28 abril 2013

Há coisas que não mudam

Dallas, EUA, 1963

- Chefe, temos que tramar um gajo com o homicídio do Presidente.
- E quem é este?
- Um tal Oswald.
- E como é que teria morto o Presidente?
- Com uma carabina.
- Então, Smith, não há crise: ponham o recibo de compra da carabina na secretária dele.
- Genial, Chefe, genial!
- Pois, é por isso que sou chefe...

E foi assim que a policia encontrou na secretária de Oswald o recibo da carabina Mannlicher-Carcano adquirida três meses antes via correio.

- Chefe, pensava...sabe, este é um caso duma certa importância...o recibo não será pouco?
- Achas? Então tira uma foto de Oswald com a carabina.
- Ó Chefe, Oswald está morto, lembra-se? Enviámos o Ruby...
- Eu sei que está morto. Smith, nunca ouviste falar de fotomontagem?

Nasceu assim a fotografia de Oswald com a carabina na mão e a sombra do nariz diferente das sombras do ambiente.


Duas provas: agora sim que o caso podia considerar-se fechado. 


Oklahoma City, EUA, 1995

- Chefe, temos que tramar um gajo por causa do Murrah Building.
- E quem é este?
- Um tal Timothy McVeigh.
- Não há crise, Smith, não há crise: ponham o recibo de compra da carabina na secretária dele.
- Ó Chefe, foi uma bomba, não uma carabina...
- Uma bomba? E como é que conseguiu pôr uma bomba no Murrah Building?
- Com um furgão cheio de estrume.
- Então encontrem um pedaço do furgão e liguem-no ao gajo.
- Fantástico, Chefe, fantástico!
- Óbvio, sou o chefe...

E foi assim que a quatro prédios de distância foi encontrado um pedaço do furgão, com tanto de número de série: com isso foi possível descobrir que o meio tinha sido alugado por McVeigh, três dias antes do atentado.

- Chefe, pensava...sabe, aquela do furgão foi uma boa ideia mas...não será pouco?
- Achas? Ponham um recibo na secretária dele.

E foi assim que a policia encontrou na secretária de McVeigh o recibo do estrume adquirido três meses antes.


Duas provas: agora sim que o caso podia considerar-se fechado.


New York, EUA, 2001

- Chefe, temos que tramar uns quantos islâmicos por causa das Torres Gémeas.
- E quem são estes? Bah, deixa, afinal são islâmicos...ponham o recibo de compra do estrume nas secretárias deles.
- Ó Chefe, foram dois aviões desta vez...
- Dois aviões cheios de estrume? Ó Smith, mas quem é que voa em dois aviões cheios de estrume?
- Chefe, pode esquecer o estrume?
- Posso, claro que posso, sou o chefe. Então ponham os documentos dos islâmicos nos destroços das Torres Gémeas.
- Excelente, Chefe, Excelente!
- Normal: sou o chefe.

E foi assim que o passaporte dum dos terroristas islâmicos foi encontrado a três prédios de distância das Torres Gémeas, com fotografia e nome perfeitamente legível.

- Chefe, pensava...sabe, aquela dos documentos foi uma boa ideia mas...não será pouco?
- Outra vez? Ó Smith, inventem algo, sei lá, peguem numa mala, juntem algumas coisas, algo do género...

E foi assim que em Boston foi encontrada uma mala cheia de testamentos, Corãos e, obviamente, o manual para pilotar um Boeing 767.


Duas provas: agora sim que o caso podia considerar-se fechado.


New York, EUA, 2013

- Chefe, lembra-se daquela coisa dos aviões, dos islâmicos, das Torres Gémeas?
- Eh? Ah, sim, vagamente...
- Sabe, Chefe, há alguém que fala de drones, diz que foi isso que atingiu as Torres e não dois Boeing. Temos que fazer mudar de ideia, não acha?
-  Pois, eu bem tinha dito para pôr o recibo do estrume nas secretárias...então façam isso: ponham um pedaço de avião algures, tá bom?
- Maravilhoso, Chefe, simplesmente maravilhoso! Um pedaço...ehi, Chefe: um avião é grande, um pedaço de avião é grande também. Passaram 12 anos, não podemos pôr um trem de aterragem por cima duma árvore...
- Porque não? Depois explicas que foram os pássaros a esconde-lo no ninho.
- Mas pesa centenas de quilos, ninguém vai acreditar!
- Achas? Experimenta pôr o recibo do trem na secretária dos pássaros, vais ver se não acreditam.
- ...
- Ok, ok, então mudamos: olha, Smith, não temos aí perto uma mesquita? São 5 anos que estamos a vigia-la, dia e noite. Passa no Departamento dos Recursos Avançados, requisita uma corda, vai até a mesquita, diz à policia para deixar-te passar e põe o trem de aterragem num lugar onde não dê nas vistas.
- Chefe, este é o melhor plano alguma vez imaginado!
- Sou ou não sou o Chefe?

E foi assim que na traseira duma mesquita foi encontrado o trem de aterragem dum dos aviões que embateram nas Torres Gémeas, com tanto de número de série.


- Feito, Chefe, engoliram esta também.
- Muito bem. Ah, Smith, ligaram aqueles dos Recursos Avançados: querem a corda de volta.
- A cord...!?!?!



Ipse dixit.

8 comentários:

  1. genial l-o-l

    nunca tinha ouvido falar dessa história de terem encontrado um trem de aterragem!

    ResponderEliminar
  2. KKKKK, faltou aquela foto do rapaz com a mochila após as explesões. Pode ver que tem a nota fiscal da panela na secretária dele.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo28.4.13

    LOLOLOLOL.

    Os tipos nem precisam de se esforçar muito para convencer as massas. Qualquer declaração na imprensa já chegava. Com uma ou duas provas, então a coisa fica arrumada de vez. Tirando claro, uns chatos que têm a mania de questionar tudo.
    Não me digam que um avião não pode voar com uma corda agarrada ao trem de aterragem.
    Não me digam que o sol não pode projectar dois tipos de sombra, uma assim e outra assado.

    Fantástico post, para não variar.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  4. maria28.4.13

    Muito legal,Max! Entendem porque eu fico tão irritada quando o mundo inteiro fica de boca aberta na frente da TV engolindo um desfile de aberrações para justificar a militarização cada vez mais intensa deste mesmo mundo? Para convencer as pessoas que é necessário viver em cárceres a céu aberto? Para invadir cada vez mais profundamente a privacidade de cada um de nós? Há um artigo do Pepe Escobar (que tem um senso de humor semelhante ao Max)traduzido no Redecastorphoto, de alguns dias atrás, sobre esta última empulhação de Boston, que mereceria ser lido. Abraços

    ResponderEliminar
  5. Olá amigos,

    adorei o post (isto seria desnecessário, eu sei).
    É muito interessante como realmente nós somos ensinados a "imitar", a "aceitar", mas raramente a "questionar".

    Continuando na onda de como os media são a forma fantástica de mover as ovelhas, este fim-de-semana foi aberrante com a transmissão constante d'um congresso do PS na televisão. Então e os partidos pequenos? Ainda não vi uma reunião do Partido dos Animais receber uma cobertura televisiva assim...
    ...afinal, esquerda-direita é só uma ilusão de que existe escolha...

    Gosto muito de vocês amigos.


    Grande abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  6. Anónimo29.4.13

    Olá Max,

    Este post está espectacular, cheio de pequenos pormenores que fazem toda a diferença na interpretação dos factos.

    abraço

    Zarco

    ResponderEliminar
  7. lol! LOL LOL!......... Max, devias ser comediante! kkkkk me dobrei de rir!

    Eu também nunca tinha ouvido falar dessas fotos de trem de aterragem num canto de mesquita... afinal, ela ficava logo abaixo das torres gémeas e não implodiu junto?! Ou... como deixam uma mesquita aberta ao lado do pentágono?

    Afinal, esta mesquita estava do lado da casa onde os seals capturaram e mataram o imbatível Bin Ladem, por isso o a corda para esclarecer que ele levou o souvenir de lembrança?! HAHAHAHA...

    lol! Agora uns links modestos sobre Boston: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/04/atentado-em-boston-por-pressa-midia-cometeu-graves-erros.html (eles nem disfarçam mais a própria malignidade e estupidez!)
    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/04/mercenarios-estavam-infiltrados-entre-populares-na-maratona-de-boston.html (rapazes de calças beije e botas militares... sou louca por uma foto de militar de boné ...lol!)

    ResponderEliminar
  8. E... MAX, desta vez foste um mau menino! Não pusestes as fontes que tanto prezas...

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...