existirem relacionamentos entre a Conferência Episcopal e o Executivo argentino.

As más relações e os confrontos verbais levaram Nestor a criticar abertamente a Igreja: "O nosso Deus é de todos, mas cuidado pois o diabo também alcança todos, aqueles que usam calças e aqueles que usam vestes" acrescentou Kirchner.

Com a chegada de Cristina Fernández ao poder, as relações melhoraram, graças aos contactos que a presidente mantive com a Igreja para preparar a viagem para o Vaticano em 2009. Mas as boas relações começaram a quebrar-se após Bergoglio Fernandez acusar o Governo de alimentar a "tensão social" e denunciar que "há anos que o país não está a cargo do povo."

No entanto, com o anúncio, em 2010, de que o governo iria aprovar um projecto de lei para legalizar o casamento gay, os relacionamentos deterioraram-se ainda mais. Bergoglio enviou uma carta para toda a Igreja Argentina, em que solicitava que nas cerimonias religiosas fosse mencionado "o casamento e a família quais bens inalteráveis".

Cristina Fernandez rejeitou a ideia desta ser uma questão religiosa: "Eu preocupo-me com o tom que adquiriu o discurso, é visto como uma questão religiosa, moral que ameaça à ordem natural, quando na verdade o que estamos a fazer é observar uma realidade que existe", disse o presidente durante o processo parlamentar.

"Não vamos ser ingénuos: não é só uma luta política, é a reivindicação destrutiva do plano de Deus. Não se trata apenas um projecto de lei, mas dum movimento do Pai da Mentira que procura confundir e enganar os filhos de Deus", disse o então Cardeal.
E as mulheres?

Cardeal Bergaglio, Buenos Aires, 4 de Junho de 2007:
As mulheres são naturalmente inadequadas para as tarefas políticas. A ordem natural e os factos nos ensinam que o homem é o político por excelência, as Escrituras mostram-nos que as mulheres sempre apoiam o pensamento e as criações do homem, mas nada mais que isso.
Interessante: temos um Papa progressista. Uma visão muito à frente.

Com Deus

Blog Tra Cielo e Terra (e não, não é um blog católico):
Só o tempo pode revelar as qualidades do novo Papa e da direcção que desejará dar à Igreja, num período sem dúvida decisivo da sua história.
O nome escolhido pelo novo papa já é um acto significativo, pois mostra grande determinação para escolher um nome que não estava presente na tradição dos seus antecessores, uma tradição de 2.000 anos.
E, na saudação aos fiéis, refere-se a si mesmo várias vezes com o título de Bispo de Roma, como era no início da história da igreja, sem nunca usar a termo "papa".
 

Mais uma vez, este parece ser um sinal forte.
Deus está com ele agora, vai precisar.

Sem dúvida, bem precisa.


Ipse dixit.

Fonte: Tra Cielo e Terra

20 comentários:

  1. maria14.3.13

    Olá Max:obrigada pela divulgação, porque a imprensa mundial já está cumprindo o "seu" papel. Interessante também os comentários do Ópera Mundi e Vi o Mundo, que a leitora C. Gonç. sugeriu, lembrando que estes sites são dos alternativos mais sérios e conceituados no Brasil.
    Do meu ponto de vista, mais um movimento radical do governo planetário no tabuleiro do jogo dos grandes poderes no mundo: um movimento que visa contribuir para o enfraquecimento das políticas progressistas, independentistas e de soberania de alguns países na América Latina, em especial a Argentina. Não é de hoje que a oligarquia argentina luta para frear o que o Estado vem fazendo para elucidar e punir os algozes da ditadura no Cone Sul, e "Francisco" é um dos procurados, que até agora se livrou de processo em função da astúcia de seus advogados. Agora, ao jogo Senhores! É a igreja católica apostólica romana contra o governo argentino de Cristina. A sorte está lançada no pano verde do tabuleiro mais uma vez...Abraços

    ResponderEliminar
  2. Olá Max e Maria,
    Tenho os dois em grande apreço!

    E depois temos um comunicado pouco notado e não copiado por mim... de que o Papa esteve a conversar com um outro mestre espiritual logo depois da eleição... o Dalai Lama. Este é outro que tem uma história sui generis, já que fugiu do Tibet com o manto e nada mais.. Mas até hoje viaja de avião sem desembolsar uma piastra... e ao visitar a Argentina largou um politico emérito para cumprimentar um escritor de um livro sobre os Ovnis de Hitler que estava ao lado...

    Se eu estiver entrando em paranóia e tendo delirios com as derivações desse comentário, só o que posso dizer é que estou bem longe para que me venham buscar com camisa-de-força...hehehehe.

    ResponderEliminar
  3. ptmartins14.3.13

    Olá,

    Parece que o novo papa disse o seguinte logo após ter sido eleito: "Que Deus vos perdoe pelo que acabaram de fazer".

    http://www.publico.pt/mundo/noticia/novo-papa-saiu-para-rezar-na-igreja-de-santa-maria-maior-1587725#/0

    É estranho pois parece que o Papa João Paulo I, Albino Luciani, disse algo parecido quando foi ordenado papa em 1978: "Que Deus vos perdoe pelo que fizeram comigo."

    Não quero dizer que este papa vai ter também um papado curto ou algo do género, mas queria só salientar esta semelhança.

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Oi pessoal, essa foto de um suposto Pancho I junto ao Videla tornou-se um hoax aqui no Brasil. A única coisa é que ele tinha 40 anos à época.

    ResponderEliminar
  5. Caro Max, sempre um excelente lavoro. Mas, O SISTEMA É PSICOPÁTICO, ESCRAVAGISTA, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFÁGICO & CORRUPTO POR NATUREZA. SÃO DIABÓLICOS. Podem vir cheios de histórias e literaturas sobre as religiões (todas) e a eterna santa madre igreja e suas sôfregas "necessárias" manobras e renúncias papais. É bão também, mas, não muda nem mudará os fatos. Muito pelo contrário. O sistema continuará escravista. Os Papas sabem dos segredos da Santa Sé, todos os segredos da Cúria Romana e todos os infinitos mais sobre a nossa desumanidade. Esse golpe pra cima da humanidade é milenar, mandaram e mandam essas pra cima das estupidificadas senzalas um montão de vezes. Perguntem aos astros e estrelas. Sinto muito. Sou grato. Dão nó em pingo d'água. Que democracias, hein? Pensa bem!

    ResponderEliminar
  6. Olá ⚑ (gosto deste nick!).

    Acerca da fotografia Papa-Videla.

    A ditadura de Videla acabou em 1981, altura em que o Papa Francisco I tinha 45 anos.

    É só procurar imagens do Bispo Bergoglio da mesma época para descobrir que não tinha um ar tão juvenil. Foi o que fiz antes de publicar a fotografia.

    Isso não significa que a fotografia seja verdadeira: todas as fotografias podem ser falsificadas hoje em dia.

    Mas que bata certo com a imagem do Bispo Bergoglio da altura, isso bate.

    Abraçooooo!

    ResponderEliminar
  7. Ops, ia esquecendo.

    Existe outra fotografia de Videla que recebe a comunhão dum padre que, supostamente, é o actual Francisco I. Aquela foto é falsa, sendo que o padre em questão era Octavio Derisi.

    Mas a imagem que aparece aqui, no blog? A questão é controversa, mas não é controverso o facto de que a Igreja argentina confirmou, perante as autoridades judiciárias, um encontro secreto de 1978 entre as hierarquias do regime e aquelas católicas. Durante tal encontro, foi enfrentado o tema dos desaparecidos e da morte destes.

    Bergoglio sabia, mas não falou. Com ou sem fotografias. E isso dito pela mesma Igreja.

    A bem ver, uma fotografias com Videla seria o mal menor.

    Abraçoooooo!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo15.3.13

    Videlas, Mussolinis e a igreja. Qual a novidade?

    ResponderEliminar
  9. Anónimo15.3.13

    O Papa Negro (de Nostradamus?)

    O Superior Geral da Companhia de Jesus é um religioso eleito pela Congregação Geral para governar toda a Ordem dos Jesuítas(!) em caráter vitalício, conforme as Constituições da Companhia. O Padre Geral, como é comumente conhecido, reside na Cúria Generalícia em Roma.

    O Prepósito Geral dos jesuítas é por vezes alcunhado de PAPA NEGRO(!), dado o seu poder e sua batina negra.

    Desta forma, pode-se questionar, até que ponto o novo Papa (um membro destacado da Companhia de Jesus) poderá ser visto verdadeiramente como o líder do Vaticano? Afinal de contas, os Jesuítas devem obediência absoluta e incondicional aos seus superiores, sendo que Bergoglio, atual papa, como ex-provincial Jesuíta, deve 'Obedecer como um Cadáver' (*¹) ao seu superior, o General Superior dos Jesuítas, presentemente, o Adolfo Nicolas (o 29.º sucessor de Inácio de Loyola desde que a Companhia de Jesus foi fundada em 1540).

    (*1) 'Perinde ac cadaver' é uma frase em latim que, traduzido literalmente, significa "da mesma forma que um cadáver." Entre os jesuítas, não só a vontade própria, mas também o bom senso e mesmo o escrúpulo moral devem ser sacrificados, diante da virtude primordial da obediência que é, de acordo com Bórgia, "o mais forte baluarte da Companhia".

    "Podemos estar convencidos de que tudo vai bem quando o superior assim ordena. Mesmo se Deus lhe desse um animal irracional como senhor, você não hesitará em obedecê-lo como sendo mestre e guia, porque Deus assim ordenou", escreveu o próprio fundador da ordem jesuíta, Ignácio de Loyola.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo15.3.13

    Na internet circulam mais informações sobre Adolfo Nicolas - O Papa Negro - também chamado de O HOMEM MAIS PODEROSO DO MUNDO!!


    Escritores cristãos como a brasileira Mary Schultze, bacharel em teologia, disseminam a tese de que o "papa negro" da Companhia de Jesus opera nas sombras para manipular o Vaticano. Seria um indivíduo sinistro e poderoso, espécie de dublê do legítimo pontífice.

    A ordem jesuíta tb é tema de livros de autores como: Mary Schultze, o escritor Eric Von Phelps, Dr. Alberto Rivera, Avro Manhattan, Dr. William P. Grady

    ResponderEliminar
  11. Anónimo15.3.13

    Acusados de crimes na ditadura argentina homenageiam novo papa em julgamento.

    Um grupo militares acusados de crimes contra a humanidade durante a ditadura argentina (1976-1983) apareceu nesta quinta-feira (14/03) em audiência realizada em um tribunal na cidade de Córdoba, trajando broches do Vaticano no lado esquerdo do terno, em alusão à eleição ocorrida um dia antes do cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio para o novo papa da Igreja Católica...

    Matéria: http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/27816/acusados+de+crimes+na+ditadura+argentina+homenageiam+novo+papa+em+julgamento.shtml

    ResponderEliminar
  12. Não consigo entender os socialistas bolivarianos. Criticam tanto o capitalismo e pregam uma sociedade aos moldes de cuba("igualitária"), mas se esquecem que cuba está falida e que Fidel e sua gangue comandam esta sociedade "desigualitária". Jesus disse que sempre haveria pobres no mundo, e dai a césar o que é de césar, e a Deus o que é de Deus. Em resumo, a solução para a vida neste mundo passageiro é amar a Deus sobre todas as coisas, e o próximo como a sí mesmo. Diferenças econômicas e sociais sempre vão existir(pois cada ser humano é único/diferente dos demais), a solução está em os mais abastados(ou com mais recursos) terem o coração aberto para ajudar os mais necessitados exercitando seu amor(papel da Igreja despertar este amor). Impor esta ajuda aos necessitados, igualando todos os homens por baixo, só gera insatisfação e desamor. É por isso que o socialismo/comunismo nunca darão certo!

    ResponderEliminar
  13. Anónimo15.3.13

    http://fotos.sapo.pt/olharparaomundo/fotos/?uid=SQKV65fDZKHciuo4ZFz4

    Krolwer

    ResponderEliminar
  14. Anónimo15.3.13

    É!!! Sendo que a igreja tá muito bem enfronhada nas coisas de César e vive apascentando as ovelhas, com certeza em favor das coisas de César. As ovelhas jamais deveriam questionar. Apenas rezar, suplicar. Devemos deixar os lobos como nossos sentinelas. "Olhai e Vigiai!" e não se deixar subordinar e escravizar (digo eu). Esses "pecados" creio que Deus perdoa.

    ResponderEliminar
  15. Anónimo15.3.13

    Desculpem pelo "Olhai e vigiai!". "ORAI e vigiai!", como sabemos.

    ResponderEliminar
  16. E cá estou com mais uns links sobre o Chico 1o. mais sombras que luzes, como sempre!

    http://novobloglimpinhoecheiroso.wordpress.com/2013/03/14/o-papa-chico-1o-e-a-ditadura-argentina-3/

    http://fratresinunum.com/2012/01/02/a-mafia-argentina-do-cardeal-bergoglio/

    ResponderEliminar
  17. Ajude a divulgar este Movimento Espiritual .
    Vamos criar um movimento nosso, um Movimento forte.

    http://www.vivendonamatrix.com

    obrigado

    ResponderEliminar
  18. Sim Max, longe de mim querer inocentar o "pobre" e "caridoso" Francisco do colaboracionismo protagonizado pela maior parte da igreja católica argentina com a ditadura militar. Aliás, não só na Argentina, mas em toda América do Sul, e exemplo mor para nós hispano parlantes, na Espanha franquista, berço da santa máfia. Aliás, aqui, uma foto de época do papa humilde que anda de autocarro.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo17.3.13

    Fontes para suas acusações você não apresenta né??? assim é fácil falar tanta besteira....

    ResponderEliminar
  20. Anónimo19.3.13

    Eles não são eleitos democraticamente. Um colegiado o elegeu. Discursma ao vento e aos ignorantes.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...