20 setembro 2013

Um lento desaparecer

Ben Bernanke, o chefe da Federal Reserve, confirma: a produção de Dólares não para.
Já nem se fala de Quantitative Easing, agora é uma fábrica que trabalha sem pausas.

Continuando a comprar 85 biliões de Títulos do governo americano por mês, a Fed arrisca criar as condições dum holocausto financeiro: basta uma voz acerca da inflação dos EUA acima do esperado e todos os mercados começariam a vender a uma velocidade vertiginosa.

A aposta é: nada disso vai acontecer,  porque "as pressões inflacionárias estão sob controle". Era a mesma presunção que levou Alan Greenspan a manter as taxas de juros demasiado baixas por muito tempo: se a crise despoletou em 2008, foi também por causa destas escolhas..

Não é uma coincidência que, após o anúncio de Bernanke, o preço do ouro tem aumentado quase 5%: todos sabem qual o real valor do Dólar hoje, que se aproxima do zero absoluto, é papel, atrás do qual não há investimentos, não há crescimento, mas apenas contas para pagar (e cofres privados para encher).
O medo é constituído pelos possíveis cenários duma desvalorização oficial nos próximos dias.
Que fique claro: nada disso tem a ver com a Modern Money Theory, com a criação de dinheiro sem dívida em favor dos investimentos. Aqui falemos de dinheiro privado (de poucos, e não dos Estados) garantido pela dívida pública (de todos).

Mario Draghi, o chefe do Banco Central Europeu, diz que " o risco sistémico agora é inferior ao passado": fala ele que, enquanto presidente do International Stability Board (Conselho de Estabilidade Internacional), nem pressentiu o flagelo económico-financeiro que depois chegou em 2008.

A verdade é que os riscos sistémicos nunca foram tão elevados porque os orçamentos dos Países e dos bancos nunca estiveram tão entrelaçados.

Desde que os banqueiros centrais assumiram a tarefa de nos "salvar" da crise económica, ninguém está a salvo . A lógica desta super-burocracia internacional é perversa: Bernanke está preste à abraçar a sua dourada reforma e passar a batata quente da maior massa monetária da história nas mãos do seu sucessor.
Irresponsáveis perante as pessoas, comprometem o futuro de todos sem arriscar nada de próprio. Irresponsáveis por causa dos actos que ameaçam o sistema financeiro global, para garantir os privilégios e as reformas deles.

Na Zona NEuro o fantasma duma falência repentina dum País (Grécia? Portugal? Espanha? Italia?) parece ter sido afastado: não que a situação tenha melhorado, é que os dono da finança global têm aprendido a evitar falências. Suavizam, amaciam e camuflam os problemas com vários artifícios financeiros (os tais Quantitative Easing, LTRO, etc...). Basicamente: imprimem dinheiro. Usam os poderes dos bancos centrais para cobrir os buracos, justo o suficiente para evitar a falência e colapso. Desta forma, não haverá uma queda improvisa mas um lento desaparecer.

O jogo ficou descontrolado entre Outubro de 2008 e Março de 2009, mas foi apenas ao longo de poucos meses. O que também é normal: faz parte do sistema um periódico "descontrole controlado". Algo que traz vantagens também: saber isso e aprender a gerir um crash significa poder ganhar muito, não apenas dinheiro mas também poder.

Por isso, não haverá falência, porque sabem de poder criar todo o dinheiro que for preciso, tudo a partir do nada. E quando for preciso, simplesmente é criado. Mas pouca: apenas o suficiente para que os perigos duma falência fique abafado e tudo continue a funcionar, mas nada mais. Porque assim continuamos fracos, a vender as propriedades, as empresas e os bens públicos.

Mas quem pagará a conta? Como será possível apagar uma dívida pública global que é difícil até quantificar? Como elimina-la? Porque de paga-la nem se fala: é impossível.
Uma guerra? Ou quê mais?

A política gerida pelos banqueiros produz danos inimagináveis​​.

(...e bom fim de semana!)


Ipse dixit.

4 comentários:

  1. Anónimo20.9.13

    Este post explica a verdadeira origem da crise em que estamos mergulhados até ao pescoço: os bancos centrais

    Cá no rectângulo, cujo rating baixou para a categoria imediatamente abaixo de lixo, continua-se com o palavreado que a crise é Estrutural e toca a despedir funcionários públicos.
    Se despedissem os administradores e nacionalizassem os bancos centrais isso sim, rapidamente o panorama económico mundial mudaria de figura.

    Esta crise é Sistémica e não Estrutural. Custa assim tanto entender isto?

    Krowler

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. OLá Max, essa idéia de pagar é "coisa de pobre" ninguém vai pagar nada, criam-se mais dívidas e quando houver muitos zeros na conta, cortam alguns e tudo volta ao médio.
    E a população continua a vender suas vidas para ganhar o pão e não ver as belezas da terra que vão destruindo.

    ResponderEliminar
  4. maria22.9.13

    Olá Max:enquanto o fim dos tempos é anunciado (para os não privilegiados, é claro)do ponto de vista financeiro, busca, na próxima semana, se achares oportuno, que é feito daqueles retumbantes protestos a americana, aqueles protestos sociais contra wall street e a economia em geral, lá nos EUA. Ahhh, e os novos pobres da Grécia, Espanha, Portugal e outros rincões, já morreram todos ou foram ajudados por medidas globalizadoras? Ahhh,e se tiverem tempo,Max, e leitores de ii, vejam um filme deveras interessante: Diaz:política e violência (trata das medidas policiais e judiciárias em tempo de reunião do G8, em Gênova, em 2001) Inspirador! Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...