24 setembro 2013

Federal Reserve: falha o homem Goldman Sachs. Por enquanto.

Larry Summers
Quase. Quase quase.
A ideia de Obama era simples: pôr um homem da Goldman Sach qual novo chefe da Federal Reserve. Muito simples.

O homem? Larry Summers. 59 anos, ex Secretário do Tesouro, director do United States National Economic Council do Presidente, ex director da Universidade de Harvard, ex Conselheiro económico com Reagan, ex economista-chefe do Banco Mundial, membro do Grupo dos Trinta, já trabalhou com JPMorgan Chase, Citigroup, Merrill Lynch, Lehman Brothers e, obviamente, Goldman Sachs.
Hebraico, Summers tinha tudo para ser o candidato perfeito.
Mas algo correu mal.

Obama teve que lidar com a revolta dos senadores de seu próprio partido. Única saída: rejeitar Larry Summers como substituto para a presidência de Ben Bernanke na Federal Reserve.

Uma pena. A doutrina de Summers era simples: para incentivar a economia dos Estados Unidos, tudo o que é preciso fazer é permitir que os bancos comerciais possam apostar em novos "produtos" derivados, comprar e vender títulos de hipotecas sub-prime de alto risco e cortar as reservas contra as possíveis perdas.


A desregulação

Larry Summers, um génio da Finança que evidentemente observa a crise de 2008 com imensa saudade.
Com o apoio do Presidente. Afinal, o que poderia correr mal?

Desregulação financeira global, esta é a receita, planificada com a ajuda do CEO da Goldman, Jon Corzine. A Goldman já ganhou biliões com tais planos.

Exemplo: Goldman e os seus investidores têm conseguido 4.000 milhões de Dólares com o colapso dos CDO, (Collateralized Debt Obligation: obrigações que tem uma dívida como garantia). Goldman também ganhou com a implosão da dívida grega por meio dum comércio segredo de derivados, operação permitida com a despenalização de certos jogos da Alta Finança operada por Summers enquanto Secretário do Tesouro.

O colapso da Zona Euro e do mercado das hipotecas dos EUA (os subprimes) foi possível apenas pelo Secretário do Tesouro Larry Summers, que pressionou para que fosse aprovado o Commodities Futures Modernization Act: este proibiu que os reguladores controlassem o aumento de 100.000 % dos activos derivados, especialmente dos CDS (os Credit Default Swap) de alto risco.

Citibank faliu. Merrill Lynch faliu. Lehman Brothers faliu. Eram todos clientes do consultor Summers, que desta forma conseguiu um património pessoal de 31 milhões de Dólares.

Quando Summers deixou o Tesouro, em 2000, encontrou um lugar como Presidente da Universidade de Harvard, da qual foi depois despedido: tinha apostado mais de meio bilião de Dólares das doações recebidas pela Universidade naqueles derivados ele mesmo tinha legalizado.

Uma pessoa normal, nesta altura da vida, ia esconder-se atrás duma árvore, esperando não ser encontrado por ninguém. Mas não Summers, que em 2009 foi chamado pelo simpático Obama para que pudesse gerir o Tesouro em qualidade de conselheiro especial. Summers nem teve que passar pela audição no Congresso para a confirmação oficial: afinal era a vontade do Presidente. Yes, we can.

Em 2008, tanto a democrata Hillary Clinton quanto o republicano John McCain pediram os 300.000 milhões de Dólares deixados no fundo de resgate fossem utilizados para bloquear as penhoras dos cidadãos, um programa parecido com aquele de Franklin Roosevelt durante a Grande Depressão. Mas Larry Summers disse "não", apesar dos bancos terem recebido mais de 400.000 milhões do mesmo fundo. Com a opinião de Summers e do digno assistente, Tim Geithner, Obama concedeu apenas 7 biliões dos 300 disponíveis para salvar as casas dos americanos.

Pergunta: qual a razão? Resposta: foi um plano para obrigar os bancos a cortar os preços demasiado elevados após a crise dos subprimes: sem o apoio do governo, os títulos perderam valor, o que fez que Citibank e vários grupos de investimento em apuros poupassem biliões. À custa de quem não podia pagar os mútuos. Mas isso não era um problema de Larry.

A razão

Mas porque Obama escolheria um criminoso como Summers para presidir a Federal Reserve?
É a pergunta é que está errada. A correcta é: quem escolheu Obama?
Dez anos atrás, Barack Obama não era ninguém, um simples político local, da zona sul de Chicago. Depois algo aconteceu. O quê?

Um banco local, o Superior, foi fechado pelas autoridades reguladoras por causa das hipotecas irregulares que prejudicavam a etnia negra. A directora do banco, Penny Pritzkera, estava tão irritada com os reguladores que decidiu eliminá-los: mas isso exigia um novo Presidente.

Os bilionários colocaram Obama em contacto com Jamie Dimon, da JP Morgan, e com Robert Rubin, ex-Secretário do Tesouro e também o ex Diretor Geral da Goldman Sachs e mentor de Larry Summers. Sem a bênção de Rubin e da sua impressionante capacidade de arrecadar fundos, Obama estaria ainda em Halsted Street a falar de planeamento urbano.

Rubin escolheu Obama e Obama escolhe quem Rubin escolhe.
Porque no final, Obama sabe que tem que escolher um chefe da Fed com base na pergunta: "o que pensaria a Goldman Sachs?".


Ipse dixit.

Nota: a base deste artigo é o trabalho de Greg Palast, investigador de fraudes corporativas e do crime organizado, reconhecido como "o mais importante repórter investigativo do nosso tempo" (Tribune Magazine) na Grã-Bretanha, onde as sua primeiras peças apareceram em programas da BBC e de The Guardian .

Relacionados:
O Grupo dos Trinta - Parte I
O Grupo dos Trinta - Parte II

Fontes: Tlaxala, Vice (1 e 2),  Wikipedia (versão inglesa)

1 comentário:

  1. maria24.9.13

    Olá Max: tudo bem, explicação pertinente que faz sentido. Mas deve haver mais coisas para justificar a presença deste sujeito Obama na presidência, porque criaturas medíocres e desconhecidas, porém espertas, sagazes, e sempre a disposição de quem os queira alçar ao lugar do grande poder visível existe aos montes. Ás vezes me pergunto: qual o segredo do "cara", ou de que segredo ele teria tomado posse para virar "o cara". Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...