23 maio 2013

Os delírios do embaixador

O Leitor acha que as reuniões dos vários Grupo Bilderberg, Comissão Trilateral, Instituto Aspen ou Council of Foreign Relations são mantidas secretas por motivos obscuros?

Nada disso: tudo é feito para o nosso bem. Pelo menos, esta é a explicação dum dos participantes, o ex embaixador Sergio Romano, que decidiu falar do assunto no diário Il Corriere Della Sera.

Após ter entrado no rentável mundo da política, no longínquo 1954, Romano esteve em Paris (1968-1977), foi director geral das relações culturais e embaixador da Nato (1983-1985) e concluiu a carreira diplomática em Moscovo. Agora escreve no Corriere e responde às curiosidade dos Leitores.
Por exemplo:
O que pensa das diversas organizações das quais fazem parte poderosos banqueiros, políticos e economistas, como o Grupo Bilderberg, a Comissão Trilateral, o Instituto Aspen e o não menos importante Council of Foreign Relations e, sobretudo, porque os jornais nunca falam das reuniões?
Aqui começa o delírio do simpático Sergio Romano:
Fui membro da Comissão Trilateral por vários anos, participei numa reunião do grupo Bilderberg e em várias do Instituto Aspen. Estou familiarizado com o trabalho do Council of Foreign Relations, uma instituição que tem sede em New York e Chicago, mas nunca tive a oportunidade de participar num dos seus seminários. [...]
Não é verdade que os jornais ignorem os encontros destas organizações. Mas têm que observar em muitos casos as "regras de Chatham House".
De acordo com estas regras, os jornalistas, quando são convidados, podem resumir as intervenções e as ideias apresentadas no decorrer do debate, mas devem abster-se do revelar a sua autoria. A única entre estas associações que pede um maior sigilo é o Bilderberg.

Pessoalmente não lembro de alguma vez ter lido num dos jornais em italiano ou em português resumos das reuniões ou das ideias apresentadas. E nem lembro dum telejornal que tratasse do assunto. Mas Romano diz que há, pelo que só pode ter sido culpa minha.
As sociedades secretas? Eu não acho que não podem ser consideradas tais as associações das quais conhecemos a localização, o nome dos fundadores, os gerentes, os membros. A regra do sigilo e da confidencialidade não serve para tramar ou para fazer pactos secretos.
Nisso Romano tem razão: se uma coisa for secreta, não sabemos da existência dela, caso contrário já não é secreta. É uma questão de lógica. O problema não é a existência ou a localização, mas os conteúdos.
Eu não posso excluir que dois banqueiros, numa reunião em separado, tenham a oportunidade de chegar a um acordo sobre uma fusão ou uma aquisição. Mas poderiam fazer o mesmo num encontro num teatro ou numa casa particular.
E também aqui Romano tem razão: não é necessário ir até Aspen para falar de negócios. O problema é que em Aspen, como nas restantes reuniões, as ocasiões multiplicam-se. O problema também é que em Aspen, ou nas outras reuniões, não são tratados apenas negócios. E, sobretudo, continua uma dúvida: se for tudo normal, tudo regular, qual a razão do sigilo?
A falta de publicidade, neste caso, é para permitir que os participantes possam expressar-se livremente, fazer perguntas, especular, calcular as vantagens e as desvantagens das escolhas políticas ainda não totalmente adoptadas.

O que aconteceria se as reuniões fossem públicas e todos os cidadãos da "república da Internet" pudessem assistir via streaming? Muitos intervenientes, especialmente entre aqueles que têm mais responsabilidade política e financeira, mediriam as suas palavras, fugiriam das questões mais espinhosas, haveria declarações politicamente corretas, como nos comícios e nos debates televisivos.

E todos voltariam para casa sem ter aprendido nada de novo. Eu sei que o Movimento 5 Estrelas e os seus seguidores não gostam disso, mas virá o dia em que até mesmo os Grillini [membro do Movimento 5 Estrelas, ndt] descobrirão que em muitas circunstâncias o mito da publicidade total ajuda os slogans, as banalidades, a demagogia e, em última instância, as mentiras.
Conselho: copiem esta maravilhosa passagem, imprimam e guardem religiosamente, pois trata-se da quinta-essência da forma de fazer política. Porque dito de outra forma, isto significa: perante os media é preciso mentir, utilizar a demagogia e dizer banalidades; as verdadeiras decisões, aquelas importantes, não podem ter a participação dos cidadãos.

É raro encontrar uma admissão tão explícita e agradecemos Sergio Romano que, provavelmente cúmplice a idade avançada, achou bem partilhar este pensamento com os Leitores deles.
Estamos perante o "paternalismo" de indivíduos que sentem-se obrigados (por direito divino?) a decidir da vida de milhões de pessoas (mentalmente atrasadas?) sem que estas possam e devam saber qual o verdadeiro rumo, quais as intenções. O parlamento e as instituições democráticas? São os órgãos executivos para a implementação das decisões tomadas num hotel requintado, fumando charutos cubanos, com na frente dum bom copo de Romanee Conti.
O que aconteceria se as reuniões fossem públicas e todos os cidadãos da "república da Internet" pudessem assistir via streaming?
Os cidadãos que podem assistir às reuniões nas quais são tomadas as decisões que afectam a vida deles? Ahi que horror! Mas tem cabimento?

Com o sigilo, pelo contrário, apenas as melhores decisões são implementadas, é tudo para o nosso bem. E os resultados estão à vista.


Ipse dixit.

Fonte: Il Corriere della Sera, Wikipedia (versão italiana)

5 comentários:

  1. Anónimo23.5.13

    Quanto a isso dos banqueiros se reunirem para decidirem fusões ou aquisições...a palavra a usar não será antes CARTELIZAÇÕES, que são crime?...

    ResponderEliminar
  2. maria23.5.13

    Olá Max: o sigilo das pessoas "importantes" é uma das almas do negócio: mantém as pessoas encantadas, e no seu devido lugar, ou seja, para que saber o que são incapazes de entender, não?. Agora o glamour dos encontros, sim, merece ser divulgado: aqueles lugares especiais, aquelas pessoas sérias, finas e bem vestidas, aquelas comidas divinas e que não engordam, porque não? A estupidez quase sempre requer verniz. Abraços

    ResponderEliminar
  3. São palavras de um homem que foi muito bem "doutrinado".

    ResponderEliminar
  4. Anónimo24.5.13

    é da natureza do poderoso lutar para preservar o seu poder.
    então, trata-se de formação de quadrilha destinada a preservar o poder de uma minúscula parte da humanidade.
    existe bandido maltrapilho. esses outros apenas tem roupas e modos de bom gosto.
    na essência, são a mesma coisa.
    emerson57

    ResponderEliminar
  5. Desde sempre tivemos o imperialismo na história da humanidade, a qual serve de massa de manobra dessa elite piramidal dos infernos. A extinção maciça de biodiversidade de Gaia, e com ela a da própria humanidade é mera consequência da demência do poder imperial beligerante. Se não fosse o atraso de tecnologia da época em que a lua foi "conquistada" pelda NASA, talvez um cenário pra engabelar o nacionalismo americano, até acreditaria que, conforme outro blog postou, o governo americano se aliou aos greys abdutores e através de big empresas americanas e cérebros científicos, a fim de reativar galerias no planeta Marte! A elite Illuminati considera que a terra está com os dias contados, afinal está mesmo moribunda com tanta fúria tecnológica HAARP, Monsanto(códex alimentarius),CHAMTRAILS e tais.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...